Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Contos da Lua Vaga Depois da Chuva

Crítica | Contos da Lua Vaga Depois da Chuva

por Guilherme Almeida
582 views (a partir de agosto de 2020)

Japão, século XVI. A guerra civil destrói casas e famílias, transforma os homens, cada vez mais brutalizados. Genjuro e Tobei querem o lucro e a glória, o primeiro produzindo cerâmicas, o segundo projetando ser samurai. Enquanto isso, suas mulheres Miyagi e Ohama tentam devolver os homens ao bom senso, ensinando-lhes o valor da estabilidade familiar; nos momentos de revolução social, elas bem sabem, o orgulho sobrepuja o cálculo, a desmedida corrói o caráter. Essa dinâmica de valores, entremeado pelo espectro do combate, é o ponto de partida de Contos da Lua Vaga (1953), do grande mestre Kenji Mizoguchi. Para muitos, trata-se do auge de uma carreira brilhante, recheada ela mesma de clássicos imortais muitas vezes esquecidos pelo Ocidente.

Percorrendo novamente a trilha do Jidaigeki, o drama de época, Mizoguchi trabalha temas históricos sem deixar de acrescentar-lhes uma roupagem atual, incluindo debates próprios à sua filmografia como a situação da mulher na estrutura social do Japão. Há preocupação com certo registro fiel da era feudal, porém o que faz dos Contos uma história tão marcante é a mistura de registros, o casamento muito bem-sucedido entre realismo e fantasmagoria. Conforme veremos, os espíritos surgem aqui como encarnações fugazes, mas momentaneamente indistinguíveis, cujo efeito imediato é o embaralhamento entre sonho e vigília, enganando os personagens e o público.

A história pode ser claramente dividida em dois timbres. Um deles é a crueza da guerra, a fome, o estupro, a ambição, o abandono. Toma, grosso modo, a primeira parte da obra, acompanhando sobretudo os arcos das personagens femininas. Ao inferno contrapõe-se o paraíso vivido por Tobei e principalmente Genjuro, que conseguem por um breve período realizar seus mais profundos desejos. Aquele que sonhava a honra samurai vê-se de súbito, numa viravolta de conto de fadas, um grande guerreiro respeitado por todos. O outro conhece Lady Wakasa, remanescente de um clã arruinado que convida-lhe ao seu suntuoso solar, onde acabam por se unir amorosamente. Mas como nem tudo que reluz é ouro, Genjuro pode esperar a reversão da utopia em tragédia.

As sequências referentes ao interregno amoroso são das melhores coisas já feitas no cinema. Mizoguchi é conhecido por seus planos-sequências longos, em que a câmera move-se sinuosamente, desbravando o espaço e perseguindo os personagens. Aqui, esse efeito adquire uma contração toda especial, digamos fantasmática, que dá ao espectador a impressão de que algo não vai bem apesar da aparência maravilhosa dos eventos; além disso, como se sugerisse uma onipresença espiritual, os travellings alcançam o máximo de ousadia, unindo e transfigurando ambientes. O jogo de luzes abrupto ora clareia o quadro, ora o enegrece, conseguindo ótimos jogos de sombras. Para aumentar o estranhamento, o posicionamento dos atores não segue a norma da continuidade, pois eles podem sumir, reaparecer em outro eixo, ou assustadoramente próximos de Genjuro. Enquanto isso, a profundidade de campo mostra que ao fundo entidades seguem seus movimentos hipnotizados, totalmente absortas em seu trabalho, alienadas dos arredores.

Quando a fantasia cai por terra, Genjuro tem que reatar o princípio da realidade. Ele havia abandonado Miyami e seu filho pequeno, do mesmo modo que Tobei, encantado com as benesses samurais, esquecera-se de Ohama. Nesse meio tempo, as mulheres se arruinaram, vítimas dos males da guerra e da crise econômica, desprovidas do auxílio de seus parceiros. O reencontro dos casais será uma surpresa, quando os homens verão face a face o resultado trágico de seus vícios. Os Contos da Lua Vaga são, portanto, uma história moral, que ensina os perigos do materialismo e da ambição. Baseado na obra literária de Akinari Ueda, o filme tem um tom edificante, ao mesmo tempo cru e otimista, elegendo a espiritualização e a ética budista como formas de sobreviver à tormenta.

Sem revelar o desfecho, cabe antecipar que a morte de uma pessoa do quarteto principal provoca, no que se refere ao enredo, a reeducação moral de outra. Mas não para por aí: a partir desse momento, a própria câmera passa por uma revolução ontológica. Até então, seu movimento persecutório retomava um traço de estilo, configurando-se como o olhar do Artista; mas depois de uma viravolta, confunde-se totalmente com uma subjetiva espiritualizada, virando ela mesma um fantasma a espreitar as famílias. Quando no fim dirige-se em direção ao céu, é a alma que encontra a redenção, a desmaterialização máxima.

Esse clássico de Mizoguchi venceu em 1953 o leão de prata de Veneza. Foi uma obra fundamental para a difusão do cinema japonês no Ocidente e para celebrizar o diretor como um dos mestres do país. Talvez a melhor história de fantasmas já feita, ela é um caso raro de perfeição em todos os níveis, desde a fotografia de Kazuo Miyagawa, que alcança o etéreo, até a trilha de flautas agudas e cantos graves e sincopados. A longa duração dos planos exige muito dos atores, que conseguem carregar todas as exigências dramáticas e que são valorizados por enquadramentos sempre precisos. Como diz Sérgio Alpendre, até a neblina está bem dirigida em Contos da Lua Vaga, ótima porta de entrada para uma das filmografias mais completas e mais injustiçadas de que se tem notícia. E que o espectador não pare na porta, que adentre bem fundo numa trajetória de mais de trinta anos e dezenas de filmes, um verdadeiro suprassumo do cinema.

Contos da Lua Vaga depois da chuva (Ugetsu Monogatari)- Japão, 1953
Direção: Kenji Mizoguchi
Roteiro: Matsutarô Kawaguchi, Hisakazu Tsuji, Yoshikata Yoda, Akinari Ueda (obra literária)
Elenco: Machiko Kyô, Mitsuko Mito, Kinuyo Tanaka, Masayuki Mori, Eitarô Ozawa, Sugisaku Aoyama, Mitsusaburô Ramon, Ryôsuke Kagawa
Duração: 96 min.

Você Também pode curtir

6 comentários

Vinicius Maestá 26 de junho de 2020 - 15:59

Belíssimo filme, mas confesso que, pela primeira vez, achei que uma obra poderia ter uma maior duração. Acho que as coisas vão se desenrolando de forma muito rápida e de certa forma abrupta, mas, claro, nada que tire o brilho da película. Sobre a neblina, é impressionante como ela já nos deixa imersos num clima assustador antes mesmo dos momentos fantasmagóricos iniciarem. O momentos no barquinho é bem tenso.
Sobre o Mizoguchi, é curioso como eu pouco vejo as pessoas falarem nele, mesmo sendo um grande cineasta. Apenas vim a descobri-lo enquanto fazia um pesquisa mais aprofundada.

Responder
planocritico 27 de janeiro de 2019 - 00:06

Esse filme é absolutamente espetacular. Excelente crítica.

No entanto, eu o conhecia somente como Contos da Lua Vaga. Esse “Depois da Chuva” é completa novidade para mim…

Abs,
Ritter.

Responder
Luiz Santiago 27 de janeiro de 2019 - 01:03

Eu também! Fui até ver no IMDB e tá isso lá mesmo…

Responder
Guilherme de Almeida 27 de janeiro de 2019 - 07:41

Sim, essa segunda parte do título é quase desconhecida. E por motivos práticos dizemos apenas Contos da Lua Vaga mesmo.

Responder
Luiz Santiago 26 de janeiro de 2019 - 20:52

até a neblina está bem dirigida

Cara… é exatamente assim que eu me sinto vendo esse filme. Isso aqui é um negócio que te pega e te balança totalmente, como espectador. Além da beleza, a crueza e a força dos temas trabalhados, nos dois grandes tons da obra, como você bem destaca na sua ótima crítica, faz com que esse cenário tenha significado, não é que nem certas obras que só tem beleza e tutano que é bom… nada. O negócio aqui é bom em tudo. Um verdadeiro esplendor.

Responder
Guilherme de Almeida 27 de janeiro de 2019 - 07:47

O Mizoguchi que tem várias obras espetaculares chega aqui num patamar maravilhoso. Lembro nitidamente o que senti na primeira vez que assisti ao filme, principalmente nas cenas com Lady Wasaka. Foi uma revelação!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais