Home QuadrinhosEm Andamento Crítica | Batman, Batman e Robin, Detective Comics e Batman – O Cavaleiro das Trevas: Anuais #1 (Novos 52)

Crítica | Batman, Batman e Robin, Detective Comics e Batman – O Cavaleiro das Trevas: Anuais #1 (Novos 52)

por Filipe Monteiro
131 views (a partir de agosto de 2020)

 

Batman – Anual #1 
Roteiro: Scott Snyder e James Tynion IV.
Arte: Jason Fabok.
Arte Final: Peter Steigerwald.

estrelas 5,0

Assim como o título Primeira Neve indica, a edição #1 anual dos Novos 52 deixa a ação um pouco de lado e se dedica a fazer um resgate ao passado de Victor Fries, o Sr. Frio. Após ter estado no Asilo Arkham por um bom tempo, Victor arquiteta sua escapada e foge com dois planos em mente: resgatar sua amada Nora e se vingar de Bruce Wayne, que os afastou.

Nem é preciso dizer que relativo pouco tempo de carreira, Scott Snyder prova levar jeito para a coisa e desenvolve seus roteiros muito bem. Isso não é algo que se percebe somente nesta edição, mas em todo o seu trabalho nos novos 52. Neste anual, em especial, o roteirista consegue expressar, de maneira bastante convincente, todos os anseios, dilemas e ilusões de Victor Fries. Por alguns momentos, quando a trama é relatada pelo ponto de vista de Sr. Frio, é inevitável sentir pena do cientista e uma ponta de raiva de Bruce Wayne.

A arte de Jason Fabok também não fica atrás. Os traços são precisos, expressivos e riquíssimos em detalhes. No entanto, a potência de sentido que da arte de Fabok seria reduzida em larga escala sem a presença das cores de Peter Steigerwald. O jogo que o ilustrador faz com o contraste e a dicromia misturando tons quentes a tons frios, além de dialogar com toda a história, trabalha com o instinto de dualidade presente tanto em Fries quanto em Wayne.

É interessante perceber a autonomia que o roteirista ganhou nos novos 52 para propor novos caminhos aos personagens, bem como novos plots, a exemplo do que aconteceu com a história de Nora Fries, aqui tratada como Nora Fields. Com um desfecho surpreendente que questiona tanto os valores quanto as prioridades de Victor Fries, Snyder fecha o círculo de uma história curta, simples e muito boa.

.

 Batman e Robin – Anual #1
Roteiro: Peter J. Tomasi.
Arte: Ardian Syaf e Vicente Cifuentes.
Arte Final: John Kalisz.

estrelas 4

Assim como acontece na maioria das tramas que envolvem Batman e Robin, salvo algumas exceções, a história que o este anual traz é mais leve e apela para o uso da comédia e do sentimento em família. O que Peter J. Tomasi nos conta é o jogo duplo de Damian Wayne que leva o pai para a Europa sob o pretexto de fazer com que Bruce conheça mais sobre o seu passado e assim possa criar alguma aproximação familiar com seu filho que, de quebra, ficaria sozinho em casa e livre para patrulhar as ruas de Gotham vestido com os trajes do Batman.

O roteiro é bem competente no que se propõe e mostra alguns lados pouco abordados de Bruce Wayne. Neste momento, o rapaz se mostra mais emotivo e menos controlador em relação ao filho. Damian, em contrapartida, faz as vezes do rapazote que pensa ser homem, cuja rebeldia sem causa consegue ser incrivelmente irritante.

Assim como o roteiro, a arte é segura e constante, desempenhando de maneira competente seu papel na revista. Os ilustradores não são tão ousados, mas também não precisam disso, uma vez que a premissa é uma revista mais descontraída.

Não há muito a surpreender o leitor no anual #1 de Batman e Robin, mas sob maneira alguma a leitura pode ser considerada uma perda de tempo. Pelo contrário, ler essa história arranca gargalhadas, entretém e serve como um ótimo passatempo.

.

Detective Comics – Anual #1
Roteiro: Tony S. Daniel
Arte: Romano Molenaare, Andrew Dalhouse e Pere Perez.
Arte Final: Sandu Florea.

estrelas 2

Muito, mas muito longe da excelência, o que ganhamos neste anual é uma trama mal trabalhada, pobre em detalhes discursivos, cuja rasa narrativa pouco se desenvolve e estaria praticamente estagnada não fosse por alguns solavancos que são dados quando a história vai chegando ao fim.

A trama se desenvolve em torno da fuga de Roman Sionis, o Máscara Negra, que, após recuperar alguns dos seus truques de persuasão, escapa do Asilo Arkham obstinado a recuperar suas máscaras e reorganizar a Sociedade da Face Falsa. Quem entra no seu caminho para conseguir utilizar os poderes da máscara e controlar pessoas estratégicas em Gotham City é o Chapeleiro Louco. É aí que se inicia o papel do Morcego, que deverá conter essa disputa e enviar os criminosos de volta a Arkham.

Apesar de ter um desenvolvimento problemático, acredito que a maior falha está no argumento da história. Tony S. Daniel não apresenta novidade alguma, tanto em relação aos vilões retratados, quanto à situação que relata. Novamente alguém escapa de Arkham, tenta se reerguer e dá mil pistas do paradeiro após a fuga. Será que eles realmente esperam que isso passaria despercebido aos olhos de Gordon e Batman? Não sei quem este roteiro subestima mais, se o personagem, ou o leitor.

.

Batman – O Cavaleiro das Trevas – Anual #1 
Roteiro: Gregg Hurwitz.
Arte: Syzmon Kudranski.
Arte Final: John Kalisz.

estrelas 1,5

Aos leitores que buscam no anual de Batman – O Cavaleiro das Trevas algum tipo de salvação para as desastrosas publicações que vêm chegando às bancas, eu deixo de antemão minhas sinceras condolências, já que pouca melhora é percebida. A verdade é que Batman – O Cavaleiro das Trevas começou com o pé esquerdo. Competindo com outros arcos melhores desenvolvidos, a série não conseguiu espaço muito menos aceitação de público.

Neste roteiro mais clichê que Caio Fernando Abreu em página de Facebook, Gregg Hurwitz relata a noite em que Pinguim, Espantalho e Chapeleiro Louco foram convidados para um falso encontro de dia das bruxas. Lá, percebem que foram atraídos para uma possível armadilha e tentam descobrir o motivo de estarem ali reunidos.

Não há problemas na arte da revista. Os desenhos e as cores são de boa qualidade, até porque isso é uma constante em todas as revistas dos Novos 52. O que incomoda é de fato o roteiro que nada acrescenta de novo à história, tem pouco poder de entretenimento e parece caminhar sem que nunca saia do lugar.

Você Também pode curtir

8 comentários

João Felipe 18 de junho de 2014 - 20:02

Tenho uma dúvida. Essas edições chegaram ao mercado brasileiro?

Responder
Filipe Monteiro 19 de junho de 2014 - 03:47

Chegaram sim, João.

Responder
João Felipe 19 de junho de 2014 - 15:25

Vieram no mix de Batman e A Sombra do Batman? Porque li todas a partir da zero, agora estou comprando as antigas e queria saber se elas estarão entre elas. Obrigado!

Responder
Filipe Monteiro 22 de junho de 2014 - 04:52

Rapaz, olhe só! Me precipitei e acabei te dando informação errada. Perdão, mas creio que ainda não chegaram às bancas brasileiras. Tente dar uma olhada em alguns sites. Tem muita gente vendendo as versões originais americanas.

Responder
João Felipe 23 de junho de 2014 - 19:21

A Batman Anual #1 saiu no mix de Batman #9. A Dark Knight a Panini disse que não irá lançar, já Detective Comics e Batman e Robin eu não sei… Mas o que importa é que Batman veio kkkk

Luiz Santiago 11 de junho de 2014 - 22:36

Dessas, li apenas a do Sr. Frio e gostei imensamente. É uma história de tom sensível e ao mesmo tempo pungente, com um trabalho artístico, como você bem destacou, sensacional.

Responder
Filipe Monteiro 14 de junho de 2014 - 08:02

De todas essas, a do Sr. Frio é de longe a minha favorita. Recomendo a leitura do anual do Batman e Robin. Nem passa perto da genialidade de Snyder na primeira, mas é bem divertida de ler!

Responder
Luiz Santiago 14 de junho de 2014 - 20:03

Eu pretendo ler as outras. Estou esperando terminar os respectivos arcos antes das anuais para ler. A do “Batman & Robin” deve ser boa mesmo. Pelo menos a revista, até a edição 8 é.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais