Crítica | Derek – 1ª Temporada

estrelas 4,5

Derek é mais um acerto de mão cheia produzido pelo Netflix. Série britânica que tem o fantástico Ricky Gervais como showrunner, Derek conta a história de um amoroso homem que tem Síndrome de Down e trabalha como ajudante de um Lar para Velhos. Ele também é caçador de autógrafos, ama animais – principalmente gatos -, vídeos do Youtube com animais e é uma das pessoas mais carinhosas e apaixonáveis que se possa imaginar. Seus melhores amigos estão no Lar onde trabalha e ele faz de tudo para mantê-los por perto, enquanto cuida de seu adoráveis velhinhos.

A série é uma dramédia em formato documental, abordando diversas personagens durante os episódios e entrevistando-as, seja para dar opinião sobre o tema específico daquele capítulo ou seja como ponte narrativa para a história. Essas entrevistas são intercaladas com momentos de ação das personagens, eventos no Lar para Velhos ou atividades que Derek e os outros cuidadores fazem com os internos, como irem à biblioteca ou à praia.

Rick Gervais não poderia ser mais genial na concepção para o show. Apenas escrevendo ou falando a respeito, o formato parece chato, mas na prática é algo delicioso de se assistir. No início do episódio Piloto as entrevistas assustam, é verdade, talvez pela nossa descrença de que uma série inteira com esse estilo possa se sustentar, mas… como é bom ser surpreendido! A fluidez narrativa não é afetada pelo tom documental, ao contrário, é enriquecida, e os espaços de drama e comédia ajudam a brincar com os ápices dos episódios, alternando festas, piadas e brincadeiras entre os protagonistas e a separação causada pela morte de algum velhinho.

Além disso, Gervais faz uma oportuna reflexão sobre a relação entre pais e filhos, algo que toca profundamente e nos faz pensar a respeito. Muitas pessoas querem ter filhos porque isso faz parte de seu projeto de vida, algo sem o qual não seriam completos. Outras tem filhos apenas para seguir um protocolo, outras ainda para que tenham alguém que cuide delas na velhice (ter filhos nunca é um ato altruísta, né?). Num dos episódios dessa temporada de Derek, essa opção é bastante ironizada. Não há garantia alguma de que os filhos (ou as esposas ou esposos deles e delas) irão cuidar dos pais na velhice. Alguns tornar-se-ão adultos avarentos e mesquinhos, como a filha de uma das internas no Lar, que no dia da morte da mãe foi até o estabelecimento apenas para pegar o anel que tanto cobiçara da velha. É absolutamente triste ver uma coisa dessas, principalmente porque sabemos que isso acontece de verdade.

Mas não é só no roteiro ou na direção que Gervais se destaca. Sua atuação como Derek é simplesmente digna de premiação. É preciso assistir o programa para que se tenha noção do quão interessante e rica em detalhes é a construção da personagem de Gervais. Seja nos momentos de tristeza ou de alegria, ele consegue uma forma de cativar o público, uma estranho dom que Derek possui, tornando-se o mais popular e o mais querido funcionário do Lar.

O elenco de apoio também é fantástico, cada um contribuindo valorosamente para o andamento da série. Mesmo com personalidades e relações diferentes entre si, essas personagens se completam e formam um cenário absolutamente agradável de se ver, e para quem faz ou já fez trabalho voluntário, com certeza já encontrou um desses pelo caminho.

Com um episódio Finale capaz de fazer cair lágrimas dos olhos, a 1ª Temporada de Derek se mostrou uma agradabilíssima surpresa, e é muito bom saber que já foi renovada para a 2ª Temporada, mesmo tendo uma audiência decadente (algo que não consigo entender) durante sua exibição. Tomara que Gervais continue fazendo o ótimo trabalho que fez nesse ano para que a série tenha mais algumas temporadas pela frente. Esse é o tipo de show que você não quer que acabe.

Que venha a próxima temporada!

Derek – 1ª Temporada (UK, 2012/2013)
Showrunner: Ricky Gervais
Roteiro: Ricky Gervais
Direção: Ricky Gervais
Elenco: Ricky Gervais, Kerry Godliman, Karl Pilkington, David Earl, Kay Noone, Tim Barlow, Arthur Nightingale, Brett Goldstein, Sheila Collings, Margaret Towner
Duração: 23 min. (cada episódio)

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.