Crítica | DuckTales – 2X06: Last Christmas!

Last Christmas plano critico ducktales

  • SPOILERS! Tome cuidado,  Patinhas tem uma bengala e não tem medo de usar!

Patinhas tem uma relação bem óbvia com o personagem Ebenezer Scrooge, da clássica obra de Charles Dickens. Não só por terem o mesmo nome (Scrooge McDuck é o nome original de Patinhas), mas pelo comportamento avarento e arrogante. Ebenezer serviu de inspiração para Carl Barks na criação de Patinhas e é claro que haveriam referências ao material original de vez em quando. Sabemos que não é novidade reproduzir a narrativa de Dickens utilizando o pato rabugento como protagonista, como acontece na animação O Conto de Natal do Mickey, por exemplo. Há elementos que tornaram-se icônicos e necessários para qualquer adaptação de Ebenezer Scrooge, um deles é a presença dos Fantasmas do Natal (Passado, Presente e Futuro), e em Last Christmas! entramos nesta tradição, mas com algumas mudanças divertidas.

Primeiro, deixo registrado o meu elogio ao ator Seth MacFarlane, o qual eu nunca fui muito fã e admito não ser apaixonado por seu trabalho, mas aqui ele se envolve com uma das partes essenciais do que faz DuckTales tão bom: a música tema. Felizmente, tudo dá certo e ele entrega uma versão bem criativa da música de abertura, mudando a letra para algo mais natalino e tentando ao máximo simular Frank Sinatra. Além disso, o episódio teve um dos melhores esforços do departamento de animação, principalmente durante uma sequência de luta perto de uma fogueira. A iluminação e a movimentação dos personagens é excelente.

Como mencionei, a história abraça a tradição e segue a mesma linha narrativa que já conhecemos, mas apenas até certo ponto. Uma reviravolta faz com que Patinhas e Zezinho parem em pontos distintos da linha temporal da família. Dumbela, que tem sido pouco mencionada até aqui acaba fazendo parte da aventura, mesmo que não seja do jeito ideal. Para Zezinho, que tem sentido cada vez mais a falta da mãe, é bom ver como era a relação dela com seu irmão, Donald. Em outro canto temporal está Patinhas, que ironicamente não está precisando muito dos serviços de auto realização dos fantasmas. Last Christmas! não tem medo de parecer um pouco piegas mas também tem maneiras criativas o suficiente para não cair em território de drama forçado. Patinhas pode ser a estrela do episódio mas Zezinho cresce bastante e talvez tenha se beneficiado mais da presença dos fantasmas, mesmo que eles não estivessem prestando atenção nele.

Toda vez que escrevo sobre a série, tento mencionar alguma referência. Uma das melhores foi o golpe que Patinhas dá em uma criatura (um wendigo), o interessante foi ele ter usado o mesmo movimento do jogo de DuckTales para Super Nintendo – a bengala no topo da cabeça do inimigo. Com toda a viagem temporal fica fácil inserir alguns personagens clássicos e menções aos quadrinhos, como quando um personagem comenta o Natal nas Montanhas, a edição das HQs que introduziu Patinhas (essa história tem um painel bem conhecido dos fãs que foi reinterpretado no final da primeira temporada da série).

Last Christmas não é hilário como o resto da temporada tem sido, mas continua divertido, deixando a maior parte do tempo dedicada ao que tem preocupado tanto Zezinho. Tivemos um rápido vislumbre do que está por vir e pode ser que estejamos entrando na parte mais séria da temporada, e isso não me preocupa. DuckTales já provou conseguir equilibrar muito bem seu tom e ritmo. Agora é esperar a próxima aventura e torcer para não demorar demais.

Ducktales – 2X06: Last Christmas! (EUA, 1º de dezembro de 2018)

Criação: Francisco Angones e Matt Youngberg
Direção: Jason Zurek
Roteiro: Francisco Angones
Elenco: David Tennant, Danny Pudi, Ben Schwartz, Bobby Moynihan, Kate Micucci, Chris Diamantopoulos, Tony Anselmo
Duração: 21 min.

ROBERTO HONORATO . . . Criado pela TV, minha família era o programa dos Muppets e minha segunda casa era a locadora (era fácil de chegar, só precisava atravessar a rua). Não me incomodava rebobinar todas as fitas, e nem podia, já que assistia o mesmo filme várias vezes. E quando não é cinema, o cheiro de quadrinhos me chama de longe e preciso gastar dinheiro que não tenho. E nunca esqueça: #sixseasonsandamovie