Crítica | American Horror Story – 9X08: Rest in Pieces

plano critico Rest in Pieces american horror story

Bom, ninguém poderá dizer que o rumo final de 1984 foi “algo absolutamente inesperado“. Se você acompanha as críticas e os comentários aqui no PC desde Camp Redwood, certamente já viu declarações e votos de que a série se mantivesse em alta em sua reta final, o que claramente não está acontecendo, embora até este penúltimo episódio não tenhamos um único enredo ruim na temporada. Mas a descida de qualidade de uns capítulos para cá só nos faz esperar pelo pior no final. A esta altura, eu ficarei feliz com algo pelo menos medíocre. Tem coisas na vida e na arte que não mudam de jeito nenhum…

Rest in Pieces me pareceu apenas um filler com alguns momentos interessantes. É um bom episódio, mas não traz absolutamente nada de relevante para a história como um todo, talvez com exceção do final, com a “reunião familiar de Mr. Jingles”. Eu disse isso em The Lady in White e repito aqui: essa linha mais íntima que deram para o personagem nesta segunda metade da temporada não foi nada benéfica. Nem para ele e nem para a série, porque parte do grande horror em torno do assassino (que não era assassino e depois virou assassino) simplesmente se perdeu. E com o que temos nesse episódio, quase nada de importância slasher (tema do ano, vejam bem!) sobra para um dos personagens mais legais do ano. Decepção / atrás / de / decepção.

No núcleo do roteiro de Adam Penn, apenas a continuação de algo a que já havíamos sido apresentados lá atrás: a jornada dos personagens fora do acampamento em direção ao grande dia do massacre. Nesse ponto, não há mesmo nenhuma novidade aqui, nem mesmo um ângulo novo para o plano geral ou para a visão desse evento como um todo. Margaret Booth segue com o seu plano de enriquecimento através da carnificina, Ramirez em sua morte para alimentar Satã e Jingles, ao menos em parte, em sua nova caminhada para salvar o filho — plano que já nasceu frustrado. Até o episódio passado eu estava aceitando a “nova postura” do personagem, porque não estava esvaziada de significado, mesmo em sua vida de casado. Mas vejam que há uma grande diferença daquela vida familiar para os lamentos chorosos que tivemos dele aqui. Destoa total do que se esperava dele.

A direção de Gwyneth Horder-Payton valoriza tudo aquilo que a temporada tem de melhor, mas o roteiro do episódio foi demasiadamente curto e sem novidades para gerar um trabalho visual mais apurado. E o elenco jovem, que estava bom em capítulos anteriores, parece profundamente deslocado aqui, o que é uma pena. Agora não há mais surpresas em relação à intenção final. As perguntas ficam em torno da final girl (serão Brooke e Rita mesmo?) e a espera fica em torno do prometido massacre durante o show. Preparados para se decepcionar?

American Horror Story 9X08: Rest in Pieces (EUA, 06 de novembro de 2019)
Direção: Gwyneth Horder-Payton
Roteiro: Adam Penn
Elenco: Emma Roberts, Billie Lourd, Leslie Grossman, Cody Fern, Matthew Morrison, Gus Kenworthy, John Carroll Lynch, Angelica Ross, Zach Villa, DeRon Horton, Lou Taylor Pucci, Leslie Jordan, Stefanie Black, Sean Liang, Lily Rabe, Dylan McDermott, Victoria Hoffman
Duração: 38 min.

LUIZ SANTIAGO (OFCS) . . . . Após recusar o ingresso em Hogwarts e ser portador do Incal, fui abduzido pela Presença. Fugi com a ajuda de Hari Seldon e me escondi primeiro em Twin Peaks, depois em Astro City. Acordei muitas manhãs com Dylan Dog e Druuna, almocei com Tom Strong e tive alguns jantares com Júlia Kendall. Em Edena, assisti aulas de Poirot e Holmes sobre técnicas de investigação. Conheci Constantine e Diana no mesmo período, e nos esbaldamos em Asgard. Trabalhei com o Dr. Manhattan e vi, no futuro, os horrores de Cthulhu. Hoje, costumo andar disfarçado de Mestre Jedi e traduzo línguas alienígenas para Torchwood e também para a Liga Extraordinária. Paralelamente, atuo como Sandman e, em anos bissextos, trabalho para a Agência Alfa. Nas horas vagas, espero a Enterprise abordar minha TARDIS, então poderei revelar a verdade a todos e fazer com que os humanos passem para o Arquivo da Felicidade, numa biblioteca de Westworld.