Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Despair – Uma Viagem Para a Luz

Crítica | Despair – Uma Viagem Para a Luz

por Luiz Santiago
163 views (a partir de agosto de 2020)

Desespero, de Vladimir Nabokov, foi publicado inicialmente como uma série no jornal russo Sovremennye Zapiski (Notas Contemporâneas, em tradução livre), em 1934, e como volume, em 1936. Parodiando O Duplo, de Dostoiévski, e trabalhando com referências vindas de outros escritores como Pushkin, Gogol, Turgueniev, Oscar Wilde e Arthur Conan Doyle, Nabokov escreveu uma obra sobre o tédio, a confusão e a estupidez de algumas classes ou pessoas em momentos essenciais de suas vidas e de suas sociedades. Isto bastou para Tom Stoppard se interessar pelo livro, propor a Fassbinder um enredo (este foi o primeiro filme que Fassbinder dirigiu sem que ele tivesse escrito ou co-escrito o roteiro) e realizar um estranho instantâneo da Alemanha entre 1929 e 1933, tema e cenário-base aos quais o diretor voltaria dois anos depois, em Berlin Alexanderplatz.

Com um grande orçamento e um elenco internacional — Dirk Bogarde, Andréa Ferréol –, Fassbinder realizou em Despair – Uma Viagem Para a Luz, o seu primeiro filme em inglês, recebendo por ele a sua segunda e última indicação à Palma de Ouro em Cannes*. Na história, Herman, personagem interpretado de maneira brilhante por Dirk Bogarde, é um russo radicado na Alemanha, que tenta fazer prosperar sua fábrica de chocolates. O personagem tem uma qualidade de vida muitíssimo acima do alemão médio da época, e é casado com Lydia (Andréa Ferréol, outra grandiosa presença no filme), uma caricatura da “mulher estúpida” cuja representação sempre rendeu críticas a Fassbinder.

O roteiro de Tom Stoppard é extremamente inteligente ao aliar características emocionais, políticas, sociais e psicológicas do casal protagonista já no início do drama, dando a possibilidade de construirmos desde cedo uma visão dos personagens; visão esta que vai se “deteriorando” à medida que o tempo avança. Como existem muitos conflitos em jogo — tanto de ordem pessoal quanto de ordem comunitária — vemos um desfilar de necessidades e problemas que rondam o casal e que, de alguma forma, se intensificam à medida que eles  também mudam, tornando-se mais isolados, mentirosos, loucos. Nessa relação, há espaço para todo tipo de patetismo, bizarrice e desejos de diversas origens, o que de alguma forma justifica a insanidade que observamos na reta final do filme e abre espaço para uma fuga pouco “socialmente correta”, que é a possibilidade do suicídio como um caminho válido para a luz. Ou isso, ou entendemos que o estágio final de Herman também pode ser essa viagem, feita através do mergulho em si mesmo, uma versão mais amarga e reprimida de Norma Desmond em Crepúsculo dos Deuses (1950).

Como Fassbinder aproveitou muitíssimo bem a alta quantia em dinheiro investida na produção do filme — a maior quantia já investida em um filme que ele dirigiu –, todos os seus apreciados aspectos visuais que mostram claustrofobia interna e externa (aqui representados pelos os movimentos de câmera em meia-lua e uma grande quantidade de planos inclinados), espelhos, vidros refletindo imagens, luz e sombras estão expostos sob o mais alto cuidado visual, da primeira cena do filme, com a bela alternância de foco em uma simples panorâmica entre a árvore da rua e a janela onde está o casal; até o desfecho sombrio (textual e esteticamente), filmado em contraste do cenário com o interior escuro do hotel, com um Dirk Bogarde personificando ou desejando mais do que qualquer outra coisa, que a sua alucinação de seu duplo fosse verdeira.

Há um quê metafísico na obra que pode não agradar a todo mundo, mas Despair é um filme que raramente fará algum espectador que realmente admira cinema sair inteiramente descontente da sessão. Da camada psíquica, histórica ou comportamental à excelente trilha sonora de Peer Raben (que nos apresenta temas sinfônicos curtos, marchas, sonatas e uma enorme variedade de frases musicais isoladas que elevam o filme a uma maior contemplação), a fotografia expressiva de Michael Ballhaus e a direção inimitável de Fassbinder, o público terá algo para admirar aqui.

Despair é um filme sobre estar à beira do precipício. Fassbinder disse sobre a obra que ele imaginava algo como um “rearranjo de vida […] quando não apenas a mente, mas o corpo percebem que o jogo chegou ao fim“. A tragédia com pitadas de esperança a que o cineasta nos apresenta é um mergulho de fora da sociedade para dentro da alma do homem. Nunca “viajar na luz” foi algo tão tentador, tão contraditoriamente sombrio e angustiante quanto neste filme.

***

* A primeira indicação de Fassbinder à Palma de Ouro foi em 1974, por O Medo Consome a Alma.

Despair – Uma Viagem Para a Luz (Despair) — Alemanha Ocidental, França, 1978
Direção: Rainer Werner Fassbinder
Roteiro: Tom Stoppard (adaptado da obra de Vladimir Nabokov)
Elenco: Dirk Bogarde, Andréa Ferréol, Klaus Löwitsch, Volker Spengler, Armin Meier, Peter Kern, Adrian Hoven, Alexander Allerson, Hark Bohm, Roger Fritz, Gottfried John, Y Sa Lo, Lilo Pempeit, Ingrid Caven
Duração: 119 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais