Home TVTemporadas Crítica | Demolidor – 3ª Temporada

Crítica | Demolidor – 3ª Temporada

por Ritter Fan
574 views (a partir de agosto de 2020)

  • Leiam, aqui, nosso Entenda Melhor com todas as referências e easter-eggs da temporada.

E é assim, damas e cavalheiros, que se faz uma série de super-heróis! Inspirada no fenomenal arco A Queda de Murdock, a terceira temporada de Demolidor faz todas as demais séries da parceria Marvel/Netflix empalidecerem. Aliás, mentira. Ela faz todas as demais séries live-action de super-heróis DC ou Marvel empalidecerem, talvez com a honrosa exceção de Legion, que tem uma proposta muito diferente e, por isso, não pode ser comparada com propriedade com as demais.

Erik Oleson embarca como o terceiro showrunner da série e faz o que devia fazer: ele volta ao básico. Nada de ninjas mortos-vivos, nada de passados amorosos de Matt Murdock, nada de coadjuvante caveiroso para roubar os holofotes. O que vemos, na temporada, é a clássica história de queda e ascensão de um herói que, porém, só funciona de verdade porque houve cuidado na construção e desenvolvimento de uma história que realmente ocupa de maneira homogênea, sem arrastar a história, os 13 episódios regulamentares. Mas, mais importante que isso, é constatar que, assim como na 1ª temporada, houve uma imensa preocupação em se estabelecer antagonistas espetaculares, daqueles tão memoráveis como o Coringa de Heath Ledger.

O primeiro deles é Wilson Fisk, mais uma vez vivido à perfeição por Vincent D’Onofrio, que volta triunfal e diretamente para o centro do palco e literalmente servindo como o mestre manipulador de tudo e todos. Nós o vemos ainda na prisão, firmando um acordo de delação premiada com Rahul “Ray” Nadeem (Jay Ali), um agente do FBI particularmente eufórico com essa aparente vitória. Mas, claro, o Rei do Crime é o Rei do Crime e a temporada inteira é uma sucessão de desesperadas tentativas para desbaratar seu complexo jogo de xadrez em que ele está sempre cinco jogadas a frente.

Vagarosamente, a temporada vai construindo outro vilão de se tirar o chapéu, conhecido nos quadrinhos como Mercenário ou, no original em inglês, Bullseye, um habilidoso assassino que tem a capacidade quase sobrenatural de usar qualquer objeto como arma letal. Na série, ele é Benjamin “Dex” Poindexter (Wilson Bethel), um agente do FBI que ganha a admiração de Fisk que, claro, começa a lentamente manobrá-lo e trazê-lo para o seu lado. Os roteiros são muito felizes em manter a história de origem dele protraída no tempo, sem correria, mas mantendo a lógica e conseguindo, de bônus, ser tão perturbadora quanto a “origem” de Fisk que vimos na 1ª temporada, com direito a um belo episódio quase integralmente com um flashback em preto-e-branco.

Aliás, o uso de flashbacks ao longo da temporada é feito com parcimônia, mas sempre de forma relevante, além da presença de “fantasmas” para um Murdock traumatizado depois do final apoteótico de Os Defensores, em que ele é dado como morto. A volta dele é também tortuosa, difícil, cheia de dúvidas morais internas, mas a temporada não perde muito tempo em colocá-lo com a máscara preta original, praticamente o único semblante de “uniforme” que ele usa, uma escolha, aliás, muito boa para manter o grau de realismo necessário. Outro ponto importante é a efetiva introdução da irmã Maggie (Joanne Whalley), uma freira que cuidara de Matt quando pequeno, após a morte de seu pai, e que volta ao mesmo papel agora com ele adulto.

Foggy Nelson e Karen Page são também muito bem utilizados ao longo da narrativa, com papéis bem definidos e lógicos, que realmente acrescentam à história, mesmo quando eles fazem burradas, algo natural e esperado para criar aquela boa dose de suspense e, talvez, por vezes, uma leve revirada de olhos com um sorriso de soslaio. Em outra palavras, nesse belo tabuleiro que Oleson constrói, todos têm seu lugar marcado e todos fazem os movimentos que funcionam logicamente dentro do que está sendo contado, até mesmo aqueles que entram tardiamente na temporada.

Outro ponto alto – novamente! – é a coreografia gutural e realmente violenta das lutas protagonizadas pelo Demolidor. Sentimos o peso e a dor de seus golpes e, aqui, com ele agindo mesmo antes de recuperar-se completamente, nunca o vemos em plena forma, o que torna visível seu sofrimento, quase que como um castigo que ele se auto-impõe como parte da fortíssima culpa católica que sente. Vale especial destaque o longo plano-sequência auto-referencial da “luta de corredor” que já virou um clássico, e que, desta vez, acontece como parte de uma fuga de prisão. Direção impecável em uma jornada de arrepiar os cabelos da nuca.

Se Demolidor já havia apresentado uma 1ª temporada exemplar, com a 2ª caindo um pouco, a 3ª consegue ser o ponto alto da trajetória do personagem na TV até agora. É, sem medo de errar, o Cavaleiro das Trevas da televisão.

Demolidor- 3ª temporada (Daredevil – Season 3, EUA – 19 de outubro de 2018)
Showrunner: Erik Oleson
Direção: Marc Jobst, Lukas Ettlin, Jennifer Getzinger, Alex Garcia Lopez, Julian Holmes, Stephen Surjik, Toa Fraser, Alex Zakrzewski, Jennifer Lynch, Jet Wilkinson, Phil Abraham, Sam Miller
Roteiro: Jim Dunn, Sonay Hoffman, Lewaa Nasserdeen, Tonya Kong, Dylan Gallagher, Sarah Streicher, Dara Resnik, Erik Oleson, Sam Ernst, Tamara Becher-Wilkinson
Elenco: Charlie Cox, Deborah Ann Woll, Elden Henson, Joanne Whalley, Jay Ali, Wilson Bethel, Stephen Rider, Vincent D’Onofrio, Peter McRobbie, Amy Rutberg, Danny Johnson, Annabella Sciorra, Geoffrey Cantor, Matt Gerald, Ayelet Zurer
Duração: 740 min. (aprox.)

Você Também pode curtir

478 comentários

Sóstenes - Toty 8 de maio de 2020 - 23:51

Puta série firme da desgraça.
Aquele plano sequência da prisão quero emoldurar na minha passando na tv o tempo inteiro.
Será um dia volta??….

Responder
planocritico 9 de maio de 2020 - 12:40

Bem que podia voltar, mas eu acho MUITO improvável. Mais fácil eles “rebootarem” o Demolidor completamente…

Mas é aquilo: sempre teremos essa trilogia de temporadas para rever!

Abs,
Ritter.

Responder
Mateus Sousa 22 de setembro de 2019 - 18:25

Demolidor é, provavelmente, o que mais gosto do UCM, depois dos Vingadores, franquia, pois, é sensacional cada temporada, mesmo com a queda da 2a temporada ainda figura muito bem, a primeira tem um pequeno problema de ritmo, entre o 11 e 13, mas de resto não mexo nada e essa terceira exemplifica bem, lutas de tirar o fôlego, ótimas atuações, em especial as de Vincent D’Onofrio, vilões de bater palmas e uma direção perfeita para a série, com certeza sonharei por muitos anos com uma 4a temporada, com Queenpin e Bullseye aloprando a vida de Matt, depois a identidade dele sendo revelada e tendo de lidar com isso numa 5/6a temp, bom, minhas condolências à perca de Charlie Cox do MCU… Oh, well, algo 9/10 é realmente fenomenal.
Ps: 1a = 9/10; 2a = 8/10; 3a = 10/10

Rip. Demolidor (2015-2018)

Responder
planocritico 23 de setembro de 2019 - 17:27

Estou com você!

Abs,
Ritter.

Responder
Felipe Augusto 26 de agosto de 2019 - 10:56

Vale a pena assistir mesmo cancelada e sem final? Ainda não assisti essa série, mta gente recomenda, mas fico com um pé atrás por não ter um final.

Responder
planocritico 26 de agosto de 2019 - 14:22

@disqus_BN8JN41C1d:disqus , como assim sem final? Tem final sim e bem redondinho. Vai em frente que a série é espetacular!

Abs,
Ritter.

Responder
Felipe Augusto 26 de agosto de 2019 - 16:22

Ah q massa! Perguntei pq pelo fato de ter sido cancelada, achei q ficasse mto em aberto. Valeu Ritter, vou começar ela então.

Responder
planocritico 26 de agosto de 2019 - 16:22

Manda ver! E bom divertimento!

Abs,
Ritter.

Responder
Felipe Augusto 26 de agosto de 2019 - 14:13

Vale a pena assistir mesmo sabendo que foi cancelada e não tem desfecho? Evito começar a ver séries que sei que foram canceladas, mas td mundo fala tão bem de Demolidor que estou tentado a ver.

Responder
Leonardo Pereira 1 de julho de 2019 - 17:38

A série é sensacional (gosto da segunda temporada também), porém detesto o personagem (Charlie Cox é ótimo) principal, chato demais.

Responder
planocritico 1 de julho de 2019 - 17:44

Pera. Você acha a série sensacional, o Carlie Cox ótimo e não gosta do Matt Murdock/Demolidor? Como pode? Essa conta não fecha!

Abs,
Ritter.

Responder
Lucas PK 31 de maio de 2019 - 12:08

Ao longo da série notei que o Fisk e o Foggy falam “Eu vou fazer uma proposta irrecusável” talvez uma breve referência há Poderoso Chefão.

Responder
Ian 4 de fevereiro de 2019 - 20:56

Só tive oportunidade de assistir essa semana, e meus amigos eu achei simplesmente espetacular. Já considero a 3° temporada como a melhor de todas

Responder
planocritico 8 de fevereiro de 2019 - 16:53

Eu também!

Abs,
Ritter.

Responder
Alison Cordeiro 31 de dezembro de 2018 - 11:52

Concordo plenamente Ritter. Alguns elementos para mim são a chave desse sucesso: o vilão, magistralmente vivido por Vicent D’Onofrio, que pode ser estrategista e cruel, mas mantém sua humanidade e pés no chão, sem apelar para o histrionismo. O uniforme que tanto ansiávamos se mostrou um problema na segunda temporada, pois ficou “artificial” no contexto da série, e abrir mão dele a deixou ainda mais próxima da sua origem na primeira temporada. E o uso perfeito dos coadjuvantes, dando peso e ênfase a cada um deles no momento certo. Especial menção ao Bullseye, bem construído e que nos deixa lamentando sua “cooptação” por Fisk, mas natural pela inteligência do Rei do Crime. O arco em que foi inspirada é fantástico, mas a forma como foi feita é perfeita. Vai ser difícil superar essa marca a partir de agora. Nunca fui fã do Demônio de Hell’s Kitchen, mas a partir de agora me tornei um.

Responder
Matheus Wesley 20 de dezembro de 2018 - 19:49

Eu achei que em certos momentos a Karen Page e o Foggy tem espaço até demais na trama, mas tomando o tratamento que eles recebem desde a 1ª temporada isso faz todo o sentido. Gostei bastante dessa mudança de personalidade da Vanessa na série, nos quadrinhos pelo que me lembro, ela é retratada como uma dama inocente ingênua que muito ama seu marido obscuro. Já na série é mostrado o óbvio: pra alguém querer se relacionar tanto tempo com alguém tão mal, ela tem que ser um pouco mal também.

Lamento que não decidiram seguir A Queda, achei que iriam o fazer depois do que rolou a chacina no jornal, com talvez a Page tendo uma recaída no vício mas não rolou. Preferências de roteiro, não prejudica em nada a excelente terceira temporada. Pena que não vai ter mais…

Responder
planocritico 19 de dezembro de 2018 - 15:17

A mudança da Vanessa foi bem crível mesmo. Funcionou bem na série, com ela abraçando de vez sua posição como esposa de um inegável bandido.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 30 de novembro de 2018 - 05:23

Foi mesmo uma temporada espetacular. Apesar disso, ontem, infelizmente, saiu a notícia de que a série foi cancelada.

Abs,
Ritter.

Responder
Bela 30 de novembro de 2018 - 14:09

Acordei com a noticia, #chateada ç.ç

Responder
Bela 29 de novembro de 2018 - 12:57

Desde que eu soube que essa temporada seria baseado em A Queda de Murdock, estava triste de perder a Karen, mas então tivemos o ep 10, contando uma ótima versão do passado dela e então aquela obra prima da cena da igreja dela segurando o Matt no colo, como acontece dele segura-la ao encontra-la morta na igreja, e aaaaah ISSO QUE É UMA ADAPTAÇÃO!!!!!!!

Essa série continua sendo a melhor no quesito super herói, considero mais uma série de ação/aventura do que muitas outras por ai, e melhor que muitas também!
Espero do fundo do meu coração que tenhamos uma quarta temporada!

Responder
planocritico 22 de novembro de 2018 - 15:06

Viu, @disqus_kWVOCdVWTK:disqus , o @disqus_kXmEgCPC6h:disqus é um ser iluminado! Você fica aí em suas trevas…

HAHAHAHAHHAHAHAHAAHAHAHHHAAHHA

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 20 de novembro de 2018 - 19:29

@disqus_kWVOCdVWTK:disqus , vai CONTINUAR INSISTINDO, é isso mesmo?

Vou mandar cortar sua internet!!!

Abs,
Ritter.

https://uploads.disquscdn.com/images/ee4843ccd697b04865c4f166a30b81ca4a1880b5089ee8b0f795ad6d800724e8.jpg

Responder
pabloREM 19 de novembro de 2018 - 16:24

Essa temporada foi excelente, provavelmente a melhor coisa já feita com heróis na televisão, e até mesmo no cinema. Apesar de conter elementos achei ela menos “A Queda de Murdock” do que a maioria vem opinando mas isso não é um demérito. Vincent D’Onofrio que para mim sempre foi um dos maiores atores de sua geração, é um show a parte, o que todo vilão de filme de heróis deveria ser (dentro de sua personalidade é claro). Se for para criticar uma coisa, de novo fico com a quantidade de episódios, 10 seriam suficientes. Aquele episódio de flashback da Karen Page foi disparado o momento mais chato da temporada. Que venha a quarta temporada pois a Vanessa não vai deixar barato,que mulher assustadora.

Responder
planocritico 19 de novembro de 2018 - 16:46

A vingança da Vanessa será maligna! Queenpin!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 19 de novembro de 2018 - 16:15

CONSIDERE-SE BANIDO DO PLANO CRÍTICO!!!!! A Karen Page é minha paixão atual. Nada de matar ela NUNCA. Quero é uma série solo dela: Karen Page: Investigative Journalist.

HAHAHHAHAHAHAAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Alex Dias 20 de novembro de 2018 - 14:45

Ô louco, isso é que é desproporção na pena, kkkkk!!! Não rola só uma suspensão, não? Por 5 segundos? Banimento do PC é cruel demais, prefiro ir pra cadeia compartilhando a cela com o Fisk, hahaha. Mas sério, Karen Page ser morta pelo Bullseye é cânone, tem que acontecer. Na minha opinião, eles tiveram a chance e desperdiçaram. Ia ser ótimo pro personagem do Matt Murdock. No mais, só aceitaria assistir à KP, Investigative Journalist se ela fosse acompanhada da Jessica Jones. Aí dava jogo. Repensa essa sanção aí, Ritter… Abs.

Responder
André Rodrigues 22 de novembro de 2018 - 05:10

Potamerda tbm sou obcecado pela Karen! Parece que a cada temporada ela fica mais linda😍…
Que mulher!!

Responder
planocritico 18 de novembro de 2018 - 18:48

@marceloantoniovieirasilvar:disqus , se a série voltar para uma quarta temporada, o uniforme voltará quase que com certeza. Eu gostaria de ver a versão preta com detalhes em vermelho dele.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 18 de novembro de 2018 - 18:40

Disponha!

– Ritter.

Responder
Marcelo Rosado 16 de novembro de 2018 - 17:19

Temporada sensacional!! concordo com tudo que falou.
Só sinto falta do uniforme… mas entendo o porque de não utilizarem… tomara que na próxima temporada ele use o uniforme…

Responder
planocritico 12 de novembro de 2018 - 17:20

Sim, aquela cena dele no colo da Karen é uma inversão da morte da Karen nos quadrinhos, em que ela está no colo dele na Igreja, depois de ser morta pelo Mercenário da mesma forma que o Padre Lantom é morto na série.

Abs,
Ritter.

Responder
Alex Dias 19 de novembro de 2018 - 12:13

Pois é, Ritter. Este, pra mim, foi o ponto fraco da temporada (que foi sim sensacional): não tiveram a coragem de matar a personagem Karen Page, que, no meu entender, já está fazendo hora extra. Depois daquele longo flashback contando a desgraça que atingiu a personagem em sua cidade natal, tinha a certeza que Bullseye iria assassinar Karen, fornecendo a munição necessária para a redenção de Matt Murdoch. Mas… resolveram matar o Padre Lanton, causando, pelo menos para mim, zero impacto emocional. Um meio termo melhor seria acabarem com a irmã Maggie, logo após a descoberta de seu segredo por Matt. Enfim, a temporada foi sensacional, só me incomodei com este aspecto, mas entendo as escolhas dos envolvidos. Que venha a quarta temporada.

Responder
Rodolfo Alves Pena 27 de janeiro de 2019 - 11:01

Eles não mataram a Karen Page por que ela assumiu a função do jornalista dos quadrinhos que eu esqueci o nome, mas que eles mataram na primeira temporada. Entao ela passa a ser a jornalista investigativa que serve de pano de fundo das histórias de Murdock

Responder
planocritico 28 de janeiro de 2019 - 15:06

Eles não mataram a Karen, pois a atriz é linda e maravilhosa! Matem o Matt Murdock, mas não a Karen!!! AHAHAHAHAHAAHAHAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
Luiz Gustavo Sá 10 de novembro de 2018 - 01:05

Eu fiquei com uma dúvida: quem era o terceiro corpo que estava no freezer descoberto por Dex, além do Melvin e da Julie?

Responder
planocritico 10 de novembro de 2018 - 01:37

@luizgustavos:disqus , muita gente falou que é o Melvin ali ao lado da Julie, mas eu nunca vi o Melvin lá. E, de fato, não é. O próprio showrunner da série já esclareceu isso no Twitter dele. São os dois capangas que o Felix Manning tinha contratado (aqueles que se fingem de pintores).

Abs,
Ritter.

Responder
Luiz Gustavo Sá 14 de novembro de 2018 - 11:54

Ah sim! Que bom que não era o Melvin! Seria um fim bem triste para o personagem. Grato pela resposta.

Responder
JC 9 de novembro de 2018 - 22:28

Temporada foda.
Demorei para entrar no clima por causa dos 3 primeiros episódios..mas depois, assisti rapidim.

Me cocei todo torcendo para que o Mercenário aparecesse com o traje, mas foi excelente do jeito que foi.

Aquela cena dele no colo de Karen com uma cruz de fundo, é capa de HQ ou uma ilustrção? Eu já vi certamente.

Responder
planocritico 5 de novembro de 2018 - 13:54

He, he, boa! Adorei a metáfora!

E sim, é estranho você ter ficado feliz com a Karen cheirando cocaína. MAIS RESPEITO COM A MOÇA, VIU????

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

p.s. – Sim, você é LOUCO DE PEDRA por ter contado os movimentos. Por favor, apresente-se ao Asilo Arkham…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 5 de novembro de 2018 - 13:31

Também daria 6 estrelas se eu pudesse!

Abs,
Ritter.

Responder
Filipe Isaías 4 de novembro de 2018 - 11:40

A jornada do Demolidor nos Defensores e nessa terceira temporada é uma metáfora para as séries da Marvel/Netflix: houve uma boa construção de personagens (Demolidor e Jessica Jones), construção essa que recebeu alguns abalos sísmicos (Luke Cage e Punho de Ferro), resultando num desmoronamento literal e figurativo (Defensores) que caiu em cima da cabeça do Demolidor. Mesmo assim, do meio do entulho que se tornaram as séries Marvel/Netflix, o outrora morto Demolidor renasceu e mostrou que estava mais vivo do que nunca.

Terceira temporada maravilhosa! Highlights:

– O Mercenário e o ator que o interpreta fizeram um trabalho incrível. Aquela sequência em preto e branco é magistral, desenvolvendo tanto o observado como o observador, no caso, o Fisk.
– A trinca com os episódios 4-6. O 4 tem aquele plano sequência de 11 minutos. O 5 tem a supracitada sequência com o Mercenário. O 6 tem a fantástica luta no Bulletin. Que coreografia em todas as sequências. Na cena do Bulletin, eles performam 56 movimentos antes de cortar (eu sou maluco por ficar contando essas coisas?). Parabéns pra equipe que organizou tudo isso, e pro Charlie Cox, que se entrega como ninguém pra essas cenas.
– Karen Page. É estranho dizer que eu fiquei feliz quando a vi ingerindo cocaína? Gostei dela nessa temporada, mais do que nas outras.

Daria 4,5/5, a mesma nota da primeira temporada. Com certeza fez jus ao hype.

Abs.

Responder
Anônimo 4 de novembro de 2018 - 07:51
Responder
planocritico 3 de novembro de 2018 - 13:34

Concordo!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 3 de novembro de 2018 - 02:16

Melhoraram pouco…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 3 de novembro de 2018 - 02:13

Assino embaixo de todos os seus comentários e pontos altos!

Abs,
Ritter.

Responder
Seth Rollins 2 de novembro de 2018 - 18:08

Só consigo dizer uma coisa: impecável.

Responder
Zé Higídio 2 de novembro de 2018 - 00:17

PUTA MERDA, QUE SÉRIE F*DA DO C*R*LH*!!!!!!!!!!!!!!!! Vc disse no final tudo o que eu pensei durante essa temporada: essa série é a melhor adaptação de quadrinhos da história, ao lado de Cavaleiro das Trevas. Simplesmente indescritível a tensão que é construída.
Terceira temporada e a personalidade do Matt ainda está sendo revelada. Justamente porque as pessoas mudam, e muitas histórias de super-herói parecem se esquecer disso.
Coisas incríveis proporcionadas por essa temporada:
– Discussão filosófica e teológica da relação do Matt Murdock com seu Deus
– Plano do Wilson Fisk, obviamente, auto-explicativo.
– Arco do Dex, surgindo já como um vilão incrível e uma personalidade perturbada.
– Surgimento do Ray Nadeem, meu personagem favorito dessa temporada, e na minha opinião o maior herói.
– Junção dos papéis do trio Murdock, Nelson e Page mesmo trabalhando separados e bem distantes.
– Desenvolvimento do passado da Karen.
– Redenção do Daredevil, concretizada no desabafo aos gritos do Matt ao Kingpin: “YOU DON’T GET TO CHANGE WHO I AM”
Cenas mais marcantes (fora de ordem cronológica mesmo):
– Primeira metade do episódio “Karen”, com um pesado drama familia que prova a ousadia dessa série.
– Plano sequência absurdo da prisão, superando todos os outros.
– Plot twist do Dex usando o traje do Daredevil e mostrando suas habilidades insanas.
– Todas as lutas possíveis (principalmente a do Boletim, a da Igreja e a da cobertura do hotel)
– Cena da morte do Ray (fiquei muito triste porque a cena dá um indício de esperança)
– Karen Page confrontando Kingpin
– Plot twist de o Ray descobrir que até a sua chefe está envolvida

Enfim, quarta temporada, venha mais rapido dessa vez, já que cancelaram outras séries. Alias, JAMAIS CANCELEM ESTA!!!!

Responder
planocritico 1 de novembro de 2018 - 00:22

Valeu!

– Ritter.

Responder
planocritico 28 de outubro de 2018 - 17:35

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

BOA! Exatamente isso!!!

Abs,
Ritter

Responder
planocritico 28 de outubro de 2018 - 14:48

D’Onofrio é O Rei do Crime definitivo, o maior vilão do UCM e, talvez, o melhor vilão de qualquer adaptação de quadrinhos junto com o Coringa de Ledger.

Sobre o uniforme, entendo. Eu, pessoalmente, tenho implicância com uniformes em séries desse tipo. Mas, por outro lado, confesso que gostei muito do modelo final do uniforme do Demolidor. Se houver uma próxima temporada, poderiam usar a variação preta com detalhes em vermelho dele, como nos quadrinhos.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 28 de outubro de 2018 - 14:46

Obrigado!

Assino embaixo, mas acho que foi sim uma adaptação de A Queda de Murdock. Todos os elementos mais importantes da história estão presentes dentro da lógica estabelecida pela série.

E nada de matar a Karen! Não entendo essa raiva que as pessoas têm dessa gracinha! HAHAHAHAAHHHAHHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 28 de outubro de 2018 - 14:44

De fato, é ver para crer. Eu mesmo acabei a temporada e fiquei pensando: “é isso mesmo ou estou ficando doido e deixando meu lado fanboy falar mais alto?”.

Sobre o flashback da Karen, foram só 30 minutos que nos contou uma ótima história pregressa que precisava ser contada, pois ela já tinha sido levantada antes. O pessoal anda sem paciência demais!

Abs,
Ritter.

Responder
Jose Claudio Gomes de Souza 27 de outubro de 2018 - 21:46

Ritter, essa terceira temporada realmente foi ótima. Demolidor sempre foi um dos meus heróis favoritos e me orgulho de ter acompanhado suas grandes sagas nos quadrinhos (Elektra, A Queda de Murdock) na época mesmo de seus lançamentos. Em alguns momentos nessa temporada parecia que eu estava lendo um desses gibis. Acho o trabalho do Vincent D’Onofrio excelente. Olho pra ele e vejo o Rei do Crime dos quadrinhos. Até entendo a opção de não usarem o uniforme mas, rapaz, que falta que eu senti! Fico imaginando aquela cena do episódio final quando eles se encaram e partem pra porrada com o Mathew vestindo o uniforme clássico. Rsrsrs.

Responder
Oswald 27 de outubro de 2018 - 00:54

Simplesmente fenomenal, Melhor temporada da Marvel e de qualquer serie produzida pela Netflix.
Embora não seja exatamente uma adaptação, essa temporada pegou elementos da queda de Murdock(minha HQ favorita da Marvel) e ver todo sofrimento do Matt e o caminho para sua redenção foi simplesmente incrível.
Episódio focado na Karen teria fechado com chave de ouro se ela tivesse morrido ( o que eu pensei que iria realmente acontecer e teria sido uma jogada bem ousada).
Wilson Fisk fenomenal, e o Bullsye simplesmente psicótico do inicio ao fim.
Não tenho certeza se realmente haverá uma continuação, mas se houver será muito difícil manter o mesmo nível da terceira temporada. Continuar com o Conflito Murdock – Page e Nelson Vs Kingpin seria repetitivo por hora.
Boa crítica, um abraço.

Responder
Gustavo Souto 26 de outubro de 2018 - 23:36

Que temporada espetacular! Vibrei muito com muitos episódios e o final foi emocionante. Aquela cena da fuga no presídio sem cortes é algo de não se acreditar! Você só acredita vendo realmente.
Sobre o episódio de Karen, você não foi o único Ritter, eu gostei muito dele também porque passamos a conhecer o passado dessa personagem e o quanto isso moldou suas decisões futuras, inclusive ajudando Matt a voltar ao seu eixo.
O elenco como um todo foi ótimo, todos tiveram espaço e esses 13 episódios passaram muito mais rápido do que eu imaginava!

Responder
planocritico 26 de outubro de 2018 - 18:29

Se formos levar os quadrinhos em consideração, não tem chance de a Elektra estar morta!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 26 de outubro de 2018 - 18:28

@phgjw:disqus , obrigado!

Sobre o Big Show, o problema é que o Rei do Crime da série precisa mais de um bom ator do que alguém fisicamente mais parecido com algumas versões do personagem. Prefiro mil vezes o D’Onofrio.

Abs,
Ritter.

Responder
phgjw 26 de outubro de 2018 - 17:56

Otima sua critica, de fan pra fan mesmo.
Todos os atores foram otimos nessa temporada, mas sempre critico 3 coisas que fariam essa serie ser pra mim 100%(pra mim ta 95 kkkkk), que seria pegar o lutador de WWE, O Big Show com seu tamanho assustador ser mais parecido com o Rei do Crime dos quadrinhos e outra que as coreografias de lutas que sao ate boas, mas ficariam muito foda se fossem no mesmo nivel das lutas do filme The Raid e por fim o uso do bastao tanto nas lutas e ainda mais nas cenas de escaladas, quase sendo uma teia do homem aranha, ja que a serie nao usa muita CG e o parkour nao é muito chamativo como nos quadrinhos que é incrivel mas na serie é ate chato ver as corridinhas meia boca nos telhados, tanto vale pras poses parado em lugares altos que deveriam usar melhor as cameras pra passar a sensaçao de altura e perigo.

É isso, novamente, otima critica(sempre).

Responder
planocritico 26 de outubro de 2018 - 16:42

Ele virá!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 26 de outubro de 2018 - 16:41

Exato. Foi o melhor uso da estrutura de 13 episódios até agora nessas séries Marvel/Netflix.

Abs,
Ritter.

Responder
Huckleberry Hound 26 de outubro de 2018 - 14:22

Mas será que os ninjas morto-vivos especialmente aquelas crianças que foram totalmente alteradas na segunda temporada vão voltar?Nos Defensores ou na quarta temporada do Demolidor talvez e Elektra ainda está viva né?!

Responder
Everton Melo 26 de outubro de 2018 - 00:30

Ótimo texto! Gostei muito dessa temporada, geralmente eu acho que essas series da Netflix não precisam ter mais de 10 episódios, mas aqui eu não fiquei nem um pouco entediado, pelo contrario, terminava de assistir e já começava outro logo em seguida.
Achei muito boa a construção do Mercenário, fiquei com medo de eles tentarem “humanizar” o personagem na conversa com o psiquiatra, mas logo vc vê o quão psicopata e instável ele é. Ansioso pela 4 temporada, e por favor, sem a Elektra…

Responder
Handerson Ornelas. 25 de outubro de 2018 - 22:50

Vim aqui apenas pra dizer que é a melhor temporada que vi esse ano e uma obra de super-herói que se equipara a Cavalheiro das Trevas. Mas, acima de tudo, vim por uma coisa:

CADÊ O ENTENDA MELHOR COM OS EASTER EGGS, RITTER??????

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 19:56

Assino embaixo!

Abs,
Ritter.

Responder
Pablo Arkanjo 25 de outubro de 2018 - 20:55

Rapazzzz….. Também terminei de assistir hoje e achei fodástico mesmo. Cada porrada que o Demolidor recebia eu sofria junto com ele (kkkk). Série muito bem trabalhada, coreografia de luta excelente. Vamos aguardar a próxima com o Mercenário turbinado. 🙂

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 21:39

Fico feliz que tenha gostado. Essa temporada merece todos os elogios!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 19:55

Exato. Ainda tem isso.

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 25 de outubro de 2018 - 17:05
Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 11:11

Também acho.

– Ritter.

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 09:09

@Junito_Silva:disqus , seu “p.s.” no final realmente faz todo sentido. Nenhuma das outras séries Marvel/Netflix chegam próximas de Demolidor e não tem razão para isso.

Sobre o episódio da Karen, é interessante como ele é basicamente uma unanimidade negativa em todos os comentários internet a fora. Eu devo ser o único que gostei, justamente por trazer mais estofo à personagem, deixando às claras o passado que ela havia apenas mencionado brevemente nas temporadas anteriores.

Sobre o Demolidor apanhar demais, é o que discuti com vários leitores abaixo: ele ainda estava longe de estar recuperado e mergulha na ação mesmo assim. Ele funciona, digamos, a 50% da capacidade o tempo todo e isso, para mim, tornou a temporada boa como ela foi.

E a luta com o Rei do Crime foi sensacional. O exército dele foi aniquilado por Dex, pois o Demolidor basicamente usou o vilão para isso. Ao chegar na cobertura, ele usou o próprio Rei do Crime para derrotar o Dex. E aí foi só correr para o abraço!

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 30 de outubro de 2018 - 23:47

Passando só pra dizer que estamos juntos sobre o episódio da Karen.

Responder
Atila Junior 5 de novembro de 2018 - 12:58

Reforço o time dos fans da Karen e dos 30 miseros minutinhos dedicados a ela nessa temporada nada menos que sensacional!

Responder
planocritico 5 de novembro de 2018 - 13:24

Mais um para o time! Junte-se aos #fãsdekarenpage!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 09:04

Realmente deu vontade de rever tudo!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 09:03

Achei bem equilibrado. Sobre as lutas, Murdock em momento algum está recuperado do prédio na cabeça. Ele sempre está em desvantagem e, se você reparar, como o Dex luta a distância, arremessando tudo que tem a seu alcance, Murdock tem relativamente poucas chances de fazer “contato” com ele.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 09:01

O “alvo” ali foi desnecessário, mas divertido!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 25 de outubro de 2018 - 09:01

Fisk teve seu arco fechado. Não precisa voltar, pelo menos não tão rapidamente. Sobre o Mercenário, concordo que ele sozinho talvez não seja suficiente, mas achei o gancho bacana.

Abs,
Ritter.

Responder
Aiury Rabelo 25 de outubro de 2018 - 03:16

Me fez querer assistir as 3 temporadas novamente! Perfeito do começo ao fim e com uma ótima deixa para uma 4 temporada!

Responder
Junito Hartley 25 de outubro de 2018 - 03:16

Muito foda a temporada, episódio da fuga da prisão foi se vibrar! Sobre o rei do crime eu ia assistindo ficando com raiva do fdm, sempre escapava. O mercenamer também esteve muito bem.

Agora algumas coisas que me incomodaram na série;

O episódio focado na Karen foi muito chato, e só me fez ter raiva dela, ainda bem que ela mudou.

Achei que ao longo da série o demolidor apanhou demais, o cara só anda detonado, ainda mais com suas habilidades que tem, elele apanha muito, lutou 3 vezes contra o dex e apanhou nas 3 pqp

O último episódio eu achei muito fácil e rápido a derrota do rei do crime, tipo, ele tinha um mini exército e ficou encurralado facilmente.

No fim daria 4 estrelas. Espero que tenha uma 4 temporada.

PS: não dá pra entender porque os caras não deixam as outras séries de heróis da Netflix com essa qualidade.

Responder
Andrew 25 de outubro de 2018 - 02:39

Achei muito drama… principalmente a parte do FBI… Achei um pouco demais, fora as surras que o murdok da no poindexter, ele bate bate bate, o poindexter não se machuca e quando dale meia dúzia de golpe, o murdok está todo quebrado… Achei meio globo… más está boa

Responder
ding ding ding 25 de outubro de 2018 - 18:44

Não podemos esquecer que o Dex usava um traje “blindado” do Demolidor, portando é normal que ele tenha sofrido menos dano.

Responder
bre.ribeiro 25 de outubro de 2018 - 00:30

Só revirei mesmo os olhos na última cena… precisava mesmo abrir o olhinho? E precisava mesmo ter o simbolinho na pupila?

Responder
planocritico 24 de outubro de 2018 - 20:37

A questão do caixão, muito sinceramente, parece mais vontade de achar problema do que efetivamente um problema. Claramente quem empurrou de volta a pedra para escondê-los lá dentro foi a Maggie, sua mãe, bem mais velha e uma freira. Você acha mesmo que o Demolidor, por mais combalido que estivesse, não conseguiria abrir?

Sobre o Mercenário, você mesmo disse: ele é um “sociopata louco”. Ou seja, NO MUNDO REAL, ele é alguém que sofre uma doença grave (tratada como doença no mundo todo). Ele é sim vítima, portanto. Além disso, PASSOU POR TRATAMENTO, teve sua sociopatia controlada, mas Fisk MANOBROU sua doença para tirar as travas que a psiquiatra colocou. Ou seja, para o mundo real – esqueça as HQs – essa construção é absolutamente lógica e perfeita. Você pode não gostar pessoalmente, pode achar que esse não é o Mercenário que você gostaria de ver, mas não dá para derrubar essa lógica.

– Ritter.

Responder
Taina Psilva 1 de novembro de 2018 - 08:41

Isso e bem verdade não gostei de como ficou. Opinião pessoal.
Mudando de assunto no Netflix saiu uma animação chamada Gurreiros da marvel, eu achei bem legal, não sei se fizaram já uma review mas seria legal fazer.

Responder
planocritico 1 de novembro de 2018 - 09:19

Eu vi um trecho e ela me lembrou uma famosa (des)animação da Marvel dos anos 60 em que eles pegavam literalmente os quadrinhos e “fingiam” uma animação usando a câmera para “passear” pela história. Vou continuar vendo e possivelmente eu trarei a crítica para cá.

Abs,
Ritter.

Responder
Taina Psilva 24 de outubro de 2018 - 18:26

Cara aonde se viu essa serie? Não pode ser a mesma que eu vejo kkkk, ta péssima cenas mal pensandas, bullseye uma grande vítima super manipulada e nada como o mercenário assassino que deveria ser, o Demolidor sempre foi egoísta ta um pouco mais um pouco menos não faz mal, mas A Karen mas toxica do nunca… Psique humana super mal feita.

Responder
planocritico 24 de outubro de 2018 - 18:32

Eu faço a mesma pergunta para você… Que cenas mal pensadas? E como é que Bullseye “deveria ser”? Da forma como você acha que ele é nos quadrinhos? Separe as coisas e tente ver a proposta da série e não do que você espera ver dos quadrinhos nela.

Abs,
Ritter.

Responder
Taina Psilva 24 de outubro de 2018 - 18:50

Inumeras, uma de exemplo rápido ele esta super machucado e consegue ficar dentro de um caixão que parece bem pesado junto com a Karen e depois mexe ele pra abrir com muita facilidade. E outras que as coisas acontecem sem muito sentido, quero dizer pela lógica comum teriam outros desfechos.

No caso do Bullseye ele é um sociopata louco que mata porque gosta, por dinheiro e por prazer, frio e calculista, e um pouco exibido inclusive, a história dele e contada por ele; tem o negócio da bola mas ele faz porque quer sair do jogo e não porque ele é forçado a sair. Ou seja nada de ser vítima da situação. E outra Fisk fica de implicância com ele pois ele perde pro demolidor, e fica desmoralizado no meio, entao Fisk não quer contratar ele, dizendo que só contrata se ele matar o Demolidor. O cara da série e um descontrolado, o ator achei perfeito.
Mas seria adequado ler mais sobre ele pra entender as discrepâncias.

Olha eu aceito bem adaptações, a questão e que no caso do Bullseye ficou igual o Danny rand muito descaracterizado. Tem tambem um lance que ele trabalha pra policia, mas só pra roubar um cara la, fazendo negócios sujos.

Responder
David RoPin 30 de outubro de 2018 - 23:52

…”Olha eu aceito bem adaptações”…

Á controvérsias.

Responder
Taina Psilva 6 de novembro de 2018 - 11:59

sempre há kkk, acho que acaba virando algo bem pessoal e as nossa expectativas influenciam muito. A gente lê algo ai vai ver o filme, geralmente a gente fica insatisfeito por isso eu não vejo filmes de coisas que li, faço depois, ai é mais fácil lidar. ou seja um ritual kkk

David RoPin 30 de outubro de 2018 - 23:50

Você está vendo a série errada, essa que vc está falando só pode ser a do punho de Ferro.

Responder
planocritico 24 de outubro de 2018 - 14:20

Por enquanto!

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 24 de outubro de 2018 - 16:16

Kkkk por enquanto? Deus me livre de viver aqui quando começarem a cobrar até por isso? ksksks

Responder
planocritico 24 de outubro de 2018 - 16:36

Nunca duvide de nada!

AHHAHAHAAHHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 18:44

Com certeza!

– Ritter.

Responder
Gustavo Rodrigues 23 de outubro de 2018 - 18:11

que temporada maravilhosa, essa terceira temporada é o apice de qualidade de um série de super heroi

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 12:04

Também acho isso! Ultrapassar a qualidade dessa será uma tarefa próxima do impossível!

Abs,
Ritter.

Responder
Jean Gomes 23 de outubro de 2018 - 12:30

E não só pela qualidade da história em si, mas por ter resolvido, de certa forma, todos os dramas da personagem desde a primeira temporada. O fato dele não querer matar, o se afastar dos amigos e a morte de pessoas próximas, a descoberta da identidade… Tudo isso é que dá densidade à personagem, e tudo isso foi resolvido/superado nesta temporada. Por isso considero-a, definitiva, além da qualidade da história mesmo: enredo, narrativa, cenas de ação etc, etc.

Voltar com esses dramas em uma quarta temporada pode ser catastrófico, parecer involução da personagem, se não souberem fazer.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 13:54

Você tem razão. Em tese, a quarta temporada seria quase que um novo começo e isso sempre exige um trabalho cuidadoso não só para não repetir o que veio antes, como também para ter certeza de que o que veio antes não será nem esquecido, nem traído.

Mas, depois dessa temporada, se esse novo showrunner continuar para a eventual próxima, aí eu ficarei confiante!

Abs,
Ritter.

Responder
ding ding ding 24 de outubro de 2018 - 13:59

Sem mencionar criar viloes tão bons quanto.

Responder
planocritico 24 de outubro de 2018 - 14:21

Se o Mercenário voltar, ajuda, mas mesmo com ele, não será a mesma coisa!

Abs,
Ritter.

Responder
ding ding ding 24 de outubro de 2018 - 22:55

Fisk já é carta fora do baralho, seria até tedioso ter ele de volta depois desse final. E o Mercenário por melhor vilão que seja não seguraria uma temporada inteira sozinho. Por mim poderiam ter encerrado sem aquele gancho final.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 12:03

Realmente, ficou bem psicopata!

Abs,
Ritter.

Responder
Jean Gomes 23 de outubro de 2018 - 11:58

A segunda temporada foi excelente até o 4º episódio. Com a entrada da Elektra (chata pra caramba) e dos ninjas místicos, foi ladeira abaixo. O Demolidor da Netflix não combina com o lado superpoder da Marvel. Por isso que Demolidor e depois, o Justiceiro, são as melhores séries da parceria Netflix/Marvel.

Responder
Rômulo Estevan 23 de outubro de 2018 - 18:07

Isso é questão de gosto,pra mim super combinou o lado místico na 2 temporada, e a Elektra convenhamos,foi melhor que aquela vergonha dos cinemas.

Responder
Jean Gomes 23 de outubro de 2018 - 11:53

Espetacular. Ouso dizer que esta é a temporada definitiva do Demolidor da Netflix, independentemente de temos mais temporadas futuramente.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 09:59

Eu acho a 2ª temporada a pior das três, ainda que muito boa. A 3ª é realmente espetacular do começo ao fim.

O Entenda Melhor deve sair na quarta-feira se tudo correr bem!

Abs,
Ritter.

Responder
Cleber Rosa 23 de outubro de 2018 - 09:20

Se for pra toda temporada de demolidor ter esse nível de excelência, pode cancelar as outras então.

Que coisa maravilhosa, a briga na prisão é de outro mundo. E o Rei do Crime? Espetacular.

Parabéns aos envolvidos

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 10:00

Também acho. Cancela tudo e foca no Demolidor que a coisa está MUITO, mas MUITO boa!!!

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 24 de outubro de 2018 - 12:04

Já eu quero que JJ e Justiceiro subam pra esse patamar e não que sejam canceladas.

Responder
planocritico 24 de outubro de 2018 - 12:08

É outra forma de ver a mesma coisa. A lei da probabilidades é que, infelizmente, está contra você…

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 24 de outubro de 2018 - 12:10

Eu tenho consciência disso, mas sonhar é de graça kkkkk

Responder
Cleber Rosa 25 de outubro de 2018 - 10:13

JJ e Justiceiro merecem uma terceira e segunda temporadas, mas as outras podem ficar do jeito que estão, encerradas.

Responder
David RoPin 25 de outubro de 2018 - 18:56

Se aquilo era o melhor que eles podiam fazer, então podem mesmo.

Responder
Huckleberry Hound 2 de novembro de 2018 - 11:41

O ruim é que Luke Cage e Punho de Ferro já estavam melhorando,na minha opnião!

Responder
Pedrinho Rude Boy 23 de outubro de 2018 - 08:58

Pqp ! Que série e que temporada ! Bom, acredito que foi uma temporada com um plot sensacional, que usou a decadência física do DD após os acontecimentos de Defensores pra dar o realismo das lutas na série. Foi um ninja absolutamente aquém da temp 1 e 2 e na verdade estava longe de ser um ninja, estava um lutador na verdade. Se analisar com feeling é perfeitamente compreensível pois ele tinha lesões sérias nas costelas e na coluna e não se deu tempo de recuperação, portanto a decadência nas lutas é aceitável. Dando um jump aqui, na season finale, a forma com a qual ele manipulou o Dex, usando a Júlia, e o argumento da estrela guia pra por o Dex em switch stance pra ir atrás do Kingspin foi foda ! A forma como ele manipulou tudo até chegar ao aperto de mão com o Rei do Crime na minha opinião foi justamente para o já supracitado vilão sofrer com a ironia daquilo tudo. Pois o King é o rei da manipulação e chantagem e o DD fez a mesma coisa dá forma mais enxadrista possível ! Foi sensacional.
‌O Dex com a máscara do DD ficou sinistro demais, cara de psico dos infernos, sem alma, sem afeição, sem nada. Só maldade.
‌E o Demolidor roots ? Cordas Muay Thay rules !

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 10:01

@pedrinhorudeboy:disqus , também adorei ele fazer o Rei do Crime provar de seu próprio remédio!

Foi uma temporada realmente fora de série!

Abs,
Ritter.

Responder
Jean Gomes 23 de outubro de 2018 - 11:56

O Mercenário com o traje do Daredevil é realmente assustador.

Responder
Pedrinho Rude Boy 23 de outubro de 2018 - 14:00

Fala aê, sinistro !

Responder
Daniel Marques 23 de outubro de 2018 - 00:55

Estou indo pro episódio 10, e estou achando a série espetacular.

Quando assisti a temp 2 achei incrível eles terem conseguido superar a temp 1, e agora, com a 3, a coisa chegou a um nível 5 estrelas mesmo, onde, mesmo com a porradaria tradicional, a trama supera a parte da ação bem fácil.

A introdução do Bullseye na cena do comboio foi muito foda. Tudo no melhor estilo “one shoot, one kill”. 😀

Nota 10, com folga.

PS: Quando sai o “entenda melhor”?

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 00:14

Melvin, você quis dizer!

– Ritter.

Responder
David RoPin 23 de outubro de 2018 - 02:32

Isso Melvin falha nossa.

Responder
José Afonso 22 de outubro de 2018 - 22:00

Uma dúvida: eu vi as últimas duas temporadas de demolidor (que por sinal gostei) mas não acompanhei o desenrolar das outras séries de super-heróis relacionados a ele. Isso prejudicará a experiência de ver a terceira temporada?

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 00:09

@joseaffonsoandrade:disqus , tem apenas um acontecimento, ao final da 1ª temporada de Os Defensores, que se conecta diretamente com o começo da 3ª temporada de Demolidor.

Se você não se importar com spoilers de Os Defensores, eu posso te contar aqui.

Dê um toque.

Abs,
Ritter.

Responder
José Afonso 23 de outubro de 2018 - 09:38

Entendi!

Então, se tiver disponibilidade e paciência, pode contar (não planejo ver Os Defensores tão cedo e já me programei para ver a terceira temporada de Demolidor a partir da semana que vem, pois a crítica e os comentários me animaram).

Obrigado e desculpem pelo transtorno rs

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 09:58

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

@joseaffonsoandrade:disqus , então vamos lá, pois é coisa bem simples e nem é um mega-spoiler não e evitarei dar detalhes que não interessam para a 3ª temporada de Demolidor.

A trama de Os Defensores relaciona-se com o Tentáculo e Elektra, mas, no final das contas, todo mundo está atrás é de artefatos relacionados com a mitologia do Punho de Ferro. Esses artefatos encontram-se, por mais absurdo que possa ser, no subsolo de Nova York, embaixo de um gigantesco prédio. Na pancadaria final, com os heróis todos lá embaixo, o prédio vem abaixo e o único que não consegue sair e se sacrifica é o Demolidor, que é, então, dado como morto por seus amigos.

Você verá, nos primeiros segundos da 3ª temporada de Demolidor, que a temporada começa a partir desse ponto, revelando, para a surpresa de absolutamente ninguém, que o Demolidor não morreu. Mas é importante entender a dimensão da coisa: um prédio “caiu na cabeça dele” e, além disso, ele em tese perdeu Elektra de novo (digo em tese, porque, no mundo dos super-heróis, ninguém morre de verdade). Ele está muito combalido física e mentalmente e a nova temporada pega esse gancho e o usa MUITO bem.

Espero que goste!

Abs,
Ritter.

Responder
José Afonso 23 de outubro de 2018 - 10:30

Ah, entendi. Bom saber então para entender a dimensão da coisa.

Muito obrigado

planocritico 22 de outubro de 2018 - 21:33

HAHAHAHAHAHAAHHHHAHA

Verdade, @davidropin:disqus !

– Ritter.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 21:32

É o que eu acho também.

– Ritter.

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:21

Demolidor começou as séries da Marvel na Netflix e levando em consideração os altos e baixos que elas vem apresentando,com sérios problemas de ritmo e excesso de episódios eu creio que se essa terceira temporada de Demolidor não fosse bem seria o fim das séries da Marvelflix.
Felizmente, a 3ª temporada de DD foi simplesmente animal, talvez a melhor de todas!
E eu acho que isso ótimo! Por que, em que outro lugar a Marvel faria conteúdos +18 como esses dos heróis urbanos e bairristas de lá!
Tomara que essa temporada de DD marque “a renovação” dessa parceria entre as duas gigantes, pra que mais histórias de personagens da Marvel que estão fora do “family friendly” continuem sendo adaptados.
E que role uma adaptação de Cavaleiro da Lua também que tem tudo a ver com essa pegada, Amém!

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 21:31

O grande problema é o serviço de streaming próprio que a Disney lançará em 2019. Eles não vão querer manter a Netflix como concorrente.

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:34

Eu sei, mas me pergunto será que a Disney vai querer conteúdos +18 como as séries da Marvelflix associado ao seu nome em seu serviço de streaming?
Afinal qual conteúdo dela atualmente trabalha com essa classificação em qualquer mídia?
Acho improvável.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 21:36

Ela não vai e aí é que eu vejo o problema. Não duvido nada que a Disney prefira deixar a parceria com o Netflix esfriar do que continuar dando munição para a concorrência… Ou seja, na prática, perigamos ficar SEM conteúdo +18 e aí pode ser um problema sério…

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 22:40

Lamentável, e ha quem ache que vai ser melhor, não vêem o que isso significa, pra quem curte séries de Heróis (e séries boas no geral) isso seria uma grande perda, mas como dizem “Business are business”.

planocritico 23 de outubro de 2018 - 00:12

Com certeza será lamentável se acontecer!

Abs,
Ritter.

Rafael Lima 22 de outubro de 2018 - 22:45

Sinceramente, eu espero que não. Mas infelizmente pode acontecer. Ou podem começar a produzir conteúdo +18 com a Hulu, que é delas, e não tem a sua marca ligada diretamente á Disney.

planocritico 23 de outubro de 2018 - 00:13

Também espero que não. Usar a Hulu seria uma opção, claro. Vamos ver como será ano que vem, quando a aquisição da Fox se concretizar e quando o serviço de streaming for lançado.

Abs,
Ritter.

Leonardo Auditore 22 de outubro de 2018 - 17:41

Ótima critica! Que temporada incrível, parece que há um abismo de qualidade entre a série do demolidor e as outras da Marvel/Netflix, minha unica reclamação está nas mudanças repentinas de personalidade do Matt, achei a mudança dele de não matar para matar o Fisk nos últimos episódios pouco orgânica, uma hora ele está decidido a pegar o rei do crime e depois de uma conversa com o foggy ele já retorna ao seu eu antigo, mas tirando isso achei tudo impecável. Espero que a netflix não cancele essa série, mas se for o caso a história foi muito bem fechada.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 19:58

Obrigado! Eu encarei a mudança como orgânica. Em um momento, ele não tinha esperança de resolução sem matar Fisk. Depois que ele “delicadamente” interroga o Felix, a coisa muda e ele traça outros planos e já invade o casamento com a ideia na cabeça.

Abs,
Ritter.

Responder
Jean Gomes 23 de outubro de 2018 - 12:07

Também penso assim. Na verdade, ele não quer matar, mas não vê outra saída, porém se surge uma oportunidade de encarcerar o Fisk, ele abraça-a.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 12:10

Encarcerar depois de socar até a cara dele virar molho de tomate, pois ninguém é de ferro!!! HAHHAAHHAHAAHHA

Abs,
Ritter.

Responder
John Locke 22 de outubro de 2018 - 15:31

Cara, terminei ontem e que temporada amigos. Coitado do Matt, só se ferra, assim como é nas hqs, curti demais os vilões.
Não tenho nada a reclamar a não ser aquele capitulo da Karen (30 minutos só de Karen não rola, pulei sem medo :D).
Crítica precisa e sem enrolação, Ritter.
Parabéns!

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 15:41

Obrigado, @disqus_UrTI0nUrF3:disqus !

Sobre a Karen, confesso que acho a atriz tão bonita que por mim poderia ter uma série inteira só dela. Karen Page: Investigative Journalist – 1ª Temporada.

HAHAHHAHAHHAHAHHHHA

Abs,
Ritter.

Responder
Jean Gomes 23 de outubro de 2018 - 12:08

Ela hipnotiza de tão bela que é.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 12:10

Sem dúvida!

– Ritter.

Responder
Daniel Plainview 28 de outubro de 2018 - 16:14

Faço das suas as minhas palavras.
Todo vez que olho pra Karen é como se ouvisse Take my breath away em minha cabeça kkkkkk

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 14:12

Arrow entra na lista de melhor série de super-herói arqueiro, de uniforme verde e barba sempre por fazer. E mesmo assim em 2ª lugar… HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 14:04

Entendi melhor seu ponto sobre o acordo agora. Concordo que o aperto de mãos foi redundante e, portanto não era necessário. No entanto, sobre o acordo em si, eu acho que ele não veio do nada. Murdock tinha a informação sobre a Vanessa que ele obteve quando pendurou o Felix de cabeça para baixo e, para mim, ele já planejava usá-la justamente para isso, para equilibrar as forças já que, sem matar Fisk, ele jamais poderia garantir a segurança de Foggy e Karen.

Sobre a trilha de mortes, eu vejo da seguinte forma: ele não tinha chance de chegar ao Rei do Crime sem a “ajuda” do Dex. As mortes de capangas e corruptos são efeitos colaterais que, no estado de espírito que o Murdock estava, são aceitáveis. Ao chegar na cobertura, ele faz dupla com o Rei do Crime para derrotar Dex e, depois, derrota Fisk. Basicamente um jogo de xadrez bem jogado. Moralmente condenável, claro, mas Kasparov não faria melhor!

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Lima 22 de outubro de 2018 - 21:22

Mas ai é que esta o nosso ponto de discordância. Não acho que o acordo saiu do nada. Como ele se constrói é bem posto pelo roteiro. Mas também não acho que o Matt tinha esse acordo na cabeça quando entrou no hotel no rastro do Dex. Pra mim, fica claro que ele entrou no hotel pra matar o Fisk, e só não o fez por não ter sido capaz devido aos seus princípios (o que não é demérito) e ter encontrado uma saída baseada em uma informação que ele já tinha, acrescentando isso ao fato de ter percebido que para o Fisk, fazer Matt mata-lo também era um tipo de vitória.

Mas não acho que o acordo tenha sido calculado friamente pelo Matt não, e sim algo que ele conseguiu puxar já na cobertura, baseado em uma informação que ele já tinha (e não vindo do nada) . Do contrário, ele não teria sugerido ao Mercenário pra que fosse atrás justamente da peça chave de tal acordo. Por isso, que acho que as atitudes e moral do Matt parecem servir o que a cena pede, ao invés de seguir um todo coerente (pode-se argumentar que isso demonstra o conflito do Murdock entre matar o Fisk e fazer o acordo, mas eu não compro isso do jeito que foi posto).

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 21:29

Então de fato aí discordamos. Eu acho que Murdock tinha um plano. Ele usou Dex para limpar seu caminho até Fisk e, depois, usou Fisk para acabar com Dex (ele por várias vezes disse que não tinha condições de derrotá-lo). Foi um jogo arriscado, mas calculado. É assim que vejo toda essa cena.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Lima 22 de outubro de 2018 - 22:42

Mas eu também acho que ele tinha um plano. Concordo com tudo que você escreveu ai encima. Só acho que o objetivo final do Matt ao executar o plano era matar o Rei, e não negociar, e que ele mudou de ideia na hora H, devido á uma série de fatores.

Responder
planocritico 23 de outubro de 2018 - 00:11

Então nós só discordamos nesse finalzinho. Pois eu acho que ele, depois de pendurar aquele sujeito de cabeça para baixo, construiu um plano que terminaria exatamente assim, em um acordo.

Abs,
Ritter.

planocritico 22 de outubro de 2018 - 13:59

Sem dúvida é a melhor série disparado da parceria Marvel Netflix.

Abs,
Ritter.

Responder
Rickzinho 22 de outubro de 2018 - 13:03

Daredevil dá gosto de assistir! Diferente das outras da Marvel/Netflix, apesar de que eu gosto delas

Responder
adrianocesar21 22 de outubro de 2018 - 12:30

Nos quadrinhos algumas HQs são consideradas clássicos.. felizmente nas séries já temos algumas também.. a quarta temporada de Shield, A segunda de Arrow e Essa temporada de Daredevil, com a do Demonio um ponto acima das demais! Uma unica coisa me incomodou um pouco.. o fato do Dex, com todo aquele passado conseguir se tornar agente do FBI. Eles são bons em levantar ao histórico dos seus agentes, né? rs Felizmente o Flashback dele foi uma das melhores coisas que já pareceram na Netflix.. a própria história em si, a maneira como foi apresentada, com o Fisk “assistindo” o passado do Dex… e o plano sequencia na prisão, a luta do Matt com o “demolidor” no Jornal… tudo foi incrivel!!

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 13:59

Eu jamais colocaria a 2ª temporada de Arrow em alguma lista de melhor qualquer coisa, mas entendo perfeitamente seu ponto e é verdade mesmo!

O Fisk “assistindo” o passado de Dex foi uma jogada brilhante. Tornou o flashback bem mais interessante!

Abs,
Ritter.

Responder
adrianocesar21 22 de outubro de 2018 - 14:06

Sei que eu dei uma forçada pra incluir algo do Arrowverso na brincadeira, rs.. mas de tudo que fizeram lá só essa temporada de Arrow me animou um pouco.. logico que ainda fica atrás das que eu citei.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 12:07

Uma baita episódio mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedrinho Rude Boy 22 de outubro de 2018 - 11:10

Acabei de assistir o 6º episódio intitulado de “Consequências”. Na minha opinião em séries de heróis foi um episódio absolutamente épico. Sem palavras. Acho que pra rivalizar somente 4,722 Hours e talvez Self Control ambos de MAoS.

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:25

Não se acanhe, foi um baita episódio em matéria de séries em geral mesmo! Não só de Super Heróis.

Responder
Pedrinho Rude Boy 23 de outubro de 2018 - 00:49

Concordo !

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 10:16

Acho que já vai poder ser de adamantium de vez, considerando que os X-Men são da Disney agora!

E olha, essa luta seria pauleira mesmo. Acho bom o Murdock encomendar uma nova armadura, pois de camiseta preta não vai rolar…

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 22 de outubro de 2018 - 10:19

Verdade! E quem sabe o Sr. Fantástico não ajuda ele com o novo uniforme? Haha

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 10:40

Seria lindo isso!

– Ritter.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:18

@disqus_rbPPRknh7M:disqus , eu achei essa melhor, pois ela, para mim, foi a que fez o melhor uso dos 13 episódios. Mas foi só um pouquinho melhor, pois a primeira é espetacular também.

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 22 de outubro de 2018 - 01:44
Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:27

…”dava uma angústia vendo temporadas anteriores, como o Matt tava morto de cansaço, sem conseguir ficar em pé, mas dava piruetas e pulos antes de socar os caras? Wtf…”

Cuidado ein, vai arrumar treta com Pedro, O Homem Sem Medo. Kkkkk

Responder
Welber Santos 21 de outubro de 2018 - 23:32

Comecei a ver à tarde na sexta, vendo 4 episódios. O restante, vi em maratona ontem. Terminei querendo que tivesse mais, de tão sensacional que foi esta temporada. Roteiro, direção, coreografia, suspense, arcos, coadjuvantes, reviravoltas, atuações, tudo nesta 3ª temporada foi perfeito. O único porém que eu faria se referiria a um certo excesso de tempo para contar a história de Karen Page, mas não chegou a ser suficiente para incomodar, tá perdoado.
Agora, o que se percebe entre os comentários, é que os que não gostaram geralmente reclamam da falta de “ação” e da moral anti-assassina do Demolidor. Me parecem mais birras de meninos de 11 anos que nunca pegaram uma hq, mesmo entre os que já têm 40 de idade. O que é normal até certo ponto, mas me parece que tem havido uma ampliação desse público brutalizado.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:20

@welbersantos:disqus , acho que Karen merecia o destaque, já que seu passado sombrio já vinha sendo mencionado em olhares e palavras aqui e ali desde a primeira temporada.

E eu concordo com você sobre a questão da “falta de ação”… Mas o que posso fazer?

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Pires de Oliveira 21 de outubro de 2018 - 23:27

Que obra de arte essa temporada! Transcende as adaptações de quadrinhos e se torna uma excelente temporada de série e ponto final. Um estudo profundo de personagens, com destaque pro Dex e pro Ray, já que Fisk e Matt apenas evoluíram em seu embate. Mas até mesmo Foggy e Karen acharam seu rumo. E finalmente senti o porque dos Murdock terem um demônio em si: a teimosia. Matt reluta em aceitar ajuda, reluta em reatar sua fé, reluta em matar e sair de sua índole. Essa teimosia ajuda e atrapalha, mas no fim, o leva pro caminho mais difícil, que implica na penitência que o purifica. O advogado voltou, o vigilante se recuperou, o católico encontrou seu caminho. O demônio caiu e o herói renasce. Mesmo com um final aberto, caso seja cancelada, a série terminou de forma perfeita. Afinal, a luta contra o crime é eterna. Deixar pro público imaginar como os inimigos de Matt voltariam pode gerar um ótimo exercício criativo. Nota 5/5. Atuações magníficas, roteiro preciso, fotografia calibrada (finalmente a série ficou sombria mas visível, sem aquele breu da segunda), trilha sonora pontual e, principalmente, uma direção quase perfeita! O realismo cru das cenas de ação cambaleantes, os poucos cortes, as câmeras na mão, os ângulos fechados. Tudo passa um ar muito mundano pra tudo aquilo. Destaque especial pra cena da prisão, que envolve luta, atuação, efeitos práticos e uma câmera acompanhando tudo de perto, com 11 minutos sem cortes aparentes. Televisão de alto nível, com a jornada do herói definitiva da Marvel.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:20

Assino embaixo, @leonardopiresdeoliveira:disqus !

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:28

Contratem esse cara pra fazer críticas. Kkkkk

Responder
Rafael Lima 21 de outubro de 2018 - 22:46

Gostei muito. Uma grande obra mesmo. Só senti que o final (embora muito bom) não foi tão consistente quanto o resto da temporada. Afinal, quando o Matt coloca o Mercenário contra o Fisk, ele sabia o que ia acontecer. Inclusive, meio que é ele que dá a ideia pro Poindexter matar a Vanessa em vingança. Então por que ficar “perdendo” todo aquele tempo salvando a “Rainha” dos ataques do Mercenário enquanto luta com o vilão, se foi ele mesmo que o pôs naquele caminho?

Podemos argumentar que Matt estava disposto a matar o Fisk, e mais ninguém quando entrou no hotel, mas pra isso teriamos que ignorar a trilha de corpos que o Mercenário deixou enquanto “abria caminho” pro Demolidor. Poderiamos argumentar também que Matt protegeu a Vanessa justamente pra usa-la como moeda de troca, mas ele tinha entrado lá pra matar o Fisk em primeira instância e não pra negociar. Então, em termos de roteiro, ficou um pouco estranho.

A própria cena do acordo me incomoda um pouco. Gosto da saida encontrada pela série pro Matt não ter que matar o Fisk, mas não vejo o Matt apertando a mão do Rei, e nem o clima emocional desta cena permitia esta “consessão”, então ficou estranho.

Mas isso é só um pecadilho. Não vou me extender listando as diversas qualidades desta temporada, pois seria redundante. Fez por merecer as cinco estrelas.

Responder
Lord Galahad 22 de outubro de 2018 - 07:49

Entendo seu ponto de vista e concordo que Matt deveria ter previsto o massacre que Dex faria no prédio (por outro lado, como Matt ainda estava meio perturbado, acho que dá pra relevar). Mas discordo com relação ao acordo. Achei que se encaixou perfeitamente no momento. No lugar de Matt, teria feito a mesma coisa para proteger os que amo e não achei tão deslocada como você falou. Nos quadrinhos isso aconteceu mais de uma vez, inclusive.

Responder
Rafael Lima 22 de outubro de 2018 - 13:13

Mas eu não tenho problemas com o acordo, que de fato, remete á varias situações semelhantes nas Hqs. Tenho problemas com a forma como esse acordo foi retratado na tela. A curva emocional da cena parece não fechar. Do tipo “vou quebrar o seu pescoço, Fisk seu FDP!”, pra “aperta a mão aqui, que temos um acordo, capeta”. Achei aquele aperto de mão totalmente desnecessário, e até redundante visualmente.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:22

@disqus_wPGYD1xKX4:disqus , que bom que gostou da temporada. Eu achei, assim como o leitor @disqus_rzAUaGIOjR:disqus aqui, que o acordo “de cavalheiros” funcionou bem. Foi um pacto com o diabo, tematicamente perfeito para a temporada.

Sobre o Mercenário na cena final, eu acho que o Demolidor quis utilizá-lo mesmo como abre-alas, mas jamais aceitaria que ele matasse Vanessa. Além disso, ele sabia que não podia sozinho contra ele e manobrou tudo de forma que o Rei do Crime, ainda que por pouco tempo, lutasse ao lado dele contra Dex.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Lima 22 de outubro de 2018 - 13:24

Então, como eu disse ao @disqus_rzAUaGIOjR:disqus, não tenho problemas com o acordo, mas sim com a forma que ele foi retratado na tela. Tem elementos ali que não fecham com a curva emocional da cena ao meu ver, como expus ao Galahad. Aquele aperto de mão não me desce, por na minha opinião, não se encaixar com o crescendo emocional anterior da cena

Então, o problema é que antes de chegar na Vanessa, o Poindexter deixou uma trilha de corpos pra trás no hotel que não parecem incomodar o Matt (sendo que o próprio Matt deu a ideia pro Mercenario matar a Vanessa, algo que ele não precisava fazer, já que o Dex já tava puto por encontrar o corpo da amada). Então, a moral do Matt nesse final no que diz respeito as mortes provocadas pelo Poindexter no hotel tavam de acordo com o que a cena precisava ao inves de ter organicidade, ao meu ver.

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:30

Aqueles Federais arregados que estavam defendendo o Fisk bem que mereceram, mas na real, ele não poderia invadir aquela Torre nunca se não fosse o Dex.

Responder
Anônimo 21 de outubro de 2018 - 22:57
Responder
Ezequiel56 22 de outubro de 2018 - 02:56

Então, que vá trabalhar no corpo de bombeiros.

Heróis matam. O que o Demolidor fez nesta 3° temporada que faz dele um herói? Além disso, ele não deixou o Mercenário matar Wilson Fisk e a Vanessa. Demolidor é um covarde, fracote e de herói não tem nada.

Sinceramente, nunca mais assistirei essa série. De herói o Demolidor não tem nada…

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:23

Como diria minha filha: afffffff…

– Ritter.

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 22 de outubro de 2018 - 10:44

E você, de entendimento de heróis, não tem nada. Já vi muita coisa sendo dito por aí na internet de gente que só conhece heróis de HQ por seriado ou filmes, mas essa foi a pior de longe. Chega a ser engraçado! hahahahhahhahahhaha

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 21:36

Mas então, exatamente por isso é que fez todo sentido a resolução dessa forma. Isso é preparado desde o primeiro episódio e exatamente por isso, achei a solução perfeita, lógica dentro da estrutura estabelecida.

Abs,
Ritter.

Responder
Alcides Faria Costa 21 de outubro de 2018 - 21:54

Eu, q se fosse roteirista não seria dos bons, não posso imaginar a conclusão de uma série. Previsibilidade não é uma boa característica pra algo q estou assistindo.

Mas veja bem, apesar de minha insistência nesse ponto, ela é a melhor temporada de uma série de super-herói pra mim.

Abs

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 22:11

Não vejo como insistência. Estamos apenas conversando e conversar é sadio!

Vejo a questão da previsibilidade de seguinte forma: se é previsível porque foi construído dentro da narrativa, não tem problema. O problema não é previsibilidade exatamente, e sim obviedade. Personagens não podem não ter funções em filmes e séries. Vanessa precisava ser incluída na narrativa como mais do que só a esposa de Fisk e ela é e faz sentido.

Se acontece algo que imaginávamos que ia acontecer porque é o encaixe perfeito, isso é bom. Surpresas e imprevisibilidades levam a roteiros que tendem a inventar moda. Por exemplo: se Vanessa matasse alguém com as próprias mãos ou fosse lá na casa da sobrevivente do Holocausto para pegar o quadro dela, isso seria imprevisível, mas péssimo, porque é fora do caráter dela na série.

Abs,
Ritter.

Responder
Alcides Faria Costa 21 de outubro de 2018 - 22:19

Como disse, não sei se o final cheio de reviravoltas, como foi na 1a temporada, seria melhor. Talvez vc tenha razão

Abs

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 21:33

Ah, eu também adorei as lutas! Não achei nada errado nessa temporada!

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 21 de outubro de 2018 - 18:48

A esterilização acontece por conta dos experimentos. Só digo uma coisa, assista Agent Carter para você entender. Ela pegou muita coisa das HQs da Viúva Negra. Mostram as primeiras Viúvas Negras e de como elas não são normais, o problema que a versão do cinema não teve um arco que a explorassem bem, se sair o filme aí dá para retornar aos elementos que Agent Carter tentou adaptar.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 18:30

É, acho que você não está de zoeira. Só realmente não quer entender…

– Ritter.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 18:05

Eu acho que uma versão do traje preto recente dos quadrinhos seria bacana.

E eu não vi o Melvin no freezer não, mas posso ter perdido o detalhe. Tomara que ele não esteja lá!

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 21 de outubro de 2018 - 22:36
Responder
Lord Galahad 22 de outubro de 2018 - 07:56

Rapaz, fiquei na dúvida também. Mas acho q não era ele. Acho que eram os dois caras que tinham matado a própria Julie. Tipo queima de arquivo. Só assistindo de novo a cena em que ela é morta pra confirmar.

Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:23

Terei que rever! #queremosmelvinvivo!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 18:03

Gosto também é um fator, mas diria que técnica e objetivamente a temporada 2 me parece a mais fraca.

– Ritter.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 18:02

Tá bom, então…

– Ritter.

Responder
Anônimo 21 de outubro de 2018 - 18:46
Responder
Gabriel Carvalho 21 de outubro de 2018 - 19:39

Nunca leu uma história do Superman. Nem a porra do Batman costuma matar. Heróis, essencialmente – em termos dos heróis de quadrinhos, obviamente – não matam. Por isso que temos anti-heróis.

Responder
Anônimo 21 de outubro de 2018 - 20:39
Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 18:02

Ele foi criado para a série, mas tem um belíssimo arco mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 17:46

Você ganhou. Eu desisto. Não adianta debater com quem não conhece os personagens.

Responder
mini ele mesmo 21 de outubro de 2018 - 17:43

Rapaz, se tivessem esperado um pouco, seria adamantium naquele final
Dex vai volta com sangue nos zói na próxima temporada
Agora uma dúvida, quando o Dex achou o corpo da Julie naquele freezer, o corpo do Melvin estava lá também ???? Espero que não
E eu também quero um novo uniforme pro Demolidor, acho que algo parecido com o traje do Batman em BVS ficaria bom

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 21:39

Eu acho que era o Dex (Ops, Melvin) sim. Infelizmente.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 17:36

Minha única crítica à temporada, Robson. A construção dos personagens e a história foi incrível, mas as lutas foram pífias. Não me senti vendo uma série do Demolidor, mas sim um filme de boxe. As lutas foram péssimas. Demolidor que não chuta, não faz acrobacias e não usa bastões; não é o Demolidor. Eu me decepcionei demais com a ação dessa temporada.

Responder
Ricardo 21 de outubro de 2018 - 17:22

Terminei de assistir agora! Que temporada!!! Pra mim foi a melhor das 3. Ganhou até da primeira. Outro ponto que queria colocar: Não sei se o agente Nadeem foi criado pra série ou foi retirado dos quadrinhos, mas que personagem bem escrito da porr@. O arco de ascensão e queda dele, por si só, já rende uma história à parte!!!!

Responder
Ezequiel56 21 de outubro de 2018 - 16:05

Série horrível, mataram a série.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 16:09

Verdade. Boa mesmo é Inumanos e Punho de Ferro!

– Ritter.

Responder
Ezequiel56 21 de outubro de 2018 - 16:14

Eu gostava da série, mas a 3° foi a pior de todas. Se um herói não vai matar os vilões, então, que vá trabalhar na política ou vá se tornar investigador…

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 16:18

Cara, desde quando é comum super-herói matar vilão? Você quer o Justiceiro (que não é super-herói) e não o Demolidor. O personagem é integralmente construído em cima do conceito de fazer justiça segundo as leis (ele é advogado!) e a moral católica (ele é religioso fervoroso!). Não faria o MENOR sentido ele matar, da mesma forma que não faria o menor sentido o Justiceiro fazer carinho nos bandidos.

– Ritter.

Responder
Ezequiel56 21 de outubro de 2018 - 16:32

Então que vá trabalhar na polícia. Heróis matam vilões.

“O personagem é
integralmente construído em cima do conceito de fazer justiça segundo as leis (ele é advogado!) e a moral católica (ele é religioso fervoroso!)”

Até porque bater em pessoas está dentro da lei, não é mesmo?

Demolidor até agora não é herói, só fez pessoas inocentes morrerem por ser um covarde, fracote…

Ezequiel56 21 de outubro de 2018 - 17:23

Heróis matam vilões. Não faz sentido é um herói não matar.

planocritico 21 de outubro de 2018 - 18:00

Ou você está de zoeira ou não faz a menor ideia do que é o conceito de um herói, muito menos de um super-herói.

– Ritter.

planocritico 21 de outubro de 2018 - 15:57

Foi mesmo!

– Ritter.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 15:57

Eita! Fiquei mais curioso ainda agora!

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 15:23

kKkkkk tá certo Pedrão… Seus argumentos são demais pra mim! Eu admito minha derrota. Meu parabéns, olha… Quer um balão? ✩·͙*̩̩͙˚̩̥̩̥( ͡ᵔ ͜ʖ ͡ᵔ )*̩̩͙✩·͙˚̩̥̩̥.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:44

@disqus_rzAUaGIOjR:disqus , fico feliz que tenha gostado como eu gostei. Realmente é uma temporada espetacular e uma adaptação de super-heróis fora da curva. Também acho que a 4ª temporada não tem chance de se igualar (porque superar, convenhamos, não vai dar), mas a esperança é a última que morre!

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 14:52

Ah, aquela série que te indiquei, Banshee, tem umas lutas viscerais estilo essas do Demolidor, só que mais violentas. Só pra atiçar sua curiosidade =D

Responder
Carolina Franco 21 de outubro de 2018 - 14:42

Temporada mais chata de todas as séries da Marvel.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:46

Até do que a 1ª de Punho de Ferro, jura?

– Ritter.

Responder
Rômulo Estevan 21 de outubro de 2018 - 15:39

Foi muito lenta realmente,mais não considero chata,foi legalzinha,mais ainda prefiro a 2 kkik

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 15:55

Nossa, não vimos a mesma temporada então. E a 2 é fácil a pior das 3 do Demolidor para mim.

– Ritter.

Responder
Rômulo Estevan 21 de outubro de 2018 - 16:21

Acho que é mais questão de gosto mesmo kkk

Responder
Anônimo 22 de outubro de 2018 - 03:26
Responder
planocritico 22 de outubro de 2018 - 09:24

Isso! Menos melhor é o mais correto mesmo!

Abs,
Ritter.

Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 14:33

Ritter, você estava certo. Terminei agora e aplaudi de pé (não literalmente, mas no meu coração, sim rsrs)! Sim, é o Cavaleiro das Trevas das telinhas! Como um quadrinho dos bons ganhando vida, com atores de carne e osso. De longe, de longe, a melhor adaptação na TV de um herói das HQs. Fiquei feliz demais com o resultado. Vai ser difícil superar o que fizeram aqui numa possível próxima temporada.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:26

Eu acho que o drama e a construção de Fisk e Dex (além de Nadeem) compensaram as lutas menos espetaculares, até porque elas são plenamente justificadas para serem assim dentro da narrativa.

Sobre o final, não teria nada contra se Fisk ganhasse, mas creio que obrigaria uma 4ª temporada e isso nunca é garantido.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 17:37

Tá vendo que eu não fui o único que notou isso. As lutas foram péssimas. E não foi por nenhuma razão narrativa… como você tá querendo que a gente acredite…kkkkkk

Responder
Stella 21 de outubro de 2018 - 19:11

Fiquei impressionada o tanto que tu falou com aquele rapaz sobre Demolidor vs Batman, geralmente você não dá tanta corda kkkk.. Não costumo tomar partido, fico neutra, mas quando ele falou que Demolidor é uma mera copia do Batman, começa a putaria de falar que a Marvel é copiadora de coisas da DC. Sendo que quem lê quadrinhos mesmo ou pesquisa sabe que o Batman não é original, é inspirado em um ladrão do filme clássico de suspense A Mansão do Morcego, até o ladrão tem um sinal com morcego que inspirou o Batsinal.. Coringa é baseado no Homem Que Ri, fora que tem diversos personagens da DC que foram copiados ou inspirados depende de você leva…
https://uploads.disquscdn.com/images/3c3bb9f632b4f5bd80764f51ba47c5c0dfc12be47f757d34c50f640ef37effc9.png
https://uploads.disquscdn.com/images/5c4c27722b0edafb66e0d25770af51941ebfb9943c05ba40969c95c7e94f8aef.jpg

Responder
David RoPin 22 de outubro de 2018 - 23:53

Com certeza Batman teve “inspirações” a principal delas em minha opinião foi justamente a do primeiro super herói da história The Clock, criado em 1936 apenas três anos antes de Bat-Man 1939.
O The Clock foi criado por George Brenner, aparecendo pela primeira vez em duas HQs da revista Comics Magazine: a Funny Pages de sexta edição e a Funny Picture Stories de primeira edição, as duas lançadas em novembro de 1936.
O personagem pode ser quase como um “elo perdido” entre os heróis pulp e dos quadrinhos, a identidade secreta de The Clock era Brian O’Brien, um membro de uma organização, um homem rico e de alta sociedade (te lembra alguém?).
Ele era um hipnotizador com um covil subterrâneo secreto (agora te lembra alguém?), seu traje minimalista como um mestre do disfarce era um terno e uma máscara de três peças. O The Clock sempre utilizou uma série de dispositivos (incluindo uma bizarra bengala, onde a ponta dela se tornava um projétil), e um punho de diamante (que disparava gás lacrimogêneo), e costumava deixar um cartão com um mostrador de relógio escrito “O relógio bateu”. https://uploads.disquscdn.com/images/ab7a55401686951a8312cb79749658f6403f97f52f603f124e1c8695c28956ce.jpg

Por isso é correto dizer que o Demolidor criado em 1964 assim como outros tem influencia de Batman criado duas décadas e meia antes e que popularizou o gênero de Heróis vigilantes no Mundo. E isso nada tem a ver com a briguinha entre fãs da Marvel vs DC.

Responder
Anônimo 4 de novembro de 2018 - 07:46
Responder
Leonardo Bicigo 21 de outubro de 2018 - 19:16

Concordo com vc, Ritter, mas acho que as lutas foram muito boas tambem. O Matt estava quebrado por fora e por dentro, nunca lutando nos 100%, o que deu muito mais impacto, principalmente a espetacular luta final contra o Fisk (aquele “Eu te derrotei” doeu mais que qualquer chute). O público gosta de firulas nas lutas, mas o arco inteiro não seria nem metade do que foi se as lutas não fossem desse jeito.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:21

Que solução, exatamente?

Abs,
Ritter.

Responder
Alcides Faria Costa 21 de outubro de 2018 - 14:53

O acordo entre DD e o rei do crime

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:56

SPOILERS

SPOILERS

SPOILERS

SPOILERS

Mais ou menos. Ela precisou chegar, assumir a posição de esposa de criminoso de verdade, mudar a ideia do Rei do Crime sobre o agente do FBI e verbalmente mandar matá-lo. Sem isso, o Demolidor não teria poder de barganha. Achei que foi bem construído.

Abs,
Ritter.

Responder
Alcides Faria Costa 21 de outubro de 2018 - 19:02

Kkkkk kkkkk. Não quis falar a solução exatamente pra não dar spoiler.

SPOILER

Ele poderia ter ameaçado a Vanessa a qq momento. Na hr q ela desceu do helicóptero eu pensei isso. Ele faz exatamente isso com a maioria das pessoas. Achei q a solução mais simples era fazer isso com ele. Ela é o único pt fraco dele. Não foi tão óbvio, pq não sabia se o DD seria capaz de fazer isso, mas desde sempre previ ser a única solução. Mas como disse, não sei se isso é bom ou ruim.

Responder
Alcides Faria Costa 21 de outubro de 2018 - 19:21

Acho melhor apagar essa nossa discussão, pq ela é O SPOILER dessa temporada, mas não estou consegue apagar meus comentários

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 20:38

Pode deixar ela aí. Eu acredito piamente que, se alguém que não viu a série e quer fugir de spoilers, não vai querer arriscar-se lendo comentários de uma crítica…

Abs,
Ritter.

planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:20

Eu também estou, meu caro! Mas eu simplesmente não me aguentei. Acabei de ver às 6 da manhã de sábado depois de ter acordado às 5 da manhã na sexta para trabalhar e, MESMO ASSIM, estava feliz da vida, com um sorriso no rosto e louco para escrever a crítica! Isso não acontece sempre, posso garantir!

Abs,
Ritter.

Responder
Alcides Faria Costa 21 de outubro de 2018 - 14:12

Achei a solução muito simples. Não sei se isso é bom ou ruim. Desde q a Vanessa chegou em NY essa solução poderia ter acontecido. Mas melhor q a solução mirabolante da 1a temporada q tinha tantas reviravoltas q deixaram de ser surpreendentes.

Dito isso, é sem dúvida a melhor temporada de uma série de super-herói q já vi, um pouquinho melhor q a primeira

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:05

He, he. Beleza!

– Ritter.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 13:41

Continue que fica melhor!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 13:40

Posso spoilar para você e dizer se ela aparece ou não?

Abs,
Ritter.

Responder
Pedrinho Rude Boy 21 de outubro de 2018 - 13:55

Olá colega ! Hahaha pra bom entendedor um pingo é letra. Não precisa nem spoilar !
Abs,

Responder
Robson Luz 21 de outubro de 2018 - 13:14

De longe superior à segunda temporada que deixou a desejar e seria bem fraca se não fosse o justiceiro, nessa o desenvolimento dos personagens é monstruoso, com destaque pro agente Nadeem e Pointdexter, D’onofrio mais uma vez monstro(literalmente) como rei do crime. Senti falta de mais acrobacias e chutes nas lutas, como demolidor deveria ser e dos bastões. Pra mim seria mais interessante no final se o rei do crime ganhasse, mostrando que o sistema é falho de fato e não repetindo o mesmo que aconteceu na primeira temporada.

Responder
Pedrinho Rude Boy 21 de outubro de 2018 - 10:14

Terminei o 2º episódio. Só espero que a chata da Claire não apareça nesta temporada.

Responder
Anônimo 21 de outubro de 2018 - 03:45
Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 01:52

Eu já não estava com a expectativa tão alta, mas foi uma baita surpresa mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Lucas Ferreira 21 de outubro de 2018 - 01:44

Sem dúvidas a melhor temporada de Demolidor, a melhor temporada de uma série de Super herói, a melhor série de super herói. Simplesmente sensacional!! Já tava com expectativa alta, mas depois de assistir devo admitir que foi muito melhor do que esperava!

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 01:26

Cara, entendo, mas o que você pede, essa punição que você parece pedir então para Fisk é algo como a morte dele, a tortura dele ou, sei lá, que a Vanessa fosse morta e ele ficasse sofrendo. Isso, para mim, não é a punição que o mundo civilizado deveria impingir sobre as pessoas. A punição por crimes é a prisão e, em alguns lugares, a prisão seguido excepcionalmente de uma pena de morte aplicada da forma mais humana possível. Fisk foi preso e sua pena já era perpétua (ou longa o suficiente para ser perpétua na prática). Ele vai voltar a ser enjaulado em uma cela e a viver sem luxo, como um preso qualquer. Isso é MUITO pior do que a morte para ele. A justiça foi feita.

E o Demolidor fez muito na temporada: ele literalmente domou seus demônios internos e se segurou, manteve sua humanidade. Sua luta interna foi, para mim, espetacular. Exemplar mesmo. Coisa que não se vê muito facilmente em séries e filmes de super-heróis.

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 14:41

Foi exemplar a forma como respeitaram e entenderam o material original. Esse é o mesmo Matt Murdock dos quadrinhos. O mesmo espírito. Esse showrunner está de parabéns. Finalmente apareceu alguém que entende de quadrinhos e que conseguiu transpor isso para a TV. Todos os personagens, na verdade, estavam excelentes, elenco afiado. Destaque para Wilson Bethel. O cara convenceu. Espero vermos mais do Mercenário no futuro.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:46

Também achei. O Bethel dedicou-se muito ao seu papel. E olha que, no começo, quando ele aparece pela primeira vez, meio que torci o nariz. Mas, depois, o negócio foi ficando espetacular.

E ele TEM que voltar!

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 14:48

Esse cara tem futuro. Espero que consiga bons papéis em outras séries ou filmes. Ele merece.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 14:51

Merece mesmo. E não podemos esquecer do próprio Charlie Cox. Ele tem mandado muito bem e, apesar de ele já ter uma carreira razoável, nunca ganhou destaque.

Abs,
Ritter.

Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 14:58

Claro! Só quis ressaltar como ele surpreendeu. Porque de D’Onofrio e Cox já esperava boas atuações. Foi massa aquele confronto verbal entre eles dois na cobertura, logo antes do acordo. Cox dominou a cena.

William O. Costa 23 de outubro de 2018 - 01:33

Concordo totalmente sobre quão boa foi a luta interna do Matt e justamente por coisas como essa luta interna que eu estava chegando ao 8º episódio acreditando que essa era uma das melhores (ou a melhor) série live-action que eu já vi. Mas os episódios passavam e cada vez mais o Fisk tomava conta da trama, cada vez mais ele matava, fazia o que bem entendia só para seu próprio bem, cada vez mais o Foggy, o Matt, a Karen se davam mal em suas tentativas e eu fui percebendo que nada que eles fizeram durante toda a temporada até o fim se aproximar atingiu mesmo que minimamente o Fisk. O Demolidor é dentre os personagens centrais o que menos aparece em tela. O que eu quis dizem sobre o Demolidor não fazer coisas relevantes, me refiro a coisas relevantes contra o Fisk. Não vimos mais ele indo atrás de pessoas, lutando, vencendo, conseguindo informações, frustando os planos dos vilões várias vezes como aconteceu na primeira temporada. Ele faz essas coisas, mas apenas uma ou duas vezes a temporada inteira.

O problema, como eu disse, na história em si, e nem mesmo é pelo fim que levou o Fisk (apesar de me incomodar ser o mesmo final que ele na primeira temporada quase que em mínimos detalhes), o problema foi que toda a temporada ele foi vitorioso, e o que nós vimos mais que tudo foi ele matando, manipulando e acabando com os avanços dos outros personagens contra ele sem a mínima dificuldade. Isso foi mal escrito ou mal produzido ou sequer mal colocado? Com certeza que não. O que incomoda a mim particularmente é que nos fizeram assistir treze episódios que foram em uns 80% sobre um homem vil e cruel comentando atrocidades impunemente para que somente nos últimos minutos do último episódio ele seja detido, sem que seja mostrado um verdadeiro impacto para ele e, pior de tudo, sendo salvo várias vezes seguidas pelo mesmo herói que não salvou nenhum dos policias corruptos que seriam presos da mesma forma, e, pra finalizar, esse mesmo “herói” consegue apertar as mãos encharcadas de sangue inocente desse vilão.

Se ele terminasse morto, o fim combinaria com ele ter feito tanto mal a tantas pessoas, haveria realmente peso. Por não é justo ou sequer correto que três supostos heróis (Matt, Karen e Foggy), que querem salvar pessoas, saibam com certeza que um homem está implacavelmente matando pessoas dia após dia, saibam que o sistema está totalmente corrompido e que não há ninguém que vá parar essa matança, saibam quem esse homem é e onde está, e permitam que ele continue matando e matando pessoas para não quebrar um limite. Realmente a morte não é a punição adequada num mundo civilizado, mas a trama mostrou cada vez mais o quão incivilizado o mundo estava, com um criminoso controlando o FBI, um policial matando um padre na igreja e incriminando outros pra isso. É muito pior que o velho oeste! Ele já não precisava apenas ser punido, precisava ser detido como fosse necessário para que vidas fossem salvas.

Desculpe pelo textão. E friso novamente que não discordo da crítica realmente, mas apenas não consigo gostar de uma história que engrandece ao nível do Olimpo um vilão tão desprezível e sem escrúpulos, e ainda mostra os seus dramas pessoais como se fosse alguém com quem devêssemos nos importar (o tempo que passamos vendo ele com a Vanessa, coisa eu gostei na primeira temporada, agora me irritou demais por estarmos acompanhando a vida de um monstro em vez de acompanhar a luta de um herói).

P.S.: O Cavaleiro das Trevas é um filme perfeito pela forma como tudo foi colocado em sincronia, embora o Batman não mate o Coringa, o Coringa é derrotado e substituído por outro vilão ainda faltando algum tempo para o final. Nós não passamos 11 horas vendo ele tocando o terror. E eu imagino que se Nolan houvesse feito um quarto filme para aquela história, o Coringa voltaria, o que faria o Batman voltar, e após muita coisa, o filme terminaria igual ao A Piada Mortal e o Batman acabaria matando o Coringa. Inclusive porque tanto para o Batman quanto para o Demolidor, sacrificar suas próprios para o bem de outras pessoas não seria problema algum, o verdadeiro sacrifício seria macular suas próprias almas, trair suas próprias crenças, para evitar que mais pessoas morressem.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 23:08

É algo que precisamos aceitar, não tem jeito. Até em Kill Bill, em que ela passa ANOS em coma, ela consegue matar um cara e recuperar-se ao longo de algumas horas. Faz parte.

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 23:37

A tal da “suspensão de descrença”. Eu tô ligado, nada que prejudique a imersão, só um pequeno detalhe notado por um alguém detalhista como eu.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 23:00

Mas é importante lembrarmos que a suspensão da descrença fica enquadrada pela lógica interna do filme ou série. Se o filme estabelece que Wayne saiu para treinar pelo mundo e tornou-se mestre em 157 lutas marciais, então a suspensão da descrença exige que aceitemos isso. Para ficarmos no Demolidor, nessa 3ª temporada, temos que aceitar que Dex consegue transformar contas de terço em balas que matam.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 23:06

Sim, mas a suspensão da descrença tem limites, meu camarada. Eu aceito que uma aranha radioativa dê poderes aracnídeos a um adolescente. Só que esse mesmo adolescente não pode soltar um peido e derrubar um prédio.
Esse é o problema do Batman, ele extrapola a suspensão da descrença. Eu aceitaria que ele fosse um detetive que soubesse lutar artes marciais. Mas nem fodendo eu aceito que ele saiba lutar 157 artes marciais e tenha conhecimento nas mais variadas áreas. Só uma criança engoliria uma bobagem dessa. Por isso que o Batman é um personagem pra menino.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 23:07

E passava uma tensão do caramba, mas o pior que tiveram várias coisas que ele tacou, numa pessoa com boa mira pode matar mesmo. Só essa parte do terço ficou irreal. E com aquele final então. Ele vai voltar como?kkk Vai ficar mais complicado ainda para o Demolidor.

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 01:35

Só a parte do terço? O dom dele é sobrenatural demais.

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 00:11

Onde eu assino? Ah, já assinei.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:56

Tudo depende do que você considera cena de ação. Aquela sequência do interrogatório do Coringa pelo Batman na delegacia é, para mim, uma cena de ação e a direção dele é absolutamente espetacular ali. O mesmo vale para a paralelização do salvamento do futuro Duas-Caras e da namorada lá do Wayne cujo nome não me lembro. E assim por diante. Se você estiver falando só em troca de socos, aí é outro departamento.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 23:00

Isso aí que você chama de “cena de ação”, eu chamo de construção narrativa. Eu estou me referindo a tiro, porrada e bomba mesmo.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:47

Ah tenho que comprar né, foi mostrado que ele caiu tipo num esgoto, nao caiu nada em cima dele kkkk E ele como eu disse nao deu tempo pra se recuperar. Então faz sentido sim. Pelo menos para mim fez.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:53

@disqus_9KZLz8G0wg:disqus , eu diria que vai até além de simplesmente comprar uma ideia. Essa é a premissa da temporada. Ele se quebrou todo e teve que tentar se recuperar de maneira “medieval”, em um convento e não em um hospital, com tecnologia e medicamentos mais eficientes. E isso sem falar no baque psicológico que ele passa. Por isso é que eu concordo totalmente com você e também comprei 100% o que foi feito.

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:54

Exato. Não teve tecnologia nenhuma, ele se recuperou como na idade média mesmo, como as freiras geralmente cuidavam dos doentes e etc.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 23:30

No episódio 9 da primeira temporada, ele é estraçalhado pelo Nobu e o Rei do Crime, mas nem por isso ele luta como um robô nos episódios sequentes.
Eu acho que foi redução de orçamento e desleixo na coreografia e na direção mesmo.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 23:25

O que eu vi foi uma redução drástica de orçamento, isso sim. A direção foi muito pouco inspirada.

Responder
Stella 21 de outubro de 2018 - 18:52

Isso eu senti que teve redução. Talvez por isso optaram por deixa-lo o mais debilitado o possivel. Porque se for analisar, ele foi burro em retornar pra rua pra apanhar, sem estar recuperado, o ideal era ter dado um salto maior de meses e mostra-lo melhor, e nao alguns meses pum, ele apanha de novo, nao se recupera e apanha mais ainda.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:46

Eu acho que foram pelo menos 4 meses, mas 6 meses me parece correto sim.

– Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 22:51

Então ele ficou fazendo uns exercicios de calistenia deitado na cama enquanto se recupera, porque o condicionamento dele continuou o mesmo! Kkkkk deve ser outro superpoder do Matt Murdock continuar com abs rasgado mesmo depois de seis meses sem treinar.

Responder
Stella 21 de outubro de 2018 - 18:50

Ele não continuou o mesmo tava todo fodido, se ele tivesse o mesmo Pedro, o Homem Sem Medo não estaria reclamando das lutas kkkkk Ele teve que lutar mais com os braços, por isso as lutas não tiveram acrobacia e le parkour.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:45

Ele passou MESES entrevado em uma cama, com problemas na coluna dorsal, no ouvido, nas costelas. É muito diferente da 1ª temporada.

– Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:49

Eu entendo. Mas se é pra ser tão “realista”, então ele também nem deveria ser capaz de sair da cama. Eu acho que foi desleixo da direção mesmo. Não compro essa falácia que ele estava se recuperando.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:36

Mas eu não falei nada que contradissesse isso. Eu apenas disse que nessa temporada a escolha foi de força bruta em cima da técnica. E eu gostei, não tem jeito.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:57

Se fosse um filme do Rocky Balboa, eu estaria com você. Mas estamos falando da série do Demolidor. Se você gostou, não posso fazer nada. Mas que isso é uma involução do personagem, é.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:35

Na origem, o Capitão era exatamente isso: o máximo que a condição física de um ser humano poderia alcançar. Mas, depois, virou bagunça… É a mesma praga que afeta os heróis mais importantes das editoras: se o personagem é famoso, ele passa pela mão de vários roteiristas que precisam inventar moda e aí não tem jeito, os exageros vem.

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:52

Exato, mas ela realmente recebeu um boost. Não é normal. Ela só perde para o super soro do ”supersoldado”. Em Age of Ultron, é mostrado em flashback parte da história da Natasha, confirmando a adaptação dos quadrinhos,os procedimentos constantes, a fizeram ficar histério também .

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 04:54

Em AV Age of Ultron eu não vi confirmarem nada além do treinamento dela com o Soldado Invernal e sua esterilização.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:31

O que nem de longe se equipara ao que ele era nas temporadas anteriores.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:29

Nada contra…kkkkk
Amo Rocky Balboa, mas o Demolidor é muito mais do que um boxeador.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:33

Mas o Rocky ganhava de Matt!

HAHAHAHAHAAHAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:57

Ninguém ganha do Rocky…kkkkkk

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:29

Cara, essa cena foi demais… Ele pede, o cara dá na maior calma e…

– Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:28

Não tenho problema com ela ser asiática, mas realmente o arco dela foi ruim.

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:43

Eu tenho já que deveriam ter escalado uma atriz que lembre uma mulher grega. Eles devem ter interpretado que mulher exótica só são asiáticas e latinas kkkk

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 00:16

Culpa novamente, do fato de o arco dela estar ligado demais ao “Tentáculo estragado” pelo toque de midas ao contrário do Punho de Feno! Tanto que levou diretamente pra aquela coisa vergonhosa que foi a série dos Defensores.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:26

Diretor de ação medíocre??? Nossa, aí eu discordo frontalmente. Lembrando que “ação” não é sinônimo de “luta”.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:41

Em cenas de ação, a misancene dele é fraca demais. Eu não sou o único a dizer isso. Já vi críticos renomados de cinema dizerem isso.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:48

Tem gosto para tudo. Eu já li análises inteiras só lidando com a qualidade da técnica do Nolan.

– Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:50

Da narrativa, sim. Mas no quesito ação, eu recomendo que procure melhores…kkkkkk

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:25

Isso!

– Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:24

Não é isso. É apenas uma forma de encarar. Sua origem é exatamente ligada ao boxe. Ele volta a ela.

– Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:36

É sério que você quer me ensinar sobre a origem do Demolidor? Eu que já li O Homem Sem Medo do Frank Miller diversas vezes. Eu que já li Demolidor – Amarelo. Eu que já li o livro que adapta a minissérie O Homem Sem Medo.
Cara, eu sei que ele luta boxe, mas essa é apenas uma das modalidades de luta que ele sabe. O principal e DEFINITIVO estilo de luta é o que ele aprendeu com o Stick, não essa troca de socos de bêbados em um bar.
Vamos lá, admita, você sabe que eu estou certo…kkkkk

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:40

Cara, calma, não leva as coisas tão a ferro e a fogo. Esqueça os quadrinhos. Olhe para a série. O foco no boxe é muito importante e foi uma escolha NARRATIVA essa volta ao básico. Não estou querendo ensinar nada sobre o Demolidor em si, mas você tem que ir além disso e tentar compreender as escolhas de roteiro, de narrativa, de objetivo por trás de determinadas situações NA SÉRIE.

Por isso, pouco importa se o estilo principal dele é esse ou aquele. Até porque, como você sabe bem, o Stick foi um retcon do Demolidor que, na origem mesmo, lá atrás, não era um ninja. O que importa é o objetivo do showrunner na temporada. Você pode não gostar, mas é isso que ele tentou fazer.

– Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:54

Sim, o Stick é um retcon, mas é o estabelecimento definitivo do personagem. A MAIOR PROVA disso é que adaptaram isso logo na primeira temporada, aí vem um novo showrunner e decide jogar isso na lata do lixo. Claro, faz todo sentido. Quem iria querer lutar como um ninja, quando pode lutar como um bêbado de rua, não é mesmo?

Responder
Rafael Lima 20 de outubro de 2018 - 23:25

Prêmio paciência da noite pro Ritter, Por favor. Hehehe

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 23:51

Não espere imparcialidade de Pedro – O Homem. Sem. Medo.
Ele já leva a fãnboyzice assumida dele no nome. Ksksksks

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:03

Imparcialidade não existe. E minha argumentação tem propriedade.

David RoPin 21 de outubro de 2018 - 15:09

Viram o que eu quis dizer?!

Anônimo 21 de outubro de 2018 - 03:32
Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:23

Exato. E isso fica bem explícito. Força bruta no lugar de técnica.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:32

Estamos falando do Demolidor ou do Luke Cage. O Demolidor sempre foi um dos melhores artistas marciais da Marvel, camarada.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:23

Tá certo!

– Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:22

Eu achei!

Abs,
Ritter.

Responder
William O. Costa 20 de outubro de 2018 - 22:20

Eu estava achando maravilhoso até mais ou menos o 7º ou 8º episódio, achando muito bom até o mais ou menos o 10º episódio, mas, não só pra mim, como também para meu pai que assistia comigo, o fim, levado pelos três últimos episódios, estragou a temporada inteirinha sem dó, basicamente elevando um vilão ao nível de um deus. E não como o Coringa que estava incrível em O Cavaleiro das Trevas, mas sim de forma a passar a impressão de que esse novo showrunner realmente ama o Rei do Crime, não como um personagem na história, como uma contraparte ao herói, mas como pessoa, é quase como se ele fosse o verdadeiro herói da história que apenas “perde” ao fim da forma como “perderam” William Wallace ou Leônidas. Pior que isso, eles morreram, ele apenas voltou ao reinado na prisão, depois de uma enfadonha repetição quase exata do fim da primeira temporada. O cara foi o responsável pela morte do padre, do policial, da inocente Julie e de mais uma tonelada do personagem, e, ao final, é salvo repetidamente pelo Demolidor que não só não o mata, mas não deixa que ninguém mate, e, pra finalizar, eles ainda apertam as mãos e fazem um acordo. Apertar a mão de um dos maiores assassinos da história de Nova York. Demolidor era minha série live-action favorita de longe. Tanto eu quanto minha família assistimos a cada uma das temporadas anteriores duas vezes. Mas isso estragou tudo pra mim. Três ou quatro episódios apenas. O resto quase perfeito. Mas esses episódios estragaram a série pra mim. Isso não foi a terceira temporada de Demolidor, foi a primeira de Kingspin.
Ainda assim eu gostei da crítica, dos pontos que citou e como citou, mas, de forma geral, eu, particularmente, discordo sobre a qualidade final da temporada e acho difícil ver o porquê de alguém ter gostado desse fim, que, pra mim, não foi agridoce, foi péssimo..

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:44

Mas você queria que ele matasse o Rei do Crime??? Isso sim é que destruiria toda a construção da narrativa. Ele diz claramente ao final: se ele matasse, ele deixaria de ser quem é. É a coroação de tudo o que veio antes.

Abs,
Ritter.

Responder
William O. Costa 20 de outubro de 2018 - 23:40

Ele não, o Mercenário. A história vinha mostrando cada vez mais que o sistema não funciona, que o Foggy estava errado, que ele sempre sairia por cima e precisava morrer, mas o que me irritou tanto não foi sobre ele morrer ou não, não precisava mesmo morrer, mas ser punido. Ele assassinou tanto e saiu impune, porque sabemos como é a vida dele na prisão, isso está longe de punição adequada. O Billy não morreu, mas foi punido num final quase perfeito pra primeira temporada de Justiceiro. E ainda assim, a impunidade do Fisk não foi o pior, mas o Demolidor ir até lá só pra salvar a vida dele. E quanto aos policiais corruptos brutalmente assassinados pelo Mercenário? Esses também seriam presos pelo vídeo do Ray, mas o Demolidor nem tentou defendê-los (não que eu quisesse isso, as mortes deles foram ótimas). O fato é que Fisk não só foi provavelmente o personagem como mais tempo em tela (o Demolidor aliás, que dá nome ao show, ficaria em 3º ou 4º lugar), como se deu bem em tudo o fez, matou meio mundo, e saiu, mesmo que não livre, impune, enquanto várias boas pessoas morreram. Isso sem falar que nós passamos a primeira temporada vendo a jornada do trio principal tentando colocar o Fisk na cadeia (daquela vez de forma muito mais equilibrada com vitórias e perdas dos dois lados e Fisk só aparecendo no 3º episódio), e agora passamos mais 13 episódios vendo eles fazerem exatamente a mesma coisa! Será que ninguém percebeu que não adiantou nada na primeira vez? Esse final seria muito bom pra vilões como Bushmaster do Luke Cage ou o Kilmonger.
E além disso, se quisessem fazer do Fisk um Vito Corleone, ele não poderia ser assassino de inocentes. Sério, eu não gostei de ver um assassino de inocentes como personagem principal e que ao fim de tudo não é severamente castigado. Eu também não gostei de ver o Demolidor não fazendo praticamente nada revelante em toda uma temporada da série que leva o seu nome e, ao final, as únicas boas lembranças que essa temporada me deixou foi o plano-sequência da prisão e a cena de flashback em branco e preto do Dex.
Essa é apenas minha opinião. Mas eu respeito e aceito quaisquer opiniões contrárias, afinal, cada entende as coisas de forma diferente, de acordo com sua própria mentalidade e raramente há um certo e um errado em questão de gostar ou não de alguma coisa. Mas acho que qualquer um que assiste a séries de super-heróis na expectativa de ver justiça acontecendo, não vai ficar gostar dessa temporada. Eu passei raiva com ela. Agora, quem espera apenas uma história bem roteirizada, bem dirigida e quase impecável em questões técnicas, independente do lado que sai vencendo, de quem vai viver ou morrer, de quem vai se dar bem ou não, dificilmente vai desgostar disso. Mas eu não sou assim. E olha que eu gostei paca de Os Infiltrados mesmo com um final injusto para o herói, mas aqui eu acho que a injustiça foi exagerada.

Responder
Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 14:46

Se ele não tivesse feito o acordo, você sabe o que aconteceria. No lugar dele você faria diferente?

Responder
William O. Costa 23 de outubro de 2018 - 02:06

O que eu faria seria deixar o Mercenário matá-lo. Deixar, não, apenas não impedir, que foi o que ele fez. Assim o Fisk seria detido pra sempre, sem o perigo de ele querer retaliação, sem necessidade de acordo algum, e sem sangue nas mãos do Matt. Os policias corruptos seriam presos ou mortos pelo Mercenário. O que acontece é que ver um dito herói apertar a mão encharcada de sangue inocente de um vilão tão cruel e maligno logo depois de salvar a vida dele várias vezes consecutivas enquanto deixava outros morrerem (ele poderia ter salvado os policiais e não salvou), eu achei isso muito ruim de se ver. Essa minha opinião, não sou contra qualquer outra, apenas, particularmente, discordo delas.

David RoPin 21 de outubro de 2018 - 00:05

@William O. Costa Olha como as coisas são, não sei se seria possível eu discordar mais de você sobre todos os pontos que você citou como negativos na série Kkkkk. Mas eu achei ótimo saber que alguém não gostou dessa série, que pra mim teve a melhor temporada de uma série de heróis que eu já assisti até hoje! Ou até a estreia da próxima temporada de Legion. Ou de Justiceiro quem sabe?!
E viva a divergência de opiniões. Só assim que as coisas evoluem!

Responder
William O. Costa 23 de outubro de 2018 - 02:22

Realmente, meu amigo! A divergência é necessária para a mudança e, portanto, para a evolução. Respeito que tenha gostado tanto, inclusive, até o 8º ou 9º episódio eu estava acreditando que essa terminaria como sendo a melhor série live-action que já havia assistido, mas aí eu percebi que até o fim o protagonista da série foi um vilão extremamente maligno e a maior parte do tempo da temporada eu estava assistindo a ele matar, manipular, e sair vitorioso contra quem tentava detê-lo. E ao fim, nem teve consequência pra ele por ter feito isso, já que ele apenas voltou pra prisão, onde ele já estava no início, e portanto, não perdeu nada.

Inclusive, usando a arte incrível d’O Poderoso Chefão como um exemplo (SPOILERS DOS TRÊS FILMES À FRENTE, SE NÃO VIU, PARE DE LER E VÁ VER), depois de toda a jornada de Michael Corleone, ele é severamente castigado por seus pecados com algo muito pior que perda de sua vida, mas a perda da vida de sua filha quase inocente, ele e viveu vários anos pra sofrer com isso. E isso sem ele ter feito nada a nenhum inocente jamais, todos que ele mandou matar a muito mais sujos do que ele, independente de ser de sua família. Justamente por isso eu fiquei triste por ele, mas acabei aceitando como o melhor final (FIM DOS SPOILERS)

P.S.: Também estou super no hype pela segunda do Justiceiro, ele é mais meu estilo, como deve ter notado, embora não seja tão radical na vida real, na ficção, pra mim, bandido bom é bandido morto (brincadeira, não queria nem que o Loki morresse).

Responder
David RoPin 23 de outubro de 2018 - 14:09

Não compartilho da sua interpretação sobre o destino de Fisk pra mim ele tem que definhar em confinamento máximo sem direito a visitas nunca mas respeito sua opinião sobre a série.
Esse é o poder da arte, trazer várias interpretações para uma mesma obra, de todos os ângulos possíveis! Muito bom.

Responder
abraão medeiros 21 de outubro de 2018 - 13:56

Esse é o problemas das pessoas, elas vem deixar a crítica delas, mas na verdade elas simplesmente sismaram com alguma coisa e acharam tudo ruim por causa disso, o que não faz o menor sentido, até porque sua queixa não é nem aceitável visto que ela só existe porque você não entendeu o final da série. Apoiado no que já comentaram a série quer sim passar a mensagem de impunidade até certo ponto, quer passar sim a mensagem que o Matt e a sociedade não deviam ceder a barbárie e se tornar igual ao Fisk e por fim, muito embora o Fisk diga que prisão nenhuma pode segurá-lo o procurador diz depois disso que todo mundo já conhece o esquema do Fisk e que ele fazer o que fez de novo seria muito difícil. Veja a história do Nadden, do Padre, do irmão da Karen e da primeira testemunha que o Bullseye matou, no final a série quis mostrar que todos os nossos heróis(Karen, Matt e Foggy) tem sangue nas mãos, é realmente revoltante, pelo menos pra mim, ver que o Nadeen morreu por confiar no plano do Foggy, que não deu certo, ai um pai de familia é morto. E no final da série o Matt fala disso, que nós fizemos mal, mas estamos fazendo mais bem do que mal, não dá pra deixar nossos erros nos definirem, isso se ligando a compreensão que ele também teve dos erros do seu Pai, Mãe e do Padre, que já tinham sido trabalhados anteriormente. Falando assim que ele deixou pessoas morrerem, por sua culpa, mas que também salvou muitas outras, e diz diretamente para a Karen que o saldo dela era positivo também. E ainda teve aquele discurso maravilhoso sobre o homem sem medo. Mas cada um pensa o que quer, forma a opinião que quer, porém reflita, muitas vezes a gente não enxerga algo sobre o prisma correto.

Responder
William O. Costa 23 de outubro de 2018 - 02:00

Eu realmente achei mais que ótima sua análise do que aconteceu, vários desses detalhes eu realmente não havia conectado.

Porém, nada disso muda em nada o meu sentimento para com a temporada. A história foi muito bem escrita, dirigida, gravada e interessante. Mais ou menos até o 8º episódio eu estava realmente acreditando que, pelas três temporadas, essa terminaria sendo a melhor série live-action que já vi. Mas os episódios passaram e até o fim o único que se deu bem de qualquer forma foi um vilão extramente maligno. Se você prestar atenção, 80% do tempo da temporada nós estávamos assistindo a um vilão extramente vil e cruel manipulando, matando inocentes, ficando cada vez mais poderoso e, sem dificuldade, anulando qualquer tentativa de detê-lo. Eu não vejo sentido em assistir a um homem mal fazendo coisas más, pessoas tentando impedi-lo e fracassando várias vezes seguidas, enquanto esse vilão apenas ri da cara da lei da justiça por quase 11 horas seguidas pra que somente nos minutos finais do último episódio ele seja atingido e preso, sem que nada mostre pra nós algum tipo de impacto, de retribuição ou de justiça por todos os inocentes que ele matou. Pra piorar, o suposto herói ainda salva ele consecutivamente (e só ele, porque os policiais corruptos que também seriam presos ele tem a oportunidade e não salva) e, no fim, consegue até mesmo apertar a mão cheia de sangue inocente desse assassino e fazer um acordo com ele! Se ele morresse ao final (mesmo que pelas mãos do Mercenário) ou, muito melhor, a Vanessa morresse e ele sofresse por isso, ao menos combinaria com o fato de ele ter causado tanto mal a tantas pessoas. Mas até a finalização com sua prisão é fria e não parece que tudo que ele fez teve consequência, já a história começou com ele preso e terminou com ele preso, nada mudou, além de todos as pessoas que morreram e todas as vidas que ele estragou no meio do caminho.

Como exemplo, enquanto nossos heróis se recusavam a matar o Rei do Crime para impedi-lo de matar mais (já tendo visto que a lei estava deturpada e as chances de ela funcionar contra Fisk eram mínimas), um pai de família dedicado é morto e uma criança, além de sofrer um trauma, fica sem um pai. Por sorte e com pouca influência dos tais heróis, o Fisk é preso novamente e a história volta ao início. Qual foi a consequência para o Fisk? Nenhuma. Porque ele já estava preso quando tudo começou, portanto, ele não perdeu nada.

Além disso, dar a sua vida pelo bem dos outros é algo que Matt Murdock pouco teria dificuldade em fazer (ele pediu pra que matassem ele), o verdadeiro sacrifício seria trair sua crença de não matar, macular a sua própria alma, pra impedir que tantas pessoas morressem. Isso seria sacrifício pra ele.

Responder
William O. Costa 23 de outubro de 2018 - 02:23

Mas como eu disse, eu gostei pra caramba da sua análise do que aconteceu, e acho sua opinião muito válida.

Responder
Huckleberry Hound 20 de outubro de 2018 - 21:46 Responder
William O. Costa 20 de outubro de 2018 - 23:51

Acho que vai depender do que te fez gostar da primeira temporada. É mais ou menos como aconteceu com Os Últimos Jedi. Eu e muitos outros vimos nesse filme (um dos meus favoritos de todos os tempos) um ode a tudo o que Star Wars significa, outros dizem ter visto nele uma deturpação do que Star Wars significa, acredito que isso tenha acontecido porque cada pessoa entende e processa Star Wars de maneiras muito diferentes, e gosta de coisas diferentes na saga. Acho que cada um pode entender e gostar de coisas diferentes nas primeiras temporadas de Demolidor, o que muda o quanto cada um vai gostar da nova temporada.

Responder
Filipe Isaías 21 de outubro de 2018 - 13:32

Tamo junto sobre Os Últimos Jedi!

Abs.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2018 - 13:41

Também assino embaixo sobre Últimos Jedi!

– Ritter.

Responder
Filipe Isaías 21 de outubro de 2018 - 14:12

Aliás, tô até agora surpreso com a nota dessa terceira temporada! Ainda tô no segundo episódio (eu vejo do jeito clássico, um por vez), mas o hype aumentou depois da sua crítica hahaha

Abs.

William O. Costa 23 de outubro de 2018 - 01:34

Um dos melhores filmes a que eu já assisti!

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:52

Não lembro, mas pode ter sido!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:51

Bota “gordinho safado” nisso… Vou ter pesadelo com ele…

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:58

Eu quero seu casaco…kkkkkkk

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:49

Não acho o Batman do Nolan um lutador medíocre. Mas entendo seu ponto.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 21:02

É óbvio que era, cara. Ele lutava igual ao Robocop dançando a Macarena. O Nolan é um gênio da narrativa, mas é um diretor de ação medíocre. Os ângulos fechados em cima dos atores é uma prova disso. Algumas cenas dava vergonha alheia…kkkkkk

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:48

Talvez, se olharmos por outro ângulo, esse lutador de boxe é que seja mesmo o Demolidor da série.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:59

Não, não é. Se fosse, ele não lutaria daquele jeito nas outras temporadas. Você é que não tá querendo admitir…kkkkkk

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:46

E esse nem é o pior problema de BvS…

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:53

Sem duvidas não é. As lutas ficaram boas, o que faltou em BvS foi justamente o que sobrou nessa temporada de Demolidor, bom roteiro e desenvolvimento coerente de personagens.
Alem de fidelidade ao material original (HQ’s) claro.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:55

Exato!

– Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:19

“a porcaria inverossímil do Batman”

HAHAHAHAAHAHAHAHAHA

@disqus_LYRjUKya2j:disqus , troca seu nome para Pedro, o Homem Polêmico!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:28

Cara, eu já cansei de esmigalhar os argumentos rasos dos batmaníacos. Qualquer pessoa que seja um pouco versado em literatura, sabe que o Batman é um personagem extremamente raso e inverossímil. Eu já fui fã do Batman na minha adolescência, mas é isso o que ele é: um personagem para adolescentes buscando afirmação. Por isso que ele é bilionário, bonitão, luta 127 artes marciais e sabe de tudo mais do que todo mundo.
Porcaria!

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:45

Novamente, eu entendo seu raciocínio, mas eu vejo a coisa diferente aqui também.

O Demolidor, inegavelmente, é um super-herói da Marvel que não só é inerentemente interessante, como teve, ao longo das décadas, uma sorte tremenda em basicamente só ter tido runs por autores excepcionais. Miller, Bendis, Nocenti, Waid e assim por diante (ok, a fase do Soule atual está fraca, mas voc~e entendeu meu ponto). Eles, em sua maioria, souberam fazer algo raro: manter o personagem mais ou menos com a mesma construção, sem os chamados “roteirismos”. E isso aconteceu muito porque o Demolidor, apesar de muito importante, nunca foi um super-herói extremamente usado pela Marvel em tudo quanto é lugar, como é o caso, por exemplo, do Wolverine, que virou uma colcha de retalhos.

O Batman é o Wolverine da DC. Ele tem histórias e runs espetaculares, algumas literalmente figurando na maioria das listas sérias de melhores HQs mainstream há escritas. Mas ele, por ter sido e continuar sendo usado em praticamente todo o Universo DC, acaba passando pela mão de roteiristas que o “estragam”, digamos assim. Mas eu ainda o considero um personagem espetacular, se olharmos para o conjunto da obra. Eu chego ao ponto de defender – parte brincando, parte falando sério – que o Batman é o super-herói mais Marvel que a DC tem.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:55

Vamos lá.
O Demolidor é um personagem com várias camadas. Por exemplo: religião, advocacia, dilemas familiares (pai e mãe), dilemas morais (religião e leis), cegueira e etc. É um personagem demasiadamente humano.

O Batman é um personagem esculpido para despertar a idolatria de meninos. Rico, bonitão, gênio e tem todos os batbrinquedos que sua fortuna (herdada) é capaz de comprar. Além disso, ele é sombrio e adultão. É a realização óbvia de um adolescente. E nem vou falar da batfamilia, que é um conceito simplesmente deplorável.

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 01:45

Recaalllquee. Kkkkkkkkkk

Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:19

Meninão.

David RoPin 21 de outubro de 2018 - 15:08

KKkkkkk

David RoPin 20 de outubro de 2018 - 21:11

As vezes eu acho que o Bruce fez vários clones de sí mesmo, ou aprendeu a fazer Kage Bunshins com os Ninjas de Naruto pra estar em toda parte no UDC ao mesmo tempo. Kkkkk

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 21:09

Se não tivesse existido essa “porcaria” nem Demolidor haveria já que ele foi o Herói que inaugurou a categoria de Vigilantes.
Mais respeito com o Batmão meu jovem! Onde nos estamos…É por isso que esse País está como está viu…

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:45

É claro. Se não fosse o Batman, o pudim de passas também não existiria, não é?
É cada uma que eu tenho que ler. O Batman não é um personagem original, ele foi inspirado no Zorro e no Sombra, cara.

Responder
David RoPin 21 de outubro de 2018 - 01:38

E dai meu jovem? Do Zorro que era um capa e Espada, e o Sombra que era Noir, pra proposta do Batman que praticamente definiu o gênero tem muito chão. Fã boys.

Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:17

Esse é o seu poder de argumentação, chamar os outros de fanboy? Vai aprender a ler, vai.

David RoPin 21 de outubro de 2018 - 15:08

Kkkkkk

planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:18

Lembro vagamente, mas é bem por aí mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:16

@disqus_LYRjUKya2j:disqus , não vejo como um hater ou como infantilidade não. É um ponto de vista válido, até porque você claramente já reconheceu que a temporada te manteve aceso a cada episódio apesar de não gostar das lutas.

Eu realmente entendo o seu ponto, mas acho que existe uma lógica para as lutas mais “porcarias” do Demolidor ao longo da temporada, algo que fica pareado com os traumas físicos que ele sofreu quando tomou um prédio na cabeça ao final de Defensores e também os traumas psicólogicos e as dúvidas religiosas que ele tem.

Da mesma forma que eu vibrei com as lutas da 1ª temporada que você mencionou (e eu teci elogios a elas na minha crítica lá atras), eu vibrei de outra maneira aqui, com esse drama todo da queda do Demolidor e com o plano detalhada e maquiavélico do Rei do Crime, que me deixava desesperado a cada nova revelação de que tudo fazia parte de um “long game” que ele joga.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:24

Realmente, eu tenho que elogiar soberbamente a magnífica equipe de roteiristas da série. A teia intrincada tecida pelo Rei do Crime simplesmente não tinha escapatória. Que gordinho safado…kkkkkkkk
Pra você ver como a série foi boa, pois mesmo a ação sendo uma porcaria, eu não consegui parar de assistir.
Mas eu vou te confessar que eu já estava com um pé atrás por causa do trailer, que eu achei fraquíssimo. Para minha suprema infelicidade, eu estava certo. A ação foi mesmo uma decepção. Ainda que a história seja ótima, Demolidor é uma série de ação. Não é o único fator, mas é um dos mais importantes. E nesse quesito, a série falhou MISERAVELMENTE… Buáaaaaaaaaaa

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:09

Maldade!

– Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:08

@davidropin:disqus , por isso fiz a comparação direta ao final da crítica, mas há ainda outros elementos parecidos, com um vilão espetacular, um herói “perdido” indo para o fundo do poço e assim por diante. Um filme espetacular. Uma série fenomenal!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:44

Só que o Batman dos filmes do Nolan sempre foi um lutador medíocre. Não existe discrepância alguma entre os três filmes. É a mesma coisa de sempre. Enquanto isso, o Demolidor involuiu.
Desculpe, mas a comparação não procede.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 21:47

Ele não involuiu, só não teve tempo da costela, pernas entre outras partes do corpo se regenerarem naturalmente. Ele mal saiu dos eventos de Defensores passou 6 meses e ja foi pra rua e apanhou mais ainda. Por isso o nível não estava o mesmo. Na quarta temporada deve voltar ao normal.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:39

Você comprou mesmo isso? Se fosse assim, ele deveria ter morrido, já que não era capaz de lutar em seu pleno potencial.
É como eu disse, eu admitiria isso em alguns episódios iniciais, mas foi durante toda a temporada. Na primeira temporada ele apanha ainda mais, mas nem por isso ele lutou como um bêbado num bar.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 22:39

Seis meses? tem certeza de que passaram tanto temp, eu acho que foi bem menos ein!?

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:46

Sim é dito que ele ficou 6 meses ”internado”, episodio 2 eu acho. Logo depois passa mais um tempo ainda, sem contar para Foggy e Karen.

planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:07

Se tiver uma próxima temporada – e eu espero muito que tenha – acho que ele volta com força total. Mas também não podem exagerar, pois ele ainda é um super-herói mais “realista”.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:12

O Homem Sem Medo não é a porcaria inverossímil do Batman. Eu não estou pedindo por um Superman, eu só queria o verdadeiro Demolidor, que eu vi nas temporadas passadas, coisa que eu não vi nessa. Eu até entenderia isso nos primeiros episódios, mas foi assim até o final. Decepcionante demais!

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 21:07

Claro que não. Ele é um acrobata cego com um radar sensorial em 360º que aparentemente é Mágico. É “verossímil” mesmo que falam Brasil?!

(▀̿̿Ĺ̯̿̿▀̿ ̿)ノ ︵ ┻━┻’

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 22:46

Ele é verossímil dentro da suspensão da descrença, coisa que o Batman não é. Mas eu não espero que você entenda o conceito.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 23:38

Me poupe! Kkkkkk

Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:14

Como eu esperava, você não conhece o conceito…kkkkkk

David RoPin 20 de outubro de 2018 - 23:56

Isso vindo de um cara que carrega a alcunha de Pedro, el Hombre Sem Medo.
Ah vá, me poupe fã boy.

Anônimo 21 de outubro de 2018 - 03:39
Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:13

Você não aguenta argumentar comigo, aí vem me chamar de fanboy…kkkkkk

Anônimo 21 de outubro de 2018 - 03:41
Responder
Lord Galahad 20 de outubro de 2018 - 19:00

É o que mais me incomoda na série. Ele parece um boxeador que sabe dar alguns chutes, diferente do ninja dos quadrinhos. É algo que não curti nessa adaptação televisiva. Nas HQs ele tem muito mais desenvoltura, agilidade. Mas ok, é o lado fã que tá falando. Estamos diante de uma adaptação que, como o nome sugere, faz algumas concessões. Ainda mais com essa visão “realista”.

Com relação a esta temporada, estou curtindo muito até agora. Estou no nono episódio. Deram atenção maior ao desenvolvimento das personagens, tão enchendo pouca linguiça, tá muito melhor do que a segunda e tá rivalizando com a primeira na minha preferência.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 19:50

Mas nas temporadas anteriores, o Demolidor era um lutador incrível, cara. Ele dava várias piruetas e chutes acrobáticos. O problema foi nessa temporada, em que ele se transformou num boxeador tailandês.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:54

Sim, é verdade. Mas, como mencionei em outro comentário, Murdock está basicamente com 50% de sua forma aqui, considerando o tempo que ele passa entrevado na cama e, também, suas “travas” psicológicas funcionando à toda.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:00

Sinceramente, em momento nenhum eu consegui acreditar que esse Demolidor era capaz de enfrentar caras armados ou vários criminosos ao mesmo tempo, já que ele não estava 100%. De coração, eu espero que melhorem isso na próxima temporada. Eu não consegui me empolgar em luta nenhuma.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:28

Se você assistir de novo aquela luta do Batman contra dezenas de criminosos no galpão em BvS vai ver que ele só não morreu (várias vezes) por causa da armadura mesmo!
https://www.youtube.com/watch?v=XEaX_uHHFUA

E mesmo assim, foi por pouco.

Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 21:13

Só que o Demolidor tem o sentido de radar e a agilidade pra ajudá-lo nisso, cara. O problema é que essa temporada não explorou isso.
Esse cara aqui é muito superior ao Batman:

https://youtu.be/_tEzra9nVmI

David RoPin 20 de outubro de 2018 - 22:47

Se vc se refere ao cara de vermelho que está varrendo o chão com esse pobre coitado de preto? Eu concordo! KKkkkkK
Mas o Batman é mais pesado e a força dele ajuda bastante nas lutas também. Além da armadura e das armas que são múltiplas.
Enfim são estilos diferentes.

Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:12

“Cara de vermelho varrendo o chão com esse pobre coitado de preto.”

Traje vermelho = Demolidor
Traje preto = Batman

Admita, eu ganhei…QUUAUQAQUAUQUAUQUQQUA

David RoPin 21 de outubro de 2018 - 15:18

Kkkkk O cara já tá vendo até coisas pra vc ver até onde vai a imaginação de um fã pra blindar seu personagem preferido. Melhor não contrariar…
Isso mesmo Pedro é o Batman apanhando ali feito uma pepe-k.
Demolidor é demais, insuperável, invencível mesmo! ( ͡⚆ل͜ ͡⚆)

Lord Galahad 22 de outubro de 2018 - 10:12

Exatamente por isso quero pra ontem uma luta incrível entre DD 100% e Bullseye #colunadevibranium na próxima temporada =D

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:05

Mas se você reparar o estilo do DD estava ainda coerente, bem acrobático, e usando mais os chutes se comparado com o Mercenário por exemplo, sempre atirando algo que vem as mãos mas economizando nas acrobacias e quase não chutando.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:11

Cara, o Mercenário transforma as contas de um terço em armas!!! Não tem como ganhar de um cara desses! HAHAHHAHAAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:42

Com certeza entrou para o top 10 superpoderes que eu gostaria de ter. Ksksksks

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:46

Sim, é verdade. Mas isso é algo óbvio, já que o Demolidor é um artista marcial muito superior ao Mercenário. Mas ainda assim, o personagem ficou muito aquém das temporadas anteriores.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:55

Muito superior é por sua conta. Eu sempre achei os dois bem equivalentes, ambos com seus pontos fortes e fracos.
DD nem é o melhor artista marcial da Marvel.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 21 de outubro de 2018 - 09:09

O Demolidor está longe de ser o melhor artista marcial da Marvel. Esse posto é dividido entre o Punho de Ferro e o Shang Chi. Só que o Demolidor é sim superior ao Mercenário no quesito artes marciais. O Demolidor foi treinado por um mestre ninja, cara. A vantagem do Mercenário está na habilidade dele.

David RoPin 21 de outubro de 2018 - 15:12

Um Ninja nem aguentaria cinco rounds no mano a mano com um lutador profissional de MMA moderno, o método deles era furtivo, de atacar de surpresa e liquidar o alvo rápido e em silencio!
De preferencia sem dar chance de reação pra vitima, bem traiçoeiro mesmo.
Olhando por esse angulo o Batman ainda é mais ninja que o Demolidor.

Lord Galahad 21 de outubro de 2018 - 15:29

Retiro em parte o que eu disse, após assistir a todos os episódios. Ele tá mais acrobático na luta da igreja e na luta final. O saldo foi positivo.

Responder
Raffiinha 20 de outubro de 2018 - 18:59

Antes de ler na critica eu preciso dizer uma coisa. Que Fisk, senhoras e senhores, que Fisk. Acho q foi a primeira vez na vida que um vilão de série ou filme me fez mergulhar tanto e sentir um medo real.
Olha, ta de parabéns. Ta de parabéns!!! D’onofrio é o Rei do Crime definitivo.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:10

@rafasilveira:disqus , assino embaixo!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Bicigo 21 de outubro de 2018 - 19:19

O jeito como ele sempre vencia foi muito bom, você realmente começa a acreditar que nem a justiça e nem o Matt conseguem pará-lo

Responder
Anônimo 20 de outubro de 2018 - 19:23
Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:40

@D_Jam3s:disqus , olha, pode ir na fé, pois a origem do Mercenário, apesar de diferente dos quadrinhos, funciona MUITO BEM!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 19:43

Não está diferente, não. Nas HQs, ele era um agente da CIA. É só ler a minissérie A Anatomia de um Assassino.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:51

Sim, sim. Acho só que era NSA, não que vá fazer muita diferença. Até porque, o fato de ele ser primeiro do FBI não altera em nada o que está em volta disso, com momentos muito próximos do que vemos nas HQs (dependendo do retcon que se lê, claro), com a cena da bola de baseball.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:01

Sim, isso mesmo, ele era da NSA. E a cena do baseball também está em A Anatomia de um Assassino.

planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:06

Isso! Um clássico dos quadrinhos!

Abs,
Ritter.

Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 19:44

Nas HQs, o Mercenário era um agente da CIA, cara. Leia a minissérie A Anatomia de um Assassino.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:17

Bem lembrado. Essa HQ é do Garth Ennis não é?

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:22

Não. Do Daniel Way, com arte do Dillon.

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:24

Ah sim, bem lembrado! Saiu pouco depois da run do Jason Aaron (que substituiu o Ennis) na linha MAX do Justiceiro se não me engano.

Ricardo 21 de outubro de 2018 - 17:29

Mas a origem dele está bem fiel. Tem um episódio inteiro dedicado a ele!

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 18:09

ótima crítica Ritter. Essa temporada me surpreendeu tanto positivamente, quanto negativamente. Eu adorei o Mercenário, o ator realmente se entregou, ele está muito intimidador, e como Demolidor não estava 100%, mal tinha se recuperado e voltou para as ruas. Piorou ainda mais a situação, enquanto o Mercenário estava usando suas habilidades de fazer qualquer coisa se tornar algo mortal kkk, Matt ficou mais na defensiva, não conseguia revidar direito. Eu achei que tiveram episódios arrastados demais, excluiria uns 3 episódios fácil. Não conseguir curtir plenamente sem pular algumas partes que eu considerei chatas e que não acrescentavam em nada. Enfim a primeira temporada continua insuperável, não achei que essa temporada foi melhor que a segunda, porque sou a garota da ação kkkk.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:14

Valeu, @disqus_9KZLz8G0wg:disqus !

Entendo perfeitamente seu ponto. No meu caso, eu achei que houve o equilíbrio preciso entre drama e ação.

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:22

…”Não conseguir curtir plenamente sem pular algumas partes que eu considerei chatas e que não acrescentavam em nada.”

Desculpe…Se vc pulou como tem certeza de que essas “partes” não acrescentavam em nada? Kkkkk
Eu digo porque pra mim, diferente das demais séries da Marvel/Netflix tava tudo redondinho, sempre com coisas interessantes acontecendo pro desenvolvimento da coisa toda.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 21:18

Exato pra você, mas o episodio inteiro focado na Karen poderia ter sido resolvido em um dialogo. Teve bastante cenas paradas. E não disse que não foi redondinho, estava, porém 10 episodios era o suficiente.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 22:24

Não concordo, nem discordo! Muito pelo contrário. Kkkk
Mas eu acho que ficou perfeito, a pergunta agora é, será que você pode conviver com isso?

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 18:05

Ele tava muito machucado ainda, ele não tinha voltado realmente com tudo. Por isso ele utilizou mais os braços. Mas realmente tem poucas lutas nessa temporada, focou demais no drama, e tiveram cenas monotonas demais. Seria melhor se fosse 10 episódios.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:36

@disqus_LYRjUKya2j:disqus e @disqus_rzAUaGIOjR:disqus , entendo o incômodo de vocês, mas eu concordo com a @disqus_9KZLz8G0wg:disqus : Murdock nunca fica realmente recuperado. Quando ele está um pouquinho melhor, é massacrado novamente e tem que se recuperar de novo. Além disso, o Mercenário usa armas de distância, o que impede a aproximação e arranca pedaço do herói. Então eu vi como bem-vinda a redução das lutas e a literal destruição física de Murdock.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 19:56

Nenhuma luta nessa temporada arrebentou tanto ele como a luta com o Nobu, na primeira temporada. E nem por isso ele lutou como um boxeador com o Rei do Crime no final da primeira temporada. A verdade é que a direção das lutas foram extremamente medíocres. Eu sinto dor em dizer isso, mas é a dura verdade!

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:02

@disqus_LYRjUKya2j:disqus , eu realmente entendo sua insatisfação. Eu, por exemplo, acho aquela “luta de corredor” da primeira temporada a melhor luta da série até agora e eu vi muito dela nas cenas de luta dessa temporada e por isso gostei do que vi. A pancadaria final contra o Rei do Crime, na minha visão, precisava ser “suja”, meio que desconjuntada, com aquele momento final diante do quadro branco sendo manchado de vermelho o ponto alto da “poesia da violência”. Não vi como preguiça, mas sim como uma necessidade de roteiro, mas é minha interpretação, claro.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:09

Beleza, eu aceito a luta com o Rei do Crime (na atual temporada) sendo suja e bruta, assim como foi a luta deles em A Queda de Murdock, quando ele arrebenta o Matt. Mas e as outras lutas durante TODA a temporada?
Eu posso estar parecendo um hater, mas eu sou um fanático pelo Demolidor. Acho que meu nick diz tudo. É por isso que eu estou tão decepcionado com a série. Pode parecer infantilidade da minha parte ficar reclamando da ação em detrimento da história – que foi realmente excelente -, mas ela é um elemento extremamente importante para o personagem. Assim como eu, aposto que você vibrou com a luta do Demolidor no corredor, contra o Nobu e o Rei do Crime e etc. Infelizmente, nós não tivemos nada perto disso na atual temporada. Uma pena:-(

David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:34

É verdade, mas… Não vi nenhum prédio caindo em cima dele na 1ª temporada também Hehehe.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:57

QUAUQUAUQUAUQUAUAU

Stella 20 de outubro de 2018 - 21:27

Exato, ufa. Ainda bem que você entendeu meu ponto.

Responder
Anônimo 21 de outubro de 2018 - 03:43
Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 19:53

Olha, por incrível que pareça, eu não achei a série nem um pouco arrastada. Nem por um minuto eu fiquei entediado, como eu fico com Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. A temporada foi muito boa, na verdade. O único e grave defeito foram as decepcionantes cenas de ação. Eu sei que ele não estava na plenitude de sua forma, mas a direção foi sim preguiçosa em elaborar melhores coreografias. Isso é injustificável!

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:56

Estou com você na questão de não ficar entendiado. Não conseguia parar de ver. No caso de Luke Cage e Punho de Ferro, eu tive é que fazer um esforço imenso para ver… Jessica Jones é melhor, mas também não foi sem momentos de paralisia narrativa completa…

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 19:57

A primeira temporada de Jessica Jones foi ótima, mas a segunda foi arrastada demais.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:00

Sim, sim, houve momentos em que ela ficou bem arrastada mesmo, especialmente, diria, em razão da falta de um “norte” muito claro em termos de vilão, algo BEM diferente dessa temporada aqui de Demolidor!

Abs,
Ritter.

Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:03

(De que adianta ótimas construções de vilões e cenas de ação pífias?)
Eu não disse isso, só pensei…kkkkkk

David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:31

Tinha que ter uns 3 episódios a menos e isso valeu pra 1ªTemporada de Justiceiro também.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:39

As únicas duas temporadas das séries Marvel/Netflix que souberam usar de verdade os 13 episódios foram Demolidor 1 e 3.

Abs,
Ritter.

David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:30

Concordo totalmente sobre não ter perdido o interesse um minuto. Mas discordo sobre as cenas de ação.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 21:20

Acho que voce confundiu o que disse, nao chegou ao nivel de Jessica Jones ou Punho de Ferro, mas poderia ser melhor comprimida.

Responder
Lord Galahad 20 de outubro de 2018 - 21:28

Como o orçamento claramente foi reduzindo nesta temporada, parece que economizaram nas lutas também, infelizmente. Mas até o Capitão América usa as pernas melhor do que esse Demolidor. #fato

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 23:17

Também achei que o orçamento foi reduzido. Isso é nítido. Parece que o pessoal não quer ver isso. Quanto ao Demolidor, nas temporadas anteriores ele lutava bem demais. A decadência foi nessa temporada. Tomara que melhorem na próxima.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:01

Prefiro poucas lutas criveis do que ele enfrentar “mil ninjas” com as mãos nuas e sair totalmente ileso.
Ninjas assassinos faixas brancas. É mole?

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:04

Uma correção, @davidropin:disqus : “Ninjas assassinos ZUMBIS faixas brancas”… HAHAHAHAHAHAHAAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:12

Kkkkkkk Zumbis, é verdade. Fala sério ein?!
Na 1ª Temporada eram um braço secreto e milenar da Yakuza, envolto em lendas e mistérios que podiam ser reais ou não.
Mas a partir da 2ª temporada pra ajustar eles ao tom do Punho de Ferro, transformaram os caras naqueles ninjas figurantes do seriado do Jiraya! Alguém lembra?

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:56

Ninguém aqui tá pedindo exageros, cara. Só queremos o artista marcial que ele era nas temporadas passadas.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 21:51

O único defeito para mim, na segunda foi a Elektra asiática, magricela, que parecia mais uma psicopata do que a Elektra dos quadrinhos. A luta final foi terrível dava para ver os defeitos, mas ainda assim adorei as lutas do Demolidor contra os ninjas. O arco dela foi chatissímo, ela que atrapalhou a temporada.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 22:33

Mas a Elektra das HQ’s é psicopata! Ela só não se diverte tanto matando como a do seriado mas eu acho que isso até a torna mais interessante do que a assassina ninja introspectiva das HQ’s.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:49

Bom as edições que li não, ela fica mais cruel depois que o tentáculo a revive. No caso da série ela já era antes de ter sido ressuscitada. Ela é anti heroína, a da série está mais para vilã mesmo. Muito mais cruel.

Beto Magnun 20 de outubro de 2018 - 17:35

Acho que essa temporada tem mais coisas da subestimada fase da Ann Noccenti que da Queda em si. Eu sempre reclamo que apesar dos poucos 13 episódios essas séries Marvel/Netflix são arrastadas e tem umas paradas que poderiam ser cortadas, mas até agora (no momento acabei de assistir o oitavo episódio), tudo tem funcionado bem. VINCENT D’Onofrio simplesmente espetacular! De tirar o chapéu o desenvolvimento que o Rei e o Dex tiveram.
Uma pena que queimaram o Bazuca e a Mary Tyfoid em outras séries.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:32

Sim, é verdade sobre a fase da Ann Noccenti, mas a inspiração básica é A Queda de Murdock.

E o D’Onofrio REALMENTE está incrível. Cada cena dele é de uma intensidade sem igual!

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:03

Tudo que o “Punho de Feno” toca vira boxxta!
O Tentáculo da 1ªTDD era muito mais respeitável do que o que ele virou naquela série doentia.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 20:05

Punho de Feno… HAHAHAHHAAHAHAHA Sacanagem com o Danny Rand… SQN…

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Lima 21 de outubro de 2018 - 22:48

Eu gostei da Mary no “Punho de Ferro”. Acho que dava pra reaproveitar em futuras temporadas de “Demolidor”.

Responder
Kate Bishop 20 de outubro de 2018 - 17:30

QUE TEMPORADA FOI ESSA PELO AMOR DE ZEUS

Eu estava com aquele dedão o pé atrás com medo de não saberem adaptar o arco de Born Again, mas SANTO ZEUS, que surpresa boaaaaaa!!!!;!’!”*?*
Eles se aprofundaram no Bullseye de um jeito que eu não imaginava – aliás, esses pequenos berros de “putamerdaquefenomenaleutotaofelizolhaissoaaaaaa” rolaram na temporada todinha. O passado da Karen, a Maggie, todo o xadrez que foi criado, tudo costurado perfeitamente, OLHA-

A única coisa que me deixou um pouquiiinho insatisfeita foi como o Fisk descobriu sobre a identidade do Daredevil. Eu estava esperando pelo menos alguma chantagem mais pesada pra Karen, já que o arco dela não podia ser adaptado certinho. Mas, sei lá, ele descobriu fácil demais e perdeu o peso que a identidade tinha, sabe?

Só a cena da prisão já valeu quatro estrelas. Foi tão incrível que mal consegui respirar! A marca registrada de Daredevil elevada ao máximo nível, nossa senhora…

(Quase me fez esquecer do cancelamento de Luke Cage e Iron Fist. Quase. Só espero que estejam planejando Heroes for Hire, senão não tem perdão.)

xx

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:34

@agentcartter:disqus , confesso que minha reação à temporada foi exatamente igual a sua. Só que eu não podia escrever uma crítica só na base no “putamerdaquefenomenaleutotaofelizolhaissoaaaaaa”, aina que tenha dado vontade!!! HAAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
Kate Bishop 20 de outubro de 2018 - 21:11

Aaaaaah, quem disse que não pode?? Só um pequeno berro no final, pra liberar a satisfação do modo correto… A gente entende :p

xx

Responder
techie19 1 de janeiro de 2019 - 15:59

agentcartter important

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 17:17

Como um grande fã do Demolidor, eu gostei bastante da terceira temporada. O roteiro e os personagens foram muito bem trabalhados. Agora a ação me decepcionou demais! Esse não é o Demolidor que eu vi nas temporadas passadas, é um mero boxeador. Eu entendo que ele não estava 100% no começo da temporada, mas os episódios foram passando e ele continuava um lutador medíocre. O Demolidor da terceira temporada não aguentaria 10 minutos com o Demolidor da primeira temporada e não aguentaria nem 5 minutos com o da segunda temporada.
Eu espero que corrijam isso na vindoura quarta temporada. E que o uniforme e os bastões voltem.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 19:58

Lutador mediocre não. Mais realista. Você queria que ele fosse como a Viuva Negra que bate em mil pessoas e nem transpira fazendo você pensar que ela não é um ser humano normal.
Nesse caso é certo dizer que o Demolidor da Marvel/Netflix está muito mais pareado com o Batman de Nolan do que com os Heróis coloridos e “sem consequências” do MCU.
E eu achei ANIMAL! Kkkkk

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:42

Cara, eu só esperava o mesmo artista marcial das temporadas anteriores, que eram mais condizentes com o personagem das HQs. Esse lutador de boxe não é o Demolidor.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 20:57

Não era mesmo estava bem nerfádo de fato. Mas acho que ele tava mais pra um lutador de Kick-Boxe kkkk.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 21:01

O que você tem contra Boxeadores? Kkkkk
Muhammad Ali despreza você! Ahahaha

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 21:45

Mas Viúva Negra não é normal kkkk Ela é uma aprimorada. O programa Viúva Negra altera os genes das espiãs. Agent Carter bebe muito do cânone da Viúva. Natasha só perde para o soro supersoldado de Steve Rogers. Mas ela pode abater várias pessoas em minutos sim.

Responder
David RoPin 20 de outubro de 2018 - 22:28

O aprimoramento dela é mais fruto de condicionamento mental, com treinamento incessante. Como o Jason Bourne por exemplo.
Em relação ao soro do Super Soldado eu sempre achei bem mau explicado isso, dizem que o Capitão está no máximo de condição física que um ser humano pode estar, mas pra mim as coisas que ele faz podem ser tudo, mesmo humanas!

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:42

‘O aprimoramento dela é mais fruto de condicionamento mental, com treinamento incessante. Como o Jason Bourne por exemplo.” Errado, altera a força dela também, e agilidade acim da normal. Ela também utiliza um tipo de soro, porem ele é mais fraco do que o do super soldado. A série agent carter como eu disse, adaptou esse arco dela. Ela não é comum como Gavião Arqueiro, que é o único vingador normal.

Anônimo 21 de outubro de 2018 - 03:30
Responder
Junito Hartley 20 de outubro de 2018 - 17:09

E o Hype que ja era alto ta como?……………. la em cima !!!

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:36

Pode botar o hype no volume 11!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Igor Tiago 20 de outubro de 2018 - 16:42

Vendo essa temporada maravilhosa e essas cenas de luta fantásticas so me veio uma pergunta na minha cabeça: onde Diabos estao os jogos do Demolidor? Hahaha imagina um jogo estilo a série Arkham do Batman, e mais ainda com integração VR pra usarmos a “visão” do Demolidor. Imagina só quantas possibilidades

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:37

Cara, seria LINDO isso. Tomara que, com o sucesso do jogo do Aranha, eles façam isso mesmo, mas com uma pegada sombria!

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 20 de outubro de 2018 - 21:30

Rapaz, queria muito que isso acontecesse! Se bem pensado, poderia dar um jogo excelente!

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:17

D’Onofrio realmente merece todos os elogios. Seu Rei do Crime é, sem dúvidas, o melhor vilão do Universo Marvel, quiçá de todas as séries de super-heróis e até da maioria dos filmes. Gostaria MUITO que ele fizesse a transição para as telonas!

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Carvalho 20 de outubro de 2018 - 16:18

Rei do Crime no filme do Homem-Aranha… Seria muito bacana.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:21

Seria mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
dudup 20 de outubro de 2018 - 16:42

Um amigo meu diz que era tao vidrado no D’Onofrio na epoca do Law Order q ate dizia q se encontrasse ele na rua ia dar parabens por ter pego o bandido na serie huahuahua

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 19:38

Ele era a melhor coisa em Law and Order mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:16

Aquela sequência no comecinho foi apenas simbólica e eu achei que funcionou muito bem. Mas, realmente, o Rei do Crime está excepcional e a adaptação da Queda de Murdock, que tanta gente estava com medo que ficasse ruim, soube pegar os elementos mais importantes e apresentar uma trama crível, centrada nos vilões.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:14

Eu mesmo não esperava dar essa nota, confesso. Mas foi impossível!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:14

Obrigado, @disqus_GMI9KXx1w9:disqus ! Sim, parece que estão fazendo uma boa limpeza nas séries, deixando só mesmo o que é realmente bom. Mas pode ser que eles estejam abrindo espaço para séries como Heróis de Aluguel e Marvel Knights também.

Abs,
Ritter.

Responder
Krauser Hellclown 20 de outubro de 2018 - 15:39

Ótima crítica. Compartilho da mesma opinião sua. Considero a melhor série de super-heróis já feita. Vou ser sincero ao dizer que não conhecia muito o personagem antes do seriado, mas depois de assistir me tornei fã. Deveriam usar Demolidor como base pra retratar uma trama realista e que mesmo assim não perde a essência dos quadrinhos. Só me resta louvar os criadores que nos presentearam com essa obra.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:12

Obrigado, @krauserhellclown:disqus ! Uma baita temporada. E o Demolidor é um dos melhores personagens dos quadrinhos da Marvel. Se você gostar de ler quadrinhos e não o conhece, sugiro fortemente pegar para ler!

Abs,
Ritter.

Responder
Krauser Hellclown 20 de outubro de 2018 - 15:36

Quando ela aparece? Não percebi.

Responder
Rômulo Estevan 20 de outubro de 2018 - 16:00

no finalzinho perto
dos créditos,aparece o reflexo dela no vidro de um carro olhando o Matt.

Responder
Caio Henrique Almeida 20 de outubro de 2018 - 16:35

Fale o minuto certinho aí pfv, pq eu não vi nada de reflexo de carro.

Responder
Pedro, o Homem Sem Medo 20 de outubro de 2018 - 20:15

É mentira dele.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 21:53

Não aparece não kkkkk Você está mentindo na maior cara de pau.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 22:31

@disqus_9KZLz8G0wg:disqus , ela aparece junto com o Cavaleiro da Lua e o Metaloide!

HAHAHAHAHAHAAHHAHAHA

– Ritter.

Responder
Stella 20 de outubro de 2018 - 22:49

kkkkkkkkkkkkkk

Matheus Luis 20 de outubro de 2018 - 14:54

Caramba, Ritter, quase tive um piripaque com essas 5 estrelas aqui :O
Já fico mais tranquilo, heheh. Sou muito fã da série, apesar da leve queda da segunda temporada.
Quando eu puder assistir, volto pra comentar essa belezura.

Responder
planocritico 20 de outubro de 2018 - 16:13

Eu já estava ressabiado com a lerdeza das séries Marvel/Netflix, mas essa, ao contrário, eu simplesmente não consegui parar de ver. O foco nos vilões é o segredo aqui. Vai com tranquilidade e depois me conte o que achou!

Abs,
Ritter.

Responder
Matheus Luis 31 de dezembro de 2018 - 18:40

Então, perdi completamente o timing do lançamento, hehehe
Vi pouquíssimas séries esse ano, mas, junto com a quarta de Better Call Saul foi minha temporada de série favorita de 2018, cacetada!

E concordo plenamente sobre o foco nos vilões ser o segredo. Fisk é ótimo e já havia sido apresentado, mas que surpresa agradável foi o Mercenário, cara.

Não tenho muito conhecimento sobre as hqs do Homem sem Medo, então a única versão do Dex que eu conhecia era a do filme estrelado pelo Ben Affleck vestido com uma fantasia arrumada num sex-shop (daria um belo par com a mulher-gato da Halle Berry, hahahah). Toda a backstory dele, além dele pirando o cabeção da metade pro final foi sensacional…
Ah, e o clímax… Um dos meus favoritos de qualquer adaptação live-action de hqs. A porradaria de Fisk, Matt e Dex, cada um com motivações críveis, foi espetacular.

Contudo, é realmente triste que, depois de uma temporada como essa, a série tenha sido cancelada… Pelo menos foi ótimo enquanto durou.

Aliás, desejo um ótimo 2019 pra você e esse site maravilhoso, Ritter. Grande abraço!

Responder
planocritico 2 de janeiro de 2019 - 12:16

Não tem essa de perder o timing. O melhor é sempre ir com calma!

E, pelo visto, você se amarrou na temporada. É realmente incrível, com o Rei do Crime e o Dex tomando tudo de assalto. E aquela pancadaria no mega-apartamento do Fisk foi realmente algo de respeito!

Um grande 2019 para você e sua família!

Abs,
Ritter.

Responder
Arthur Santos 20 de outubro de 2018 - 10:28

Ótima crítica! Com as recentes notícias dos cancelamentos de Punho de Ferro e Luke Cage, e agora com essa temporada sensacional de Demolidor, a Marvel parece estar voltando os trilhos. Só espero que não parem por aí!

Responder
Luís Fernando 20 de outubro de 2018 - 10:28

Quase cai pra trás quando vi a sua nota. Huehuehue! Não esperava muito dessa 3 temporada. Agora, vou correndo assistir!

Responder
Hackthur 20 de outubro de 2018 - 10:21

Eu tiraria uma estrela e meia pelos sequestradores de rua no comecinho que por alguma razão parecem lutar kung fu, ainda por cima depois de ver um deles se levantando ao esmagar o calcanhar contra a lateral de uma vã e falando palavrões com a mesma tranquilidade que diria “Um momento, amigo. Deixa pra lá” ao invés de estar disposto a tacar fogo no Matt ou lhe dar uma facada como o velho Tucão faria, vestido de papai noel.

De resto, concordo plenamente com a critíca. Rei do Crime está monstruoso, como na boa e velha era Bendis no Demolidor; Matt, humano, demasiadamente humano. Foi como reler a Queda de Murdock pela perspectiva do careca, modernizando e transformando o estilo datado da HQ nessa série. Que Miller me pordoe!

Não é bem assim, damas e cavalheiros, que se faz uma série de super-heróis, mas bem mais do que merecemos!

Responder
dudup 20 de outubro de 2018 - 10:15

Comecei ontem, e estou feliz demais em ver estas palavras. Depois da decrescência iniciada na primeira temporada de Punho de Ferro, eu andava bem descrente do universo Marvelflix. Mas fiquei mais esperançoso ao ver que o Vincent D’Onofrio voltou como protagonista nesta temporada.

Mr. D’Onofrio é genial, e eu sempre digo que se tivesse direito a apenas um visto de passagem do universo Marvelflix pro MCU, seria para o Wilson Fisk, ele teria toda a capacidade de se encaixar em tramas dos heróis mais urbanos como Homem Aranha e afins. Quem sabe um dia!

Responder
Rômulo Estevan 20 de outubro de 2018 - 06:18

Estranho não vi ninguém comentando nada sobre a aparição da Elektra no final.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais