Home QuadrinhosOne-Shot Crítica | A Independência do Brasil em Quadrinhos

Crítica | A Independência do Brasil em Quadrinhos

por Luiz Santiago
2.089 views (a partir de agosto de 2020)

Escrita em plena ditadura militar, essa história da independência do Brasil não poderia ter cunho mais patriota, didático e historicamente elitista, um retrato muito peculiar do Brasil do “ame-o ou deixei-o”. Escrita por Pedro Anísio e ilustrada pelo grande Eugênio Colonnese, estava saga em quadrinhos foi publicada pela primeira vez em edição pré-comemorativa do sesquicentenário da independência (1822 – 1972), ganhando, ao longo dos outros, republicações especiais e comuns.

Com uma larga abrangência histórica, Pedro Anísio narra os acontecimentos anteriores e posteriores ao famoso, questionável e desimportante grito (leia-se: a polêmica se o tal grito existiu ou não) de “Independência ou Morte!”, apontando uma série de revoltas brasileiras, das quais podemos citar a Insurreição Pernambucana, a Guerra dos Emboabas, a Guerra dos Mascates e a Inconfidência Mineira, para então chegar ao momento em que a Família Real aportou no Brasil e trouxe (sem saber) as sementes do futuro país independente.

De início já é interessante o modo como o autor liga fatos que tiveram motivações muito particulares ou mesmo diversas de uma união geral com o território nacional. E, conforme passamos as páginas, nos impressionamos com a visão patriótica que o autor dá a diversas personalidades que jamais a tiveram, como Zumbi dos Palmares, por exemplo. É como se pessoas separadas no tempo por séculos (Padre Anchieta e D.Pedro I) tivessem em mente o exato objetivo de manter os alicerces da grande nação brasileira, com a visão de um Estado forte, tradicional e lucrativo. Não é preciso ser historiador para perceber a abordagem tendenciosa disso.

plano critico a independência do Brasil em quadrinhos D. Pedro, heróis

Sobre essa questão da abordagem, é importante que nos lembremos da influência do momento histórico sobre o autor. É certo que aí entram questões pessoais e ideologias políticas próprias, mas toda obra de arte é produto de seu tempo histórico, seja para reafirmá-lo, seja para negá-lo, de modo que o roteiro de Pedro Anísio não foge à regra e se encaixa justamente em um período onde louvar exageradamente o valor da pátria, os heróis nacionais e os ícones, mártires e artesãos da nossa “liberdade” era a “coisa certa a se fazer”.

Aqui, a história se abre e fecha com alusões aos nossos pioneiros e heróis, pessoas que lutaram e derramaram o sangue para que o Brasil conseguisse se livrar do jugo português. A essa abordagem de “História dos vencedores”, percebemos que a única alusão mais próxima de uma participação popular no processo vem pelo papel de Maria Quitéria na luta pela independência, na Bahia.

Nesse turbilhão de dados e fatos históricos, temos um roteiro bastante enciclopédico sobre a independência. Não se trata de um texto ruim, muito pelo contrário contrário. Ele é bastante informativo… mas infelizmente pouco dinâmico. E antes que alguém se levante e diga que é impossível trabalhar temas históricos com dinamismo, peço que leia Epicuro, o Sábio e perceba que é perfeitamente possível dar mais vida e menos verborragia didática a temas históricos em HQs. Como disse, não vejo nisso um defeito extremo, mas diante desse modelo, a leitura fica bem menos atraente.

Eugênio Colonnese faz um belo desenho de traços finos e em preto e branco, uma coisa linda de se ver. Se fosse apontar algo que não gostei em sua arte, diria que foi a representação da velhice, que praticamente não existe, nos rostos dos personagens. Talvez por uma predefinição dos editores, todos parecem sempre muito jovens e simpáticos, não há alterações de emoção ou traços do passar do tempo na feição das pessoas. Mas este detalhe não diminui o trabalho do artista, a quem muito admiro e que faz uma ótima transposição de muitas pinturas do século XIX, como os quadros da coroação de Pedro I e mesmo a sua figuração na fase adulta para as páginas do quadrinho.

herois nacionais plano critico independência do brasil

A Independência do Brasil em Quadrinhos é um documento histórico e leitura obrigatória para historiadores e entusiastas da nona arte no país. Apesar das várias ressalvas em relação à abordagem do objeto em questão, o resultado final é bastante positivo. É interessante ler sobre isso hoje, quando temos uma enxurrada de publicações históricas e questionamentos sobre períodos diversos da História de nosso país, sendo a independência um evento revisitado constantemente. Esta é mais uma das muitas versões da História.

A Independência do Brasil em Quadrinhos (Brasil, 1970)
Roteiro: Pedro Anísio
Arte: Eugênio Colonnese
Editora: Brasil América

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais