Plano Polêmico #30 | Crianças Podem Ser Cruéis?

00As crianças são patrimônios protegidos pela humanidade. Repletas de direitos que as encobrem do mundo de perversidades e violência da contemporaneidade, as pequenas sementes do futuro do planeta são tratadas, muitas vezes, por diminutivos, mudanças de voz dos adultos, tendo em vista indicar carinho ao encontra-las, bem como outras menções dengosas que denotam tanto protecionismo.

O que muita gente não consegue processar é que elas também são capazes de roubar, criar mentiras extremamente elaboradas, exibir arrogância demasiada, atos de maldade sistemática com ausência total de culpa/remorso, além de vandalismo, prazer em ferir ou humilhar animais ou pessoas, bem como atração por experiências mórbidas, além de agir de maneira explosiva ao ser contrariada, não demonstrar solidariedade e manipular emocionalmente por meio de chantagens.

No clássico Os Irmãos Karamazov, o russo Dostoievski faz uma afirmação, no mínimo, curiosa. Ele diz que “em todo homem, é claro, habita um demônio oculto, o demônio da cólera, o demônio do prazer voluptuoso frente aos gritos da vítima torturada, o demônio da luxúria sem peias”. Tal afirmação, presente neste importante livro da história da literatura mundial, pode despertar em nós, leitores, espectadores e internautas, a curiosidade sobre a presença do mal como algo inerente, manifestado na infância ou germinado apenas na fase adulta.

A maldade, palavra que pode ser definida como ausência de empatia, quando uma pessoa não é capaz de se colocar no lugar do outro, pode ser algo desenvolvido na infância, desde as primeiras interações de sua vida. Os filmes selecionados neste especial ilustram muito bem esta proposta reflexiva. Assim como a lista de produções sobre o tema, as considerações teóricas não são capazes de se encerrar por aqui. Segundo a Associação Americana de Psiquiatria, nenhum menor de 18 anos pode ser chamado de psicopata, pois a sua personalidade ainda não está totalmente formada.

Desta maneira, chamaremos as nossas lindas crianças cinematográficas de “cruéis” e “malvadas”. Você, caro leitor, provavelmente deve se lembrar de algum filme, geralmente polêmico, que retrata a trajetória de uma família ou grupo de pessoas aflitas e perseguidas por uma criança diabolicamente agressiva. O Anjo Malvado, A Inocente Face do Terror, Aniversário Macabro, Joshua – Filho do Mal, dentre tantos outros. Quando a criança não é o mal encarnado, parte de um plano sobrenatural, tal como A Profecia, A Cidade dos Amaldiçoados e O Enviado, as doces criaturas agem por conta de seus próprios instintos, semelhante aos personagens dos filmes descritos anteriormente.

O interesse aqui não é esgotar a lista de produções sobre o assunto, mas traçar um panorama crítico e reflexivo sobre um subgênero polêmico das narrativas que mesclam drama, suspense e terror: os filmes de crianças cruéis e assassinas. Antes de adentrar neste painel selecionado de histórias arrepiantes, torna-se necessário pavimentar o percurso com algumas considerações sobre a invenção da infância e uma breve discussão sobre a análise comportamental de crianças que exibem facetas como as mencionadas ao longo desta introdução. Vamos nessa?

Crianças, então, podem agir com crueldade?

O documentário A Invenção da Infância, lançado em 2003, sob a direção e roteiro de Liliana Sulzbach, retrata questões sobre as desigualdades sociais, apontando que ser criança ser sempre é ter direito à infância. O foco da análise de Sulzbach é sociológico, mas durante a construção de sua argumentação, a cineasta traz um panorama histórico da “invenção” da infância, algo tido como não natural, mas criado por volta dos séculos XVII e XVIII. Nesse período, as crianças eram tratadas como “pequenos adultos”, para logo depois, criar-se o imaginário de fase tranquila, perfeita, protegida, supostamente diferenciada das agruras da vida adulta.

Diante do exposto, eis a questão: como é possível haver crueldade, psicopatia e maldade em crianças, seres aparentemente tão puros? É preciso bifurcar-se pelos campos da Psicologia para compreender melhor. Segundo Glaucia Viola, editora da revista Psiquê, as atrocidades cometidas por crianças não fazem parte apenas do imaginário cinematográfico, mas parte de uma patologia existente na realidade.

No dossiê Crianças Cruéis, Cláudia Maria França Pádua, formada em Criminologia e grafotécnica, aponta que a infância não é um período apenas de aprendizados bons. Por mais paradoxal que nos pareça, diferente do que muitos acreditam, a infância é também um período que pode dar origem a crianças cruéis. Dos seis aos dez anos de idade, elas se organizam em grupos e brincam umas com as outras, para logo depois, canalizarem os seus instintos e desejos em competições escolares, tais como gincanas e outros jogos, ligas esportivas, etc.

Para os especialistas, a criança precisa, desde cedo, compreender as consequências decorrentes de suas atitudes. Ter noção do que é permitido ou não, conduzida com rigidez pelos responsáveis, pois caso perceba uma postura “amolecida” diante do processo, incorrerá na percepção da nulidade do processo. Sabemos que não é fácil a sociedade compreender tudo isso, principalmente por conta da ideia de lar como santuário, além da mencionada “invenção” da infância.

Como trouxe Freud, nós nascemos com programados para atender os nossos instintos, mas o mundo não nos permite ensaios deste tipo, o que causa o chamado “mal-estar da civilização”, debatido em filmes como as produções da franquia Uma Noite de Crime.  As crianças que apresentam tais distúrbios começam a apresentar os problemas por volta dos quatro anos de idade: desafiam a autoridade, maltratam flores do jardim, demonstram sexualidade precoce, danificam patrimônio alheio, além de se comportar com posturas de inveja, preconceito, mentiras, agressividade, impulsividade e pouca/nenhuma tolerância com o “outro”.

“Mal de Arquivo”: uma seleção de crianças assustadoramente indesejáveis

Ao leitor, adianto: não esgotaremos a lista. A ideia é mesmo um panorama, mas sem a pretensão de conquistar uma totalidade. A maldade das crianças no cinema demarca uma linha extensa e elástica capaz de propiciar diversos textos semelhantes. Como não sentir pavor diante das crianças criminosas em O Albergue II, uma delas, inclusive, morta violentamente pela “protagonista” na busca por sobrevivência?  Em Let’s Be Evil, narrativa semelhante ao clássico A Estirpe dos Malditos, uma experiência científica dá errado e programa crianças assassinas responsáveis por traçar um longo caminho sanguinário.

No desenvolvimento de narrativas conectadas aos elementos de ordem sobrenatural, encontramos crianças que são parte de um plano maior, do Anticristo aos extraterrestres. É o caso de A Profecia (1976 e 2006), A Aldeia dos Amaldiçoados (A Cidade dos Amaldiçoados na versão de 1995) e O Enviado, de 2004, com Robert De Niro, tragédia sobre um casal que perde o único filho e aceita a proposta de um clone, mas que infelizmente, vem acompanhado de uma entidade nada agradável. Caso 39, O Chamado e Colheita Maldita, dentro do esquema de análise, são narrativas peculiares, porque apesar de termos crianças aterrorizantes, prefiro observá-las como “vasos”, canais para o mal encontrar seu lugar na perturbação do cotidiano de humanos incautos.

The Godsend, de 1980, baseado no romance homônimo de Bernard Taylor, assustou os espectadores ao apresentar uma garota diabólica interessada em acabar com o casamento dos pais e de crédito, eliminar os irmãos adotivos. Macaulay Culkin mostrou ao mundo que podia ir além de Esqueceram de Mim e Riquinho ao interpretar o “malvado” Henry. Ele e a sua família recebem o primo Mark (Elijah Wood) depois da morte da mãe do garoto. Essa é a premissa de O Anjo Malvado: uma relação de amizade se estabelece, mas o visitante perceberá que seu primo é capaz de atrocidades inimagináveis pelos pais.

Um ano antes, Mikey, censurado no Brasil por um tempo, trouxe a história de acidentes e tragédias inexplicáveis a gravitar em torno do personagem título, interpretado por Brian Bonsall. Ele passa por várias escolas e lares adotivos e deixa um rastro longo de sangue e horror, semelhante ao trajeto de Esther (Isabelle Fuhrman) em A Órfã. A diferença é que a órfã que aterroriza a vida da personagem de Vera Farmiga traz um segredo revelado por meio de um plot twist abominável. Antes de revelar a sua real identidade, a garotinha mata aves, desfere golpes mortais de martelo numa freira e causa feridas físicas e psicológicas em seus irmãos.

Vera Farmiga, por sinal, precisou enfrentar outra criança cruel. Ela é Abby, em Joshua – O Filho do Mal, mãe do personagem título, interpretado com magnetismo por Jacob Kogan.  A família seguia um rumo tipicamente feliz: o pai é um corretor bem sucedido, as contas estão em dia e Abby deu a luz recentemente ao novo membro da família, uma irmã para Joshua. O problema é que animais de estimação morrem misteriosamente, o bebê chora constantemente e o garoto inicia um interesse mórbido por mumificação.

Tão assustador quanto o clã de Aniversário Sangrento, um “quase” slasher de 1982 sobre um trio de crianças responsáveis por cometer assassinatos na rua onde moram.  Caso fosse lançado nos dias atuais, a proposta ousada chocaria o público contemporâneo e seria germinação para as mais diversas hastags nas redes sociais. Antes de Aniversário Sangrento, no entanto, dois filmes deixaram as plateias perplexas e assustadas: A Inocente Face do Terror e A Semente Maldita, ambos mais elaborados dramaticamente, bem como em seus requisitos técnicos.

O primeiro, lançado em 1972, ambienta a sua narrativa nos anos 1930 e retrata dois irmãos gêmeos. Um é de natureza maligna, enquanto o outro, “bonzinho”, apenas observa os atos e não denuncia. As atitudes do malvado ficam cada vez mais obscenas e absurdas, o que coloca a vida de parentes e vizinhos em perigo. O segundo, lançado anteriormente, em 1956, nos apresenta a egoísta, mentirosa e cruel Rhoda Penmark (Patty McComarck), uma garota de rosto angelical que é capaz de elaborar planos diabólicos, principalmente quando questionada ou limitada de suas atividades que representam “a personificação do mal”.

A Semente Maldita ganhou refilmagem a ser lançada ainda em 2018, com produção do canal Lifetime. É aguardar para conferir se o clima estabelecido pelo clássico ganhará uma roupagem esteticamente/tematicamente atualizada e interessante. Diante do exposto, podemos confirmar que as narrativas ficcionais nos mostram que devemos desconfiar desse ideal imaginado de “crianças puramente inocentes”, afinal, Michael Myers e Jason Vorhees já foram crianças, por sinal, nada confiáveis.

Os interessados em mergulhar neste subgênero do terror pode anotar a lista a seguir para complementar as suas sessões: The Children, de 2008, ambientado no clima de natal, semelhante ao agonizante Perigo Próximo, de 2016, além de Quién Puede Matar a Um Niño, produção espanhola de 1976. Em 1992, Larry Pierce, guiado pelo roteiro de Phil Penningroth e Suzette Couture, realizou A Ira de Um Anjo, polêmico documentário feito para a televisão, focado na ausência de culpa e remorso da pequena Beth Thomas, uma criança extremamente perigosa, adotada e com passado trágico.

É uma das referências mais conceituadas nesta seara de reflexão.  Para finalizar, o questionamento: você, caro leitor, conhece narrativas semelhantes, com crianças tão perturbadoras como as apresentadas aqui?

LEONARDO CAMPOS . . . . Tudo começou numa tempestuosa Sexta-feira 13, no começo dos anos 1990. Fui seduzido pelas narrativas que apresentavam o medo como prato principal, para logo depois, conhecer outros gêneros e me apaixonar pelas reflexões críticas. No carnaval de 2001, deixei de curtir a folia para me aventurar na história de amor do musical Moulin Rouge, descobri Tudo sobre minha mãe e, concomitantemente, a relação com o cinema.