Home FilmesCríticas Crítica | Frankenstein: Entre Anjos e Demônios

Crítica | Frankenstein: Entre Anjos e Demônios

por Luiz Santiago
248 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 1

Existe um tipo de filme ruim que você não consegue odiar de todo, mas em compensação não tem praticamente nenhum elogio para ele. Esse talvez seria o caso de Frankenstein: Entre Anjos e Demônios, com a diferença de que o espectador não sabe direito o grau de ódio que teve da obra e, salvo a trilha sonora e uma surpresa meio boba ou outra (que de certa forma são minimamente interessantes, afinal, quando a gente paga ingresso pra ver uma coisa dessas, não estamos sendo muito racionais, não é mesmo?), não há nada de relevante no filme.

O roteiro foi escrito com base nas personagens de Mary Shelley, especialmente o “homem-retalho” que dá título à obra, e teve seu conflito interno vindo da Graphic Novel I, Frankenstein, de Kevin Grevioux. Basicamente vemos Frankenstein revoltar-se contra o seu criador e, por puro acaso, dar de frente com um grupo de demônios que queriam levá-lo à presença de Naberius, o Príncipe das Trevas. Na primeira luta, as Gárgulas-Anjos-Ou-Sei-Lá-O-Que aparecem e ajudam um confuso Frankenstein a vencer os capirotos, que morrem liberando um foguinho do corpo.

O que mais me chama atenção nesse tipo de obra é que você consegue divisar nas entrelinhas uma seriedade praticamente impossível numa história desse porte! Dá a impressão de que o roteirista estava realmente se levando a sério e, por isso mesmo, desanda a citar símbolos e tenta elencar metáforas visuais e verbais a fim de dar profundidade ao texto, uma tentativa que parece conto fantástico escrito por aluno do Ensino Médio, já que tudo no filme é muito gratuito, muito imediato, sem nenhum tempo para grande desenvolvimento dramático ou psicológico das personagens.

Há quem aponte no Frankenstein de Entre Anjos e Demônios uma interessante força psicológica, mas é preciso entender que esse desenvolvimento – ou pelo menos a sua citação – não é de Stuart Beatti ou mesmo de Kevin Grevioux, mas de Mary Shelley. A única parte que realmente tem a ver com a obra da escritora é justamente a motivação inicial de Frankenstein, considerando aí todas as licenças artísticas usadas para adaptação – mas disso eu não reclamo.

Todavia, a trama caminha para um outro lado. Frankenstein volta e meia acaba se encontrando com as Gárgulas e somos inseridos com ele numa guerra de câmera lenta entre anjos e demônios, onde os dois lados do bem citados anteriormente lutarão contra diabos-humanoides em defesa da humanidade (quem já assistiu Anjos da Noite vai achar que está vendo um remake, só que em outro universo). Perguntas como: “por quê tão poucas Gárgulas por tão longo tempo? Como as Gárgulas se criam? Frankenstein criou alma ou uma resistência monstruosa à possessão? Frankenstein podia se apaixonar a ponto de guiar sua ação em defesa de uma garota? Como se cria uma alma numa criatura criada por um humano” … são deixadas de lado, como se fossem amenidades fúteis. Nenhuma dessas questões são impossíveis de existir, mas isso só pode acontecer se há explicações e desenvolvimento para tanto.

Ao passo que o filme caminha para o seu término, percebemos que os furos de roteiro são os mais infantis possíveis. Como existem três lados em luta (o anti-herói Frankenstein, os anjos-Gárgulas e os demônios), o mínimo que deveria ser feito era expor a contento informações sobre cada um deles, a fim de criar no espectador a sensação de notabilidade dentre as personagens, uma característica bastante comum em filmes do gênero simplesmente por um motivo: fazer valer a luta final. Ora, nós ficamos totalmente indiferentes à batalha no prédio dos capetas e a única coisa que realmente se destaca ali é a já citada resistência à possessão de Frankenstein – apesar de não ter sido explicada nem antes nem depois, algo que paradoxalmente tira pontos da surpresa.

Mas o pior de tudo talvez seja o foco no romance da metade para o final. Num mundo em guerra e com personagens que passaram a vida matando e lutando para defender a humanidade (com qual objetivo mesmo?), a paixão adolescente vem na mesma medida que a canastrice de parte do elenco. Até Bill Nighy, de quem gosto muito, parece estar completamente desconfortável no papel, entregando um capetão-chefe que mais parece o pai de um adolescente com raiva ou uma personagem com a maquiagem errada vinda de um dos filmes da franquia de Piratas do Caribe. É de doer a alma… Mas não a consciência de Mary Shelley viva em todos nós, porque é preciso muito esforço (e sem resultados finais) para ver vestígios do bom terror gótico se expressar no visual e textual de Entre Anjos e Demônios.

Frankenstein: Entre Anjos e Demônios  (I, Frankenstein) – EUA / Austrália, 2014
Direção: Stuart Beattie
Roteiro: Stuart Beattie, Kevin Grevioux (baseado nos personagens de Mary Shelley).
Elenco: Aaron Eckhart, Yvonne Strahovski, Miranda Otto, Bill Nighy, Jai Courtney, Socratis Otto, Aden Young, Caitlin Stasey, Mahesh Jadu, Steve Mouzakis
Duração: 93 min.

Você Também pode curtir

8 comentários

Luiz Santiago 19 de julho de 2014 - 22:03

Eu ainda não vi Penny Deadful, mas não deve ser pior que esse filme. É estranho, porque as referências estão todas aqui, o problema é como são tratadas no filme, por isso não acho que ele funciona como esse proposta. Há um certo “espetáculo de terror”, mas ele apenas consta no filme, sua exposição é terrível, terrível.

Responder
Leandro 26 de fevereiro de 2014 - 23:10

Eu gostei do filme, cenas de ações ótimas, tem uma história diferente, enredo básico pra se entender, pra mim tem outros filmes muito pior.

Responder
Luiz Santiago 19 de julho de 2014 - 22:04

Leandro, eu concordo com você que existem filmes muito pior. Isso é bem verdade.

Responder
Lou_Pacheco 1 de fevereiro de 2014 - 18:37

Um dos piores filmes q vi nos últimos tempos e olha q tenho visto porcarias….

Responder
Luiz Santiago 1 de fevereiro de 2014 - 19:34

Também entrou para a minha lista. Um verdadeiro absurdo. Ainda fico pensando como produtores gastam dinheiro para realizar uma coisa dessas.

Responder
planocritico 25 de janeiro de 2014 - 02:39

Tenho muito medo desse filme… Manterei distância, por precaução… 🙂 – Ritter.

Responder
Luiz Santiago 25 de janeiro de 2014 - 13:37

Por favor, faça isso! Não perca seu tempo nem dinheiro com ingresso pra essa coisa. Invista em sorvete. 😀

Responder
Erik Blaz Dos Santos 27 de janeiro de 2014 - 02:44

Tinha certeza que seria um fiasco! xD

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais