Home FilmesCríticas Crítica | Alma de Cowboy

Crítica | Alma de Cowboy

por Kevin Rick
1457 views (a partir de agosto de 2020)

Baseado numa comunidade real de caubóis negros no norte da Filadélfia, mais especificamente na chamada Rua Fletcher, a estreia diretorial de Ricky Staub, Alma de Cowboy, utiliza de uma típica trama de amadurecimento na relação de pai e filho entre Harp (Idris Elba) e Cole (Caleb McLaughlin) para mostrar a história pouco conhecida dos cavaleiros negros modernos do estado americano, em uma espécie de western contemporâneo. Nem tudo funciona, mas o primeiro trabalho do cineasta apresenta um promissor artista que sabe evocar uma direção vibrante, quase poético, infelizmente amarrado pelo roteiro clichê e pouco envolvente.

Desde o momento que Cole é abandonado por sua mãe na porta do pai ausente, resultado das constantes empreitadas delinquentes do jovem rebelde, a linguagem da obra assume com honestidade seu discurso coming of age e o senso de pertencimento dado à jornada do protagonista. Existe, inicialmente, uma justaposição temática bacana, que pega o artifício clichê de descobrimento juvenil e o mistura ao núcleo comunitário dos caubóis negros, fazendo uma ponte entre o pertencimento, tanto de Cole, como também dessa subcultura desconhecida em extinção, com o retrato delicado desse grupo negligenciado, perseguidos pela tradição viva.

Essas sequências iniciais não apresentam nenhum tipo de originalidade ao subgênero, mas constroem muito bem uma sutileza emocional com a dramaticidade adolescente e a narrativa trágica dos caubóis. Seja uma conversa sobre legado e herança numa fogueira, um monólogo sobre erros de paternidade ao som de John Coltrane, ou então uma simples lição sobre limpar fezes animais, quando a obra foca no relacionamento de Cole com a melancolia e a liberdade dessa comunidade, o filme consegue ser emocionante, e até poderoso. O arco de Cole é, logo de cara, previsível, ordinário e até monótono, mas o interessante entorno cultural entrega uma camada rica ao contexto, tocando em assuntos raciais, a paixão acima da sobrevivência e um tributo completo à diligência do trabalho, que mais funciona como uma visão de modo de vida à Cole, um escapismo da realidade, no qual, paradoxalmente, o diretor dá luz à uma realidade praticamente inédita.

Infelizmente, o roteiro já pouco inventivo decide adicionar um estranho núcleo secundário sobre crime e drogas com Smush (Jharrel Jerome), outro jovem perdido, que é colocado na narrativa para trabalhar o conflito desgastado se Cole irá para o tráfico ou encontrará seu caminho como caubói. Como tudo no filme, a resposta é óbvia, mas o problema dessa inserção não está na previsibilidade, mas sim na quebra de estética do filme. Desde o viés western urbano, engrandecido por uma bela cinematografia, que encontra o equilíbrio entre a natureza tradicional e o sujo das ruas, até a trilha sonora que sutilmente mescla um Velho Oeste com uma camada contemporânea, o filme, inicialmente, “tampa” bem o roteiro fraco com a estética e a delicada direção de Ricky, que pega a ordinária dramaturgia apelativa e preenche-a com o subtexto cultural rico e intrigante.

Logo, a trama de Cole e Smush, além de adicionar muito pouco ao arco convencional de um coming of age, acaba atrapalhando a experiência visual e simpática da película, assumindo até um caráter de distração maçante. À medida que a obra avança, as próprias cenas da comunidade caubói perdem a força dramática em transições deslocadas com as viagens alucinantes dos adolescentes, que terminam por resignar muito da relação entre Harp e Cole para construir a dramaturgia boba do conflito criminal.

Desde o início, Alma de Cowboy é completamente sincero em sua premissa convencional com performances poderosas de Elba e Caleb, e apesar de nunca almejar um nível fílmico memorável, Ricky manuseia bem a trama adolescente simplória frente à interessantíssima comunidade de Cavaleiros das Ruas, especialmente esteticamente e do ponto de vista realista, até inserindo verdadeiros caubóis como atores. Contudo, a já “normal” obra vai se perdendo narrativamente e visualmente com o núcleo secundário, que abraça por completo o clichê, e acaba tirando o foco da parte mais interessante do filme, que é a comunidade de estábulos e cowboys renegados.

Alma de Cowboy (Concrete Cowboy) – EUA, 02 de abril de 2021
Diretor: Ricky Staub
Roteiro: Ricky Staub, Dan Walser
Elenco: Idris Elba, Lorraine Toussaint, Caleb McLaughlin, Jharrel Jerome, Method Man, Ivannah-Mercedes, Byron Bowers, Jamil Prattis
Duração: 111 min.

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais