Home TVEpisódio Crítica | American Crime Story – 3X03: Not To Be Believed

Crítica | American Crime Story – 3X03: Not To Be Believed

por Iann Jeliel
902 views (a partir de agosto de 2020)

Not To Be Believed

  • Contém SPOILERS. Acompanhe por aqui as críticas dos demais episódios de Impeachment, e aqui, as críticas de nosso material da série.

Not To Be Believed enfim começa a depurar a principal teia de intrigas que levaram Bill Clinton (Clive Owen) ao Impeachment, numa construção, desta vez, sem um ponto de vista exato, que vai se escalonando através das trocas de perspectivas, mas especialmente, posiciona os fatos na montagem de modo a enclausurar as mulheres manipuladas pelos lados do jogo político desenhado, sem, no entanto, entregar tudo de bandeja. Pensando na emulação não tão maniqueísta da história, essa escolha preserva as incertezas beirando a leitura de época. Meu problema com esta proposta, como podem percebendo ao longo dos textos dos episódios, é que, enquanto ela prende o leigo a continuar acompanhando, ela impede que outros recursos sejam utilizados para fornecer uma melhor contextualização do sequenciamento dos fatos.

Sei que para o efeito é um sacrifício justo, mas para certas partes acaba prejudicando o envolvimento narrativo. Nesse caso, destaco negativamente a parte dos jornalistas investigadores, que parece jogados na trama em muitos momentos, como na abertura onde vemos o jornalista Matt Drudge (Billy Eichner) encontrando documentos sobre a negociação do salário de Jerry Seinfeld e ficamos perdidos sem saber qual é a relevância disso, nos desdobramentos, ainda que tenhamos a curiosidade para saber se têm. Basicamente aquilo se tratava de um furo de uma reportagem de Michael Isikoff (Danny Jacobs), que após ser sacaneado por Drudge, se motivou ainda mais a encabeçar o caso de Kathleen Willey (Elizabeth Reaser) a transformá-la em sua grande manchete, “enchendo o saco” de Linda Tripp (Sarah Paulson), sua única testemunha possível, para averiguar o histórico do tratamento do presidente a moça.

Isso não fica tão bem-organizado ou claro no episódio, porque ele vai trabalhando essas partes em separado, como dito, por vários pontos de vista. Traz um olhar crítico a metodologia antiética de Drudge, depois passeia por Linda administrando seus entornos e movendo estrategicamente o uso informações – jogando Willey contra parede ao trazer evidências de que foi um assédio “mutuo”, contando o caso de Mônica (Beanie Feldstein) a Isikoff, todavia sem nenhum detalhe – para decidir gradualmente o que fazer com elas, vem com a perspectiva de Isikoff para separar sua função de opositor ao governo a sua sede de obter informações para um sucesso na profissão e ainda sobra espaço para refletir um pouco em como Willey estava se sentindo dividida sobre o sentimento do que aconteceu com o presidente.

Sem contar que ainda explora bastante Paula Jones (Annaleigh Ashford) e seu marido, Steve (Taran Killam), reiterando o desconforto da mulher, incomoda tanto com a falta de empatia do presidente, com a forçada do marido em querer levar isso mais a frente do que ela realmente gostaria, além de obviamente, colocar a relação de Monica e Clinton como pauta principal, agora em estado de conflito, com ela questionando as ações envolvendo o relacionamento. Aquela perspectiva passada pelo anterior, “romantizando” o presidente, acabou sendo uma impressão mesmo, pois já é completamente contornada na ótima sequência do “término”. Junto a outros fatores inseridos no capítulo, tais como a decisão unânime do senado dele poder ser processado por Jones, vão ressignificando a figura, destravando seu lado incisivo, mesmo que ainda ainda o deixando humanizado, para acreditarmos que Monica ainda cairia na sua lábia ao final. Contudo, para nós, público, a postura imageticamente manipuladora fica destacada com maior nitidez. Tanto dele, quanto de Tripp, embora essa tenha valores e motivações mais justas e bem desdenhadas no subentendido do texto.

Not to Be Believed é um episódio que acontece várias coisas, o que lhe dá uma energia tão potente tanto quanto confusa de se acompanhar, pensando no teor político da narrativa. Felizmente, depois dele, como esperado, Impeachment parece realmente que vai ganhar fôlego e tem tudo para dar um salto explosivo para os próximos episódios.

American Crime Story (Impeachment) – 3X03: Not To Be Believed | EUA, 21 de Setembro de 2021
Showrunners: Ryan Murphy, Sarah Burgess
Direção: Michael Uppendahl
Roteiro: Sarah Burgess, Daniel Pearle (baseado no livro A Vast Conspiracy: The Real Story of the Sex Scandal That Nearly Brought Down a President de Jeffrey Toobin)
Elenco: Sarah Paulson, Beanie Feldstein, Annaleigh Ashford, Clive Owen, Billy Eichner, Elizabeth Reaser, Cobie Smulders, Taran Killam, Rae Dawn Chong, Danny Jacobs, George Salazar, Christopher McDonald, Kim Matula, Judith Light, Emma Malouff, Christopher Wallinger, James Thomas Gilbert, Emil Beheshti, Jeff Elam, Jenny C. Paul, Jim Rash, Tamra Meskimen
Duração: 60 minutos

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais