Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Inocente Face do Terror

Crítica | A Inocente Face do Terror

por Rafael Lima
448 views (a partir de agosto de 2020)

Há algo enervante em torno do tropo da criança maligna, que há décadas povoa os gêneros do terror e do suspense. Afinal, estas figuras assassinas, e em alguns casos até mesmo demoníacas, possuem o mais eficiente dos disfarces para cometer os seus atos horríveis, a pureza e a inocência infantil. A Inocente Face Do Terror, filme de 1972 comandado por Robert Mulligan, traz mais uma criança sociopata para a história do cinema; um menino de calças curtas que provoca uma série de mortes em uma comunidade rural, cuja maldade não é reconhecida pelos adultos por eles não conseguirem aceitar que um infante seria capaz de atos tão cruéis.

Mas o que diferencia o filme de projetos com premissas semelhantes, como Tara Maldita (1956), ou O Anjo Malvado (1993), é que A Inocente Face Do Terror assume uma aura tão enganosamente inocente quanto a de seu vilão, ao se afastar de signos característicos do gênero. Na trama, situada na década de 1930, Niles Perry (Chris Udvarnoky), é um menino gentil e amável, que vive em um sítio com a sua família. Niles tem como principal companhia o seu irmão gêmeo, Holland (Martin Udvarnoky), que diferente de Niles, possui uma personalidade agressiva e um senso de humor terrivelmente sombrio. As brincadeiras de Holland, entretanto, começam a se tornar cada vez mais perigosas e mortais, ao mesmo tempo em que Niles se mostra incapaz de deter o irmão.

Escrito por Tom Tryon, que adapta o seu próprio romance, A Inocente Face Do Terror concentra-se na relação entre os gêmeos Perry, construída em torno do arquétipo do gêmeo bom e do gêmeo mal. Holland é um sociopata que raramente sorri, um menino incapaz de se importar com qualquer coisa que não sejam as suas próprias necessidades; o completo oposto de Niles, uma criança simpática, e possuidor de uma empatia tão grande, que é capaz de assumir o ponto de vista de outros seres e pessoas, uma habilidade que sua avó Ada (Uta Hagen) chama de o grande jogo. O contraste entre os irmãos é bem construído pelo roteiro, e de fato é o coração da narrativa, onde está centrado uma das grandes reviravoltas da obra. Verdade seja dita, para as audiências atuais, essa reviravolta pode ser vista a quilômetros de distância, mas o texto é inteligente o bastante para não fazer dela uma grande revelação final, construindo-a de forma coerente.

O roteiro, ao assumir quase exclusivamente o ponto de vista de Niles, constrói a existência do garoto como sendo muito solitária. Ainda que ele tenha uma família numerosa, os únicos parentes com quem o menino estabelece uma relação real são a avó, e a mãe enferma, Alexandra (Diana Muldaur), com os outros personagens ganhando pouca ou nenhuma atenção. Dessa forma, a narrativa lança um olhar interessante sobre a alienação dos adultos diante dos problemas das crianças, já que embora Niles seja muito amado por sua mãe e avó, as duas custam a ver (ou aceitar) os claros sinais de que há algo muito errado com os gêmeos.

Afinado com a proposta do terror proposto pelo roteiro, o diretor Robert Mulligan concede ao seu filme uma atmosfera igualmente inocente e bucólica, que evita os signos mais característicos de obras de terror e suspense. A fotografia ensolarada da obra evoca um clima nostálgico e inocente, enquanto a trilha sonora de Jerry Goldsmith investe em temas que remetem mais a algum drama juvenil de época do que propriamente a uma narrativa horrorífica. A música é um elemento importante na construção do suspense, já que a melodia assobiada por Holland é uma de suas assinaturas, e antecedem alguns acidentes fatais, mas embora melancólica, ela passa longe das marcas sonoras atribuídas ao terror e ao suspense.

A violência da obra também é tratada de forma distanciada, com o filme deixando que a imaginação do espectador faça a maior parte do trabalho, já que o longa evita tratar das consequências imediatas das horríveis tragédias que estão acontecendo naquele sítio. Ao fazer essa opção, Mulligan estabelece a estética do filme como estando tão alienada dos eventos horríveis que estão se desenrolando quanto os próprios personagens, excetuando os minutos finais, onde a gravidade do horror perpetrado torna-se mais clara, a medida em que um personagem finalmente aceita a verdade. O que nos leva a uma das reviravoltas, portanto, aviso que há spoilers no parágrafo a seguir.

SPOILER

A reviravolta de que Holland está morto desde o início da história, e agora existe apenas na mente de Niles é sinalizada ao longo de todo o filme. Por outro lado, a revelação se comunica com os temas do filme, ao mesmo tempo em que concede a trama uma bem-vinda camada de ambiguidade. A obra sugere que ao usar as suas habilidades empáticas para imaginar estar com o irmão morto, Niles se envolveu tão profundamente no Grande Jogo, que foi dominado pela persona de Holland, que sempre exerceu influência sobre ele.  Por outro lado, toda a visão que temos de Holland nos é fornecida por Niles, que é um narrador claramente não confiável. Dessa forma, podemos nos perguntar se Holland era realmente a criança diabólica que Niles imagina, pois por mais que tenhamos visto o personagem morrer caindo de um poço enquanto tentava matar um gato, essa é uma lembrança fornecida por Niles e, portanto, pode ser questionada. Não é de se surpreender que Robert Mulligan dirija o seu filme de forma a parecer anestesiado diante do horror perpetuado por Niles/Holland, pois a estética do filme reproduz a nostalgia inocente e enganosa do ponto de vista de seu protagonista, o que é uma proposta muito interessante da parte do diretor.

FIM DO SPOILER

A Inocente Face Do Terror é um thriller psicológico muto bem filmado por seu diretor, que desenvolve um crescendo de tensão discreto, mas inequívoco, que desemboca em um desfecho trágico e chocante. É uma obra com um elenco muito bem conduzido (especialmente os atores gêmeos, em seu único papel no cinema), e com um roteiro sagaz, que reconhece que algo verdadeiramente maligno pode crescer mesmo nos locais e figuras mais puras, não importa o quão brilhante ou inocente seja a superfície.

A Inocente Face Do Terror (The Other) — Estados Unidos, 1972
Direção: Robert Mulligan
Roteiro: Tom Tryon (Baseado em seu próprio romance)
Elenco: Uta Hagen, Diana Muldaur, Chris Udvarnoky, Martin Udvarnoky, Norma Connolly, Victor French, Loretta Leversee, Portia Nelson.
Duração: 108 Minutos.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais