Home TVEpisódio Crítica | Ataque dos Titãs (Attack on Titan) – 4X10: Argumento Correto

Crítica | Ataque dos Titãs (Attack on Titan) – 4X10: Argumento Correto

por Kevin Rick
6078 views (a partir de agosto de 2020)
Argumento Correto

  • Há spoilers. Leiam, aqui, a crítica dos episódios anteriores.

Como esperado, Argumento Correto continua o desenvolvimento político da narrativa com mais dedicação. Chega a ser engraçado como a fantasia e as teorias sobre uma resolução mística foram caindo por terra ao longo das temporadas, assumindo este posicionamento de diplomacia, monarquia e acordos internacionais como delineadores das ações dos personagens, e, por consequência, do desfecho da obra. Claro que o fantástico não saiu de cena, e muitas questões da mitologia da série pairam no ar, conforme certas respostas como a origem dos Titãs, o mistério dos Ackerman, entre outras perguntas provavelmente terão uma saída mais irreal, só que é interessante a construção realista que Isayama continua preenchendo na trama. São elementos completamente esperados, já que são elaborações habituais do anime, contudo, é sempre bacana perceber o ótimo controle do autor sob o realismo mesclado ao absurdo.

Isso é muito bem transposto nos diálogos com o Reino Hizuru e a enviada da nação para negociações, Kiyomi Azumabito. Toda a temática cultural, de preconceito e contexto histórico são apenas ladainhas e desculpas frente ao comércio e o poderio bélico. Os Titãs, o “Rugido da Terra”, os recursos raros de Paradis, a linhagem especial de Mikasa, são todos partes de termos de contrato e atributos de ambição e interesse de outros países. Não é como se o teor racial sumisse, mas Isayama dá aquele característico toque político, expondo como tudo se resume a ganhos e benefícios governamentais. E o autor faz a transição de um arco mais calcado no preconceito racial de Marley para o núcleo de contextualização política de modo bastante orgânico.

O lento aprendizado de Paradis sobre as conjunturas de alianças internacionais nos situam bem do crescimento político da nação Eldiana, existindo uma falta de frieza e dependência dos soldados voluntários para tais situações governamentais. Por isso que a desconfiança de Pixis continua sendo bastante relevante e provém uma maturidade oficial dos Eldianos. Isso também é visto na ótima manobra de Historia com a gravidez, lhe dando influência sobre a decisão da passagem real do “Rugido da Terra”. E por que não, as próprias ações de Eren expõem este desenvolvimento politicamente estratégico dos personagens, me levando a reconsiderar sua parceria com Zeke. Imaginava existir uma cumplicidade ali, mas o progresso da narrativa, por causa do flashbacks do protagonista contra Historia assumir o Titã Bestial, tomam um possível rumo de traição de um dos lados.

Porém, não apenas de política vive Argumento Correto. O autor trabalha o arco de Eren brilhantemente ao decupar a narrativa entre o passado e o presente, utilizando a cena do espelho até como simbologia da divergência ideológica e de caráter do protagonista. A melancolia da perda de humanidade de Eren apresentada pelos laços de amizade configuram momentos taciturnos e sentimentais, no qual o protagonista não tem apenas assumido a figura antagônica, mas torna-se uma espécie de recipiente de vários males da obra como ódio cíclico e visão unilateral da guerra, o que é estranho, e posso estar errado, mas pensava que o arco do personagem seria trágico do ponto de vista de um mártir, porém tenho sentido uma espécie de egoísmo crescente deturpando os ideais do protagonista. Independente do caminho escolhido, o dramático desenvolvimento de Eren soa cada vez mais pessimista, o que faz sentido ao pensarmos na série como um todo.

Em mais um episódio de preenchimento narrativo, Attack on Titan mantém um excelente roteiro, equilibrando a construção de um teor mais realista e de expansão política com a dramática dinâmica do grupo principal da Divisão de Reconhecimento, especialmente focada na psique aparentemente quebrada de Eren. Ao que tudo indica, os próximos episódios continuarão o arranjo mais intimista e político, e, honestamente, estou mais ansioso pelas resoluções dos acordos, possíveis traições e rachaduras ideológicas do que qualquer batalha grandiosa. Aliás, Zeke continua uma incógnita, hein?

Attack on Titan – 4X10: Argumento Correto (進撃の巨人, Shingeki no Kyojin – 正論 Seiron, Japão, 13 de fevereiro de 2021)
Criado por: Hajime Isayama
Direção: Kaori Makita
Roteiro: Hajime Isayama, Hiroshi Seko
Elenco:  Takehito Koyasu, Yoshimasa Hosoya, Ayane Sakura,  Natsuki Hanae, Toshiki Masuda, Manami Numakura, Yûmi Kawashima, Ayumu Murase, Masaya Matsukaze, Jirô Saitô, Tôru Nara, Yû Shimamura, Yûki Kaji, Kazuhiro Yamaji, Hiroshi Kamiya, Romi Pak, Kishô Taniyama, Hiro Shimono, Yû Kobayashi
Duração: 24 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais