Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | A Repossuída

Crítica | A Repossuída

por Leonardo Campos
297 views (a partir de agosto de 2020)

Há um trecho teórico do campo dos estudos literários que nos permite um diálogo ilustrativo sobre a metalinguagem: é O Trabalho da Citação, de Antoine de Compagnon. O estudioso afirmou que a citação é um processo de leitura e escrita, pois, ao mesmo tempo em que escreve, o escritor, em nosso caso, o cineasta, o roteirista e a atriz em questão, unem também o ato de leitura. Desta forma, esta reescrita se concebe como devir do ato de citação. Ao produzir, o artista recorre ao processo de input de toda a sua vida.

Em A Repossuída, Linda Blair recorre ao filme que representou toda a sua carreira, pois diante de tantas polêmicas e contradições, misteriosamente não conseguiu deslanchar a sua carreira, algo que as pessoas chamaram de a “maldição” pós O Exorcista. Na paródia em questão, a atriz não está em casa ou numa sala de cinema observando como o seu texto, neste caso, o seu desempenho dramático, foi reconstruído e dessacralizado, ao contrário, ela mesma refaz a si, num processo estranho e autodestruidor, aliado aos esquemas da paródia.

Sendo assim, a paródia pode ser considerada um “filho rebelde” ou um “espelho invertido”, apresentado por meio de exageros e deformações, tal como numa lente, muito parecido com o que se faz na charge e na caricatura. Para o elucidativo ensaísta Affonso Romano de Sant´anna, “sendo uma religião”, a paródia é parricida, pois mata o “texto pai” e instaura a busca por uma possível diferença, criando assim um conflito, expulsando, de certa forma, a linguagem do seu espaço celestial. O Exorcista, clássico absoluto do horror dos anos 1970, ganha nesta produção um olhar paródico representado por um dos elementos mais importantes de sua composição: a “menina possuída”.

Lançado em 1990, A Repossuída foi pouco compreendido pela crítica especializada, provavelmente por conta da participação de Blair. Escrito e dirigido por Bob Logan, o filme nos apresenta uma garota chamada Nancy. Ela está possuída pelo demônio e para isso, será preciso um ritual com o Padre Jebedaiah (Leslie Nielsen). A coisa ganha proporções tão intensas que o exorcismo começa a ser registrado por meio de um reality show, exibido ao grande público, com direito aos cabos que sustentam a personagem em suas levitações e a deflagração de outros truques de bastidores que satirizam as estratégias narrativas do filme de William Friedkin.

A edição de Jeff Freeman até se esforça para dar um ritmo dinâmico ao filme, bem como o design de produção de Shay Austin, repleto de elementos que profanam o sagrado, mas mesmo que tenha sido feita para rir, a comédia A Repossuída é erguida por meio de poucos bons momentos. A abertura de Todo Mundo em Pânico 2, por exemplo, é uma versão paródica muito mais divertida, com menor tempo de projeção em tela, mas ainda assim, melhor no quesito eficiência.

Ganhador do troféu Framboesa de Ouro de Pior Canção, o filme pretendia alavancar a carreira de Linda Blair, mas não deu certo. A atriz vinha de uma série de problemas pessoais, como detenção por uso de cocaína e perseguição por parte de grupos religiosos extremistas, que alegavam associação demoníaca na realização das cenas de possessão em O Exorcista, além da participação em filmes de terror bem abaixo da média, tais como “o capenga” Bruxas – Encontros Diabólicos, o slasher Noite Infernal e o “mais dramático” Ruas Selvagens.

Como refúgio, a atriz tentou mudar a sua vida, envolvendo-se em causas sociais. A inscrição como membro da PETA, pelo direito dos animais, foi um dos caminhos para a “luz”. O convite de Wes Craven para uma ponta em Pânico também chamou à atenção do público, relevância social retomada com o relançamento da versão com 11 minutos inéditos de O Exorcista, em 2001, nas salas de cinema. O evento promoveu uma série de encontros e entrevistas focados na relação intrínseca da atriz com o filme que nunca a deixou. Terá sido uma maldição?

A Repossuída (Repossessed, Estados Unidos – 1990)
Direção: Bob Logan
Roteiro: Bob Logan
Elenco: Linda Blair,  Leslie Nielsen, Annie Waterman, Army Arched, Anthony Starke, Barbara Alyn Woods, Ben Kroner, Bob Drew, Jesse Ventura, Greg Lewis
Duração: 80 min

Você Também pode curtir

2 comentários

Alex Lordelo 22 de novembro de 2020 - 12:35

O Filme é apenas Ok ! leslie nielsen rouba a cena.

Responder
Isaura Luiza Paramysio 4 de outubro de 2020 - 22:53

Tenho a sensação, sensação apenas pois me carece informações, que Repossuida deve ter sido no mínimo divertido e talvez até catartico pra Linda Blair vomitar no filme que ao mesmo tempo deu fama à ela, foi paradoxal a causa de sua carreira fraca.
Repossuida é uma comédia mediocre, mas creio que deva ter sido pra Linda Blair num ambito pessoal um mal necessário, ou por esta enganada.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais