Home TVEpisódio Crítica | Expresso do Amanhã – 2X06: Many Miles from Snowpiercer

Crítica | Expresso do Amanhã – 2X06: Many Miles from Snowpiercer

por Ritter Fan
2546 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há spoilers. Leiam, aqui, as críticas dos demais episódios e do restante de nosso material sobre esse universo.

E acabou que Graeme Manson não resistiu à tentação e soltou um episódio integralmente dedicado à odisseia de Melanie pela Terra congelada, algo que eu inicialmente queria muito ver, mas que os excelentes A Single Trade e Keep Hope Alive mostraram que não era vital. Mesmo assim, Many Miles from Snowpiercer mostrou-se um ótimo exemplar de narrativa com um personagem em espaço confinado vivendo situações limítrofes, com o bônus de cobrir todo o período da missão da protagonista em meros 46 minutos, com um roteiro mais do que conciso.

É, aliás, o trabalho de Donald Joh que inicialmente merece comendas e não porque os eventos que vemos desenrolar em relação à Melanie sejam particularmente originais ou excitantes, mas sim porque ele consegue escrever uma trama de sobrevivência com uma essencial pegada psicológica, transformando a fome dela em ferramenta para alucinações que permitem interações com “fantasmas” de seu inimigo Wilford, seu hesitante aliado Layton e sua filha Alex, o que impede que a monotonia recaia sobre o episódio. Não sou particularmente fã dos flashbacks utilizados, pois eles não só pouco acrescentam ao que já sabíamos ou podíamos deduzir com base no que já sabíamos, como eles, por mais econômicos que sejam – e eles realmente são utilizados com parcimônia, ainda bem! – acabam detraindo da experiência cada vez mais desesperadora de Melanie.

Mesmo assim, Leslie Hope, dirigindo seu segundo episódio seguido (eu acho excelente essa estrutura de dois ou três episódios por diretor), mostra todo seu gabarito ao lidar com as alucinações e os flashbacks sem permitir que a história fique atravancada e criando um bom grau de suspense, mesmo que saibamos que nada de muito grave acontecerá à engenheira-chefe. Outro aspecto importante que Hope sabe manejar muito bem é que a troca de ambientação não é radical como realmente não poderia ser. Há tomadas externas, claro, notadamente as repetidas remoções de neve de cima dos coletores de luz solar, mas quase a totalidade do episódio se passa em ambiente confinado, escuro e com um trabalho de câmera que faz o que pode para naturalmente emular o “movimento” limitado nos corredores do trem, mesmo que essas amarras não mais existam aqui.

Outro aspecto importante para o episódio funcionar, claro, é o trabalho dramático de Jennifer Connely, novamente mostrando que a atriz é mesmo a alma da série, mesmo considerando os atos perpetrados por sua personagem para manter um semblante de ordem na arca férrea levando os últimos sobreviventes da humanidade. A essa altura do campeonato, é inevitável concluir que há um equilíbrio e um propósito em tudo o que ela fez e faz pelo trem e que, sem ela ser tão durona nos momentos em que precisava ser, aquela coletividade teria facilmente ruído sob o peso de ambições, incivilidades e todos os vícios que marcam nossa espécie. E, aqui, em Many Miles from Snowpiercer, essas qualidades de Melanie ganham quase que toda a prova necessária de que ela é mesmo a última esperança para que o mundo seja um dia repovoado. Sua calma, sua frieza, sua capacidade de fazer absolutamente o que for necessário para cumprir sua missão (não tenham dúvida que ela chegaria ao canibalismo se os apetitosos ratos não fossem achados), assim como suas escorregadelas pela “loucura” com as alucinações encapsulam o que é a personagem, algo que Connely constrói com muita verossimilhança, auxiliada pela câmera tensa, mas benevolente da diretora que mostrar ter plena consciência da importância da personagem para fazer essa aventura fora do trem dar certo.

E o mais interessante é que esse episódio funciona de ponte entre o final de A Great Odyssey e, suponho, o vindouro Our Answer for Everything que contará o que aconteceu no trem depois dos atentados contra os Brakemen como parte do plano maléfico de dominação total por Wilford, potencialmente levando seu final a encaixar-se com o “abandono” de Melanie no meio do nada com coisa nenhuma e empurrando todo o clímax da temporada naturalmente para os três episódios finais. Uma coisa é certa: o ditador de Big Alice precisará tomar muito cuidado com Cavill mãe (e filha, claro) e sua engenhosa obsessão mesmo nas piores e mais impossíveis situações.

Expresso do Amanhã – 2X06: Muito Longe do Trem (Snowpiercer – 2X06: Many Miles from Snowpiercer, EUA – 1º de março de 2021)
Showrunner: Graeme Manson (baseado no filme homônimo de Bong Joon-Ho e na graphic novel O Perfuraneve de  Jacques Lob, Benjamin Legrand e Jean-Marc Rochette)
Direção: Leslie Hope
Roteiro: Donald Joh
Elenco: Jennifer Connelly, Daveed Diggs, Mickey Sumner, Alison Wright, Lena Hall, Iddo Goldberg, Susan Park, Sam Otto, Sheila Vand, Roberto Urbina, Mike O’Malley, Annalise Basso, Jaylin Fletcher, Steven Ogg, Rowan Blanchard, Sean Bean, Damian Young, Sakina Jaffrey, Chelsea Harris, Andre Tricoteux, Miranda Edwards
Duração: 46 min.

Você Também pode curtir

6 comentários

Victor Martins 5 de março de 2021 - 17:47

O Enigma de Outro Trem.

Gostei bastante do final desse episódio. Boa sacada tentar transferir essa loucura da personagem pra gente, porque eu fiquei me questionando se era uma alucinação ou não.

Responder
planocritico 5 de março de 2021 - 17:48

He, he. Foi bem legal mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Junior Thefighter 5 de março de 2021 - 17:47

Ótima crítica, meu amigo….

Para mim….e minha modesta opinião….este foi o melhor episódio desde o início da série….e, ironicamente, praticamente todo ambientado fora do Snowpierce……

Responder
planocritico 5 de março de 2021 - 17:47

Obrigado, @juniorthefighter:disqus ! Foi uma baita episódio mesmo.

Abs,
Ritter.

Responder
Giovani 5 de março de 2021 - 17:47

Como é bom ver uma série evoluir e sua qualidade ir aumentando! Fiquei o tempo todo esperando alguém/alguma coisa aparecer no estilo dos filmes de terror. Ainda bem que não foi assim…Quando o trem passa já deu para perceber que deu ruim. Ansioso pelo arco final dessa temporada!
PS: baita armadilha para pegar ratos…:p

Responder
planocritico 5 de março de 2021 - 17:47

Sim. Foi excelente terem criado a possibilidade de haver mais alguém ali, mas terem meio que “rejeitado” a ideia e ficarem com os ratos mesmo.

E sim, agora já sei como pegar ratos!!! Só não sei se o espetinho depois é algo que teria coragem de fazer…

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais