Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Dama do Espelho: O Ritual das Trevas

Crítica | A Dama do Espelho: O Ritual das Trevas

por Luiz Santiago
874 views (a partir de agosto de 2020)

Lendas sobre criaturas que podem ser invocadas ou vistas através de espelhos existem em diversas culturas. Neste longa-metragem de 2015, conhecemos a versão russa da história, com a invocação da Dama (ou Rainha) de Espadas através do desenho de uma porta + uma escadaria num espelho, feita com um batom e seguida de três chamadas pela entidade. Com uma boa base para o terror e misturando tópicos da cartilha americana com nuances particulares e interessantes de se fazer susto, A Dama do Espelho: O Ritual das Trevas até que consegue introduzir e começar a desenvolver bem o tema, mas acaba estrando tudo no ato final, após um falso clímax.

O roteirista e diretor Svyatoslav Podgaevskiy consegue criar uma boa escalada para a trama, primeiro apresentando os adolescentes ligados à invocação e depois trabalhando passo a passo as consequências desse despertar. E por mais que a gente já comece a revirar os olhos diante do elenco e questione a intenção do próprio roteiro com algumas condições para os personagens (o pai e sua saída do trabalho — aparentemente para nunca mais voltar — foi a pior de todas), a atenção do texto está mesmo na forma como os mais jovens e depois um adulto lida com o sobrenatural. Não há novidade alguma na temática, mas o tratamento para o medo tem sim a identidade do diretor e também escolhas que são a marca da cultura russa.

A primeira sequência da obra é muito bem filmada. A câmera se aproximando como se fosse ela mesma uma espécie de entidade, a observação atenta da narração, o belo contraste de cores no set, com o verde da parede do quarto mais o filtro que gera a atmosfera aconchegante e ao mesmo tempo amedrontadora daquele lugar estabelecem bem o cenário para o início do conto. No decorrer da obra, teremos outros bons ajustes visuais nessa linha, como na cena do banheiro durante o velório do primeiro garoto morto, a cena no quarto de revelação das fotografias e a sequência final no hospital, embora apenas a parte visual desse momento do filme se salve, porque o roteiro, a esta altura, já estava perdido.

Como é mais comum nos terrores vindos de culturas fora dos EUA, a explicação ou o entendimento do elemento maligno da vez vai se dando mais a partir de uma reação em cadeia do que por elementos didáticos do roteiro. O cânone se mantém (ou seja, a carga psicológica), mas a forma como isso é explicitado para o espectador demora mais para ficar pronta, o que é curioso de se acompanhar e faz com que a gente experimente de outro modo as reações dos personagens através dos sustos no processo. Meio burocrático às vezes e com sérios problemas dramatúrgicos (não é durante todo o tempo, mas o elenco aqui é majoritariamente fraco), o filme ainda segura  bem a nossa atenção… até que vem o falso clímax e, para nossa tristeza, percebemos que há mais uns 35 minutos pela frente. A partir daí experimentamos um outro tipo de terror: o de uma obra boicotando a si mesma.

Da luta perceptiva e física contra uma entidade, o filme muda de tom e abordagem: vira uma história sem graça de possessão, mostra a pior atuação da atriz mais nova, os piores efeitos práticos, uma direção fraca e diálogos aleatórios, tudo para tentar encaixar esse novo momento de luta contra a Dama, agora habitando o corpo de Anna (Alina Babak), embora não fique só por aí. Tudo bem que a “finalização” anterior não tinha exatamente cara de final, mas qualquer coisa que eu esperava que viria a seguir, não passava nem perto do estrago que esse ato final da obra nos trouxe. Aquele tipo de pedaço do filme que vem com uma faixa em letras garrafais: “estou aqui só para estragar a sessão de vocês“. Vai ver, é um tipo de maldição também. Com certas coisas não se brinca…

A Dama do Espelho: O Ritual das Trevas (Pikovaya dama. Chyornyy obryad/Пиковая дама: Чёрный обряд) — Rússia, 2015
Direção: Svyatoslav Podgaevskiy
Roteiro: Svyatoslav Podgaevskiy
Elenco: Alina Babak, Valeriya Dmitrieva, Igor Khripunov, Evgeniya Loza, Sergey Pokhodaev, Valentin Sadiki, Vladimir Seleznyov
Duração: 92 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais