Home QuadrinhosArco Crítica | Detective Comics: A Ascensão dos Homens-Morcego

Crítica | Detective Comics: A Ascensão dos Homens-Morcego

por Luiz Santiago
0 views (a partir de agosto de 2020)
Detective-comics-934-plano-critico

estrelas 4

Leiam aqui as nossas críticas do Universo DC: Renascimento.

Certo. Então a DC retomou a contagem da revista Detective Comics, considerando o cumulativo da fase dos Novos 52 e, neste primeiro arco após a retomada, trazendo as edições #934 a 939, apresentando uma história que mata dois coelhos com uma tacada só: primeiro, ao fazer uma coerente passagem até o momento pré-Novos 52, e segundo, ao transformar esse retorno em um recomeço que, na verdade, é uma continuação. Parece complicado, mas não é. Levando em conta a passagem do tempo, o roteirista James Tynion IV seguiu com o drama de Gotham em um “estado de sítio mudo”, com coisas medonhas se erguendo atrás das cortinas e Batman preparando-se para combater a ameaça. Parece mais do mesmo. Mas só parece…

Velhos rostos, velha dinâmica e uma nova forma de levar adiante um drama ameaçador, eis a grande sacada do texto de Tynion IV e a verdadeira proposta da DC para a fase de Renascimento. Em A Ascensão dos Homens-Morcego, estamos diante de um “novo grupo” convocado pelo Morcegão. São recrutados Robin Vermelho (Tim Drake), Salteadora (Stephanie Brown) e Órfã (Cassandra Cain), que devem seguir não a liderança de Batman, mas de uma personagem sensacional que nunca esteve em trabalho de destaque — e de maneira regular — junto ao Cavaleiro das Trevas, a badasss Batwoman (Kate Kane). Existe um outro personagem no grupo, mas não vou falar quem é. Apenas ressalto que o leitor precisará ter a mente aberta e muito boa vontade para poder aceitá-lo nessa formação. Isso, e a revelação de quem é o vilão/organização que enfrentam nessa precoce ascensão.

batman-detective-comics-plano-critico

Uma [bat] caverna bem diferente… Um novo propósito…

A primeira impressão que temos é que não houve nenhuma interrupção dramática na sequência de histórias para os personagens do arco. Isto é, se o leitor está relativamente ciente de quem é quem no Universo DC. Existe uma grande naturalidade na narração e o desencadeamento da história é forte o bastante para nos manter ocupados, procurando por pistas e torcendo para que cada membro dessa [bat]família consiga fazer o seu trabalho a contento, uma prece muda atendida com louvor pelo autor, que só não consegue melhores resultados porque adota uma linha que conta com a desconstrução rápida de conceitos por parte do leitor (para um dos membros do time de Homens-Morcego e para o vilão da saga), o que não é nada fácil de se fazer e que acaba pesando um pouco na verossimilhança. Por ser apenas uma escolha pautada por desconstrução, não temos, de fato, algo ruim aqui, mas certamente é uma peça que diminui a força que a história teria se as escolhas fossem outras.

Mas sabem de uma coisa? Ainda bem que o roteirista fez isso. E que bom que a DC permitiu esse tipo de ousadia. O choque demora um pouco para passar, mas o roteiro elenca esses personagens de maneira tão cativante que não há como fugir deles ou rejeitá-los, mesmo achando estranho as ações de um ou outro. O bom dessa história é que não existe descaracterização, apenas uma readequação de espaço e condições de luta. Cada um mantém as principais características pelas quais os conhecemos no passado, e isso é realmente muito bom [importante: levem em consideração a passagem do tempo!].

A equipe artística realiza um trabalho excepcional do começo ao fim. Há algumas mudanças no grupo de desenhistas, finalistas e coloristas ao longo do arco, mas a qualidade da arte não cai. A escolha para momentos bem específicos de diagramação imaginativa é bem-vinda, não sobrecarregando o leitor e fazendo das páginas onde aparecem cenas únicas de boa estrutura visual a serviço do texto, a mesma coisa que podemos dizer das páginas duplas, que mesmo não trazendo sempre épicas cenas, servem como uma melhor distribuição de diálogos mais densos, dentre os quais a conversa entre Kate e seu pai Jacob e entre Kate e Renee Montoya são as mais marcantes.

detective-comics-batman-plano-critico

Um outro ângulo do passado: Bruce Wayne e Kate Kane.

O término do arco, na verdade, não é um término. Existe uma ação suspensa que dará início ao segundo volume de aventuras dessa fase Rebirth da Detective Comics, mas o drama da ascensão dos Homens-Morcego (que tem duplo sentido na história) é bem narrado e se completa aqui. As “pontas soltas” foram escolhidas a dedo e a capacidade de deixar o leitor curioso pela sequência da história só prova que com um pouco mais de leveza e imaginação é possível fazer personagens clássicos e algumas batalhas já bastante manjadas parecerem mais novas do que realmente são. E isso é algo bastante positivo. Que bom que a Detective Comics foi retomada em alto estilo!

A Ascensão dos Homens-Morcego/The Rise Of The Batmen (Detective Comics #934 – 939: Renascimento) — EUA, 2016
Roteiro: James Tynion IV
Arte: Eddy Barrows / Álvaro Martínez / Al Barrionuevo
Arte-final: Eber Ferreira / Raúl Fernández / Al Barrionuevo
Cores: Adriano Lucas / Brad Anderson
Letras: Marilyn Patrizio
Capas: Eddy Barrows, Eber Ferreira, Adriano Lucas, Álvaro Martínez, Raúl Fernández, Tomeu Morey
24 páginas (cada edição)

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais