Home TVTelefilmes Crítica | A Odisseia (1997)

Crítica | A Odisseia (1997)

por Leonardo Campos
27 views (a partir de agosto de 2020)

Sabemos que nenhuma produção cinematográfica consegue ser “fiel” ao seu ponto de partida literário. Os esquemas verbais são outros, há uma relação entre leitor e obra, diferente do contato entre espectador e obra, pois os códigos de linguagem de cada meio possuem as suas especificidades. A Odisseia é um desses filmes que tentam emular ao máximo todos os elementos possíveis do poema de Homero. O resultado é mediano. Vejamos.

Dirigido por Andrei Konchalovsky, profissional que também assina o roteiro, A Odisseia se apresenta como uma adaptação bem próxima do “enredo” presente na narrativa poética de Homero, mas toma uma série de liberdades. Didático, é um filme para aguçar a curiosidades dos iniciados nos estudos de cultura grega, uma época de ricas transformações na humanidade. Tão impreciso quanto o poema que serve de inspiração, o filme mescla o contato entre deuses, humanos e mitos e traça a trajetória heroica de Odisseu (Armand Assante), um homem que passa por diversos percalços para conseguir retornar ao seu lar, após a Guerra de Troia.

Tal como a fonte poética em que se baseou, Odisseu surge como o herói, após ter sido uma espécie de “coadjuvante de luxo” na Ilíada, poema que antecede os acontecimentos da Odisseia. Ciente que o conflito bélico foi vencido graças aos seus atributos físicos e, muito além, intelectuais (um herói bastante astuto e paciente), Odisseu desafia Poseidon, alegando que os deuses não são nada, e que ao contrário, os homens é que fizeram o sucesso da guerra. Revoltado com o humano arrogante e ingrato, Poseidon transforma a viagem do herói numa saga praticamente interminável.

Durante o caminho, alguns deuses demonstram-se favoráveis ao herói, um personagem que evolui ao passo que a obra avança. No entanto, antes de conseguir chegar a seu lar, Ítaca, e salvar a esposa Penélope das mãos dos abutres que querem tomar o seu trono, Odisseu desemboca na ilha dos Ciclopes, enfrentam as perigosas sereias, perde-se nos lençóis de Circe, seduz-se pela beleza de Calipso e precisa enfrentar mais algumas peripécias do destino para chegar ao aconchego de sua casa.

Obrigado a navegar por mares e caminhar por terras longínquas, perder vários aliados e soldados, numa sensação profunda de solidão, Odisseu precisa utilizar toda a sua astúcia para conseguir estabelecer seu projeto de retorno. Um dos tópicos da lista é “fazer as pazes com Poseidon”. Sendo assim, na busca pela tradição da “fidelidade”, o filme dialoga com o poema e traz as principais discussões como pontos nevrálgicos do roteiro: a Telemaquia (busca do filho por seu pai), a honra intocável de Penélope, mulher que tece a sua colcha toda noite e desfaz de manhã, no intuito de esperar seu marido voltar para casa (quando a colha estivesse pronta ela teria que escolher um dos abutres dependentes para casar e assumir o posto de Odisseu, dado como morto), a influência dos deuses na vida dos humanos e a “cenografia” repleta de ambientes geograficamente similares ao contexto homérico.

Filmado e produzido entre Alemanha, Estados Unidos, Itália, Grécia e Reino Unido, A Odisseia teve um orçamento grandioso e apresentou efeitos especiais que na época eram considerados sofisticados para uma realização lançada diretamente para TV. Ao longo dos seus 176 minutos, A Odisseia revela-se uma produção interessante para termos uma ideia do poema homérico. Se não nos importarmos com alguns desempenhos dramáticos ruins, a interação com o filme pode se estabelecer num plano equilibrado. Sem deixar de focar nas mensagens diversas da obra de Homero, entre elas, a busca por alcance de suas metas pessoais e a importância de habilidades para lidar com o “Outro”, a adaptação assinada por Francis Ford Coppola na produção executiva é exagerada, às vezes kitsch, mas interessante.

A Odisseia (The Odyssey) — Alemanha, Estados Unidos, Grécia, Itália, Reino Unido, 1997.
Direção: Andrey Konchalovskiy
Roteiro: Andrey Konchalovskiy, Chris Solimine, baseado no poema de Homero
Elenco: Armand Assante, Vanessa Williams, Nicholas Clay, Eric Roberts, Irene Papas, Ron Cook, Paloma Baeza, Alan Stenson, Greta Scacchi, Geraldine Chaplin, Isabella Rosselini
Duração: 176 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais