Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Cabra Marcado Para Morrer

Crítica | Cabra Marcado Para Morrer

por Mauricio Rosa
519 views (a partir de agosto de 2020)

Depois de passar por Pernambuco, a UNE-Volante chegou à Paraíba no dia 14 de abril. Duas semanas antes, João Pedro Teixeira, fundador e líder da Liga Camponesa de Sapé, tinha sido assassinado. No dia seguinte a nossa chegada, realizou-se em Sapé, a uns 50 km de João Pessoa, um comício de protesto contra o assassinato”. São com essas palavras que Eduardo Coutinho inicia Cabra Marcado Para Morrer, filme eleito pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema como o melhor documentário brasileiro de todos os tempos.

É importante salientar que era 1962 quando João Pedro Teixeira foi morto numa emboscada. Era 1964 quando a tentativa de Coutinho levar essa história para as telas foi interrompida pelo golpe militar. Era 1984 quando Coutinho teve coragem de retomar aquele tema perigoso e urgente. Hoje, lideranças rurais ainda são brutalmente assassinadas, de modo que no Brasil de 2018 (e além) ainda cabe ver e rever esse filme com gosto amargo na boca, provando de sua perenidade.

Como exercício formal, o filme é uma experiência criativa de montagem, na qual o passado é revisitado no presente para apontar os caminhos do futuro. A narrativa que mescla depoimentos, manchetes e representação é muito bem engendrada, oferecendo duas horas de exímio trabalho de reportagem.

A trajetória dos líderes e contemporâneos da Liga Camponesa, fundada no início dos anos 60, é um misto de luta e medo. Era preciso brigar por direitos e buscar a união entre os trabalhadores, mas “se botasse o nome de sindicato, a gente naufragava, a gente era morto”, revelou João Virginio Silva, um dos nomes fundamentais para entender a tragédia do Brasil campesino. Foi dando voz a pessoas que estavam marcadas para morrer — mas tiveram a sorte de escapar — que Coutinho fez seu manifesto contra a violência.

A técnica de entrevista usada por Coutinho é única — fato que o diretor provou ao longo de sua profícua carreira. São perguntas diretas e objetivas que, no entanto, têm um fundo falso, uma chave debaixo do tapete. Tirada a casca simplória da curiosidade, as indagações permitem revelações espontâneas e verdades até então resguardadas. As personagens desse documentário, recém-saídas de uma ditadura, abrem mão da clandestinidade social e política a que foram submetidas para falarem sobre bastidores e feridas das Ligas Camponesas. Toda essa franqueza, por vezes arredia, só é possível por causa do carisma do diretor, tratado por Elizabeth Teixeira, a viúva de Pedro, não como uma autoridade, mas como um igual capaz de se tornar mais um braço articulado das causas humanistas. A realização do documentário foi, sem dúvida, o maior suspiro democrático que Elizabeth teve, uma vez que ela foi obrigada a abandonar os filhos e assumir uma nova identidade por causa da perseguição política.

Em síntese, com esse filme-denúncia, Coutinho nos faz compreender que as querelas do Brasil não prescrevem. Os dramas cujo pilar se encontra no terreno dos direitos civis, da solidariedade e da cidadania parecem não ter fim nem solução por aqui. Tanto como raiz quanto como sintoma de um país que não avança, Cabra Marcado Para Morrer é um legado pungente e grandioso do recorrente mal-estar brasileiro.

Cabra Marcado Para Morrer (Brasil, 1984)
Direção: Eduardo Coutinho
Roteiro: Eduardo Coutinho
Duração: 120 minutos

Você Também pode curtir

3 comentários

Hans Müller Cetto 8 de abril de 2021 - 00:56

Esse filme é um obra prima com toda certeza!

Responder
Paulo Rodrigo Silva de Campos 4 de julho de 2018 - 11:37

Que filme incrível. Cabra Marcado para Morrer diz muito sobre o que é o Brasil, a convivência do arcaico com o moderno, a violência como instrumento de manutenção da ordem. Diz muito também sobre o contexto pré-64, chamado de período da Revolução Brasileira, e que o golpe de 64 buscou enterrar. E também diz muito sobre o Brasil de hoje, como está bem dito na crítica. Parabéns 🙂

Responder
Dan Oliver 3 de julho de 2018 - 15:28

Um dos melhores filmes brasileiros do século XX!!!!!
Nestes tempos sombrios onde se ouve pedidos de golpe militar, essa crítica faz mais sentido do que nunca!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais