Crítica | The Fall – 1ª Temporada

estrelas 3

Stella Gibson (Gillian Anderson) é trazida de Londres para fazer a revisão de um caso sem solução em Belfast, na Irlanda do Norte. Chegando lá, ela acaba percebendo uma ligação entre o assassinato que deveria investigar e outro, anterior, o que a leva a concluir que está diante de um serial killer. Essa é a premissa de The Fall, série produzida em Belfast e criada por Allan Cubitt.

Mesmo que a série não tivesse mais nenhuma qualidade – e ela tem – a presença de Gillian Anderson (a agente Scully de Arquivo X) como protagonista já seria suficiente para se recomendar que o programa seja visto. Em cinco episódios de uma hora, ela vive a detetive Stella Gibson, extremamente calculista e cuidadosa, além de linda e sensual (mas sem qualquer uso apelativo dessas qualidades).

Sua presença arrebatadora combina com seu personagem forte em uma série com interessante e refrescante enfoque “feminista”. Do outro lado do espectro, temos o assassino em série Paul Spector, vivido por Jamie Dornan (isso não é spoiler, já que sabemos quem ele é desde o comecinho da série), introspectivo, metódico, só que extremamente pervertido e doente. Mas ele tem família: mulher e dois filhos e é, para todos os efeitos exteriores, bastante normal.

A série se esbalda em mostrar os detalhes dos preparativos de seus crimes, sem, no entanto, depender de mostrar os detalhes mais nojentos pesados. Outro aspecto interessante é o tratamento do trabalho policial de investigação (tipo C.S.I.) de maneira mais realista e respeitosa, quase que literalmente seguindo o manual. O roteiro desenvolve muito bem as personalidades de Stella e de Paul e consegue cativar o espectador desde o começo. O final – aberto – é também interessante e cria expectativa pela segunda temporada.

Há, também, uma história paralela, envolvendo a bandidagem local, que começa a se desenvolver a partir do segundo episódio, que não agrega absolutamente nada à trama principal e poderia muito bem ter sido cortada, já que ela só funciona para aumentar a duração de cada episódio e para desviar a atenção do espectador do que realmente importa. Por outro lado, na trama principal, os roteiristas caem na armadilha de apressar o final, criando coincidências e erros difíceis de engolir, que detraem muito do resultado final da série.

The Fall é um police procedural que funciona muito bem quando é isso: uma série sobre preparação de crimes e de investigação desses mesmos crimes, mesmo que tome alguns atalhos resolutivos aqui e ali. Quando a série tenta trilhar outros caminhos, envolvendo a brutalidade contra a polícia de Belfast e corrupção, aí ela acaba escorregando. No entanto, em apenas cinco episódios, a série segura a cadência e merece uma chance.

The Fall (Reino Unido/EUA – 2013)
Showrunner: Alan Cubitt
Direção: Jakob Verbruggen
Roteiro: Alan Cubitt
Elenco: Gillian Anderson, Jamie Dornan, Niamh McGrady, Sarah Beattie, John Lynch, David Beattie, Bronagh Waugh, Siobhan McSweeney
Duração: 300 min.

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.