Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | As Virgens Suicidas

Crítica | As Virgens Suicidas

por Ritter Fan
847 views (a partir de agosto de 2020)

O début diretorial de Sofia Coppola não poderia ser mais intrigante e ousado. Roteirizando o romance de estreia de Jeffrey Eugenides, originalmente publicado em 1993, a filha do grande Francis Ford Coppola mostra, logo na largada, que tem o DNA do pai em uma fita indie cheia de personalidade e crítica social, abordando as difíceis questões da depressão e suicídio adolescentes.

Apesar do tema sombrio e pesado, a diretora parece beber sem pudor do sensacionalmente lírico Picnic na Montanha Misteriosa, do australiano Peter Weir, para contar a história das cinco belas irmãs Lisbon, de 13 a 17 anos, em um subúrbio americano na década de 70 a partir da narração de alguns jovens 25 anos depois de eventos traumáticos catalisados (ou não) pela tentativa de suicídio de Cecilia (Hanna Hall), a mais nova. No filme lá da terra dos cangurus, Weir imprimiu uma atmosfera fabulesca, marcada por cores claras e uma visão enganosamente leve para questões complexas também envolvendo belas jovens.

E Coppola faz o mesmo. Usando predominantemente cores pasteis e uma fotografia quase saturada de Edward Lachman (Carol), ela é bem sucedida não apenas em emular muito bem a época em que o filme se passa (ele é todo, basicamente, um grande flashback), como também em empregar camadas de um verniz de normalidade feliz à vida em tese despreocupada das irmãs, que são cobiçadas por praticamente todos os garotos da escola, mas superprotegidas pela rigorosa e religiosa mãe (Kathleen Turner) e pelo distraído e distante pai (James Woods).

Além disso, o roteiro de Coppola procura focar em apenas uma irmã, Lux (Kirsten Dunst), que funciona como uma representante de toda a angústia e dúvida adolescente, mas sem que haja qualquer guinada sombria na abordagem cinematográfica. A aparência de normalidade, que vai sendo gradativamente quebrada ainda que, para o espectador, ela não exista de verdade desde o primeiro momento em que vemos Cecilia boiando na banheira onde cortou os pulsos, é mantida constantemente, até que uma noitada desregrada de Lux leva a mãe a colocar todas as filhas em algo próximo da prisão domiciliar, o que, obviamente, só aumenta a velocidade em que a bola de neve vai se avolumando.

Mas é importante deixar claro que, ainda que atitude excessivamente controladora da mãe e a postura quase negligente do pai ganhem os holofotes a partir do terço final da obra, o roteiro não tenta achar culpados, nem efetivamente explicar o que acontece com as irmãs. Seria muito simples jogar a culpa no colo dos pais, mas, quando o pior acontece, Coppola retrai sua câmera e desvela a reação – ou, pior, a inação! – da sociedade ao entorno da casa dos Lisbon que trata tudo com aquele momentâneo choque falso moralista, apontando dedos e levantando narizes, somente para, no dia seguinte, esquecerem tudo propositalmente, já que é um inconveniente lembrar de algo que “jamais” poderia acontecer com eles. Nesse aspecto, o roteiro escorrega ao fazer com que o narrador – representando um grupo de jovens vizinhos vidrados nas meninas – se pergunte diversas o que aconteceu, afirmando outras tantas vezes que eles nunca souberam explicar o ocorrido, apoiando-se em um didatismo deslocado que, de outra forma, é completamente ausente da obra.

Outro escorregão da narrativa é quando o foco muda para o “gostosão” da escola, Trip Fontaine (vivido de forma hilária por Josh Hartnett), quebrando o ritmo fluido que vinha sendo a marca da fita. Trip é importante e sua relação com Lux é um ponto de virada na história, mas a questão é que um espaço muito grande é dado para a construção do personagem, com direito até a ele aparecer em sua versão adulta (Michael Paré, o herói de Ruas de Fogo), o que altera o eixo narrativo por tempo demais, quase como se um interlúdio começasse no meio da história. Isso, aliás, acaba forçando a aceleração da narrativa no terço final, criando um leve desequilíbrio com a forma compassada como tudo vinha sendo construído.

No entanto, Sofia Coppola compensa parte dos problemas não só com uma direção segura e uma fotografia inesperada, como também com um belo trabalho de direção de atores, exigindo o máximo de Dunst e Hartnett que têm química imediata e crível, além da dupla de veteranos Kennedy e Woods, perfeitamente irritantes como os pais das jovens. Há, também, pontas de Danny DeVito como um psiquiatra cheio de explicações padrão para o que Cecilia em tese sente e Scott Glenn como um padre que tenta dar alívio espiritual à família, mas que também está tão “no automático” quanto o psiquiatra, refletindo em outros níveis a sociedade desinteressada na tragédia e, em última análise, nós mesmos.

As Virgens Suicidas, apesar de seus problemas de passo e foco, é uma corajosa forma de abordar questões tão sensíveis e tão atuais, reunindo lirismo, inteligência e até um leve tom cômico que leva a um difuso sentimento sombrio que vai acometendo o espectador vagarosamente. Sofia Coppola mostra a que veio já no começo de sua carreira na cadeira de diretora de longas em um trabalho maduro e comovente que deveria servir de sinal de alerta para muita gente.

As Virgens Suicidas (The Virgin Suicides, EUA – 1999)
Direção: Sofia Coppola
Roteiro: Sofia Coppola (baseado em romance de Jeffrey Eugenides)
Elenco: James Woods, Kathleen Turner, Kirsten Dunst, Josh Hartnett, Michael Paré, Scott Glenn, Danny DeVito, A.J. Cook, Hanna Hall, Leslie Hayman, Chelse Swain, Anthony DeSimone, Lee Kagan
Duração: 97 min.

Você Também pode curtir

11 comentários

planocritico 27 de junho de 2018 - 05:32

Não sei se ele é mais atual ou se, agora, com as redes sociais, ele apenas tornou-se mais presente, por assim dizer.

Abs,
Ritter.

Responder
Diogo Maia 25 de junho de 2018 - 19:54

O tema central deste filme está mais atual do que na época em que foi realizado, infelizmente.

Responder
Nana 13 de agosto de 2017 - 16:19

Eu li o livro,o filme é bem fiel,mas depois de ler fica claro que os meninos têm problemas e até alguma culpa

Responder
planocritico 14 de agosto de 2017 - 15:19

Interessante, @nalleloves1d:disqus ! Acho que Sofia Coppola quis fugir dessa culpabilização, mesmo que de certa forma ela coloque muito a carga do que acontece com as quatro jovens nos pais, mas sem que seja um fator determinante, até porque a primeira menina se suicida sem maiores explicações.

Abs,
Ritter.

Responder
Nana 21 de agosto de 2017 - 18:18

Verdade,ela fez algumas alterações, como o fato que a Mary sobrevive e se mata quando volta do hospital e a relação das meninas com uma psicóloga da escola,um capítulo bem interessante, as meninas se abriam com ela e falavam que se sentiam sufocadas

Responder
planocritico 24 de agosto de 2017 - 12:53

Acho que esse momento com a psicóloga poderia tornar o filme muito didático, mesmo que funcione no livro.

Abs,
Ritter.

Responder
Nana 26 de agosto de 2017 - 23:33

Verdade, mas os meninos ouviram por alto e não sabem exatamente o que foi conversado.A forma que o escritor narra é bem bonita e a gente fica imaginando…

Gabriel 5 de agosto de 2017 - 17:45

Eu vi esse filme ontem, achei maravilhoso e que ótima crítica. Apesar de concordar que a parte do Trip foi alongada, confesso que gostei da história, pelo menos em algumas partes, como na cena dele vendo TV com a família da Lux.

Responder
planocritico 5 de agosto de 2017 - 20:18

@ZL36:disqus , é um belo e delicado filme, que lida de forma diferente com questões bem pesadas. Foi bastante corajoso de Sofia Coppola fazer desse jeito.

Sobre Trip, a cena dele vendo TV na casa dos Lisbon é muito boa mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel 5 de agosto de 2017 - 23:06

Sim, o filme é bem contrastante mesmo. No fim, você termina com uma sensação que a história passa por esses temas pesados de forma natural, e não uma forçação de barra.

Responder
planocritico 6 de agosto de 2017 - 14:56

Exatamente. Você classificou muito bem: parece algo natural, lógico. Horrível e angustiante, e a normalidade de tudo, se pararmos para pensar, torna tudo ainda pior e, muito estranhamente, mais digerível, sei lá…

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais