Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Édipo Arrasado (Contos de Nova York)

Crítica | Édipo Arrasado (Contos de Nova York)

por Luiz Santiago
348 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 4,5

Apenas os filhos que foram (e são) “monopolizados” pela mãe, mesmo depois de adultos, entendem o dilema de Sheldon Millstein, advogado de 50 anos que não consegue se ver livre das críticas e da influência de sua progenitora no magnífico curta-metragem de Woody AllenÉdipo Arrasado, terceiro episódio do longa coletivo Contos de Nova York (1989). O curta é quase uma via crucis de Millstein, que vê o pior de seus pesadelos se tornar uma surreal realidade.

O formato da obra é interessantíssimo, principalmente por ser um curta. Começamos com a câmera na diagonal, em plano médio, para a qual fala Sheldon Millstein (Woody Allen). Na verdade, a cena é uma sessão de análise e logo em seguida o analista é visto em contra-campo. Sheldon Millstein não consegue esconder a frustração de sua mãe sempre conseguir deprimi-lo. Naquela mesma noite ele leva Lisa (Mia Farrow) para jantar na casa da velha e apresentá-la como sua noiva. A receptividade materna não poderia ser “melhor”:

__ Oi, mãe. Como vai?
__ Meu Deus, você está horrível!

E começa a tortura. A mãe (maravilhosamente interpretada por Mae Questel) mostra fotos antigas do filho, fala de coisas que mais o envergonhavam na infância e adolescência (como fazer xixi na cama e ser chamado de ruivo), diz que ele está magro demais, que está ficando completamente careca, como o pai, etc. Dias depois, a família vai a um show de mágica. Por acaso, a mãe de Sheldon é escolhida para participar do número da Caixa Mágica. O problema é que, ao fim do truque, ela REALMENTE desaparece. A princípio em pânico, e depois, exultante, Sheldon passa a ter uma vida feliz e normal como sempre sonhou. Até que um dia, ao sair do supermercado e se espantar com todos os carros parados na rua e as pessoas olhando para o céu, ele constata que sua mãe está conversando a seu respeito com toda a Cidade de Nova Iorque, ali, estampada em tamanho gigante, no céu da cidade.

Daí para frente o resultado é deliciosamente magnífico, ouro puro e a cada minuto que passa, com as novas soluções buscadas pelo protagonista (o ponto alto é a entrada de uma paranormal, insanamente interpretada por Julie Kavner) tudo se torna ainda mais engraçado. Ele e a paranormal tentam de tudo para tirar a mãe do céu: meditação budista, tarô, exorcismo, máscaras africanas, magia, rituais druidas, vodu… é impossível não ter cólicas de tanto rir. Outro excelente momento do filme é quando Shledon está em uma importantíssima conferência em seu escritório, e é comunicado pela secretária que sua mãe está lá para vê-lo. O tambor de Gene Kruppa em Sing sing sing, começa a tocar, enquanto duas velhinhas entram no corredor vazio. Sheldon fica pasmo. A clarineta de Benny Goodman inicia a melodia que acompanha a cena. As duas velhinhas se aproximam:

__ Mamãe?
__ Diga “oi” para a tia Ceil.
__ Mãe, o que você está fazendo aqui?
__ Acabamos de ver “Cats”!
__ Katz? O Sr. Katz?
__ “Cats”. “Cats”, o show. Lembra que você me deu dois ingressos? […] Então pensei em trazer a tia Ceil para ver seu escritório. (para tia Ceil): Não é lindo?

Só a imagem de duas velhinhas (uma delas, surda) saindo da matinê de Cats e indo a um importante escritório de advocacia, visitar um de seus associados, é demais e traz adendos ao ponto principal para o qual o roteiro nos chama a atenção que é a relação de “prisão” edípica na qual o personagem vive. Ao longo do curta, pistas dessa prisão, do incômodo por ala causado e da tentativa de se ver livre nos são apresentadas e ironizadas através da direção de arte e figurinos, cada um deles caracterizando ambientes e personagens através de escolhas que pendem para o cômico mas mesmo assim dão conta de algo realmente importante.

A direção e o roteiro de Woody Allen, a fotografia de Sven Nykvist, a edição de Susan Morse, a direção de arte de Santo Loquasto, todos os grandes elementos amarrados de um modo fascinante e direcionado a um objetivo central: mostrar o tormento de um Complexo de Édipo da forma mais inusitada possível.

Édipo Arrasado (Oedipus Wrecks, EUA, 1989)
Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Elenco: Woody Allen, Mia Farrow, Julie Kavner, Mae Questel
Duração: 40min.

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais