Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Morte num Beijo

Crítica | A Morte num Beijo

por Leonardo Campos
211 views (a partir de agosto de 2020)

Uma das tarefas hercúleas de um crítico de cinema diante dos filmes que se encaixam no que se convencionou chamar de cinema Noir, é fugir da análise catalográfica, uma postura quase impossível. A Morte num Beijo, dirigido por Robert Aldrich, o mesmo do angustiante O Que Terá Acontecido a Baby Jane? e do instigante Os Doze Condenados, é um filme basilar para os interessados em conhecer a estética noir e, inclusive, relacioná-la com produções contemporâneas, como os filmes de Quentin Tarantino e David Lynch, ambos tributários, em diversas fases da suas respectivas carreiras, desta estética e deste filme especificamente.

Estabelecendo, logo de início, uma atmosfera sombria, com uma trilha sonora histérica e bastante intrusiva, o roteiro de A. L. Bezerrides, adaptado do romance de Mickey Spillane, nos mostra uma mulher correndo numa estrada deserta, à noite. A sua respiração, captada pelo trabalho de som eficiente nos dá a entender que estamos diante de uma situação de fuga. De repente, o detetive particular Mike Hammer (o hilariante Ralph Meeker) é surpreendido pela mulher ofegante, Christina (Cloris Leachman), uma loira misteriosa.

Após um breve diálogo sobre a situação da mulher diante da sociedade machista e alguns flertes, um dos temas principais da estética noir, no qual irei me deter mais adiante, surge em cena uma perseguição que acaba num misterioso ambiente de crime. A moça é assassinada, Mike é espancado e os dois são colocados de volta no carro e arremessados numa ribanceira. Mike consegue sobreviver e a partir daí, sai em busca da história de Christina, para melhor compreender o que aconteceu naquela sombria e fatídica noite. Engraçado perceber a similaridade com a heroína de Psicose, de Alfred Hitchcock (antes, porém, do livro de Robert Bloch), que é assassinada no meio da história. No caso de A Morte num Beijo, em menos de 10 minutos a personagem desaparece, portanto, mantém-se como uma chama viva, onipresente através de citações até o final da história.

Ponto nevrálgico do filme, a iluminação e a direção de fotografia fazem o trabalho empenhado em nos mergulhar na atmosfera do cinema noir: as sombras fazem dos personagens aparentemente angelicais os “demônios” da noite e a trilha sonora guia as nossas emoções de uma maneira imponente. Os quadros dentro de quadros, bem como a movimentação brusca e os ângulos oblíquos deixam as cenas tortuosas, assim como a curiosa investigação do detetive Mike.

Conforme nos aponta o pesquisador Fernando Mascarello em Filme Noir, parte integrante do livro História do Cinema Mundial, a luz de caráter expressionista, a atmosfera cruel, pessimista e fatalista , bem como o jogo de espelhos em cena (uma “pegada” psicanalítica), os relógios que indicam a passagem do tempo (uma das preocupações do período pós-moderno que se aproximava) e as ruas escuras e desertas são elementos que fazem parte do imaginário noir, adotado pelo cinema em diversas produções desde 1940, chegando até os portões da contemporaneidade.

Gênero que nasceu na França e foi importado pelos Estados Unidos numa época de desilusão após a Primeira Guerra Mundial, o Noir refletia a frustração das pessoas diante do mundo, da corrupção da época e dos estilhaços que as pessoas juntavam de suas vidas, turbulentas após as crises dos conflitos bélicos. Era uma vanguarda que representava, esteticamente, uma sociedade sem perspectiva para o futuro, daí os ângulos tortuosos, as sombras que indicavam as incertezas.

Como não poderia faltar em uma trama noir, o detetive anti-herói durão e a mulher fatal estão presentes. Sádico ao obter as informações que deseja, a figura de Mike é caricata e parte do folclore estadunidense, assim como os caubóis. A mítica mulher fatal, como aponta Peter Haining em Noir Americano: Uma Antologia do Crime de Chandler a Tarantino, representa, do ponto de vista masculino, a independência alcançada no momento histórico pós-guerra, período demarcado pela parca oferta de mão de obra masculina, tendo a mulher em mira para ocupação de cargos anteriormente exercidos por homens. Elas geralmente são punidas como uma forma de reforçar a masculinidade ameaçada e reestabelecer simbolicamente o equilíbrio perdido.

Por fim, a solução deus ex machina do final nos faz lembrar o intrigante Cidade dos Sonhos, de David Lynch, um dos filmes pretensamente mais complexos da história do cinema recente. Além de Tarantino e Lynch, Jean-Luc Godard assume que utilizou alguns recursos narrativos do filme para a composição do seu Alphaville.

A Morte num Beijo é um filme B, alçado para a contemporaneidade graças ao trabalho do campo da crítica, preocupado em recuperar alguns filmes primordiais para a melhor observação do contexto histórico pós-guerra que mudou as configurações sociológicas e políticas de um mundo que tão logo entraria no processo de globalização.

A Morte num Beijo (Kiss me Deadly, EUA – 1955)
Direção: Robert Aldrich
Roteiro: Mikey Spinalle e A. I. Bezerrides
Elenco: Ralph Meeker, Albert Dekker, Paul Stewart, Juano Hernandez, Wesley Addy, Marjorie Bennet, Mort Marshall, Fortunio Bonanova, Marian Carr
Duração: 105 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais