Home FilmesCríticas Crítica | A Arte de Ser Adulto (The King Of Staten Island)

Crítica | A Arte de Ser Adulto (The King Of Staten Island)

por Michel Gutwilen
1890 views (a partir de agosto de 2020)

Ao retirar os acessórios que cobrem os esqueletos do argumento de O Virgem de 40 Anos, a primeira direção de Judd Apatow, e de A Arte de Ser Adulto, seu mais novo filme, vemos que as diferenças não são muitas. Ambos são sobre homens adultos que agem como crianças por conta de traumas do passado e prolongam mais do que deveriam a fuga de suas responsabilidades. Porém, se, em 2005, o alvo de piadas era o nerd velho sem experiência sexual, cujo arco de desenvolvimento tinha como objetivo conseguir se relacionar amorosamente, em 2020, o protagonista é o “recém-adulto” que ainda se acha adolescente, mesmo tendo 24 anos, apenas fumando maconha e sendo um aspirante a tatuador, tendo agora que amadurecer. 

Scott Darlin (Pete Davdison, que também co-escreve o roteiro, baseado vagamente em sua vida) acumula todas as características típicas de uma geração maconheira moderna que o transformam mais em um arquétipo e menos numa pessoa real. Logo, o primeiro ato do filme estabelece essas marcas do protagonista. Descobre-se que ele usa antidepressivos (que acarretam problemas sexuais), têm o café da manhã na mesa pela mãe, passa a maior parte do tempo fumando maconha e jogando video game, evadiu da faculdade de artes por ter déficit de atenção, usa o corpo de seus amigos (e crianças) para testar suas habilidades na única coisa que ama, a tatuagem, além da rebeldia ao se portar diante de eventos sociais. 

Dito isso, A Arte de Ser Adulto não é um daqueles filmes em que a localização é apenas um pano de fundo e poderia ser qualquer cidade do mundo, mas, teoricamente, Staten Island, a ilha adjacente a cidade de Nova Iorque e que certamente não possui seu charme, é um personagem central à trama. Tanto que o título original do filme se chama “O Rei de Staten Island”. De certo modo, a primeira metade da narrativa se assemelha a Os Boas-Vidas, clássico de Federico Fellini, no qual jovens apenas vagueiam sem rumo pela cidade pequena, cujas cenas mais seguiam uma estrutura episódica e menos uma progressão narrativa. Aqui reside o maior êxito de Judd Apatow: quando seus personagens estão perambulando por pátios de orfanatos vazios e praias desertas, conversando sobre o nada e suas desilusões, ocupando espaços abandonados de uma ilha medíocre. Inclusive, decadência essa que a fotografia exagera ao tentar dar um tom pessimista, com um cinza nublado contaminando todo a estética. 

É aqui que está o resquício de uma mise-en-scène por parte de Apatow, não em movimentos em câmera elaborados, mas na estética meio niilista, no deboche encarnado pelo ator-revelação Davidson, que parece mais um cadáver branco de olhos cavos e marcado de tatuagens, além do próprio figurino sempre provocativo e rebelde vestido por Scott. Durante estes momentos, não há julgamentos do diretor, que entende aquelas pessoas como fruto da realidade que vivem, o que fica até bem explícito na sequência até literal demais em que há uma luta dos garçons por gorjetas. Mas o que se segue não é a exploração e o desenvolvimento de tal aspecto socioeconômico. A história vira quase que freudiana e se rende aos padrões hollywoodianos de roteiro no qual as ações parecem existir apenas para levar seus personagens a algum lugar. Explico: sendo órfão de um pai, que morreu salvando uma vida como bombeiro, Scott passa a surtar quando sua mãe (Marisa Tomei), após anos, decide se relacionar novamente com um homem (Bill Burr), também um bombeiro. Assim, de maneira previsível, o longa se torna sobre o aceitamento por parte do jovem em relação ao padrasto e o desenvolvimento de uma relação de ambos. 

Portanto, a frustração deste que escreve não cai no erro de reclamar daquilo que ele queria que A Arte de Ser Adulto tivesse sido e nunca prometeu ser, mas de algo que foi apresentado, flertado (até pelo próprio título!) e depois deixado em segundo plano. O filme deixa de carregar uma ambiguidade sobre fracasso de seu protagonista como consequência do meio e de seus traumas pessoais, virando apenas o segundo. A partir disso, as escolhas narrativas mais preguiçosas e literais possíveis são tomadas para que Scott evolua. Ele presencia do padrasto sendo um herói, passando a valorizá-lo; ele mesmo salva uma pessoa; descobre defeitos do pai; vê amigos que escolheram o caminho errado sendo presos; além de ser acolhido pela força de bombeiros. Até por isso, boa parte da ação passa a ser em cenários interiores e, aí sim, podemos dizer que Staten Island deixa de ser uma personagem.

Não que nada se salve da segunda metade de A Arte de Ser Adulto, porque as cenas em que Scott está com os filhos do padrasto soam mais genuínas e menos como um artifício de roteiro, uma vez que Apatow é um bom escritor de diálogos (o que é diferente de criar uma história coesa). No fim, a evolução do protagonista é como a de Andy, em O Virgem de 40 Anos. Eles não rejeitam completamente suas personalidades, mas a mudança vem justamente de saber como melhor aproveitá-las e potencializá-las. Portanto, significativo (e cara de pau, visto que tal aspecto foi esquecido ao longo do filme) que a última sequência seja justamente a travessia de Staten Island para Nova Iorque, com os céus de Manhattan se impondo sobre ele representando a possibilidade de uma nova vida após finalmente exorcizar os traumas e inseguranças do passado.

A Arte de Ser Adulto (O rei de Staten Island)  – EUA, 2020
Direção: Judd Apatow
Roteiro: Judd Apatow, Pete Davidson, Dave Sirus
Elenco: Pete Davidson, Marisa Tomei, Steve Buscemi, Bill Burr, Bel Powley, Maude Apatow, Pamela Adlon, Action Bronson, Kevin Corrigan, Ricky Velez, Moisés Arias, Lou Wilson.
Duração: 137 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais