Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Demência 13

Crítica | Demência 13

por Luis Eduardo Bertotto
361 views (a partir de agosto de 2020)

dementia13 coppola plano critico terror filme

Ambientado em um sombrio castelo irlandês, Demência 13 acompanha a história de Louise (Luana Anders), mulher obstinada que, após a repentina morte de seu marido John (Peter Read), passa a se interessar pela herança que a mãe do mesmo pretende deixar aos filhos. Após encobrir o falecimento, ela parte para o castelo em que a matriarca Lady Haloran (Ethne Dunn) e seus filhos Richard (William Campbell) e Billy Haloran (Bart Patton) se encontram. Uma vez lá, Louise é cúmplice de um estranho ritual: todos os anos, a família honra a memória de uma filha/irmã que há 29 anos morreu trágica e precocemente.

Produzido por Roger Corman e dirigido por Francis Coppola (até então o cineasta não usava seu nome do meio Ford), o longa é recheado de influências diretas à Alfred Hitchcock, mais claramente ao seu filme mais famoso, Psicose, que havia sido lançado três anos antes deste Demência 13. Desde mistérios familiares até a trilha sonora, e passando por interesses financeiros e mulheres loiras, Coppola bebe da fonte de Hitchcock para fazer deste seu trabalho uma viagem misteriosa pelo castelo da família Haloran.

Ademais da influência do Mestre do Suspense, Demência 13 facilmente é lido como um Filme B, e o nome de Roger Corman nos créditos como produtor não é coincidência (ele foi um dos principais nomes por trás de produções do tipo). Assim, alguns elementos do gênero estão presentes no longa, como a violência gráfica e o baixo orçamento, sendo este último visivelmente refletido na curta duração do filme e no fato dele ter sido filmado em apenas 9 dias. Para tanto, o roteiro escrito por Coppola e Jack Hill não investe muito tempo em apresentação e desenvolvimento de personagens, indo direto ao ponto em todos os aspectos, criando assim uma narrativa econômica e compilada, porém simplista e com algumas ocorrências que se sucedem de maneira rápida.

Assim, essa rapidez da narrativa acaba por não permitir que o espectador consiga digerir todas as informações fornecidas pelo roteiro, principalmente no terceiro ato — algo que pouco altera o resultado final do filme, tendo em vista a maneira com que Coppola nos mergulha em sua história: o ritmo envolvente que o cineasta transmite ao longa impede que desviemos o olhar da tela, contando para isso com auxílio da angustiante trilha sonora de Ronald Stein e do eficaz trabalho de todo o elenco de atores. Destaca-se que tudo isso é representado com eficiência pela tensa cena em que Louise vasculha em um quarto do castelo, que ainda apresenta sombras e elementos de cenário que ajudam a construir o clima de mistério e nervosismo pulsante.

Já o castelo em que o filme se desenrola é muito bem utilizado pelo diretor para criar uma atmosfera gótica e sobrenatural, que serve tanto para aumentar o mistério quanto para adicionar à trama um tom mais histórico e clássico. Por fim, a já citada violência gráfica surge impactante e seca, sem restrições – e o diretor é hábil ao deixar de usar a trilha sonora na sequência mais marcante do filme, usando apenas recursos sonoros diegéticos para compor a cena, em uma escolha certeira que aumenta ainda mais o choque do que nos é exibido.

Demência 13 não se configura como um dos mais famosos filmes de Franis Ford Coppola, nem como um trabalho de grande renome dentro da gama dos Filmes B. Porém, o filme nos apresenta a primeira vez que o cineasta foi creditado como diretor, em um trabalho que já indicava o seu interesse em explorar as relações em família (mesmo que de forma contida), um tema que se tornaria recorrente em sua carreira. Um filme tenso e ao mesmo tempo delicioso de se ver do início ao fim.

Demência 13 (Dementia 13, EUA/Irlanda, 1963)
Direção: Francis Ford Coppola
Roteiro: Francis Ford Coppola e Jack Hill
Elenco: William Campbell, Luana Anders, Bart Patton, Mary Mitchel, Patrick Magee, Ethne Dunn, Peter Read, Karl Schanzer, Ron Perry, Derry O’Donavan, Barbara Dowling
Duração: 75 min.

Você Também pode curtir

5 comentários

Raphael Sales 19 de agosto de 2019 - 03:00

Achei os acontecimentos muito superficiais. Fiquei com gosto de “quero mais” de me aprofundar mais ao passado não mostrado, principalmente a cena da morte da criança, que deveria ter sido explícita.
O final também ficou a desejar… O irmão mata uma das irmãs, a mãe e não tem o final “drástico” que desejei.

Responder
Douglas Gomes 26 de janeiro de 2019 - 16:28

Sendo eu um novato no mundo do cinema, esse filme foi um dos que eu mais estranhei devido a pressa com a narrativa (acredito que mais filmes sejam assim), mas me entreti, tanto com o mistério e o suspense. Infelizmente, não me envolvi com os personagens.

Pra mim, é um filme legalzinho de se ver durante a noite (hehehe).

Responder
Luis Eduardo Bertotto 26 de janeiro de 2019 - 19:04

Olá Douglas!
Os personagens são meras muletas para que Coppola nos conduza pela sua história de mistério e suspense, que, como você bem aponta, entretém na medida certa. Realmente, o filme é rápido demais em algumas passagens, deixando a desejar nesse sentido, mas vale a pena ver pela diversão!
Abração!

Responder
Rafael Lima 26 de janeiro de 2019 - 02:51

Ótima resenha Luis Eduardo, embora eu não tenha esse filme em tão alta conta como você. Embora o Copolla consiga criar uma atmosfera até interessante em seu filme de estréia, todo o resto não funcionou bem pra mim, especialmente aquele climax mal armado, como você bem apontou na resenha.

Responder
Luis Eduardo Bertotto 26 de janeiro de 2019 - 13:03

Obrigado Rafael! Talvez 3,5 estrelas tivessem bastado hahaha
Infelizmente, a narrativa não nos cativou na mesma medida! Mas gosto do filme por conseguir ser muito eficaz em sua proposta, mesmo com as pontas soltas: cenas de suspense e violência bem construídas, o clima de mistério… um Filme B típico sem criaturas estranhas e monstros (com exceção, claro, da própria natureza de alguns personagens).
Abraço!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais