Home FilmesCríticas Crítica | A Força da Natureza (2020)

Crítica | A Força da Natureza (2020)

por Ritter Fan
452 views (a partir de agosto de 2020)

Baixo orçamento, espaço confinado, poucos atores, muita pancadaria e tiroteio. Essas premissas em boas mãos podem resultar em excelentes obras como Dredd e Operação Invasão, assim como podem levar a porcarias como A Força da Natureza. E nem adianta ter um ator-chamariz no elenco – no caso, Mel Gibson – se a história não ajuda e se o filme só tem a oferecer um emaranhado ilógico de bizarrices imaginadas por um roteirista com mente fértil, mas que não sabe concatená-las por mais de cinco minutos seguidos.

A história macro, em si, é rasteira de tão simples: durante a passagem de um furacão em Porto Rico, um ladrão de arte, depois de um roubo que deu errado, decide ir atrás de um tesouro artístico que estaria em um prédio na cidade. Não tentem entender os detalhes, porque eles inexistem. Cory M. Miller não tem nenhuma intenção em dignar-se a escrever algo que pareça minimamente coordenado ou que leve os personagens de A a B sem que o espectador fique coçando a cabeça. Tudo é uma desculpa barata para colocar o tal ladrão e sua gangue em enfrentamento direto a uma dupla de policiais que por acaso está no mesmo prédio tentando evacuá-lo.

Na verdade, a impressão que passa é que o roteirista achava que estava escrevendo algo inteligente, com camadas e crítica social, enquanto que, na verdade, seu trabalho é porco justamente por passar uma pretensão artificial que, como a cereja no bolo, não consegue ganhar uma transposição competente para o audiovisual graças à direção completamente sem graça de Michael Polish. Até mesmo a escalação do elenco é bastante insensível, pois coloca brancos americanos bonzinhos lutando contra porto-riquenhos malvados em Porto Rico durante um furacão fictício que obviamente faz referência ao recente furacão Maria que passou por lá destruindo tudo em 2017.

O que sobra é ver Mel Gibson como Ryan, um policial aposentado e moribundo que se recusa a sair do prédio, Kate Bosworth como Troy, filha de Ryan e também enfermeira que quer tirar o pai de lá, Emile Hirsch como o policial Cardillo que carrega um trauma do passado (esse é um dos elementos que cria aquela pretensão do roteiro que mencionei acima) e Stephanie Cayo como sua parceira Jess, que deseja provar-se a qualquer custo. Do lado de lá, temos David Zayas como o vilanesco John the Baptist e diversos figurantes segurando armas e fazendo cara de mau ao lado dele. O problema é que ninguém parece levar a sério seus papeis, o que resulta em um dramalhão bobo com zero de tensão e um vilão que parece tão ameaçador quanto Derek Zoolander, uma conexão que faz tanto sentido quanto o roteiro do filme.

E olha que eu sequer cheguei nas bizarrices que mencionei existirem. E a razão é muito simples: quero evitar spoilers. Afinal de contas, os únicos artifícios minimamente interessantes no filme são justamente essas coisas loucas que o roteirista inseriu em seu texto e que, se eu contar aqui, estragarei o mínimo de prazer que o filme traz. Mas, por favor, interpretem o uso de “prazer” da maneira mais ampla possível, incluindo a vertente sadomasoquista da coisa toda, pois é muito mais uma vontade estranha de ver o que mais vai sair dessa cartola do que qualquer outra coisa, diante da aleatoriedade do que Miller e Polish fazem aqui.

Essa bizarrices e a presença de Mel Gibson tornam o filme suportável, diria, mas bem daquele jeito “eu consigo aguentar só 91 minutos disso” de ser. Mas a grande verdade é que A Força da Natureza é desconexo, vazio e mal escrito, sem nenhum valor artístico maior do que um divertimento raso de rolar os olhos que o espectador esquece no exato minuto em que os créditos começam a rolar.

A Força da Natureza (Force of Nature – EUA, 30 de junho de 2020)
Direção: Michael Polish
Roteiro: Cory M. Miller (como Cory Miller)
Elenco: Emile Hirsch, Mel Gibson, David Zayas, Kate Bosworth, Stephanie Cayo, William Catlett, Jorge Luis Ramos, Joksan Ramos, Blas Sien Diaz, Tyler Jon Olson, Julio Ramos Velez, Sebastian Vázquez
Duração: 91 min.

Você Também pode curtir

14 comentários

Giovani 3 de julho de 2020 - 15:55

O Mel Gibson deve estar fazendo alguma trilogia ou algo assim em países latinos…Plano de fuga, Herança de sangue e agora esse

Responder
planocritico 4 de julho de 2020 - 13:45

He, he. Parece mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Gardiolo 3 de julho de 2020 - 15:17

Complicado o Mel Gibson desperdiçado assim. Só o Zahler tem aproveitado bem

Responder
planocritico 4 de julho de 2020 - 13:45

Zahler é genial!

Abs,
Ritter.

Responder
Alison Cordeiro 3 de julho de 2020 - 14:32

Preazdo Ritter, estou lendo o livro “Story”, de Robert Mckee, e diante de tantas exigências para um roteiro ser aprovado, fico a imaginar como um desses aí chega a ser filmado. Qualquer um minimamente criativo acharia algo melhor pra explorar o lado “perturbado” do Mel…

Responder
planocritico 4 de julho de 2020 - 13:45

Grande livro! E eu me faço essa mesma pergunta SEMPRE que eu me deparo com lixos tenebrosos desse, especialmente os que são de alto orçamento… Juro que não sei como passa pelo crivo de tanta gente…

Abs,
Ritter.

Responder
Beatriz Lynch 3 de julho de 2020 - 12:05

Aquele Dredd (sem ser o do Stallone) é bem legal Ritter, vc bem que poderia fazer uma critica sobre ele, é bem seu estilo. Nem que fosse uma critica rapida.

Responder
planocritico 3 de julho de 2020 - 12:47

Eu quero fazer isso sim. Está na minha lista.

Abs,
Ritter.

Responder
Fórmula Finesse 3 de julho de 2020 - 09:39

Eu achei o filme uma bomba pelo trailer, deu um ruim e lamentei que Mel Gibson estava no “pôjeto”…infelizmente acertei.
Que ninguém me escute,mas ainda lamento profundamente que Gibson não tenha retornado como Max na última obra prima de Miller, ele tiraria de letra mesmo estando “velho”.

Responder
planocritico 3 de julho de 2020 - 10:03

Sem dúvida tiraria de letra. Ele ainda tem o necessário para ser aquele tipo de personagem.

Abs,
Ritter.

Responder
Beatriz Lynch 3 de julho de 2020 - 12:05

Estrada da Furia funcionou muito bem sem o Mel, por mais que o lado fã nos faça sentir falta.

Responder
planocritico 3 de julho de 2020 - 12:47

Funcionou, claro, mas teria funcionado igualmente com o Mel, tenho certeza disso.

Abs,
Ritter.

Responder
paulo ricardo 4 de julho de 2020 - 17:48

Ainda mais q o ator q fez o Max n filme era bem apagadão …

Responder
Fórmula Finesse 3 de julho de 2020 - 14:13

Funcionou muito bem porque todo o filme foi esplendidamente idealizado e formalizado; mas poderia ter sido ainda melhor…(claro, dariam um pouco mais de protagonismo ao Max).

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais