Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Quadrilha

Crítica | A Quadrilha

Crueza setentista na veia.

por Ritter Fan
230 views

John Flynn não é, definitivamente, um nome muito lembrado em Hollywood, mas sua curta filmografia de apenas 16 longas, cinco deles feitos para a TV, é marcada por uma crueza por vezes fascinante e que, talvez, tenha nascido com seu terceiro trabalho, A Quadrilha, adaptação do terceiro romance protagonizado pelo frio ladrão Parker, criado por Donald E. Westlake quando escrevia sob o nom de plume Richard Stark. O estilo do diretor dialoga muito bem com o material base, que é seco, sem firulas e direto na retratação de seu protagonista e suas ações que normalmente envolvem atos que gravitam ao redor do conceito de vingança.

No longa, Robert Duvall, no ano seguinte que viveu Tom Hagen, em O Poderoso Chefão, interpreta Earl Macklin (Parker) que, depois de sair da prisão em uma sequência muito parecida com a do começo de Os Implacáveis certamente em razão do trabalho não creditado de Walter Hill ajudando Flynn no roteiro, passa a ser caçado pela Quadrilha/Outfit do título, que é o nome dado ao crime organizado no universo de Parker, pelo fato de ele e outros terem roubado um banco que pertencia à organização. O início do longa já contém a marca da violência da entidade, com a execução de Eddie, irmão de Earl, em uma sequência enervante pela forma como a direção de Flynn a conduz, sempre mantendo a ação distante, silenciosa, mas muito eficiente.

O que segue daí é Macklin reunindo-se com seu colega Cody (o grandalhão simpático Joe Don Baker), que também participara no roubo e tem sua vida ameaçada, para exigir reparação financeira da organização, usando como instrumento de barganha a habilidade deles em minar as atividades do crime organizado local com ações cada vez mais ousadas que os levam a degraus mais altos na hierarquia da organização. É a boa e velha estratégia de destruir tudo até que o que está sendo exigido seja entregue, algo que marca os livros da série Parker e, também, praticamente todos os filmes baseados neles.

O que diferencia A Quadrilha, porém, é Duvall no protagonismo como um homem mais velho, sábio e capaz de revelar-se uma ameaça crível apenas com sua presença imponente. Ele usa de violência, claro, mas sempre de maneira impassível, direta, eficiente e, quando necessário, mortal, sem falar muito e sem manifestar sentimentos ou fazer uso de mais palavras do que o estritamente necessário. De certa maneira, lá de longe, é possível ver, em seu Earl Macklin, um proto-Terminator que, com uma missão a cumprir, não se desvia de seu caminho em hipótese alguma e age de maneira econômica e direta. Don Baker, por seu turno, em razão de seu jeito naturalmente bonachão, mas não menos duração, funciona como uma espécie de antítese bem-vinda para Duvall, o que estabelece de imediato uma dinâmica naturalmente fluida entre os dois.

Assim como Macklin, o filme é básico e parcimonioso em ritmo e em sequências de ação, quase que científico, com Flynn prezando muito pelo realismo ditado pela lógica da narrativa, ou seja, mantendo a invencibilidade e eficiência do protagonista, mas sem sacrificar verossimilhança no processo. O ritmo é, especialmente para os padrões atuais completamente frenéticos e infelizmente vazios, lento, mas sempre cadenciado, com um crescendo natural na violência empregada por Macklin contra seus inimigos e vice-versa, com diversas sequências que são, basicamente, repetições das anteriores, só que acrescentando um ou outro elemento novo apenas, até que o grande momento da invasão da mansão do “poderoso chefão” acontece e o diretor, então, solta os freios quase que completamente.

A Quadrilha não tem interesse em desenvolvimento de personagens ou em romancear o crime. John Flynn usa a crueza e a enganosa simplicidade de sua direção para contar uma história atemporal de vingança que funciona muito bem exatamente por não tentar reinventar a roda ou inserir elementos fantasiosos para confeitar o bolo. Earl Macklin quer seu dinheiro e nada o parará até consegui-lo ou até que aqueles que ele percebe como seus devedores estejam mortos. E é exatamente isso que Flynn entrega ao espectador.

A Quadrilha (The Outfit – EUA, 1973)
Direção: John Flynn
Roteiro: John Flynn (baseado em romance de Donald E. Westlake escrevendo como Richard Stark)
Elenco: Robert Duvall, Karen Black, Joe Don Baker, Robert Ryan, Timothy Carey, Richard Jaeckel, Sheree North, Felice Orlandi, Marie Windsor, Jane Greer, Henry Jones, Joanna Cassidy, Elisha Cook
Duração: 103 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais