Sagas DC | Fim dos Tempos #10 a 24

estrelas 3

Após um início cheio de mistérios e perguntas a serem respondidas, a saga Fim dos Tempos, nos volumes 3, 4 e 5 da Panini (que coletam as edições originais #10 a 24), esclarece vários aspectos da história e consegue finalmente engrenar.

Se nas primeiras edições a saga não empolgava, a partir daqui os autores conseguem conduzir as tramas de uma forma mais interessante, através de algumas respostas e da utilização dos personagens da Terra 2, que jogam luz sobre a invasão da nossa Terra e sobre a guerra contra Apokolips. As tramas sobre a morte do Arqueiro Verde e do Cadmus são as que mais exploram os eventos que ocorreram nos últimos cinco anos, tornando-se duas das melhores da saga.

A evolução da história começa a revelar pontos em comum entre as tramas e o leitor já pode perceber como elas vão se interligando, fazendo toda a cadeia de eventos crescer. Vemos também o que aconteceu com o Batman, 35 anos no futuro, que havia sido ferido quando Terry partiu para o passado. O futuro dominado pelo irmão-olho, que desde o início já era um dos pontos fortes da saga, continua despertando interesse dos leitores.

fim dos tempos futures end

Destaque aqui para as sequências do Sr. Incrível interagindo com a inteligência artificial que controla o prédio da Incrivetec. As falas da IA são bem enigmáticas e possuem traços obscuros; ora parece querer influenciar as decisões do Sr. Incrível ora parece saber mais do que revela. Impossível não perceber a referência à relação entre homem e máquina abordada no filme 2001: Uma Odisseia no Espaço. Os desenhos, que em alguns quadros dão destaque à luz vermelha e redonda no computador, reforçam a ideia.

No filme a relação protagonizada por HAL 9000 e a tripulação da nave é bem mais aprofundada e cheia de significados, mas aqui não deixa de ter a sua relevância, pois está diretamente ligada ao futuro que Terry McGinnis tenta evitar. No futuro, após 35 anos, esta relação muda, pois o Sr. Incrível já é totalmente submisso e impotente diante do irmão-olho, mas por algum motivo permanece humano, diferente do destino da maioria dos outros personagens. É uma trama que ainda trará boas revelações. Há também uma ligação entre o sistema da Incrivetec,  Brainiac e o irmão-olho no Cadmus (prestem atenção aos balões de texto).

Estes elementos dão à história certo clima de insegurança, pois algo já está ocorrendo há algum tempo e não sabemos exatamente o que é. Pessoas e sistemas fazem parte de uma rede maior que está em ascensão e deseja controlar o planeta. Podemos aqui também traçar um paralelo com os conceitos abordados no livro 1984, de George Orwell. Fim dos Tempos não tem o viés político em tom crítico presente em 1984, mas há elementos em comum, como um regime tirânico e controlador do Grande Irmão (aqui personificado pelo irmão-olho), o futuro distópico e opressivo e a vigilância constante viabilizada pelas teletelas (as esferas VC em Fim dos Tempos).

fim dos futuros

No entanto, a saga ainda traz alguns problemas já vistos nos primeiros números. A trama do Nuclear continua fraca, o personagem Bandoleiro não emplacou, pois sua participação ficou meio deslocada e as sequências de Terry McGinnis são arrastadas. Com ele, a história quase não anda (e já estamos na edição 24!). Em contrapartida, personagens como Grande Barda, Arqueiro Verde, Superman, Constantine e Sr. Milagre fazem boas participações. No geral, a história está evoluindo e encorpando, podendo trazer boas surpresas na metade final.

The New 52: Futures End 10 – 24 (EUA, setembro a dezembro de 2014)
Publicação no Brasil: Fim dos Tempos — Volumes 3, 4 e 5
Roteiro: Brian Azzarelo, Jeff Lemire, Dan Jurgens  e Keith Giffen
Desenhos: Jesus Merino, Dan Green, Aaron Lopresti, Art Thibert, Patrick Zircher, Scot Eaton, Drew Geraci, Cully Hammer
Cores: Hi-fi
Capas: Ryan Sook
108 páginas (cada edição da Panini)

DANIEL TRISTÃO . . . Paulistano, gosto de quadrinhos desde criança, aos 10 anos me interessei por literatura ao ler suspenses infantojuvenis e ainda adolescente já assistia filmes como um dos meus principais hobbies. Alan Moore, Neil Gaiman, Warren Ellis, Stanley Kubrick, Martin Scorsese, Christopher Nolan, Agatha Christie e H.P. Lovecraft são alguns dos autores que mais admiro. Sou formado em Administração e trabalho com TI; leio livros, gibis e assisto filmes mais do que muita gente considera normal, mas menos do que eu gostaria.