Crítica | Big Finish Mensal #45: Project: Lazarus

project_lazarus_plano critico big finish

Project: Lazarus é a continuação de Project: Twilight, agora com o 6º Doutor tentando resolver consequências de suas ações passadas e, infelizmente, abrindo as portas para a ocorrência de outros problemas. Inicialmente, o roteiro de Cavan Scott e Mark Wright coloca o Time Lord e Evelyn em contato com Cassandra Schofield, que havia contraído um perigoso vírus (“vampírico”) na aventura anterior. Esse retorno dos viajantes no tempo deveria ser celebrado, pois traria a liberdade para Cass, o fim de suas fugas, mas Nimrod está novamente à frente do Doutor e tomou conta da situação, trazendo algo bastante espantoso para o espectador.

O roteiro traz muitas semelhanças com o episódio de apresentação da Forja, mas está bem mais focado na empreitada de Nimrod , que aqui ganha ares bem mais industriais e de obtenção total de poder. Embora esses ingredientes também pudessem ser vistos na aventura de estreia do personagem, havia uma atmosfera mais sombria, olhando de modo mais intenso para a questão dos vampiros… ou seja lá que experimentos se faziam nas dependências da Forja. Neste Project: Lazarus, o ponto de atenção é outro, inicialmente bastante interessante e depois deixando mais interrogações do que boas passagens pelo caminho.

Nos dois primeiros episódios do arco, temos um tratamento cada vez mais intenso, como se fosse um drama de espionagem industrial somado a certos ingredientes macabros. A relação entre o Doutor e Evelyn é fortemente afetada pela morte de Cass e ainda tem o grande segredo que a companion está escondendo do Doutor: o fato de ela sofrer de problemas do coração. É muito tocante o diálogo que a professora tem com Cass sobre confiança e sobre esconder ou não algo de si mesmo para os outros. Somado à forte emoção que já vimos abalar Evelyn em Doctor Who and the Pirates, começamos a pensar em uma nova fase da relação entre ela e o Doutor.

doctor who plano crítico LAZARUS

Ilustração desse episódio feita por Martin Geraghty na DWM #332.

Já nos dois últimos episódios parece que estamos diante de uma outra saga. Agora temos a presença do 7º Doutor e de um clone do 6º, feito por Nimrod e Cia. como parte dos experimentos da Forja. Esse ponto da trama é o mais solto e o menos interessante do arco. Mesmo com uma abordagem mais urgente do que a dos capítulos iniciais e com muito mais coisas em jogo, a complexidade da história e o grande corte temporal entre um momento e outro nos retira consideravelmente do mergulho que inicialmente fizemos no enredo e nos faz aproveitar um pouco menos o que vem adiante. Não se trata de uma progressão ruim, mas, perdido o senso de unidade, o espectador também perde a ligação com os eventos e demora um pouco até construir algo novo. Quando isso se faz, no entanto, a história acaba, deixando a possibilidade de retomada dessa mesma dor de cabeça no futuro.

Project: Lazarus (Big Finish Mensal #45) — Reino Unido, junho de 2003
Direção: Gary Russell
Roteiro: Cavan Scott, Mark Wright
Elenco: Colin Baker, Maggie Stables, Sylvester McCoy, Stephen Chance, Rosie Cavaliero, Emma Collier, Adam Woodroffe, Ingrid Evans, Vidar Magnussen, Mark Wright
Duração: 105 min.

LUIZ SANTIAGO (OFCS) . . . . Após recusar o ingresso em Hogwarts e ser portador do Incal, fui abduzido pela Presença. Fugi com a ajuda de Hari Seldon e me escondi primeiro em Twin Peaks, depois em Astro City. Acordei muitas manhãs com Dylan Dog e Druuna, almocei com Tom Strong e tive alguns jantares com Júlia Kendall. Em Edena, assisti aulas de Poirot e Holmes sobre técnicas de investigação. Conheci Constantine e Diana no mesmo período, e nos esbaldamos em Asgard. Trabalhei com o Dr. Manhattan e vi, no futuro, os horrores de Cthulhu. Hoje, costumo andar disfarçado de Mestre Jedi e traduzo línguas alienígenas para Torchwood e também para a Liga Extraordinária. Paralelamente, atuo como Sandman e, em anos bissextos, trabalho para a Agência Alfa. Nas horas vagas, espero a Enterprise abordar minha TARDIS, então poderei revelar a verdade a todos e fazer com que os humanos passem para o Arquivo da Felicidade, numa biblioteca de Westworld.