Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Luz Azul (1932)

Crítica | A Luz Azul (1932)

por Luiz Santiago
4 views (a partir de agosto de 2020)

A carreira artística de Leni Riefenstahl começou na dança, com sua passagem para o cinema acontecendo após lesões sofridas nos pés e no joelho. Foi através do ator Luis Trenker que ela conheceu o diretor Arnold Fanck, pioneiro no estilo de abordagem cinematográfica conhecido como “Cinema de Montanha“, onde a grandiosa geografia não é utilizada como simples “local onde as coisas acontecem“. Nesse tipo de abordagem, a montanha é também um personagem e é, dentre outras coisas, sobre ela que os filmes falam. Tirando, por motivos óbvios, os documentários, algumas ficções bastante conhecidas se enquadram nesse tipo de abordagem, como Escalado para Morrer (1975), Risco Total (1993), Limite Vertical (2000), Face Norte (2008) e Evereste (2015), só para citar alguns.

O trabalho de Fanck nesse gênero encantou Leni Riefenstahl, que após assistir A Montanha do Destino (1924), sentiu-se inspirada a mudar sua carreira para o cinema. Seu encontro com Arnold Fanck foi uma realização para ela, e serviu também como uma importante escola. Dos filmes que fizeram juntos, Monte Sagrado (1926) e O Inferno Branco do Piz Palü (1929) — este último, dirigido em parceria com Pabst –, são os longas de maior destaque. Em 1932, a já conhecida atriz estreava na direção, em um filme que ela também produziu e co-escreveu, em parceria com Béla BalázsCarl Mayer, ambos ocultados nos créditos da versão do filme lançada em 1952.

A Luz Azul é um conto levemente fantástico, uma lenda da região do maciço montanhoso de Dolomitas de Brenta (Itália), algo que o subtítulo original da fita (posteriormente também retirado pela diretora) deixa bastante claro. Aqui Riefenstahl vive a camponesa Junta, considerada bruxa pelos habitantes da vila, pelo fato de ter escalado, sem danos, a Montanha dos Cristais e ido até a luz azul que irradiava da rocha em noites de Lua cheia, uma luz que possuía um intenso efeito de atração nos homens jovens do local. Alguns articulistas comparam a atmosfera dessa obra com a de outro filme lançado no mesmo ano, O Vampiro (Dreyer), e é uma comparação interessante, pelo menos no escopo estético da obra e no tratamento dado ao ícone misterioso do enredo, no presente caso, uma bruxa.

O texto, no entanto, faz questão de deixar essa possibilidade como uma sugestão. O realismo aliado à imensa beleza do filme direciona o nosso olhar para a vida bucólica apenas, propondo aquele tipo de choque entre supersticiosos que se voltam contra alguém e, por não entenderem algo, criam teorias malignas para explicar o que não conseguem de outra forma. Essa situação, no entanto, tem um peso de luto para esses indivíduos, já que os jovens seguem burlando o confinamento e indo escalar as montanhas em noites de Lua cheia, sempre caindo e morrendo. Leituras de caráter psicológico ou comportamentais, aliadas à libido, podem ser consideradas aqui, mas o roteiro tem a intenção de mostrar o choque entre diferentes espíritos que aparentemente estavam ligados: o da jovem à montanha e ao tesouro que irradiava a famosa luz azul e o do visitante Vigo (Mathias Wieman), que vê o mundo pelos olhos simples da exploração da natureza para enriquecimento das pessoas.

Não existe uma maldade de fato nesse cenário. Até a postura dos habitantes da vila diante de Junta se dá mais por pura ignorância do que por maldade, e é justamente isso que torna o drama ainda mais doloroso na reta final, dentro de um aspecto irônico, expondo a hipocrisia dos habitantes que enriqueceram por algo espiritualmente protegido por alguém que eles desprezavam e ameaçavam. Fazendo uma comparação mais conhecida do grande público, esta é a dinâmica de ligação dos índios americanos com a terra e a exploração predatória que os colonos fazem da natureza em um grande número de westerns. O texto ainda consegue um bom resultado com o registro dessa história, tornando-a mais fortemente ligada à realidade justamente porque assume-a como “lenda local” (daí o fator de “moral da história” que traz no encerramento), registrada em um livro gigante e passada adiante com uma solenidade meio desleixada. A bruxa se foi, assim como a luz azul, a mística e a inocência da vila. Mas a memória desse passado e dessa mulher rejeitada viverão para sempre.

A Luz Azul (Das blaue Licht – Eine Berglegende aus den Dolomiten) — Alemanha, Itália, 1932
Direção: Leni Riefenstahl, Béla Balázs
Roteiro: Leni Riefenstahl, Béla Balázs, Carl Mayer
Elenco: Leni Riefenstahl, Mathias Wieman, Beni Führer, Max Holzboer, Martha Mair, Franz Maldacea
Duração: 85 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais