Home QuadrinhosMinissérie Crítica | Brad Barron – Vol. 3: Terra Perdida

Crítica | Brad Barron – Vol. 3: Terra Perdida

por Luiz Santiago
138 views (a partir de agosto de 2020)

Referenciando Os Brutos Também Amam, um faroeste clássico dirigido por George Stevens, esta terceira edição da série Brad Barron mostra a primeira parada do protagonista após fugir de Manhattan, tema explorado no volume anterior. Sem gasolina para a moto que encontrou pelo caminho, ele faz uma parada e ouve, num matagal próximo, o grito de uma mulher mais alguns tiros logo a seguir. Este é o começo de uma amizade entre Barron, Ellen e seu jovem filho Tommy, que tentam sobreviver na fazenda família, evitando ao máximo chamar a atenção dos morbs.

Assim como aconteceu em Fuga de Manhattan, descobrimos aqui um pouco mais a respeito dos invasores alienígenas, como a pouca atenção que eles dão para a população rural (fazendo valer a estratégia de invadir as grandes cidades do mundo e dominar o restante por tabela) e também um de seus modos de subsistência, nesse caso, a criação de larvas gigantes destinadas à alimentação. Por se tratar de uma história mais humana, focada em uma relação passageira entre Barron e uma família rural, Tito Faraci escolhe não trazer mais nada em relação à organização dos alienígenas. Os que aparecem ligam-se diretamente à presenta de Barron no “cercadinho das larvas” e mais nada, uma escolha que achei bastante acertada.

Desenhado por Giancarlo Caracuzzo, esse volume se mostra o mais caloroso da série até agora, retomando um pouco da alegria que é viver em família e colocando Barron em uma situação de quase paz e felicidade, algo que ele estava precisando. Mesmo que tenha um problema sério para resolver aqui e o personagem precise usar a força e ser colocado em situações de grande perigo, o motivo da luta é familiar, para salvar uma mulher viúva e seu jovem filho que o tempo inteiro quer se mostrar o homem da casa, o que dá um sabor diferente à ação do herói e ao próprio status da invasão no mundo.

E assim como em sua base referencial (o western), o herói segue solitário após uma marcante passagem na vida de pessoas desconhecidas. A diferença, aqui, é o fato de que Brad Barron tem um destino fixo, uma missão específica para cumprir. Ele tem esperança de encontrar a filha e a esposa ainda vivas, e é em direção a elas que ele segue.

Em Terra Perdida, Faraci nos dá a oportunidade de respirar um pouco mais levemente, de sair do centro da cidade grande e ver como essa imaginada invasão extraterrestre ganharia forma no interior do país. É uma trama com alguma ternura, a despeito do caos, violência e desesperança em volta dos personagens. Uma fagulha de felicidade e plantio de esperança num mundo aparentemente perdido.

Brad Barron – Vol. 3: Terra Perdida (Terra Perduta) — Itália, julho de 2005
Roteiro: Tito Faraci
Arte: Giancarlo Caracuzzo
Capa: Fabio Celoni
Editora original: Sergio Bonelli Editore
No Brasil: Graphite Editora, 2019
96 páginas

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais