Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Desejo (1958)

Crítica | Desejo (1958)

por Luiz Santiago
31 views (a partir de agosto de 2020)

Na aurora da Nouvelle Vague Tcheca, Vojtech Jasný, em um de seus primeiros longas de ficção, realizou Desejo (1958), obra exibida no Festival de Cannes, indicada à Palma de Ouro e vencedora do prêmio de Melhor Seleção, pelo júri do festival. Dividida em quatro partes, nas quais temos estágios diferentes da vida humana, a película mostra com bastante lirismo e poesia as características centrais de cada estágio do homem, indo da inocência à libido e do amargor de uma vida à morte, esta última, mostrada com forte sentimentalismo e poesia, sem fatalismo ou o lamentos desesperados. O longa propõe um ciclo, e é exatamente isto que ele nos entrega.

A primeira parte, O Menino que Queria Encontrar o Fim do Mundo, representa a primavera da vida, um momento de descoberta e florescimento em vários níveis. O garoto protagonista está prestes a conhecer a irmã recém-nascida e se pergunta como os bebês nascem. Ele imagina que são os corvos ou as cegonhas que os trazem, mas o pai desmente essa versão. Em dado momento, o garoto sonha que recebe um ovo enorme, dentro do qual está sua irmã. Todo o segmento é tenro e esteticamente impressionante, talvez o mais impressionante de todo o filme — que é inteiro belo, com uma fotografia cheia de contrastes entre ambientes extremamente escuros e panorâmicas sobre os campos no interior da Tchecoslováquia. Esse clima bucólico é ainda mais propício para o tratamento pretendido por Jasný, que realiza um verdadeiro ode à vida no lugar onde ela, em interação com os humanos, é mais abundante.

Esse afastamento do perímetro urbano também possibilitou alguns empurrões dramáticos. Veja, por exemplo, a aproximação do cineasta com o surrealismo no sonho de Joska, no primeiro segmento, e o tom de cinema mudo que este esquete possui. Já a transição entre este momento de planos um pouco mais longos, com abundante movimento de câmera e maior uso de takes com fotografia em forte contraste vem com As Pessoas na Terra e as Estrelas no Céu, que representa o verão na vida do homem e que me lembrou muito o curta-metragem Os Pivetes, de Truffaut, realizado um ano antes.

Nesta segunda parte, vemos os conflitos pela posse e pelo amor em cena, aparecendo aí também as primeiras indicações críticas de Jasný para a sociedade de seu país. E isso é bastante justificável se levarmos em consideração o roteiro, já que no primeiro momento temos crianças em destaque e a crítica social ainda não faz parte do cotidiano delas (importante dizer que o longa adota como guia narrativo o ponto de vista dos personagens, não de um narrador externo). A chegada do amor, apesar da docilidade com que é retratada, traz também a frustração, a dúvida e alguma sugestão de ciúme. De todos os quatro segmentos, este é o mais burocrático, e vejo nisso algo muito curioso, poque é como se através da forma do filme o diretor estivesse mostrando a tentativa dos personagens (especialmente o mais velho) em “fazer a coisa certa”, com cuidados extremos que, no final de tudo, parece pouco instigante para quem está de fora. Esse pensamento é comprovado quando os homens que disputavam a demarcação de suas terras no início do filme (em cenas com simpático humor e ótima mixagem de som e trilha sonora) aconselham e consolam o homem apaixonado pela jovem Lenka, de 17 anos, que finaliza o “verão” em estado de graça, a bordo de um trem, em direção à cidade de Praga.

O outono chega com Andela, momento em que vemos representada a fase madura da vida, cheia de amarguras e sonhos não realizados ou desejos reprimidos. Trata-se do bloco mais melancólico e pessimista do longa, com uma personagem que ora está engajada contra a ordem social local — mais uma pesada crítica de Jasný, desta vez, ao projeto das fazendas coletivas e às ações das cooperativas agrárias –, ora é destruída pela culpa de não ter se casado cedo e ter escolhido cuidar do pai doente e da fazenda que no futuro será sua.

Pela primeira vez em sua carreira, Jasný precisou mudar ou adicionar algo em uma produção para despistar os censores do governo. A preocupação inicial veio de ninguém menos que Otakar Vávra, diretor de longa e respeitada carreira na Tchecoslováquia, que aconselhou Jasný a filmar uma versão menos pessimista da história (de fato, foi filmada uma versão diferente de Andela, que acabou se perdendo) e uma versão mais otimista que se colocasse em contraponto a ela (e assim que nasceu a ideia para As Pessoas na Terra e as Estrelas no Céu). Com apoio engajado do excelente fotógrafo Jaroslav Kucera, que acabava de voltar de trabalhos forçados no campo (entendem agora de onde vem a forma bela, poética e ao mesmo tempo claustrofóbica e trágica de filmar as paisagens naturais?), a concepção pessimista de Andela ganhou vida.

Mamãe, o quarto e último segmento do longa, fecha o ciclo com a chegada do inverno. O roteiro, no entanto, não se limita apenas a mostrar a morte e a decadência do corpo. O ciclo se fecha com a possibilidade de criação de um outro ciclo, representado pelo nascimento de uma criança, o que, em outro cenário, foi mostrado na primavera, no início da fita. É como se Jasný estivesse abrindo as portas para uma revisão das condições apresentadas em cada estação do ano (a reescrita de seu pano de fundo simbólico). E a mesma postura coesa que comporta a continuação da vida ao final de Mamãe também é percebida na fotografia, que evita cenários escuros; e na trilha sonora menos épica, caminhando mais para sonatas ou pequenos ensaios que denotam a simplicidade da vida em seu fim e seu início.

Desejo é um filme sobre estar vivo. Desejar saber, desejar amar, desejar ter paz de espírito e desejar viver ou dar continuidade à vida são as temáticas estruturais da obra que, embora não seja completamente livre de problemas (basicamente centrados na finalização dos segmentos 2 e 3), é uma emotiva reflexão, daquelas capazes de fazer qualquer um se apaixonar à primeira vista pelo diretor e pelo fotógrafo e desejar comprar uma casa no campo, plantar amigos, livros… e nada mais. Uma sólida raiz para a Nouvelle Vague Tcheca, que começaria a dar os seus frutos mais significativos dois anos depois.

Desejo (Touha) — Tchecoslováquia, 1958
Direção: Vojtech Jasný
Roteiro: Vojtech Jasný, Vladimír Valenta
Elenco: Jan Jakes, Václav Babka, Jana Brejchová, Jirí Vala, Frantisek Vnoucek, Otto Simánek, Vera Tichánková, Václav Lohniský, Anna Melísková, Ilja Racek, Jirí Pick
Duração: 91 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais