Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Hora do Pesadelo 3: Os Guerreiros dos Sonhos

Crítica | A Hora do Pesadelo 3: Os Guerreiros dos Sonhos

por Lucas Nascimento
414 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 4

Obs: Leia sobre os demais filmes da franquia, aqui.

Mesmo com a recepção medíocre de A Vingança de Freddy, sua arrecadação maciça imediatamente garantiu a produção de um novo capítulo de A Hora do Pesadelo. Porém, dessa vez, os produtores da New Line esperaram mais tempo para começar o projeto e conseguiram de volta o apoio de Wes Craven, que retornou para ajudar no roteiro daquele que viria a ser o melhor filme da série depois do original: Os Guerreiros dos Sonhos.

Mudando totalmente a ambientação dos primeiros filmes, o roteiro assinado por Craven, Bruce Wagner, Frank Darabont (é) e o diretor Chuck Russell situa toda a trama em um hospital psiquiátrico. A jovem Kristen Parker (papel de estreia de Patricia Arquette) é enviada para a instituição após ser atacada em um sonho pelo maníaco Freddy Krueger (Robert Englund), que a atacou de forma que simule uma tentativa de suicídio. Lá, ela conhece a agora Dra. Nancy Thompson (Heather Langenkamp),que ajudará ela e um grupo de pacientes a encontrar uma forma de repelir Krueger.

Era disso que os fãs precisavam. Depois da decepcionante fantasia homoerótica em A Vingança de FreddyGuerreiros dos Sonhos enfim entende o vasto potencial de Freddy Krueger e a maneira certa de explorar suas habilidades. Ao brincar mais com a lucidez do mundo dos sonhos, o filme abraça fortemente a fantasia e substitui os sustos por uma quantidade elegante de gore e efeitos especiais. Claro, uma fantasia, mas uma fantasia altamente sombria. É aqui que Freddy começa a ficar mais imaginativo, rendendo memoráveis sequências como aquela em que se transforma em uma cobra gigante, sua súbita aparição de dentro de um televisor (“Welcome to prime time, bitch!”) e, claro, a mais elaborada cena de morte da franquia – e uma das melhores do cinema, provavelmente – quando o assassino surge como um grande ventríloquo e faz do pobre Phillip (Bradley Gregg) uma marionete humana com suas veias e tripas. O fato de a série nunca ter sido indicada a um Oscar por seus efeitos de maquiagem é realmente assustador.

Guerreiros também se beneficia de um elemento-chave: Nancy compartilha com os pacientes do instituto suas próprias experiências com Krueger e, após anos estudando a psicologia dos sonhos, começa a ensiná-los a lutar de volta. Entra o elemento do sonho lúcido, isto é, quando estamos sonhando e temos noção de que tudo é de fato um sonho; então se isto se passa apenas em minha mente, posso manipular tudo à minha vontade, não? Esta é a lógica do roteiro para que o grupo de jovens desequilibrados combata Krueger, e empolga. Temos um duelo de facas e seringas, saltos mortais na parede e até um garoto transformando-se em um mago, tendo Krueger manipulando seus medos de forma grandiosa; a luva formada por seringas e a mortal cadeira de rodas mecânica são alguns exemplos notáveis.

Aqui, também temos a introdução sobre o passado de Freddy, algo que viria a ser explorado fortemente nos capítulos adiante. É interessante pelo mistério criado em torno da freira vivida por Nan Martin (cuja aparição consegue ser tão sinistra quanto o próprio Krueger), mas resulta em um clímax um tanto… incomum, mesmo se tratando para um filme sobre sonhos. A ideia de o esqueleto de Krueger reaparecer e travar um duelo com policiais é bizarra, mas garante efeitos de stop motion que deixariam Ray Harryhausen muito orgulhoso. E ainda que a sala da caldeira seja o ambiente mais importante da mitologia, já começa a ficar repetitivo o fato de todas as confrontações com o personagem acabarem por lá; mesmo que o diretor de fotografia Roy H. Wagner aposte em uma coloração vermelha mais forte, transformando o lugar em algo ainda mais infernal do que a visão de Craven no original.

A Hora do Pesadelo 3: Os Guerreiros dos Sonhos é um verdadeiro presente para os fãs de Freddy Krueger, e provavelmente o filme mais importante de toda a franquia. Explora sábia e criativamente o potencial de seu antagonista e define o padrão para as próximas continuações.

A Hora do Pesadelo 3: Os Guerreiros dos Sonhos (A Nightmare on Elm Street 3: Dream Warriors – 1987, EUA)

Direção: Chuck Russell
Roteiro: Wes Craven, Bruce Wagner, Frank Darabont e Chuck Russell
Elenco: Robert Englund, Heather Langenkamp, Patricia Arquette, Laurence Fishburne, Priscilla Pointer, Bradley Gregg, Craig Wasson, Rodney Eastman, Jennifer Rubin, Ken Sagoes, Ira Heiden.
Duração: 96 min

Você Também pode curtir

3 comentários

Evanio Herbstrith 29 de maio de 2018 - 14:21

Esse realmente é um CLÁSSICO, grande filme , história e enredo maravilhoso, apenas o que não curti foi a Nancy ter morrido no final … mas mesmo assim depois do 01, um dos melhores da saga.

Responder
Wesley Medeiros 22 de novembro de 2015 - 01:25

Nunca me interessei em assistir a saga da hora do pesadelo pq sempre me pareceu uma história que seria repetitiva ao extremo,mais ou menos como o sexta-feira 13,mas pela critica do primeiro e terceiro já vejo a q vale a pena,pelo menos estes dois me parecem dar algo diferente do q vi no remake(acho q aquele de 2009 era um remake)

Responder
Lucas Nascimento 22 de novembro de 2015 - 13:50

Wesley, a franquia até tenta manter uma continuidade, o que por si só já difere de Sexta Feira 13.

Mas não há dúvidas: o primeiro e o terceiro são os melhores, e os mais completos como filme mesmo.

Vale a visita.

Abrax!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais