Home Música Crítica | Batman – O Cavaleiro das Trevas (Trilha Sonora Original)

Crítica | Batman – O Cavaleiro das Trevas (Trilha Sonora Original)

por Lucas Nascimento
156 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 5,0

Com a aprovação de uma sequência para Batman Begins, Christopher Nolan imediatamente reuniu a mesma equipe de seu ousado reboot do Homem-Morcego. Claro, Hans Zimmer e James Newton Howard retornariam para a trilha sonora, que dessa vez contaria com o desafio de aumentar a escala do drama, da ação e de seu novo antagonista, o Coringa de Heath Ledger. Todos sabemos o resultado. Batman – O Cavaleiro das Trevas é indubitavelmente o melhor filme de super-heróis já produzido até hoje. Um verdadeiro divisor de águas para o gênero e todo o cinema blockbuster contemporâneo.

Mas falemos sobre a fantástica trilha sonora, que definitivamente ajuda o filme a construir uma atmosfera marcante. Chutando a porta, o tema principal do filme é aquele conferido ao Palhaço do Crime, na faixa batizada de Why So Serious?. E se há uma palavra para definir essa faixa sonora é tensão. Inquietante, arrepiante e assombrosa. E essa avalanche de sensações é resultado de uma mera combinação de duas notas (D e C, que comecem as teorias conspiratórias) em um violoncelo elétrico, que lentamente mantém essas notas em infinita extensão, como uma bomba prestes a explodir; a definição perfeita para o antagonista, que é devidamente antecipado e introduzido por essa peça sonora no longa. Tome como exemplo o início da cena de perseguição do comboio, que é repentinamente expurgada de toda a paisagem sonora para dar espaço ao tema do Coringa. A sensação inquietante é clara: vai dar m…

https://www.youtube.com/watch?v=-QjuEWsdgEc

Mas o longo tema de 9 minutos vai além. Zimmer e Howard trazem rápidas percussões de violinos, guitarras eletrônicas e elementos eletrônicos que se assemelham a relógios e batidas súbitas, trazendo um forte clima de punk rock que vai alastrando-se pelo tema central do Batman em faixas como Agent of Chaos e Like a Dog Chasing Cars, dando o tom certeiro paras as principais cenas de ação, em particular aquela na qual Batman corre contra o tempo para salvar Rachel e Harvey Dent de um jogo sádico do vilão. Poucas vezes um personagem foi tão bem definido por seu tema musical do que o Coringa de Ledger.

E por falar em Dent, ele é um dos principais novos temas. À cargo de Howard, Harvey Two-Face é uma faixa de cordas e piano mais serena do que o caótico tema do Coringa, uma música imponente cujos fortes trompetes traduzem a cruzada da justiça do destemido promotor público. E, claro, as cordas mais graves que preveem sua trágica caída para o alterego do Duas Caras.

Quanto à nosso herói principal, a dupla de compositores traz de volta praticamente todos os temas criados para Batman Begins, o que é um acerto considerando a qualidade e personalidade do trabalho alcançado. I’m Not a HeroA Dark Knight resgatam os acordes épicos e justiceiros do personagem, mas acrescentando mais drama e intensidade através de cordas e trompetes. O que a dupla atinge durante a antológica cena final em que Batman se vê forçado a assumir uma injusta – mas necessária – imagem negativa, a música explode em toda sua glória; os violinos exalam algo magnífico e os tambores trazem a força desse recém-batizado cavaleiro das trevas.

Naquele momento, estava bem evidente que Hans Zimmer e James Newton Howard faziam História com a música do personagem.

The Dark Knight: Original Motion Picture Soundtrack

Composto e conduzido por Hans Zimmer e James Newton Howard
Gravadora:
 Reprise
Ano: 2008
Estilo: Trilha Sonora

Você Também pode curtir

4 comentários

Fernando Campos 20 de abril de 2016 - 12:11

Primeira vez que leio uma crítica sobre a trilha sonora de um filme. Achei excelente, parabéns pela forma clara como escreve e o conhecimento aprofundado que demonstra ter. Adorei a leitura, estou ansioso para mais conteúdos seus. Aliás, Hanz Zimmer é um dos meus favoritos, principalmente o trabalho dele em Interestelar (uma das poucas coisas que gosto naquele filme). Mas mais uma vez, parabéns pela crítica!

Responder
Lucas Nascimento 21 de abril de 2016 - 13:16

Muito obrigado, Fernando! Estamos cada vez mais tentando aumentar nosso arquivo de trilhas aqui no Plano. Fique ligado que ainda teremos mais 3 análises do Zimmer aqui!

Abrax!

Responder
Lucas Nascimento 21 de abril de 2016 - 13:16

Muito obrigado, Fernando! Estamos cada vez mais tentando aumentar nosso arquivo de trilhas aqui no Plano. Fique ligado que ainda teremos mais 3 análises do Zimmer aqui!

Abrax!

Responder
Fernando Campos 20 de abril de 2016 - 12:11

Primeira vez que leio uma crítica sobre a trilha sonora de um filme. Achei excelente, parabéns pela forma clara como escreve e o conhecimento aprofundado que demonstra ter. Adorei a leitura, estou ansioso para mais conteúdos seus. Aliás, Hanz Zimmer é um dos meus favoritos, principalmente o trabalho dele em Interestelar (uma das poucas coisas que gosto naquele filme). Mas mais uma vez, parabéns pela crítica!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais