Home FilmesCríticas Crítica | 22 de Julho (2018)

Crítica | 22 de Julho (2018)

por Luiz Santiago
293 views (a partir de agosto de 2020)

22 July 2018 de julho plano critico Paul Greengrass netflix

Vocês vão morrer hoje. Marxistas, liberais, membros da elite… esta é a frase que diz Anders Behring Breivik, quando entra em um salão de reunião, num acampamento para estudantes do Ensino Médio, e mata a todos os adolescentes que estavam no local. Interpretado de maneira aplaudível por Anders Danielsen Lie neste drama baseado em fatos, o personagem histórico foi responsável pelo hediondo atentado de 22 de julho de 2011, na Noruega.

Embora este filme escrito e dirigido por Paul Greengrass (com distribuição pela Netflix, causando furor quando de sua exibição no Festival de Veneza e indicação ao Leão de Ouro) não aborde de maneira didática os pormenores ideológicos ou mesmo políticos que motivaram os crimes de Anders Breivik, há informações suficientes sobre suas crenças e reprodução de cenas de tribunal que têm um forte poder de ferir e encolerizar o espectador. Na vida real, o criminoso é declarado membro de uma organização de apelo ao conservadorismo cultural radical chamada Os Cavaleiros Templários. Ele é autor de um Manifesto intitulado 2083 — Uma Declaração Europeia de Independência, sustentada por um viés ultranacionalista, anti-islã e anti-marxismo cultural, algo denominado por ele como “as duas maiores ameaças à Cristandade Moderna“. Ali também estão ideias de separação e extermínio de homossexuais, extermínio do feminismo, ideias eugênicas com diferentes formas de tratamento para indivíduos que não fazem parte “da mesma comunidade de irmãos noruegueses e europeus“, defesa do Estado de Israel, defesa de algo que ele chama  de “Cristianismo Puro” e das “tradições que sustentam a nossa civilização“.

No dia 22 de julho de 2011, Breivik matou 76 pessoas (a maioria adolescentes, em um acampamento político e escolar ligado ao Partido Trabalhista da Noruega) e feriu 97. Neste filme de 2h23, Paul Greengrass nos carrega pelo horror do atentado, começando com a preparação calma e eficiente do material para a explosão e das armas a serem utilizadas na ilha de Utøya, indo até o momento pós-julgamento do criminoso, que se entrega à polícia e enfrenta o Estado, pedindo para falar no tribunal, assumindo a culpa de tudo o que fizera e dizendo que, se pudesse, faria de novo. Segundo ele, esta era a sua missão. Ele era um soldado agindo pelo seu país. Na difícil e muito bem dirigida sequência de tribunal, temos interpretações memoráveis do elenco, uso muito bem pensado de trilha sonora e uma montagem que lembra bastante o ritmo de um documentário. E aí ouvimos Anders fazer a sua pregação, após uma Saudação Romana:

Hoje eu falo em nome dos europeus que foram privados de seus direitos étnicos, autóctones, culturais e territoriais. A acusação diz que sou louco. Fazem isso porque têm medo de mim. Porque cometi o mais sofisticado, o mais espetacular atentado político na Europa desde a II Guerra Mundial. E por quê? Porque a Noruega, a Europa, não são verdadeiras democracias. É democrático que uma nação não seja consultada sobre ela se tornar multicultural? Forçar sua população a tornar-se minoria em sua própria capital? Nas próximas décadas, muitos se darão conta e pegarão em armas, exatamente como eu fiz. Quando é impossível fazer uma revolução pacífica, a revolução violenta é a única solução. Exijo ser inocentado porque agi em defesa do meu país.

O que mais nos impressiona aqui é a maneira como o filme é dividido em blocos de ação que se resolvem internamente e, com a mesma qualidade, abrem espaço suficiente para o encadeamento de outro bloco, sem jamais cansar o espectador, a despeito da longa duração da fita. O ambiente de preparação e apresentação de personagens, os atentados, a investigação, o julgamento e as consequências são tratados com a devida importância pelo texto, cada um com uma duração que corresponde ao seu esgotamento dramático, ou seja, no momento imediatamente após o clímax de um ato, o diretor transfere a nossa atenção para uma janela narrativa ao lado, aberta no começo do filme e que, com o passar do tempo, ganha importância. Daí em diante ela é desenvolvida e fechada com precisão. Em cada uma dessas fases, percebemos um fio político expressivo que jamais finge que não está lá. Fala-se de políticas de imigração, de eleições, de racismo e de ideias de renovação política, tanto para quem está de fora do jogo, quanto para o Primeiro Ministro, para o Departamento de Segurança e de Comunicação.

Filmes com esse viés tendem a incomodar bastante, talvez menos pelas ideias políticas destacadas no texto do que pelas contrariedades morais e legais que observamos em outra nação e que nos atingem em cheio, justamente quando se considera um indivíduo como o criminoso em cena. Ao mesmo tempo, somos presenteados com uma discussão dessas práticas e dessas percepções vindas de diferentes pessoas e com distintas finalidades, por exemplo, na fala da mãe de Anders, quando diz “Ele… ele tem um pouco de razão, não tem? Do jeito que o país está. Não é mais como era antes…” ou na fala de um guru ideológico do criminoso, em dois momentos diferentes: “Sabe […] há muito medo e fúria lá fora. E é por isso que o futuro pertencerá a nós” e, no tribunal, “A direita alternativa, a extrema direita, pode chamá-los como quiser… levamos muito a sério o que se refere à tomada do poder, à mudança completa da sociedade. E atos isolados de um homem não nos ajudarão a alcançar este objetivo“.

Saturado nas diversas paletas de cores que tem, o filme nos fornece um ambiente visual o tempo inteiro opressivo, triste, mesmo nos familiares, o que jamais tira a relação de afastamento e julgamento do espectador pelo que está acontecendo na tela; um afastamento (e ao mesmo tempo, um mergulho emotivo em cada ato) necessário para esse tipo de obra, onde há muita coisa para ser vista e pensada. Intenso, polêmico, político, 22 de Julho é uma obra sobre o ponto final de uma ideia extremista: sempre matar para impor aquilo que, por algum motivo, acredita-se que é “para a salvação de todos“.

22 July (Noruega, Islândia, EUA, 2018)
Direção: Paul Greengrass
Roteiro: Paul Greengrass
Elenco: Kenan Ibrahimefendic, Anders Danielsen Lie, Jon Øigarden, Marita Fjeldheim Wierdal, Isak Bakli Aglen, Marit Andreassen, Lars Arentz-Hansen, Trim Balaj, Maria Bock, Ingrid Enger Damon, Tone Danielsen, Lena Kristin Ellingsen, Martine Sørumgård Granlien, Thorbjørn Harr, Charlotte Bottolfsen Iversen, Elias Peña Corral
Duração: 143 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais