Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Black Water: Perigo no Oceano

Crítica | Black Water: Perigo no Oceano

Um naufrágio completo.

por Ritter Fan
249 views

Black Water: Perigo no Oceano, também conhecido por aqui como Na Escuridão do Oceano, é mais um filme de Jean-Claude Van Damme que demonstra ter potencial em sua premissa, mas que naufraga quase que exclusivamente em razão de uma direção completamente inábil que não consegue fazer o básico de longas de ação de baixo orçamento. O produtor Pasha Patriki decidiu testar suas habilidades no comando direto de uma obra cinematográfica e tudo o que ele conseguiu foi jogar no lixo não só um roteiro até razoavelmente interessante, ainda que bem falho, de Chad Law, como também a reunião do astro belga com Dolph Lundgren depois da franquia Soldado Universal e de Os Mercenários 2.

Mais ou menos como em Rota de Fuga, Black Water reúne dois astros dos anos 80 em uma prisão ultrassecreta, mas, diferente do longa protagonizado por Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger, essa reunião é deixada de lado e trocada pelo pareamento do veteraníssimo agente da CIA Scott Wheeler (Van Damme) com a jovem agente Cassie Taylor (Jasmine Waltz) em sua tentativa de descobrir quem é o traidor de sua agência que o colocou na tal prisão que, não demora nem dois minutos, descobrimos que fica em um submarino. Com a insistência em se colocar Wheeler ao lado de Taylor, dois problemas imediatos aparecem, com o primeiro deles sendo o desperdício quase que completo de Lundgren como o prisioneiro alemão Marco, que é introduzido no início e que só retorna à história em seu final e, mesmo assim, por poucos minutos, e o segundo sendo a mais completa incapacidade de Waltz de atuar de maneira minimamente convincente. Ela é tão ruim em seus esforços dramáticos que, em comparação, Van Damme e Lundgren mereciam o Oscar.

Mas a grande verdade é que até mesmo esses problemas do filme seria suportáveis se Patriki soubesse reger o filme com algum resquício de competência. Sua inabilidade atrás das câmeras já fica evidente com o flashback alongado que conta como Wheeler foi parar na prisão secreta. Toda a sequência era para ser uma grande introdução ao personagem, ao seu envolvimento romântico com a agente Melissa Ballard (Courtney B. Turk), à sua missão de descobrir quem é o grande vilão e tudo mais. O que temos, porém, não passa de uma sucessão de cenas cansadas, desconexas e que, quando descambam para o tiroteio, ficam piores ainda, com uma montagem amadora que extrai toda e qualquer tensão e lógica do momento. É como uma aula magna de como não dirigir sequências de ação.

E esse problema se repete basicamente todas as vezes em que a pancadaria come solta dentro do submarino, mas com dois agravantes: tiroteio em submarino esgarça a suspensão da descrença até um nível hilariamente inaceitável e Van Damme tem suas habilidades marciais reduzidas a quase nada, sendo que não é uma questão de idade aqui, pois em Osso Duro e O Vingador da Iugoslávia, respectivamente de 2015 e 2017, ele não fez feio. Em outras palavras, Black Water não entrega nada que promete, nem mesmo um Van Damme chutador de bundas para nos distrair de trocas de tiros ridiculamente mal executadas e da hilária “atuação” da beiçuda Waltz.

Claro que há outros problemas que se originam do roteiro e que são agravados pela direção, como personagens que simplesmente desaparecem do nada e uma tentativa de se criar uma hierarquia e compartimentalização interna no submarino que são vergadas tantas vezes que suas meras menções passam a ser inadvertidamente engraçadas, mas falar deles todos tornaria esta crítica desnecessariamente longa. O que fica, depois dos 104 minutos de Black Water, é aquela incômoda impressão de que a produção acha que filme de baixo orçamento é sinônimo de filme ruim, enquanto que a lista de filmes baratos que fizeram escola na História do Cinema é infindável. E olha que eu jamais esperaria que um filme estrelado por Van Damme faça escola, mas eu espero sim, no barato, algo que seja aproveitável e não uma mixórdia feitas nas coxas por alguém que não tem ideia do que é dirigir um filme…

Black Water: Perigo no Oceano (Black Water – Canadá/EUA, 2018)
Direção: Pasha Patriki
Roteiro: Chad Law (baseado em história de Chad Law, Tyler W. Konney, Richard Switzer)
Elenco: Jean-Claude Van Damme, Dolph Lundgren, Jasmine Waltz, Al Sapienza, Patrick Kilpatrick, Courtney B. Turk, Aaron O’Connell, Aleksander Vayshelboym, Cathal Pendred, Kris Van Damme, Tandi Tugwell, John Posey, Tom Glynn, Ian Niles, Lance E. Nichols, Christopher Heskey
Duração: 104 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais