Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Chinatown (1974)

Crítica | Chinatown (1974)

por Gabriel Ferreira Vieira
876 views (a partir de agosto de 2020)

Todos que assistem a Chinatown reagem instantaneamente ao final, que, por conseguinte, virou o grande marco do filme, uma grande finalização para uma diferenciada história de investigação. E, na verdade, são os momentos mais pesados do longa que o marcam como um todo, principalmente por ser filmado de forma mais simples — sem uso de grandes técnicas de filme noir, ou algum tipo de caricatura de filmagem europeia, usadas nos filmes mais violentos da época. Tudo nele é sobre o fundo do poço da humanidade, se me for permitido o trocadilho. Sobre as necessidades básicas dos seres humanos e como tudo tomou uma forma polida com a sociedade moderna. Como, com muito mais artifícios, as pessoas passaram a satisfazer a essas necessidades, e como até isso se torna uma forma rentável para terceiros. Como é o caso de Jake Gitter (Jack Nicholson), detetive particular principalmente contratado – assim até hoje sabemos que funcionam essas profissões – por senhores e senhoras dispostos a descobrir possíveis adultérios cometidos por seus cônjuges.

Quando se envolve em um caso com o engenheiro chefe de uma grande empresa de distribuição de água em Los Angeles, a história começa a ganhar diferentes proporções, apesar de mostrar a que veio logo de início, abrindo com uma imagem nada discreta de um casal fazendo sexo no mato. Logo Evelyn Mulwray (Faye Dunaway) entra na história e tudo se conecta. Roman Polanski, um dos mais conceituados diretores poloneses ao lado de Krzysztof Kieslowski, desenvolve uma parábola sobre as necessidades humanas e as leis da moral. A ironia já começa quando o caso principal do filme é sobre um poderoso chefão da distribuição de água, em Los Angeles, que morre afogado em uma cidade que vive problemas pela falta de água. Dessa forma o roteiro por Robert Towne nos faz entrar em algo não tão desconhecido assim: a ganância dos poderosos para obter mais poder ainda.

Pouco a pouco, enquanto Jake Gitter vai conseguindo adentrar no caso e arrancar de Evelyn suas verdades escondidas, somos apresentados a muito mais que a “simples” ganância. Nos é mostrado a origem dela. A grande diferença do roteiro de Towne para qualquer outro filme de investigação é isso: ele não se contenta em mostrar o mal, ele quer achar o porquê. E então Polanski vai nos mostrando tudo. Todo o lado sombrio dentro das pessoas, principalmente essas que tanto buscam o poder a todo custo. Sendo o desenvolvimento do filme, sim, muito sombrio, e a direção do polonês não alivia. Não há jogos de câmera, não há cortes, não há brincadeiras: Polanski mostra tudo. Uma das cenas que marcam o longa é o corte no nariz de Jake, filmado em apenas um take, a faca passando, o sangue esborrando, e o detetive perdendo uma parte do nariz.

E, apesar de muito técnico e conhecedor do que faz, Polanki não exagera, ele dirige Chinatown de forma simples. Ele usa as técnicas básicas de cinema para criar todas as atmosferas presentes no roteiro de Towne. E isso, nesse caso, é seguir o caminho oposto ao do roteirista, que cria uma história labiríntica e profunda, e sabe disso. A impressão que passa é que o brilhantismo do roteiro em algum momento subiu à cabeça de Towne, fazendo-o exagerar, imergir em uma série de cenas altamente teatrais, verborrágicas e metaforicamente super-estilizadas. Enquanto isso a direção segura o pé na embreagem e contém o filme de ir por água abaixo (perdão pelo trocadilho de novo) – apesar de não conseguir evitar exageradas cenas como a das tapas de Jake em Evelyn.

Apesar de todos os exageros o filme continua com a força de seus significados mais profundos. Continua com força por tudo que tem a dizer sobre seres humanos, suas vontades: de amor, de realização financeira, realização profissional, e, no mais profundo dos sentidos, de saciar suas sedes. Chegando a pontos miseráveis, como assassinato e violência sexual, para conseguir todas essas vontades. Ainda, a vontade de Jake em prosseguir com o caso, pode-se dizer, é onde o filme ganha maior potência. Sua força de ir até o final de tudo e conseguir justiça. É com ele que Robert Towne e Roman Polanski montam a sua história de como a moral intrínseca aos seres humanos, quando procurada dentro do indivíduo, pode salvar o dia, por assim dizer. Pode.

Ou não…

Chinatown – EUA, 1974
Direção: Roman Polanski
Roteiro: Robert Towne
Elenco: Jack Nicholson, Faye Dunaway, John Huston, Perry Lopez, John Hllerman, Darell Zwerling, Diane Ladd, Roy Jenson, Roman Polanski, Richard Bakalyan, Joe Martell, Bruce Glover
Duração: 130 min.

Você Também pode curtir

4 comentários

Ricardo 28 de agosto de 2020 - 22:00

Um dos maiores clássicos do cinema com essa nota? Bom, obviamente respeito a critica. Mas fico no aguardo de uma crítica mais positiva a um filme tão bom. Abraços!

Responder
Luiz Santiago 29 de agosto de 2020 - 00:41

A nota é só um detalhe. O tutano está no texto.

Responder
Luiz Santiago 24 de junho de 2018 - 00:35

Gosto bastante desse filme, mas meus problemas com ele residem exatamente nisso que você expôs sobre o roteiro. A história vai até quase a metade com um tipo de simplicidade cínica, que contempla muitos lados, e de repente parece querer mostrar TUUUUUUUUDOOOOO o que há de ruim. A mudança do tom incomoda mesmo. Mas no final, o saldo é bem positivo.

Responder
Gabriel Ferreira Vieira 24 de junho de 2018 - 11:44

Certamente! Apesar de todos os exageros a parceria Polanski/Towne deu bastante certo

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais