Home TVEpisódio Crítica | American Crime Story – 3X01: Exiles

Crítica | American Crime Story – 3X01: Exiles

por Iann Jeliel
1419 views (a partir de agosto de 2020)

Exiles

  • Contém SPOILERS. Acompanhe por aqui as críticas dos demais episódios de Impeachment, e aqui, as críticas de nosso material da série.

A terceira temporada da segunda antologia idealizada por Ryan Murphy se foca nos eventos relacionados ao processo de impeachment do ex-presidente Bill Clinton (Clive Owen), incluindo as acusações de assédio sexual à funcionária do estado Paula Jones (Annaleigh Ashford) e o relacionamento escondido da figura – que era (e é ainda hoje) casada com Hillary Clinton (Edie Falco) – com a jovem estagiária da Casa Branca, de apenas 22 anos, Monica Lewinsky (Beanie Feldstein), tal fato que o fez ser condenado por obstrução da justiça e perjúrio, ao mentir sobre o envolvimento amoroso dos dois e tentar impedir que investigações do caso Jones prosseguissem. Exiles

Baseado, assim como na primeira temporada do caso O.J Simpson, em um livro de Jeffrey Toobin, a adaptação fará uma leitura histórica do evento sob uma vista crítica diferente do óbvio, com pontos de vista peculiares circundando a história. Neste primeiro episódio, denominado Exiles, o foco principal passa longe de Clinton, Paula ou Monica, mas é direcionado para Linda Tripp (Sarah Paulson), secretária da Casa Branca, mais tarde responsável por fornecer provas do envolvimento amoroso em destaque, mas que teve toda uma motivação prévia para isso acontecer. Essa escolha não é arbitrária, pois a proposta de American Crime Story visa a atingir aqueles que justamente não conhecem os pormenores da realidade, ou no mínimo, quem não as vivenciou no momento de ocorrência.

Nesse ponto, Ryan Murphy propõe, através do olhar dessa persona importante, somente desdobramentos futuros na história, essa redoma inicialmente misteriosa sobre a premissa – os primeiros dez minutos iniciados na confusão após as confissões de Monica, a serem retomados retroativamente em linearidade nos próximos capítulos – para sustentar a atenção da trama sobre a linguagem de emulação do contexto de época. Contexto esse que num primeiro momento, como é demonstrado pelo episódio, partia de um olhar de desconfiança sobre as vítimas, ou olhava para as acusações destiladas ao presidente muito mais como um material para uma guerra interna política. Clinton nem de longe era querido nos corredores da Casa Branca, e o episódio analisa esse cenário através de Tripp, desenvolvendo suas motivações particulares de maneira simbólica.

É como se a demissão de seu cargo para um inferior, trocada por Kathleen Willey (Elizabeth Reaser), outra das vítimas futuras de abuso sexual da autoridade, servissem como motriz de exemplificação que o cenário de privilégios convenientes incomodava mais os opositores do que o que fazia esses privilégios acontecerem, no caso, os assédios e a perversidade do sujeito. Tanto que em termos de assunto isso está em segundo plano, como uma forma de comunicar o caráter secundário do tratamento da questão, cenograficamente também exemplificado em várias sequências. Destaco a cena da entrevista de Jones, na maneira cínica e incômoda como Murphy a filma, oprimindo a personagem ao focar em suas risadinhas de nervoso, levando-as para um tom de modéstia inexistente, literalmente para desviar a atenção da importância de sua fala.

Sei da intenção bem executada no episódio, mas acaba que o que foi contado em Exiles ainda é bem econômico. No seus sessenta minutos de duração, há um defasamento rítmico evidente sobre essa escolha de secundarizar pormenores que vão evidentemente se tornar tema principal logo mais, principalmente porque traz um efeito confuso para a organização de núcleos, de modo geral, até bem distribuídos, mas demasiadamente fragmentados na tentativa de dar dimensão à trama. É um padrão dos “pilotos” de cada temporada de American Crime Story.  É torcer para que engrene bem depois desta abertura.

American Crime Story (Impeachment) – 3X01: Exiles | EUA, 7 de Setembro de 2021
Showrunners: Ryan Murphy, Sarah Burgess
Direção: Ryan Murphy
Roteiro: Sarah Burgess, Daniel Pearle (baseado no livro A Vast Conspiracy: The Real Story of the Sex Scandal That Nearly Brought Down a President de Jeffrey Toobin)
Elenco: Sarah Paulson, Beanie Feldstein, Annaleigh Ashford, Margo Martindale, Edie Falco, Clive Owen, Colin Hanks, Cobie Smulders, Taran Killam, Elizabeth Reaser, Kevin Pollak, George Harrison Xanthis, Matthew Floyd Miller, Craig Welzbacher, Brian Maillard, Ian Alda, Christopher Wallinger, James Thomas Gilbert, Emil Beheshti, Jeff Elam, Nicolas Coster, Tom Simmons, Jenny C. Paul, Lynn Downey, David Magidoff, Ken Ivy, Garrett Louis
Duração: 60 minutos

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais