Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Corra, Lola, Corra

Crítica | Corra, Lola, Corra

por Marcelo Sobrinho
570 views (a partir de agosto de 2020)

Tudo de outrora. Nada mais nunca. Nunca tentado. Nunca falhado. Não importa. Tentar de novo. Falhar de novo. Falhar melhor.

Pra Frente o Pior, de Samuel Beckett

SPOILERS!

No final dos anos 90 – mais precisamente no ano de 1998 -, o diretor alemão Tom Tykwer lançou um dos filmes mais criativos da década. A Europa e os EUA viviam o auge dos videoclipes e essa estética tão ágil conquistava facilmente os jovens. Com muita esperteza e sem qualquer preconceito contra essa forma audiovisual, o longa-metragem de Tykwer soube importar muitas de suas características, combinando-as com um ótimo roteiro e um excelente trabalho de direção. Sim, é verdade que o cinema já havia utilizado muitos dos recursos contidos na estética dos videoclipes. Mas não é possível dissociar Corra, Lola, Corra de seu tempo. O cinema influenciou os videoclipes, mas foi a estética videoclípica que entregou esses elementos, reunidos e superlativizados, de volta ao cinema. Não é à toa que, quase 20 anos após seu lançamento, o filme permaneça cultuado como um clássico daquela geração. Contudo, longe de estar datado.

A história de Lola, que corre contra o tempo para conseguir 100 mil marcos alemães e salvar a vida do namorado Manni, já demonstra seu sincretismo logo de saída. A sentença do célebre poeta norte-americano T. S. Elliot se combina à citação de Sepp Herberger, um técnico de futebol alemão. Os aforismos coadunam com perfeição entre si e colocam lado a lado o erudito e o popular. Também enunciam o caráter perfectível do homem dentro de um intricado jogo, com duração definida mas resultados incertos. Após o pontapé inicial (literalmente), o filme se inicia e se desenvolve circularmente, abordando três resultados possíveis que Lola vai construindo enquanto corre pelas ruas de Berlim. Cada uma dessas possibilidades é produzida por forças que se chocam em diferentes medidas. Na primeira, a força do mundo supera a de Lola. Na segunda, a força de Lola supera a do mundo, mas também produz tragédia. Apenas na terceira tentativa, a protagonista consegue responder adequadamente ao acaso.

Esmiuçando um pouco mais, vale observar que Lola inicialmente é coadjuvante de sua própria narrativa. Ao receber a notícia de que precisaria conseguir uma enorme quantia de dinheiro, um travelling circular rápido e desacelerado mostra a personagem tentando lembrar de alguém que pudesse salvá-la. A câmera gira como uma roleta e o pai é escolhido. O acaso age sobre Lola e a desautoriza. Ela acata a autoridade paterna e, no fim, é derrotada. É importante comentar o excelente simbolismo que se encontra na animação que repete a cena índex.  O menino com o cachorro representa a consciência de Lola sobre a sua posição de autora da própria história. Nessa primeira tentativa, ela o ignora. Na segunda, ele obstaculiza seu caminho e a derruba. A derrota no segundo jogo já está anunciada, mas dessa vez ela toma consciência de sua posição de sujeito, transgride a ordem paterna e erra melhor. Falha, mas o faz de outro modo.

Na terceira tentativa de salvar o namorado, Lola não ignora mais o menino na escada e, agora, consegue transpor o obstáculo (pula sobre a perna dele). Obtém o dinheiro em um cassino e não mais pedindo ao pai ou roubando o banco. Negocia enfim com o acaso e, com um grito de fúria, consegue dobrá-lo à sua vontade. Não podemos esquecer que a ideia de construir três possibilidades de futuro para um mesmo personagem já havia sido abordada por Krysztof Kieslowski na década anterior, com o excelente Sorte Cega. Isso não significa, entretanto, que Corra, Lola, Corra apenas requente a fórmula com outra estética. O filme alemão introduz um elemento que modifica inteiramente o discurso. Cada vida de Lola lhe deixa um novo aprendizado, que aumenta seu repertório de ação para a vida seguinte. Ela aprende a manejar um revólver no assalto ao supermercado (ainda na primeira vida) e o faz automaticamente, com certo atavismo, quando rende o pai e rouba o banco (na segunda tentativa). Se o personagem de Kieslowski apenas refaz o percurso, a protagonista de Tykwer estabelece vínculos que determinam uma evolução entre uma vida e a seguinte.

Corra, Lola, Corra é extremamente competente em seus simbolismos. Sua trilha sonora eletrônica embala a corrida de Lola para vencer o destino de modo tão incessante quanto os movimentos de dolly e steadycam que acompanham a personagem. A montagem também contribui para o excelente ritmo em um filme que não se torna cansativo, mesmo se baseando na repetição de planos e cenas. O cross-cutting e o split screen são usados a todo momento para segurar a atenção do espectador enquanto tantas ações ocorrem paralelamente, dentro do curto intervalo de 20 minutos. Tecnicamente, o filme se sai muitíssimo bem. Seu único erro é a interpretação um tanto selvagem que faz da chamada teoria do caos. O encontro da protagonista com personagens secundários muda a trajetória destes de modo brutal. A senhora empurrando um carrinho de bebê, por exemplo, ora se torna uma sequestradora de crianças, ora ganha na loteria e se torna uma milionária. É paradoxal que um filme sobre a capacidade de atuação sobre o real negue a seus coadjuvantes qualquer possibilidade de reagir a ele. Parece forçoso imaginar todos esses personagens sendo simplesmente arrastados pelo acaso.

No restante, contudo, Corra, Lola, Corra propõe sua reflexão de modo extremamente agradável e coeso. Um filme que conquista tanto os que desejam um suspense bem conduzido quanto os que esperam uma boa oportunidade de discutir filosofia sem maiores hermetismos.

Corra, Lola, Corra (Lola Rennt) – Alemanha, 1998
Direção: Tom Tykwer
Roteiro: Tom Tykwer
Elenco: Armin Rohde, Franka Potente, Herbert Knaup, Joacim Król, Moritz Bleibtreu, Nina Petri
Duração: 81 minutos

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais