Crítica | American Horror Story: Coven – 3X04: Fearful Pranks Ensue

estrelas 4Ryan Murphy é mesmo um tradicionalista nato. Se em Glee, uma de suas crias, os episódios de natal e dia dos namorados são quase que uma obrigação, em American Horror Story, os episódios Halloween são como a chave para o inferno para que o showruuner use e abuse das radicalizações que fazem parte da marca registrada de AHS.

Surpreendentemente, Fearful Pranks Ensue se mostra não apenas o episódio de Halloween mais contido da série, como também o mais contido da temporada. Que a série sempre foi uma salada de frutas, disso sabemos, e diante de tal fato, fica a pergunta: estaria Murphy já perdendo o fôlego nesta temporada? Afinal, já tivemos bruxas, minotauros, estupro, vodu, e desta vez até alguns zumbis foram inseridos. Bem, se a perda de fôlego já começou, ainda não está perceptível aqui, pois o episódio ainda segura uma boa parte do pique que se viu no início desta temporada.

Fearful Pranks Ensue é mais um episódio de flashbacks e novas revelações. A abertura, com o assassinato de um garoto negro por enforcamento, seguido por um ritual feito por Marie Laveau onde ressuscita um homem para vingar a morte do garoto. De início, parece uma sequência gratuita e um tanto fora de contexto, quando na verdade apenas nos dá um exemplo do que viria a seguir.

Desta forma, entre diversas viagens no tempo, o episódio brinca inteligentemente com a curiosidade do espectador. A morte de Madison pelas mãos de Fiona surge como um curioso mote para as revelações que vão surgindo ao longo da narrativa, indo desde a causa do silêncio de Spalding (é delicioso ver como Ryan Murphy extrapola o limite das ações em nome do amor), o auge de Fiona em sua eleição como a Nova Suprema, e até mesmo o desgosto de Myrtle, uma bruxa membro do conselho, diante do reinado irreverente e misterioso de Fiona.

As surpresas não se limitam somente ao clã de bruxas. O marido de Cordelia se revela um impiedoso serial killer, que seduz mulheres e logo depois as assassina friamente, agora que utilidade isto terá para a série, apenas o futuro irá nos dizer. Mas já posso afirmar que tal sugestão consegue ser bem mais interessante do que o drama de Cordelia em engravidar, uma subtrama tão clichê quanto pedante e que, felizmente, não deu as caras desta vez.

E como adição final (afinal, é um episódio de Halloween, “viajar na maionese” é permitido), temos a aparição dos já comentados zumbis, que na verdade são a antiga família de Madame LaLaurie, que pelo visto, irão causar pânico no episódio seguinte ao cercarem a escola das bruxas. Um acontecimento que abre portas para momentos eletrizantes.

Deixando alguns arcos de lado (e que deverão ter continuidade nos episódios vindouros), American Horror Story: Coven, apesar de seu comedimento em relação ao que foi visto anteriormente, nos entrega mais um episódio com deliciosas bizarrices e insanidades, jogando cliffhangers que tornam este o capítulo mais animador da temporada desde sua premiere.

American Horror Story: Coven – 3X04: Fearful Pranks Ensue

Showrunner: Ryan Murphy e Brad Falchuk

Roteiro: Jessifer Salt

Diretor: Michael Uppendahl

Elenco: Jessica Lange, Kathy Bates, Angela Basset, Sarah Paulson, Evan Peters, Lily Rabe, Taissa Farmiga, Emma Roberts, Chiaki Kuriyama, Denis O’Hare, Frances Conroy, Alexandra Breckenridge, Jamie Brewer, Patti Lupone, Gabourey Sidibe

Duração: 44 min.

RAFAEL OLIVEIRA. . . .Cinéfilo ainda em construção, mas que já enxerga na Sétima Arte algo além de apenas imagens e som. Amante de Kubrick e Hitchcock e viciado em música indie, cético e teimoso, mas sempre aberto para novas experiências e estranhas amizades.