Crítica | A Casa Que Jack Construiu

the-house-that-jack-built a casa que jack construiu plano critico mostra sp 42 mostra sp

Por não gostar da pessoa de Lars Von Trier e, por tabela, ter desenvolvido um certo afastamento de sua filmografia (embora sempre tenha defendido que Dogville e Melancolia são obras-primas) eu fui para a sessão de A Casa Que Jack Construiu, na 42ª Mostra SP, com a certeza de que iria odiar o filme. Primeiro, aquela polêmica com a debandada em massa do público no Festival de Cannes. Depois, a realização de que o filme trazia “violência contra crianças“, algo que nunca é interessante ou fácil de se ver nas telas, especialmente num filme de alguém tão “sem regras” quanto este diretor. Mas o filme, por incrível que pareça, não aciona a justificativa de afastamento inicial que eu — e creio que muitos de vocês — normalmente temos para o tratamento da violência em uma obra de arte. Aqui, ela não é gratuita.

O roteiro, escrito por Von Trier em parceria com Jenle Hallund não se nega em nenhum momento, e o espectador deve ter em mente a regra básica de qualquer obra de arte, no que concerne à coerência: ela precisa entregar para o público exatamente o que promete e esta entrega deve ter ingredientes cênicos marcados por um propósito, ou seja, não estar na tela unicamente para chocar. A sinopse e o trailer do filme deixavam claro o que se deveríamos esperar aqui. Jack (Matt Dillon, em uma interpretação que não exige muita coisa dele além do deboche e da cara de psicopata), ao longo de 12 anos, comete diversos crimes. Ele é um serial killer que tem um amplo conhecimento de artes e que pratica a violência num caminho pessoal para atingir prazer, se livrar da dor interna e criar algo artisticamente. Daí para frente, o que temos de elemento gore na fita, não está deslocado e nem o diretor está querendo mostrar demais para chocar. A Casa Que Jack Construiu não é O Anticristo.

É evidente que a percepção de “excesso” ou qualquer outra contrariedade em relação ao uso da violência aqui vai mudar de espectador para espectador. Quanto é demais em um filme sobre um serial killer? Isso condiz com o que o filme propõe? É válido dentro da obra? Ou o espectador deixará a discussão de construção de roteiro de lado e começará a discutir moral e ética? Nessa ponto, separações podem acontecer, e não vejo muitas conciliações aqui. É normal, porque a situação é extrema e desconfortável. Na minha leitura, todavia, nenhuma delas está aqui quando “não deveria estar”. Os cartazes de divulgação da obra já diziam que a película estaria dividida em “incidentes”, ou seja, crônicas de assassinatos cometidos por Jack, histórias de como essas escolhas aleatórias, em uma conversa com Virgílio (Bruno Ganz), se ligam a diferentes concepções do personagem para a arte. E neste ponto o filme ganha uma outra camada, fugindo do óbvio.

O título do longa vem de uma rima tradicional britânica que é equivalente à nossa A Velha a Fiar. Na rima, Jack constrói uma casa e nela, guarda grãos; aí vem o rato que come o grão; depois o gato que come o rato… bem, vocês sabem até onde isso vai. Esta mesma dinâmica anunciada no título, de narrativa em abismo, é utilizada pelo roteiro, onde vemos aparecer personagens que serão afetados ou consumidos pelo mais forte, logo no verso seguinte. Como um artista (e ao que parece, também um profissional) fracassado, a única coisa que Jack consegue fazer bem é causar sofrimento aos outros, contando com uma boa dose de sorte, desprezo dos moradores da região onde mora e, claro, uma grande dose de absurdo do texto, que expõe e literalmente tira sarro de situações fáceis demais para o personagem. A narrativa em off, cuja explicação vem em alto estilo no fim do filme, toma o espectador pela mão e, diante dele, tenta construir uma casa com diferentes materiais artísticos, utilizando diferentes formas, modelos, correntes. Jack é Lars Von Trier tirando o maior sarro de si mesmo.

A questão da assinatura na direção pode ser um problema para alguns, novamente. Como se sabe, o diretor tem um modelo específico de guiar algumas cenas e, aceitá-las ou vê-las como boas ou ruins, vai de cada espectador. Minha relação com o estilo de Von Trier é bastante volátil, mas aqui, penso que ele funcionou muito bem. Meus problemas com o longa estão mesmo na montagem (cada ato poderia ser um pouco mais curto, porque no conjunto, eles dão informações suficientes para ligar o protagonista a uma discussão sobre arte, não há necessidade alguma de alongar isso), principalmente na primeira parte da caminhada de Jack e Virgílio. Neste ponto, vemos cenas muito rápidas e que parecem inteiramente desconexas, especialmente a que reproduz uma certa pintura de Eugène Delacroix, cena de beleza estonteante, mas que está mal colocada pela edição.

Por que alguém é cruel? A arte serve como espaço de sublimação de desejos perigosos? O artista passa para o cinema, para as artes plásticas, música, escultura, todos os horrores que não consegue fazer em sociedade? Esses dilemas são colocados no filme exatamente como os pensamos, entre o real e o irreal, situação diante da qual Von Trier se descortina. Ele é professoral? Sim, é, mas a narrativa é propositalmente construída assim. Goste ou não goste dela, a narração e as lições de arte estão ligadas em imagem e conceito ao núcleo da obra, seja pela mudança de tom da fotografia a cada ato ou pelo tipo de planos predominantes que o diretor escolhe para nos mostrar aquele determinado “incidente”.

Majoritariamente acompanhados por Fame, de David Bowie, os blocos da fita corrompem ao máximo (no sentido mais positivo possível) a ideia de que nascemos nus e com fome. Essas duas situações irão se costurar com a tapeçaria artística nas paredes da casa que Jack construiu, uma casa que é tanto a inspiração quanto a execução; a vontade e o prazer de fazer; a realização de entregar algo para que os outros (nós, o público) se sinta descendo pelos círculos do inferno. Então vem a pergunta pessoal: isso é válido na arte? Ou é só a justificativa que precisamos para dizer a um certo alguém que “Caia na estrada, Jack e não volte nunca mais / nunca mais, nunca mais, nunca mais / Caia na estrada, Jack e não volte nunca mais“?

A Casa que Jack Construiu (The House That Jack Built) — Dinamarca, França, Alemanha, Suécia, 2018
Direção: Lars von Trier
Roteiro: Lars von Trier, Jenle Hallund
Elenco: Matt Dillon, Bruno Ganz, Uma Thurman, Siobhan Fallon Hogan, Sofie Gråbøl, Riley Keough, Jeremy Davies, Ed Speleers, David Bailie, Ji-tae Yu, Christian Arnold, Cohen Day, Rocco Day, Jerker Fahlström, Osy Ikhile, Marijana Jankovic, Johannes Kuhnke
Duração: 155 min.

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.