Crítica | Piranha 2 – Assassinas Voadoras

estrelas 2

Prepare-se, caro leitor. Piranha 2 – Assassinas Voadoras é uma daqueles sequências quase inacreditáveis, oportunistas e sem o mínimo de pudor em abordar piranhas que voam e atacam os banhistas de uma praia direto na jugular. Se fosse menos convencido e levasse as coisas na base da brincadeira, a avaliação desta sequência do ótimo Piranha, de Joe Dante, preocupa-se em levar-se á sério demais, tornando uma das comédias mais involuntárias da história do cinema.

No filme, Anne Kimbrough (Tricia O’Neil) é uma instrutora de mergulho que decide investigar a morte de um mergulhador, porém, durante o processo, descobre que os responsáveis são peixes parecidos com piranhas e que, pasmem, possuem asas. Na tentativa de resolver os possíveis problemas oriundos desta situação, ela tenta então convencer Tyler Sherman (Steve Marachuk), o gerente de um sofisticado resort local, a cancelar a celebração anual de peixe frito.

Seguindo o mote dos filmes do jawsplotation, esta sequência é repleta de lugares comuns. Um empresário inescrupuloso, mesmo ciente da tragédia anunciada, não abdica dos projetos e segue com suas ambições e coloca os protagonistas em perigo, além de acionar o combustível para que os conflitos rasos sejam apresentados ao público.

Os efeitos especiais não são um problema. Para a época e para o orçamento, até que convencem, mas o roteiro não ajuda em nada. É absurdo e como apontado anteriormente, desde o começo se convence da sua relevância, o que de fato não tem em nenhum aspecto.

Primeiro filme de James Cameron, Piranha 2 – Assassinas Voadoras é horrendo, mas desde a sua concepção já sabíamos da proposta abominável. Antes da incursão, Cameron havia trabalhado em filmes do Mestre Roger Corman, tais como Mercenários das Galáxias e Galáxia do Terror. No mesmo ano de lançamento, atuou como parte da equipe técnica do “clássico moderno” Fuga de Nova York. Anos mais tarde, seria reconhecido como o diretor de produções megalomaníacas, afinal, quem não lembra de Titanic, Avatar ou O Exterminador do Futuro?

Piranha 2 – Assassinas Voadoras não ganhou sequência, mas a franquia foi refilmada com tons de “baixaria” em 2009, além da continuação, Piranha 3 DD, uma das maiores aventuras pornográficas contemporâneas.

Piranha 2 – Assassinas Voadoras (Piranha 2: The Spawning) – EUA, 1981
Direção: James Cameron
Roteiro: James Cameron
Elenco: Lance Henriksen, Leslie Graves, Steve Marachuck, Ted Richert, Tricia O’Neil, Carole Davis, Tracey Berg, Arnie Ross.
Duração: 92 min.

LEONARDO CAMPOS . . . . Tudo começou numa tempestuosa Sexta-feira 13, no começo dos anos 1990. Fui seduzido pelas narrativas que apresentavam o medo como prato principal, para logo depois, conhecer outros gêneros e me apaixonar pelas reflexões críticas. No carnaval de 2001, deixei de curtir a folia para me aventurar na história de amor do musical Moulin Rouge, descobri Tudo sobre minha mãe e, concomitantemente, a relação com o cinema.