Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Liberdade É Azul

Crítica | A Liberdade É Azul

por Leonardo Campos
2.086 views (a partir de agosto de 2020)

Eis um dos filmes mais profundos no que tange aos aspectos da utilização das cores como elemento para ambientação psicológica e estética. Na Trilogia das Cores, iniciada com este A Liberdade é Azul, seguido de A Igualdade Branca, e encerrada (e com maestria) em A Fraternidade é Vermelha, o diretor Kieslowski trouxe à tona os ideais iluministas e as discussões oriundas da Revolução Francesa, acontecimento que demarca o início da “modernidade”.

O Iluminismo, movimento intelectual datado do século XVIII, defendia o uso da razão contra o antigo regime e buscava maior liberdade econômica e política na conjuntura histórica em questão. Com representantes de peso como Montesquieu, Voltaire, Rosseau e Adam Smith (A Riqueza das Nações, clássico para compreensão do pensamento da era), a pauta da vez era o avanço do cientificismo e dos ideais burgueses. Pensado no início dos anos 1990, os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade são repensados, reinterpretados e reapresentados através da ótica autoral de Krzysztof Kieslowski.

Ao longo dos seus poéticos 100 minutos, o filme nos apresenta a fragilizada Julie (Juliette Binoche), uma mulher que acorda num hospital e recebe a informação sobre um acidente de carro envolvendo seu marido e filha, ambos falecidos, sendo ela a única sobrevivente de tal tragédia. Esposa de um compositor, Julie recebe uma suntuosa encomenda: finalizar uma composição para coro e orquestra, trabalho a ser apresentado num evento que comemora a unificação da Europa.

O nome da composição, Concerto pela Unificação da Europa, torna-se um fio condutor do enredo e de toda a trilogia, lançada, respectivamente, em 1993, 1994 e 1995. Ao imbuir-se do trabalho, Julie desvenda segredos até então obscuros do marido e se envolve com um homem que coloca os seus conceitos fixos em reflexão.

A trilha sonora é um primor. Há algumas cenas bem poéticas e representativas da rima entre áudio e visão: enquanto notas musicais soam, a câmera fecha em tais notas musicais, como uma espécie de videoclipe. Com o trabalho de som sob a responsabilidade de Zbigniew Preisner, A Liberdade é Azul possui no campo sonoro um dos seus mais poderosos recursos narrativos. Tais manejos são reforçados pelos fades e raccords que ajudam na simbiose entre personagens e os demais tons de azul. Com o azul como cor da sua liberdade, Julie quer esquecer o passado para continuar a viver o presente.

No INTERCOM do ano passado (evento anual ligado aos meandros da Comunicação, Cinema e afins), realizado em Foz do Iguaçu, o pesquisador João Fabrício Flores da Cunha trouxe questões interessantes sobre o filme, dentre elas, a liberdade que Julie toma como ideal, bem como a conclusão de que diante da relação com os demais na sociedade, há a impossibilidade de exercê-la. A sua liberdade termina quando começa os direitos do próximo. Essa é uma das questões que o filme traz como reflexão. É preciso observar que ela não é um ente em isolamento diante do ambiente que a cerca.

O filme foi indicado aos mais variados prêmios da indústria cinematográfica. Lançado em 1993, venceu o César de melhor som, edição e atriz (para Binoche, realmente intensa), o Leão de Ouro (Itália) de Melhor filme, o Goya (Espanha) de Melhor filme europeu, além de ter sido indicado ao Globo de Ouro de melhor atriz drama e trilha sonora. O filme estreou na França em 08 de setembro de 1993 e marcou para sempre a carreira do diretor e a linhagem de filmes que utilizam a cor como centralidade icônica da narrativa.

Ao voltar para a afirmação anterior sobre a reinterpretação dos ideias iluministas, reforço que o diretor trabalha com a microscopia, ou seja, uma narrativa que está atenta aos detalhes como gestos, atitudes sutis, coisas comuns dentro de uma estrutura maior. Os jogos de luzes, a música e as cores gravitam em torno destes pequenos acontecimentos. Os valores iluministas, oriundos da grandiosa construção histórica e imaginada do continente europeu, que se impõe como natural e universal, agora é apresentada através da base e do subterrâneo, do não-dito, como uma espécie de denúncia que nos revela a fraude por detrás de toda argumentação histórica secular. Isso fica mais completo ao refletirmos sobre os filmes subsequentes, A Igualdade é Branca e A Fraternidade é Vermelha.

A Liberdade é Azul (Trois Couleurs: Bleu, França/Polônia/Suíça – 1993)
Direção: Krzysztof Kieslowski
Roteiro: Krzysztof Kieslowski, Krzysztof Piesiwicz, Agniesza Holland, Edward Zebrowski, Slawomir Idziak
Elenco: Juliette Binoche, Benóit Regent, Floence Pernel, Charlotte Very, Hélène Vincent, Philippe Volter, Claude Duneton, Hugues Quester, Emmanuelle Riva, Florence Vignon, Daniel Martin, Jacke Ostaszewski
Duração: 100 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais