Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Peter Pan (As Aventuras de Peter Pan – 1953)

Crítica | Peter Pan (As Aventuras de Peter Pan – 1953)

por Ritter Fan
198 views (a partir de agosto de 2020)

Depois de uma gestação complicada, de nada menos do que 18 anos, nascia As Aventuras de Peter Pan, ou apenas Peter Pan, o 14º desenho animado de longa metragem produzido pela The Walt Disney Company e que seria fadado a marcar gerações. A história de sua produção consegue ser tão interessante quanto sua narrativa, criada a partir da peça Peter and Wendy, do escocês J.M. Barrie.

Reza a lenda que Walt Disney adorava a história e queria que Peter Pan fosse seu segundo filme animado, imediatamente posterior a Branca de Neve e os Sete Anões, de 1937. Mas o destino faria de Peter Pan uma obra complicada, literalmente um filme que não queria nascer (quanto mais crescer). Mas Disney perseverou e, após um bom tempo negociando com o Great Ormond Street Hospital, de Londres, detentores em “perpetuidade” dos direitos autorais sobre a obra de Barrie, conseguiu a necessária licença em 1939.

A produção começou imediatamente, mas, em 1941, como todos sabem, os Estados Unidos entraram na 2ª Guerra Mundial e o estúdio de Disney foi ordenado pelo governo americano a somente produzir filmes que facilitassem o esforço de guerra. Em 1945, findo o conflito, o estúdio estava em péssimas condições financeiras e precisou de mais dois anos para começar a se recompor. Com isso, a produção de Peter Pan recomeçou vagarosamente.

Retomando as discussões do final da década de 30, Disney e sua trupe (Peter Pan seria o último filme a ser produzido por todos os famosos Nine Old Men, basicamente os fundadores do estúdio), toda a linha narrativa da obra original de Barrie recebeu tratamento novo com pouquíssimo aproveitamento de seus diálogos. Muitos reclamam até hoje – e há certa razão nisso – que pouco do espírito do trabalho primígeno permaneceu no desenho de Disney, mas, seja como for, o fato é que As Aventuras de Peter Pan é um inegável, inesquecível e encantador clássico que arrebatou e ainda arrebata gerações a fio, com personagens cativantes.

Quem não se lembra de Sininho (sempre usarei esse nome, não reclamem), Capitão Gancho, Wendy, Miguel, João, Sr. Smee e, claro, o personagem-título? Quem não houve um relógio das antigas e não se lembra, mesmo que lá no fundo da mente, de Tic-Tac, o irresistível crocodilo que engoliu um despertador e a mão do Capitão Gancho, cultivando um gosto especial pelo vilão?

Cada um dos personagens da história é rico, cuja história pregressa nós sentimos e vivemos. Os irmãos Darling são unidos e desejosos de aventura. Ficam vívidas em nossas mentes as aventuras que eles almejam viver, representadas pelas lutas e bagunça infantil que fazem em seu quarto, para o desespero da babá canina. Quando Peter Pan chega ao dormitório dos três caçando sua sombra, a conexão é imediata. Vemos a criança que não quer crescer levando as crianças que não sabem o que é crescer para um mundo de aventuras em que basta sacudir uma bela fadinha de vestidinho verde e pompons nos sapatos para que o pozinho mágico caia e, com um pensamento feliz, todos voem.

Como não se enternecer pela mágica história dos Meninos Perdidos que, apesar de bagunceiros e anárquicos, desejam mais do que qualquer outra coisa sentir o calor maternal e fazem de Wendy sua mãe postiça? Como não sentir ciúmes junto com Sininho quando ela vê que Wendy está tomando seu lugar na tribo? E como não ficar com raiva – mas aquela raiva gostosa de ter, exatamente como uma criança precisa ter e faz aquele rosto igual aos dos Garotos Perdidos em pose de luta quando tem – ao ver o Capitão Gancho sequestrando os irmãos para fazer uma armadilha para Peter Pan? E quando Tic-Tac chega então? Não dá vontade de aplaudir?

A narrativa montada pelo exército de roteiristas foge do convencional até então dos desenhos da Disney. Peter Pan não é simplesmente o menino bonzinho e herói. Sim, ele tem todos os predicados para isso, mas vemos nos traços de seu rosto que ele tem o peso da idade e uma certa sabedoria – talvez “malévola” – por detrás, ao mesmo tempo que uma certa inveja pela vida dos Darling, aninhados nos braços de seu pai, mãe e cadela dengosa. E o ciúmes doentio de  Sininho, que a leva a trair seus amigos para o Capitão Gancho nos faz coçar a cabeça: como assim uma fada é capaz de algo assim? Mas essa ambivalência é muito presente no trabalho original de Barrie e, pelo menos esse traço é mantido na imortal obra do estúdio, o que a retira do panteão que até então os espectadores estavam acostumados. O “bonzinho” e o “malvado” não são imediatamente definíveis. Claro, o Capitão Gancho é um pirata feio e isso nos leva imediatamente a torcer por Peter Pan, Wendy e sua turma, mas reparem bem como é trágico o antagonista. Trata-se de um pirata sem uma das mãos que vive com pavor de ser engolido por um crocodilo e que não consegue derrotar nem mesmo uma criança na Terra do Nunca. O sentimento que vem é o de pena, não exatamente o de raiva. E talvez seja por isso que o Capitão Gancho seja um dos vilões mais memoráveis do cinema animado, quiçá de toda Sétima Arte.

A animação da obra conseguiu sobreviver melhor ao teste do tempo que muitos outros desenhos mais antigos da Disney, como Branca de Neve, Dumbo e Bambi. Nâo que os outros não mantenham sua qualidade sensacional, mas Peter Pan tem uma consistência impressionante ao longo de toda a narrativa, com paletas de cores e filtros específicos para as cenas em Londres e as cenas na Terra do Nunca. Reparem o realismo das primeiras cenas em contraste com as cores vivas e um “quê” de sonho da Terra do Nunca. Aceitamos uma parte tão bem quanto a outra, sem nunca deixarmos de nos envolver com a criatividade dos cenários e o deslumbramento do “voo inaugural” das crianças por Londres.

As Aventuras de Peter Pan é um filme que continuará a encantar gerações e precisa ser guardado bem próximo do coração de qualquer cinéfilo, seja ele criança ou adulto. Afinal, não querer crescer, em muitos casos, pode e deve ser encarado positivamente e seguir a segunda estrela à direita até o amanhecer abre esse caminho e essa possibilidade.

Peter Pan / As Aventuras de Peter Pan (Peter Pan, EUA – 1953)
Direção: Clyde Geronimi, Wilfred Jackson, Hamilton Luske
Roteiro: Ted Sears, Erdman Penner, Bill Peet, Winston Hibler, Joe Rinaldi, Milt Banta, Ralph Wright, William Cottrell (baseado em peça de J.M. Barrie)
Elenco: Bobby Driscoll, Kathryn Beaumont, Hans Conried, Bill Thompson, Heather Angel, Paul Collins, Tommy Luske, Candy Candido, Tom Conway
Duração: 77 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais