Home TVEpisódio Crítica | Game of Thrones – 6X09: Battle of the Bastards

Crítica | Game of Thrones – 6X09: Battle of the Bastards

por Guilherme Coral
143 views (a partir de agosto de 2020)
batalha bastardos

estrelas 4,5

Obs: Contém spoilers. Leia as críticas das demais temporadas, games e livros de Game of Thrones, aqui.

Seguindo o costume de nos trazer o clímax da temporada no penúltimo episódio (ainda que na quinta isso tenha acontecido em Hardhome), Game of Thrones, com o capítulo Battle of the Bastards nos traz o ponto alto deste ano, ainda que conte com pequenos problemas e definitivamente não salve o restante da temporada, que basicamente enrolou o espectador por episódios a fio somente para resolver suas questões no trecho final.

Confesso que, ao início do capítulo, fiquei um tanto temeroso em virtude do início com Daenerys. Acreditava que veríamos apenas Jon, aos moldes do que aconteceu nos dois últimos anos, com a batalha na muralha e a posterior contra os white walkers. O que se sucedeu, contudo, me surpreendeu de forma bastante positiva. O arco dos antigos mestres de Meereen foi encerrado de maneira que sedimentou as intenções da Rainha dos Dragões e, pasmem, foi feito de forma rápida, fluida e sem a costumeira perda de tempo que marcou este ano. Para coroar, Daenerys ainda ganhou uma frota com os navios capturados que somente ganhou mais números com a chegada dos Greyjoy, em uma prova concreta de como elipses podem beneficiar a série significativamente.

Todas as sequências com a Stormborn, porém, representam um artifício muito bem empregado dentro do episódio, funciona a fim de movimentar o arco de Jon Snow, facilitar os cortes que nos adiantam a batalha e, é claro, aumentar o suspense em volta da batalha dos bastardos que dá título ao capítulo. É mais que evidente a estratégia utilizado pelos showrunners, especialmente quando levamos em consideração que os Snow ocupam, sem interrupção, a segunda metade de Battle of the Bastards, retomando, mesmo que não integralmente, o modelo já mencionado anteriormente. Obviamente, interromper a sequência da guerra seria um gigantesco equívoco, destruiria toda a tensão criada nesta que, sem dúvidas, é uma das melhores cenas de batalha da série.

Miguel Sapochnik, responsável também pela direção de Hardhome, ainda que esteja lidando um embate em campo aberto, opta por utilizar planos mais fechados, cria uma forte sensação de claustrofobia que cada vez mais preenche o espectador com angústia e nervosismo. Não sabemos que lado está ganhando, somos jogador dentro do campo de batalha, como se fizéssemos parte dele. Não há um teor épico de batalhas medievais romantizadas, apenas uma crueza assustadora, conforme as planícies formam pilhas de corpos e o rosto de Jon se enche mais de sangue – a guerra revertendo o homem ao seu estado mais primitivo.

O roteiro ainda brinca conosco ao colocar Snow em inúmeras situações que, por muito pouco, quase custam sua vida. Desde a dramática morte do menino Stark até o quase sufocamento de Jon, vemos ele escapar repetidas vezes de flechas, de cavaleiros vindo em sua direção em alguns momentos que soam como se o Senhor da Luz, de fato, estivesse ali presente ao seu lado. Aqui abro um adendo sobre a morte de Rickon. Evidentemente ela não poderia ser evitada, como a própria Sansa já prevera, mas Jon não é nenhum Blackfish, ele não iria somente olhar enquanto alguém que ele ama corre desamparado à sua frente, fazer isso acontecer seria fugir do personagem e isso foi deixado claro no diálogo entre ele e sua irmã. Além disso, nos privaria de uma dramática cena cujo mérito é quase todo da direção de Sapochnik, que chega a nos dar alguma esperança da sobrevivência do garoto.

A previsível chegada de Littlefinger e o exército do Vale não perde sua força em virtude dessa previsibilidade. O que veio antes foi construído de forma a tirar qualquer expectativa de vitória, muito similarmente ao que vimos em As Duas Torres e O Retorno do Rei, ao passo que chega a ser praticamente inevitável não criar esse vínculo mental. Naturalmente a batalha acaba com a chegada dos cavaleiros aliados e o que se segue é apenas um epílogo – nem em um milhão de anos veríamos um cerco a Winterfell. Restava apenas se livrar de Ramsay Bolton e a vingança dos Stark foi bem construída, sendo deixado o final para Sansa, que junto de Theon foi a que mais sofreu nas mãos do psicopata.

Dito isso, o episódio ainda nos deixa com um leve gosto amargo na boca. O crescimento de Jon como comandante não foi explorado em nenhum ponto aqui – nenhuma ordem é dada e mesmo durante a batalha, Snow não comanda seu exército. Ele é utilizado apenas para nos trazer os momentos mais dramáticos, mas nada vemos de seu crescimento como personagem. Mesmo Tormund controla as tropas e o líder ali presente apenas desfere golpe atrás de golpe, como um campeão e não estrategista. Em paralelo temos a presença de Littlefinger, que garante um tom duvidoso à vitória, ao passo que não sabemos se ele tentará usurpar o Norte para si.

Com isso, Battle of the Bastards nos traz um amargo triunfo, preenchido por poréns que certamente definirão o que está por vir em Game of Thrones. Temos aqui o melhor capítulo da temporada, que somente nos deixa ainda mais tristes por não termos assistido o mesmo grau de qualidade naqueles que o precederam. A série da HBO retoma, ainda que momentaneamente, a sua glória e mostra o que pode ser no seu auge, quando não preenchida por pura enrolação. Resta torcer para que o finale seja tão satisfatório quanto o que vimos aqui.

Game of Thrones 6X09: Battle of the Bastards (EUA, 19 de junho de 2016)
Showrunner
: David Benioff, D.B. Weiss
Direção: Miguel Sapochnik
Roteiro: David Benioff, D. B. Weiss
Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Emilia Clarke, Kit Harington, Liam Cunningham, Carice van Houten, Natalie Dormer, Natalie Dormer, Indira Varma, Sophie Turner, Maisie Williams, Conleth Hill, Alfie Allen, Gwendoline Christie, Jonathan Pryce
Produtora: HBO
Disponibilidade no Brasil (na data de elaboração da crítica): HBO
Duração: 60 min.

Você Também pode curtir

222 comentários

Beatriz Lynch 13 de maio de 2020 - 20:30

Discordo, vinham construindo (e muito bem) o Ramsay como um vilão totalmente odiavel (e carismatico), e de longe a melhor batalha da serie.

Responder
Matheus Moreira 12 de agosto de 2016 - 17:38

Quando vejo críticas que reclamam da “enrolação” que diz que a série tem antes do climax, me parece que são críticos que não leram os livros.

Responder
Guilherme Coral 13 de agosto de 2016 - 18:20

Realmente não li os livros, somente o primeiro. Uma adaptação precisa se sustentar por conta própria, não pode exigir a leitura de seu material base

Responder
Guilherme Coral 13 de agosto de 2016 - 18:20

Realmente não li os livros, somente o primeiro. Uma adaptação precisa se sustentar por conta própria, não pode exigir a leitura de seu material base

Responder
Matheus Moreira 15 de agosto de 2016 - 17:31

E se sustentou: no 1º episódio tivemos um climax – a verdadeira “idade” da melisandre.
3º episódio – climax retorno do jon snow.
O começo não foi só enrolação não.

Responder
Matheus Moreira 15 de agosto de 2016 - 17:31

E se sustentou: no 1º episódio tivemos um climax – a verdadeira “idade” da melisandre.
3º episódio – climax retorno do jon snow.
O começo não foi só enrolação não.

Responder
Guilherme Coral 15 de agosto de 2016 - 18:41

Uma obra não é só feita de clímax, e a idade da Melisandre não acrescentou em nada

Responder
Guilherme Coral 15 de agosto de 2016 - 18:41

Uma obra não é só feita de clímax, e a idade da Melisandre não acrescentou em nada

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 15 de agosto de 2016 - 20:54

A “revelação” da Melisandre não diz nada, absolutamente nada de útil e novo a série… Não tendo o mesmo plot dos livros com Abel e camisa de chocalhos, nao acrescenta nada.

Concordo que a série tem q sustentar por conta própria e o fanservice fique pros detalhes e que os climaxs sejam relevantes.

Leonardo Sette Pinheiro 15 de agosto de 2016 - 20:54

A “revelação” da Melisandre não diz nada, absolutamente nada de útil e novo a série… Não tendo o mesmo plot dos livros com Abel e camisa de chocalhos, nao acrescenta nada.

Concordo que a série tem q sustentar por conta própria e o fanservice fique pros detalhes e que os climaxs sejam relevantes.

Matheus Moreira 12 de agosto de 2016 - 17:38

Quando vejo críticas que reclamam da “enrolação” que diz que a série tem antes do climax, me parece que são críticos que não leram os livros.

Responder
Rafael Martins 27 de junho de 2016 - 04:35

O articulista não achei perfeito, mas a nota no IMDb é 10/10.

Who cares?

Responder
Rafael Martins 27 de junho de 2016 - 04:35

O articulista não achei perfeito, mas a nota no IMDb é 10/10.

Who cares?

Responder
Guilherme Coral 13 de agosto de 2016 - 18:19

Perfeito mesmo não sou, tampouco quero ser hahaha

Mas a nota do IMDB pode ser dada por qualquer pessoa…

Responder
Guilherme Coral 13 de agosto de 2016 - 18:19

Perfeito mesmo não sou, tampouco quero ser hahaha

Mas a nota do IMDB pode ser dada por qualquer pessoa…

Responder
Rodrigo Louzada 23 de junho de 2016 - 22:04

Sinceramente, tem me incomodado um pouco a previsibilidade de alguns acontecimentos importantes nessa temporada. E eu estava torcendo pro Mindinho não chegar daquele jeito tão Galdalf de chegar numa batalha, torci pra eles fazerem algo diferente pra não ficar tão óbvio, mas não rolou.
Mas de qualquer forma o episódio foi fodarástico, melhor dessa temporada disparado e acho que entra no Top 5 de toda a série.
Vi a treta que rolou ali embaixo, pra evitar nomes e marcações, só digo que medíocre mesmo é quem pensa que a série está sendo muito boa nas ultimas 2 temporadas.
Ótima crítica man, te acompanho na quantidade de estrelas

Responder
Rodrigo Louzada 23 de junho de 2016 - 22:04

Sinceramente, tem me incomodado um pouco a previsibilidade de alguns acontecimentos importantes nessa temporada. E eu estava torcendo pro Mindinho não chegar daquele jeito tão Galdalf de chegar numa batalha, torci pra eles fazerem algo diferente pra não ficar tão óbvio, mas não rolou.
Mas de qualquer forma o episódio foi fodarástico, melhor dessa temporada disparado e acho que entra no Top 5 de toda a série.
Vi a treta que rolou ali embaixo, pra evitar nomes e marcações, só digo que medíocre mesmo é quem pensa que a série está sendo muito boa nas ultimas 2 temporadas.
Ótima crítica man, te acompanho na quantidade de estrelas

Responder
DaviMartins 23 de junho de 2016 - 15:03

Só uma correção, ano passado em Hardhome o episódio não foi composto apenas pela batalha contra os Outros. A batalha começou mais ou menos aos 15 minutos do episódio, parecido com o que houve esse ano. O único episódio que retratou apenas um arco durante todo o tempo de exibição foi The Watchers on the Wall, na 4ª temporada.

Responder
DaviMartins 23 de junho de 2016 - 15:03

Só uma correção, ano passado em Hardhome o episódio não foi composto apenas pela batalha contra os Outros. A batalha começou mais ou menos aos 15 minutos do episódio, parecido com o que houve esse ano. O único episódio que retratou apenas um arco durante todo o tempo de exibição foi The Watchers on the Wall, na 4ª temporada.

Responder
Batman 22 de junho de 2016 - 22:30

O episódio foi muito bom!!
Na hora que o Jon socou Ramsay eu senti como se fosse eu batendo naquele maldito!

#StarksDeVoltaAoLar

Responder
Batman 22 de junho de 2016 - 22:30

O episódio foi muito bom!!
Na hora que o Jon socou Ramsay eu senti como se fosse eu batendo naquele maldito!

#StarksDeVoltaAoLar

Responder
Ricardo Gelatti 22 de junho de 2016 - 13:16

“O crescimento de Jon como comandante não foi explorado em nenhum ponto aqui”

Acho que o intuito é esse mesmo, o Jon ainda não é um líder e isso fica claro na conversa entre Tormund e Davos e, talvez até seja por isso que os selvagens tenham tanto apreço por ele.

Também daria 4,5 estrelas e não achei um dos melhores episódios de todos os tempos(entraria em um top25) ou mesmo de Game of Thrones.

Responder
Ricardo Gelatti 22 de junho de 2016 - 13:16

“O crescimento de Jon como comandante não foi explorado em nenhum ponto aqui”

Acho que o intuito é esse mesmo, o Jon ainda não é um líder e isso fica claro na conversa entre Tormund e Davos e, talvez até seja por isso que os selvagens tenham tanto apreço por ele.

Também daria 4,5 estrelas e não achei um dos melhores episódios de todos os tempos(entraria em um top25) ou mesmo de Game of Thrones.

Responder
Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:39

Realmente ainda não é um líder completo, mas isso me preocupa já que estamos na reta final da série.

Sobre as estrelas, vejo muita gente reclamando das 4,5 estrelas e acho muito engraçado, pq é uma nota ótima, se eu fosse traduzir as estrelas em palavras eu colocaria:

5 – Obra-prima
4,5 – Sensacional
4 – Ótimo
3,5 – Bom
3 – Regular
2,5 – Passável
2 – Ruim
1,5 – Péssimo
1 – Terror dos sete mares
0,5 – Fuja!
0 – Corte os pulsos.

Responder
Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:39

Realmente ainda não é um líder completo, mas isso me preocupa já que estamos na reta final da série.

Sobre as estrelas, vejo muita gente reclamando das 4,5 estrelas e acho muito engraçado, pq é uma nota ótima, se eu fosse traduzir as estrelas em palavras eu colocaria:

5 – Obra-prima
4,5 – Sensacional
4 – Ótimo
3,5 – Bom
3 – Regular
2,5 – Passável
2 – Ruim
1,5 – Péssimo
1 – Terror dos sete mares
0,5 – Fuja!
0 – Corte os pulsos.

Responder
André Mozzer 24 de junho de 2016 - 17:23

Parece que a temporada em si atrapalhou o episódio, a coisa não fluiu como fluía até a quarta temporada, mas realmente foi sensacional, torcer para o último manter este nível.

Responder
André Mozzer 24 de junho de 2016 - 17:23

Parece que a temporada em si atrapalhou o episódio, a coisa não fluiu como fluía até a quarta temporada, mas realmente foi sensacional, torcer para o último manter este nível.

Responder
Junito Hartley 21 de junho de 2016 - 22:05

O episodio foi excelente, como ja disseram aqui, foi bom ver o pessoal do bem vencendo, mesmo o coitado do gigante morrendo no final, infelizmente a um mes atras eu li o spoiler da morte do rickon e a chegada do mindinho era meio que obvio. Acho que mesmo sendo um ótimo episodio nao salva a temporada, agente fica esperando a serie a mais de um ano e quando ela estréia so vemos 3 ou 4 episodios excelentes.

Responder
Junito Hartley 21 de junho de 2016 - 22:05

O episodio foi excelente, como ja disseram aqui, foi bom ver o pessoal do bem vencendo, mesmo o coitado do gigante morrendo no final, infelizmente a um mes atras eu li o spoiler da morte do rickon e a chegada do mindinho era meio que obvio. Acho que mesmo sendo um ótimo episodio nao salva a temporada, agente fica esperando a serie a mais de um ano e quando ela estréia so vemos 3 ou 4 episodios excelentes.

Responder
jcesarfe 21 de junho de 2016 - 13:06

Episódio sensacional. Finalmente algo progressivo digno da série.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 19:52

Concordo!

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 19:52

Concordo!

Responder
jcesarfe 21 de junho de 2016 - 13:06

Episódio sensacional. Finalmente algo progressivo digno da série.

Responder
Mysterion 21 de junho de 2016 - 13:05

Não é que a “glória” tenha voltado, é que episódios climax que tem mais batalhas e cenas que chegam chutando a porta são os mais legais de assistir, mas as pessoas esquecem que pra eles existirem e terem impacto, precisa do episódio com mais desenvolvimento e diálogos antes (que são muito importantes pra contar a história e desenvolve-la). Se a história for ação e batalha todo tempo, vira Transformers e boas cenas ação perdem o tempero pois não nos importamos com os personagens e com a história. Essa temporada está muito boa como um todo, não atoa que está muito bem avaliada pela crítica internacional. Quem não tem paciência com episódios de desenvolvimento, deveria ou ver outras séries mais voltadas a ação ou pular eps de desenvolvimento e ver só o climax.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 17:19

@brunostingerxavier:disqus , a temporada que praticamente todos reputam como a pior, a quinta, foi a que ganhou mais prêmios. Portanto, a percepção crítica pode não bater com a realidade. Mas acho ótimo você estar gostando da temporada. Particularmente, achei uma temporada SEM desenvolvimento ou que basicamente faz personagens voltarem ao que era antes. Os acontecimentos que desembocaram nessa batalha já estavam praticamente colocados no tabuleiros no primeiro episódio da temporada. O resto foi pura e absoluta enrolação na minha visão. E não, muito ao contrário de esperar “batalhas”, espero progressão de personagens, algo que não houve aqui.

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 19:44

Daenerys nessa temporada andou pouquíssimo, Arya andou,andou e voltou a estaca zero, Dorne sumiu, não vou falar todos para não ficar chato, mas essa temporada não foi tão boa como dizem, e EU adoro Game Of Thrones para mim é sensacional, ainda irei ler os livros, mas falando da série, eles poderiam ter sido mais precisos.

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 19:44

Daenerys nessa temporada andou pouquíssimo, Arya andou,andou e voltou a estaca zero, Dorne sumiu, não vou falar todos para não ficar chato, mas essa temporada não foi tão boa como dizem, e EU adoro Game Of Thrones para mim é sensacional, ainda irei ler os livros, mas falando da série, eles poderiam ter sido mais precisos.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:18

Não tenho como não concordar, foi isso mesmo.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:18

Não tenho como não concordar, foi isso mesmo.

Responder
André Mozzer 22 de junho de 2016 - 09:39

Conseguiram destruir o melhor personagem nesta temporada, o Tyrion, isso é um absurdo!!! Realmente vacilaram e fizeram um previsivel sensacional episodio.

Responder
André Mozzer 22 de junho de 2016 - 09:39

Conseguiram destruir o melhor personagem nesta temporada, o Tyrion, isso é um absurdo!!! Realmente vacilaram e fizeram um previsivel sensacional episodio.

Responder
Ricardo Gelatti 22 de junho de 2016 - 13:13

Pra mim é questão de opinião. Várias críticas e fãs do Brasil e de fora estão elogiando muito a temporada, como também tem muitas pessoas criticando.

Na minha opinião, a única coisa que não gostei na temporada foram aquelas facadas bizarras que a Arya tomou.

Responder
Ricardo Gelatti 22 de junho de 2016 - 13:13

Pra mim é questão de opinião. Várias críticas e fãs do Brasil e de fora estão elogiando muito a temporada, como também tem muitas pessoas criticando.

Na minha opinião, a única coisa que não gostei na temporada foram aquelas facadas bizarras que a Arya tomou.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 17:19

@brunostingerxavier:disqus , a temporada que praticamente todos reputam como a pior, a quinta, foi a que ganhou mais prêmios. Portanto, a percepção crítica pode não bater com a realidade. Mas acho ótimo você estar gostando da temporada. Particularmente, achei uma temporada SEM desenvolvimento ou que basicamente faz personagens voltarem ao que era antes. Os acontecimentos que desembocaram nessa batalha já estavam praticamente colocados no tabuleiros no primeiro episódio da temporada. O resto foi pura e absoluta enrolação na minha visão. E não, muito ao contrário de esperar “batalhas”, espero progressão de personagens, algo que não houve aqui.

Abs,
Ritter.

Responder
Mysterion 21 de junho de 2016 - 13:05

Não é que a “glória” tenha voltado, é que episódios climax que tem mais batalhas e cenas que chegam chutando a porta são os mais legais de assistir, mas as pessoas esquecem que pra eles existirem e terem impacto, precisa do episódio com mais desenvolvimento e diálogos antes (que são muito importantes pra contar a história e desenvolve-la). Se a história for ação e batalha todo tempo, vira Transformers e boas cenas ação perdem o tempero pois não nos importamos com os personagens e com a história. Essa temporada está muito boa como um todo, não atoa que está muito bem avaliada pela crítica internacional. Quem não tem paciência com episódios de desenvolvimento, deveria ou ver outras séries mais voltadas a ação ou pular eps de desenvolvimento e ver só o climax.

Responder
Victor Hugo Moraes 21 de junho de 2016 - 10:30

Dentre os motivos pelo qual gosto dessa temporada, é pelo destaque dado ao Sor Davos, que protagoniza os melhores capítulos do livro, repleto de ponderações e questões sobre o que é ser um homem comum em meio a uma batalha de reis. Temi (e muito) que a necessidade de matança nos tirasse o personagem.
Jon já teve sua provação como comandante em batalhas passadas, o momento não é esse. O Cavaleiro das Cebolas e Tormund assumem este papel por ele. Desde o começo, a missão de Jon é pessoal demais. Não é sobre ele comandar exércitos, ele sabe que está amparado quanto a isso, ele realmente confia no Davos e no Tormund, é sobre ele e sua jornada para devolver o Norte aos Starks e matar Ramsay.
E o papel de Jon, nesta guerra, é inspirar e ele não o faz da forma Aragorn, com discursos motivacionais. Toda a trajetória do personagem inspira os que lutam por ele. Quando o Rickon morre, a cena é passada de modo que todos os demais soldados sentem a dor do líder.
Por outro lado, sempre acho que resolução das tramas de Daenerys se repetem. Ela se posiciona como Rainha, encontra um obstáculo que questiona a sua autoridade, aparecem os dragões e todo mundo se caga de medo. Isso acontece desde a segunda temporada.

Independente das discordâncias de opinião, a crítica está ótima, Guilherme!
Abraços

P.S.: Eu também senti esperança que o Rickon sobreviveria, mesmo sabendo que ele ia morrer.

Responder
Victor Hugo Moraes 21 de junho de 2016 - 10:30

Dentre os motivos pelo qual gosto dessa temporada, é pelo destaque dado ao Sor Davos, que protagoniza os melhores capítulos do livro, repleto de ponderações e questões sobre o que é ser um homem comum em meio a uma batalha de reis. Temi (e muito) que a necessidade de matança nos tirasse o personagem.
Jon já teve sua provação como comandante em batalhas passadas, o momento não é esse. O Cavaleiro das Cebolas e Tormund assumem este papel por ele. Desde o começo, a missão de Jon é pessoal demais. Não é sobre ele comandar exércitos, ele sabe que está amparado quanto a isso, ele realmente confia no Davos e no Tormund, é sobre ele e sua jornada para devolver o Norte aos Starks e matar Ramsay.
E o papel de Jon, nesta guerra, é inspirar e ele não o faz da forma Aragorn, com discursos motivacionais. Toda a trajetória do personagem inspira os que lutam por ele. Quando o Rickon morre, a cena é passada de modo que todos os demais soldados sentem a dor do líder.
Por outro lado, sempre acho que resolução das tramas de Daenerys se repetem. Ela se posiciona como Rainha, encontra um obstáculo que questiona a sua autoridade, aparecem os dragões e todo mundo se caga de medo. Isso acontece desde a segunda temporada.

Independente das discordâncias de opinião, a crítica está ótima, Guilherme!
Abraços

P.S.: Eu também senti esperança que o Rickon sobreviveria, mesmo sabendo que ele ia morrer.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:22

Obrigado, Victor. Realmente a jornada de Jon é bastante pessoal, sempre foi. As circunstâncias o fizeram o Lorde Comandante e entendo o porquê dele abandonar a estratégia estabelecida, visto o choque psicológico sofrido pelo personagem (eles sequer sabem que Arya está viva se não me engano).

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:22

Obrigado, Victor. Realmente a jornada de Jon é bastante pessoal, sempre foi. As circunstâncias o fizeram o Lorde Comandante e entendo o porquê dele abandonar a estratégia estabelecida, visto o choque psicológico sofrido pelo personagem (eles sequer sabem que Arya está viva se não me engano).

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 09:34

O grande problema que eu percebo é que as pessoas estão mal acostumadas! Se os episódios não forem algo tão grandioso como foi o episódio 9, tais episódios vão ser ruins ou fracos!

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 09:34

O grande problema que eu percebo é que as pessoas estão mal acostumadas! Se os episódios não forem algo tão grandioso como foi o episódio 9, tais episódios vão ser ruins ou fracos!

Responder
jcesarfe 21 de junho de 2016 - 13:07

Concordo, mas isso é o efeito de terem feito algo tão bom por tanto tempo.

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 19:46

Discordo, Breaking Bad é uma série, que só foi crescendo, cada temporada melhor que a anterior, então falar que tem créditos pelas outras temporadas não conta.

Responder
jcesarfe 23 de junho de 2016 - 14:34

Não estou dizendo que não poderiam ir crescendo com o tempo, apenas falo que mesmo os episódios não sendo tão ruins, todo mundo já critica violentamente por falhas que em outras séries ninguém falaria nada.
Mas sem querer criticar, é muito mais fácil fazer Breaking Bad do que Game of Trhones, que além de ser uma obra autônoma criada fora da TV, ainda custa uma fortuna para fazer cada episódio.

Responder
jcesarfe 23 de junho de 2016 - 14:34

Não estou dizendo que não poderiam ir crescendo com o tempo, apenas falo que mesmo os episódios não sendo tão ruins, todo mundo já critica violentamente por falhas que em outras séries ninguém falaria nada.
Mas sem querer criticar, é muito mais fácil fazer Breaking Bad do que Game of Trhones, que além de ser uma obra autônoma criada fora da TV, ainda custa uma fortuna para fazer cada episódio.

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 19:46

Discordo, Breaking Bad é uma série, que só foi crescendo, cada temporada melhor que a anterior, então falar que tem créditos pelas outras temporadas não conta.

Responder
jcesarfe 21 de junho de 2016 - 13:07

Concordo, mas isso é o efeito de terem feito algo tão bom por tanto tempo.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 17:16

Concordo em parte. As quatro primeiras temporadas tem vários episódios sensacionais. Nesta, tem este e um ou dois outros melhores do que apenas ok…

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 18:30

Errado. Os episódios 1 ao 5 foram tão bons quantos os vários episódios “parados” ou “melhores do que apenas ok” que tivemos nas 4 primeiras temporadas! Concordo que os episódios 6, 7 e 8 foram mornos, mas sempre tivemos episódios assim em todas as outras temporadas! Só a temporada 5 que, realmente, foi muito fraca, tirando um ou dois episódios!

No mais, é o que eu disse! Se o episódio não tiver combate ou ação a tendência é que as pessoas achem ruim! Ficaram mal acostumadas com o passar do tempo!

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 20:48

Já eu é que acho que você está errado. Viva a diferença de opiniões!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 21:40

O engraçado é teu comentário apenas corrobora o que eu disse e com o que vc concordou em partes!

Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 21:40

O engraçado é teu comentário apenas corrobora o que eu disse e com o que vc concordou em partes!

planocritico 21 de junho de 2016 - 22:10

Eu só concordei com a temporada 5 ser a mais fraca (algo que pode mudar, dependendo do 10º episódio da 6ª temporada). De resto, a temporada está 7×2, sendo 7 a quantidade de episódios fracos e 2 a quantidade acima da média. E não concordo também com a afirmação de que “não tem combate, é ruim, pois o pessoal só quer ver combate”…

Abs,
Ritter.

Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 23:45

Posso adivinhar quais são os dois? O episódio 9 e o 5??? A batalha dos bastardos e a parte dos caminhantes e a morte de Hordor??? kkkkkk

Mais uma vez, teus argumentos só corroboram o que eu disse: se não tiver batalhas, mortes dramáticas ou revelações bombásticas, ou seja, se o episódio não for grandioso, para certas pessoas o episódio é fraco!

Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 23:45

Posso adivinhar quais são os dois? O episódio 9 e o 5??? A batalha dos bastardos e a parte dos caminhantes e a morte de Hordor??? kkkkkk

Mais uma vez, teus argumentos só corroboram o que eu disse: se não tiver batalhas, mortes dramáticas ou revelações bombásticas, ou seja, se o episódio não for grandioso, para certas pessoas o episódio é fraco!

planocritico 21 de junho de 2016 - 23:53

Não. Foram os episódios 8 e 9. O do Hodor foi terrível para mim.

Cara, querer dizer que eu só gosto de episódio com batalha chega até a ser engraçado…

Mas, tudo bem…

Abs,
Ritter.

planocritico 21 de junho de 2016 - 23:53

Não. Foram os episódios 8 e 9. O do Hodor foi terrível para mim.

Cara, querer dizer que eu só gosto de episódio com batalha chega até a ser engraçado…

Mas, tudo bem…

Abs,
Ritter.

Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:41

Fala qual seu diretor preferido para essa gente, Ritter. Por favor.

Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:41

Fala qual seu diretor preferido para essa gente, Ritter. Por favor.

planocritico 23 de junho de 2016 - 19:50

Vou dar uma pista: não é o Michael Bay…

Mas por pouco…

Abs,
Ritter.

planocritico 23 de junho de 2016 - 19:50

Vou dar uma pista: não é o Michael Bay…

Mas por pouco…

Abs,
Ritter.

planocritico 21 de junho de 2016 - 22:10

Eu só concordei com a temporada 5 ser a mais fraca (algo que pode mudar, dependendo do 10º episódio da 6ª temporada). De resto, a temporada está 7×2, sendo 7 a quantidade de episódios fracos e 2 a quantidade acima da média. E não concordo também com a afirmação de que “não tem combate, é ruim, pois o pessoal só quer ver combate”…

Abs,
Ritter.

planocritico 21 de junho de 2016 - 20:48

Já eu é que acho que você está errado. Viva a diferença de opiniões!

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 21 de junho de 2016 - 21:15

Sei lá, é notória a queda de qualidade ao longo que a serie afasta dos livros e parte para as adaptações livres dos showrunners.

Acho q na temporada anterior e nessa eles definiram um ponto final e não se preocuparam muito com o caminho a ser percorrido… vide Arya, Daenerys e agora Rickon.

Simplista e preguiçoso demais.

Agora eu acho q o episódio compensou o investimento nas filmagens por passar uma batalha bem realista e bela, que infelizmente não salva a temporada.

Acompanho a nota do Guilherme com 4,5

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 21 de junho de 2016 - 21:15

Sei lá, é notória a queda de qualidade ao longo que a serie afasta dos livros e parte para as adaptações livres dos showrunners.

Acho q na temporada anterior e nessa eles definiram um ponto final e não se preocuparam muito com o caminho a ser percorrido… vide Arya, Daenerys e agora Rickon.

Simplista e preguiçoso demais.

Agora eu acho q o episódio compensou o investimento nas filmagens por passar uma batalha bem realista e bela, que infelizmente não salva a temporada.

Acompanho a nota do Guilherme com 4,5

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 18:30

Errado. Os episódios 1 ao 5 foram tão bons quantos os vários episódios “parados” ou “melhores do que apenas ok” que tivemos nas 4 primeiras temporadas! Concordo que os episódios 6, 7 e 8 foram mornos, mas sempre tivemos episódios assim em todas as outras temporadas! Só a temporada 5 que, realmente, foi muito fraca, tirando um ou dois episódios!

No mais, é o que eu disse! Se o episódio não tiver combate ou ação a tendência é que as pessoas achem ruim! Ficaram mal acostumadas com o passar do tempo!

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 18:35

E com relação ao fato de vc n ter dado 5 estrelas, pergunto-lhe: vc já deu 5 estrelas para algum episódio?? Porque nesse nono, em termos de direção, ação, filmagem, roteiro, fotografia etc, ou seja, em termos técnicos, foi o melhor episódio da série sem sombra de dúvidas! Se vc avalia questões técnicas e ele não recebeu 5 estrelas, não acho q outro receberá!

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 18:35

E com relação ao fato de vc n ter dado 5 estrelas, pergunto-lhe: vc já deu 5 estrelas para algum episódio?? Porque nesse nono, em termos de direção, ação, filmagem, roteiro, fotografia etc, ou seja, em termos técnicos, foi o melhor episódio da série sem sombra de dúvidas! Se vc avalia questões técnicas e ele não recebeu 5 estrelas, não acho q outro receberá!

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:25

Não acho que esse seja o melhor episódio da série, mas certamente é um deles. Ainda assim não daria 5 graças a alguns detalhes que coloquei na crítica.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:25

Não acho que esse seja o melhor episódio da série, mas certamente é um deles. Ainda assim não daria 5 graças a alguns detalhes que coloquei na crítica.

Responder
Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 21:39

Mas vc nunca deu 5 para nenhum, n foi? kkkkk

Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 21:39

Mas vc nunca deu 5 para nenhum, n foi? kkkkk

Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 23:47

Retiro o que eu disse. Vc é apenas um crítico medíocre!

Pedro Henrique 21 de junho de 2016 - 23:47

Retiro o que eu disse. Vc é apenas um crítico medíocre!

planocritico 21 de junho de 2016 - 23:55

Tenho a esperança que você esteja brincando e sendo provocador…

Mas deixa o @guilhermecoral:disqus responder, se ele quiser…

Abs,
Ritter.

Pedro Henrique 22 de junho de 2016 - 01:16

Brincando e sendo provocador??? Por causa do “medíocre”?? Interessante…vcs têm um blog público sobre críticas e não aceitam serem criticados??

Isso apenas corrobora o “medíocre”. Abraços!

Guilherme Coral 22 de junho de 2016 - 01:48

Hmm… Me chamar de medíocre só porque não concordo com você? Que pena. Opiniões são opiniões, meu caro, espero que você não chame seus amigos de medíocres quando não concordar com eles.

Guilherme Coral 22 de junho de 2016 - 01:48

Hmm… Me chamar de medíocre só porque não concordo com você? Que pena. Opiniões são opiniões, meu caro, espero que você não chame seus amigos de medíocres quando não concordar com eles.

Pedro Henrique 22 de junho de 2016 - 11:28

Não é questão de concordar com opiniões, meu caro! É o fato de constatar que vc, como crítico, é medíocre! Abraços!

Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:40

E quem sou eu para negar?

Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:40

E quem sou eu para negar?

Pedro Henrique 22 de junho de 2016 - 11:28

Não é questão de concordar com opiniões, meu caro! É o fato de constatar que vc, como crítico, é medíocre! Abraços!

FELIPE AGUIAR 22 de junho de 2016 - 11:53

Esse Pedro Henrique é meio burro…
A série tem ganhado cenas épicas da 3a temporada pra cá. Me refiro à cenas épicas meeeeeesmooo… Estilo Hollywood! Tínhamos cenas de ação, mas ainda assim eram de padrão comum para séries. Nada demais. Hoje eles fazem questão de planos abertos nível extreme, abusam dos efeitos digitais. Prova disso são os dragões: Comparar o CGI dessa temporada com o da segunda é uma covardia.
Falo tudo isso para dizer apenas que não são as batalhas e sanguinolência que seguraram a série, mas sim uma história bem contada.
Foram diálogos longos que nos fizeram entender que são cada personagem que amamos ou que amamos odiar. Foram cenas de tensão psicóloga que nos fizeram ficar na ponta do sofá. A ação surgia como gasolina, ou melhor, fogovivo em uma fornalha acesa.
Para corroborar com meu pensamento, relembro aqui a primeira batalha entre Lannisters e Starks: É a primeira vez que Tywin aparece, sentado à mesa numa reunião de guerra. Tyrion chega, faz seus gracejos, a tensão entre ele e o pai só aumenta e só isso nos empolga. E a batalha? Se resume a gritaria e correria desenfreada dentro do acampamento Lannister até o momento em que Tyrion é atingido acidentalmente na cabeça e desmaia, para acordar ao final da batalha. Que broxante, não?! Mas como se explica o fato de esse ser um dos melhores episódios??? Simples: Um boa história foi contada.
Sem mais.

Eu sempre escrevo demais…

FELIPE AGUIAR 22 de junho de 2016 - 11:53

Esse Pedro Henrique é meio burro…
A série tem ganhado cenas épicas da 3a temporada pra cá. Me refiro à cenas épicas meeeeeesmooo… Estilo Hollywood! Tínhamos cenas de ação, mas ainda assim eram de padrão comum para séries. Nada demais. Hoje eles fazem questão de planos abertos nível extreme, abusam dos efeitos digitais. Prova disso são os dragões: Comparar o CGI dessa temporada com o da segunda é uma covardia.
Falo tudo isso para dizer apenas que não são as batalhas e sanguinolência que seguraram a série, mas sim uma história bem contada.
Foram diálogos longos que nos fizeram entender que são cada personagem que amamos ou que amamos odiar. Foram cenas de tensão psicóloga que nos fizeram ficar na ponta do sofá. A ação surgia como gasolina, ou melhor, fogovivo em uma fornalha acesa.
Para corroborar com meu pensamento, relembro aqui a primeira batalha entre Lannisters e Starks: É a primeira vez que Tywin aparece, sentado à mesa numa reunião de guerra. Tyrion chega, faz seus gracejos, a tensão entre ele e o pai só aumenta e só isso nos empolga. E a batalha? Se resume a gritaria e correria desenfreada dentro do acampamento Lannister até o momento em que Tyrion é atingido acidentalmente na cabeça e desmaia, para acordar ao final da batalha. Que broxante, não?! Mas como se explica o fato de esse ser um dos melhores episódios??? Simples: Um boa história foi contada.
Sem mais.

Eu sempre escrevo demais…

nanda 22 de junho de 2016 - 13:29

Concordo plenamente com vc..As pessoas tem direito a opiniões diferentes.

nanda 22 de junho de 2016 - 13:29

Concordo plenamente com vc..As pessoas tem direito a opiniões diferentes.

planocritico 22 de junho de 2016 - 04:23

Exato. Chafurdamos em nossa mediocridade…

Abs,
Ritter.

planocritico 22 de junho de 2016 - 04:23

Exato. Chafurdamos em nossa mediocridade…

Abs,
Ritter.

Pedro Henrique 22 de junho de 2016 - 01:16

Brincando e sendo provocador??? Por causa do “medíocre”?? Interessante…vcs têm um blog público sobre críticas e não aceitam serem criticados??

Isso apenas corrobora o “medíocre”. Abraços!

planocritico 21 de junho de 2016 - 23:55

Tenho a esperança que você esteja brincando e sendo provocador…

Mas deixa o @guilhermecoral:disqus responder, se ele quiser…

Abs,
Ritter.

nanda 22 de junho de 2016 - 13:26

Aquela cena em que o jonh está parado no meio do campo de batalha sozinho e ao encontro dele vem toda a cavalaria..que mostra a marcha dos cavalos, um close lindo nos cavalos…que cena sensacional!

Responder
nanda 22 de junho de 2016 - 13:26

Aquela cena em que o jonh está parado no meio do campo de batalha sozinho e ao encontro dele vem toda a cavalaria..que mostra a marcha dos cavalos, um close lindo nos cavalos…que cena sensacional!

Responder
Marcio Rocha 21 de junho de 2016 - 08:03

Bela crítica! Descobri o Plano Crítico por acaso e tornei-me um fã. Gostaria de observar que o autor e alguns leitores fazem reparos sobre a falta de estratégia demonstrada por Jon na batalha e não posso concordar. A explicação do que ele resolveu fazer foi dada durante a reunião de seu conselho e, depois, a sós com Sansa. Na mesa, a representação dos dois diferentes exércitos em terreno aberto apontavam a vitória inevitável de Ramsay. Uma disparidade de forças, com 3 deles para 1 seu, inferioridade em cavalaria, armamento, escudos e armaduras indicam que ir à batalha mesmo assim significa ser massacrado em grande estilo. Foi o que Sansa disse em outras palavras. Mas Jon e seus generais já sabiam disso. O conceito de estratégia não se aplica aqui. Quanto à falta de imprevisibilidade, que tal se Jon e Sansa tivessem sido mortos e a Casa Stark fosse esquecida? A meu ver, um episódio impecável.

Responder
Marcio Rocha 21 de junho de 2016 - 08:03

Bela crítica! Descobri o Plano Crítico por acaso e tornei-me um fã. Gostaria de observar que o autor e alguns leitores fazem reparos sobre a falta de estratégia demonstrada por Jon na batalha e não posso concordar. A explicação do que ele resolveu fazer foi dada durante a reunião de seu conselho e, depois, a sós com Sansa. Na mesa, a representação dos dois diferentes exércitos em terreno aberto apontavam a vitória inevitável de Ramsay. Uma disparidade de forças, com 3 deles para 1 seu, inferioridade em cavalaria, armamento, escudos e armaduras indicam que ir à batalha mesmo assim significa ser massacrado em grande estilo. Foi o que Sansa disse em outras palavras. Mas Jon e seus generais já sabiam disso. O conceito de estratégia não se aplica aqui. Quanto à falta de imprevisibilidade, que tal se Jon e Sansa tivessem sido mortos e a Casa Stark fosse esquecida? A meu ver, um episódio impecável.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 19:58

A estratégia era não ser cercado em virtude das trincheiras que escavaram, eles abandonaram isso. É só rever a parte do conselho de guerra.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 19:58

A estratégia era não ser cercado em virtude das trincheiras que escavaram, eles abandonaram isso. É só rever a parte do conselho de guerra.

Responder
Marcio Rocha 22 de junho de 2016 - 07:49

Sim, amigo Guilherme, uma estratégia inútil em campo aberto, por isso abandonada. Estar cercado é não ter para onde fugir. O que têm em comum uma barreira inimiga de escudos e lanças e outra de trincheiras amigas com lanças? Formam um cerco. Foi o que quis dizer. Mas antes disso, eu disse que esta crítica foi muito bem construída e esta minha humilde observação não quer nem pode mudar isso. Li outros escritos de alto nível aqui do Plano, razão pela qual é preciso incentivá-los a continuar o excelente trabalho. Tenho 58 anos de idade e sou de uma época em que não éramos chamados de nerds, mas de cus de ferro. Se você não entendeu o que eu disse sobre o cerco, a culpa é minha. Ando enferrujado de todo. Abraços, meu brother.

Responder
Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:43

Muito obrigado pelo apreço, Marcio! Com certeza nossa intenção é continuar trazendo o melhor de nós! Espero que os realizadores das obras que assistimos façam o mesmo hahaha.

Abração!

Responder
Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:43

Muito obrigado pelo apreço, Marcio! Com certeza nossa intenção é continuar trazendo o melhor de nós! Espero que os realizadores das obras que assistimos façam o mesmo hahaha.

Abração!

Responder
Marcio Rocha 22 de junho de 2016 - 07:49

Sim, amigo Guilherme, uma estratégia inútil em campo aberto, por isso abandonada. Estar cercado é não ter para onde fugir. O que têm em comum uma barreira inimiga de escudos e lanças e outra de trincheiras amigas com lanças? Formam um cerco. Foi o que quis dizer. Mas antes disso, eu disse que esta crítica foi muito bem construída e esta minha humilde observação não quer nem pode mudar isso. Li outros escritos de alto nível aqui do Plano, razão pela qual é preciso incentivá-los a continuar o excelente trabalho. Tenho 58 anos de idade e sou de uma época em que não éramos chamados de nerds, mas de cus de ferro. Se você não entendeu o que eu disse sobre o cerco, a culpa é minha. Ando enferrujado de todo. Abraços, meu brother.

Responder
Jotafar 20 de junho de 2016 - 21:10

Gosto de ver a história sendo construída, houve um pouco de enrolação com a história da Arya, mas no geral eu gosto, as pessoas hj em dia são apressadinhas demais, não relaxam para ver o desenrolar de tudo.

Responder
Jotafar 20 de junho de 2016 - 21:10

Gosto de ver a história sendo construída, houve um pouco de enrolação com a história da Arya, mas no geral eu gosto, as pessoas hj em dia são apressadinhas demais, não relaxam para ver o desenrolar de tudo.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 19:58

A questão não é ter pressa, é simplesmente ver a estagnação. Uma história construída com calma não quer dizer que ela é parada.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 19:58

A questão não é ter pressa, é simplesmente ver a estagnação. Uma história construída com calma não quer dizer que ela é parada.

Responder
Thompson Gabriel 20 de junho de 2016 - 19:49

Desconfio que tão elevando muito o episódio, devido a vitória do “bem” contra o “mal”, mas enfim…

Tecnicamente o episódio foi perfeito, tanto na parte da Daenerys como na batalha dos bastardos, aquela cena do Snow em baixo dos corpos me deixou realmente claustrofóbico. Sansa é a melhor coisa dessa temporada, evoluiu como personagem e ganhou a guerra pro bastardo burro. Desconfiava que ela iria morrer ou ter papel de destaque, aconteceu o segundo. Ainda assim, ocorreram falhas e previsibilidades no episódio que não salvam o resto da temporada, e nem colocam esse epi entre os melhores da série (existem, no mínimo, 6 episódios melhores que esse). Daria 4,5 de estrelas também.

Responder
Thompson Gabriel 20 de junho de 2016 - 19:49

Desconfio que tão elevando muito o episódio, devido a vitória do “bem” contra o “mal”, mas enfim…

Tecnicamente o episódio foi perfeito, tanto na parte da Daenerys como na batalha dos bastardos, aquela cena do Snow em baixo dos corpos me deixou realmente claustrofóbico. Sansa é a melhor coisa dessa temporada, evoluiu como personagem e ganhou a guerra pro bastardo burro. Desconfiava que ela iria morrer ou ter papel de destaque, aconteceu o segundo. Ainda assim, ocorreram falhas e previsibilidades no episódio que não salvam o resto da temporada, e nem colocam esse epi entre os melhores da série (existem, no mínimo, 6 episódios melhores que esse). Daria 4,5 de estrelas também.

Responder
Everson Rocha 20 de junho de 2016 - 17:36

Gostei muito do episódio, a única coisa que me chamou atenção foi na cena de John e o irmão. Achei que faltou dialogo entre eles, poeria ter um maior drama na cena em que corriam um na direção do outro. Enfim, até o momento o único episodio que me agradou nessa temporada.

Responder
Guilherme Coral 20 de junho de 2016 - 18:03

Não vejo como caberia um diálogo dentro da cena, pessoalmente gostei da angústia criada pela montagem, que intercala entre os três personagens. Mas realmente, foi o único episódio realmente bom da temporada.

Responder
Guilherme Coral 20 de junho de 2016 - 18:03

Não vejo como caberia um diálogo dentro da cena, pessoalmente gostei da angústia criada pela montagem, que intercala entre os três personagens. Mas realmente, foi o único episódio realmente bom da temporada.

Responder
Everson Rocha 20 de junho de 2016 - 17:36

Gostei muito do episódio, a única coisa que me chamou atenção foi na cena de John e o irmão. Achei que faltou dialogo entre eles, poeria ter um maior drama na cena em que corriam um na direção do outro. Enfim, até o momento o único episodio que me agradou nessa temporada.

Responder
Maria Elisa Cananéa 20 de junho de 2016 - 16:29

Eu não gostei da chegada do exército do Vale. Que timing hein!!! Forçado demais! E o gigante quebrando o portão do castelo como se fosse uma porteira de curral foi um pouco demais tbm! Mas no geral eu gostei MUITO da cena da batalha!
Agora Daenerys e Tyrion… sei lá, para mim já deu! O diálogo onde o Tyrion tenta ser engraçado enquanto a cidade está sendo sitiada… zzzzzz…..
E do nada os dragões quebram a parede do calabouço. Por que não fizeram isso antes?
E como os Greyjoys chegaram tão rápido?
Enfim, achei o episódio bem mais ou menos!! O que salvou foi a Batalha do Bastardos!!

Ah… também gostei das perguntas burrinhas do Tormund! rsrs… Tadinho!! Uma maneira eficaz de mostrar com o povo selvagem é ingênuo em relação ao povo do Sul!

Responder
Maria Elisa Cananéa 20 de junho de 2016 - 16:29

Eu não gostei da chegada do exército do Vale. Que timing hein!!! Forçado demais! E o gigante quebrando o portão do castelo como se fosse uma porteira de curral foi um pouco demais tbm! Mas no geral eu gostei MUITO da cena da batalha!
Agora Daenerys e Tyrion… sei lá, para mim já deu! O diálogo onde o Tyrion tenta ser engraçado enquanto a cidade está sendo sitiada… zzzzzz…..
E do nada os dragões quebram a parede do calabouço. Por que não fizeram isso antes?
E como os Greyjoys chegaram tão rápido?
Enfim, achei o episódio bem mais ou menos!! O que salvou foi a Batalha do Bastardos!!

Ah… também gostei das perguntas burrinhas do Tormund! rsrs… Tadinho!! Uma maneira eficaz de mostrar com o povo selvagem é ingênuo em relação ao povo do Sul!

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 21 de junho de 2016 - 00:28

Os Greyjoys não chegaram tão rápido. Os tempos são diferentes e eles optaram por pular a viagem deles na narrativa do seriado.

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 21 de junho de 2016 - 00:28

Os Greyjoys não chegaram tão rápido. Os tempos são diferentes e eles optaram por pular a viagem deles na narrativa do seriado.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:25

Exato!

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:25

Exato!

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 21:59

Sobre a chegada do exército do Vale, não duvido nada que o Mindinho esperou os dois exércitos ficarem fracos para dps aparecer, bem cara dele.

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 21:59

Sobre a chegada do exército do Vale, não duvido nada que o Mindinho esperou os dois exércitos ficarem fracos para dps aparecer, bem cara dele.

Responder
FELIPE AGUIAR 20 de junho de 2016 - 16:15

Beleza que é o deus da luz quem ressuscita as pessoas… Mas bem que podiam ter tentado reviver o moleque, não?! Quem garante que não daria certo?
Tipo, Sansa falou que Rickon tinha a melhor pretensão à Winterfell. Nesse caso, se Jon tivesse pegado o corpo dele, levado até Melisandre e ressuscitado o cara, não teria um nêgo que ficasse contra os Starks! Teria a galera que se recusou lutar a favor, pois finalmente um “Stark verdadeiro” estava na guerra, e aqueles que estavam com Ramsay se renderiam por causa do cagaço – viram o moleque morrer e depois ele aparece vivo?! o Bolton iria parecer pegadinha do Silvio Santos perto dessa história!
Aliás… bem que o bocó do Rickon podia ter se escondido atrás de uma daquelas cruzes pegando fogo, não?! Iria se esgueirando até chegar do outro lado. Mas como precisávamos de drama, é válido a corrida em reta, a morte e a batalha. Já nos acostumamos que pessoas burras na tv…
No mais, mais uma vez a morte que mais impacta é a de um personagem “menor”: Wun Wun, sentiremos sua falta.

Responder
FELIPE AGUIAR 20 de junho de 2016 - 16:15

Beleza que é o deus da luz quem ressuscita as pessoas… Mas bem que podiam ter tentado reviver o moleque, não?! Quem garante que não daria certo?
Tipo, Sansa falou que Rickon tinha a melhor pretensão à Winterfell. Nesse caso, se Jon tivesse pegado o corpo dele, levado até Melisandre e ressuscitado o cara, não teria um nêgo que ficasse contra os Starks! Teria a galera que se recusou lutar a favor, pois finalmente um “Stark verdadeiro” estava na guerra, e aqueles que estavam com Ramsay se renderiam por causa do cagaço – viram o moleque morrer e depois ele aparece vivo?! o Bolton iria parecer pegadinha do Silvio Santos perto dessa história!
Aliás… bem que o bocó do Rickon podia ter se escondido atrás de uma daquelas cruzes pegando fogo, não?! Iria se esgueirando até chegar do outro lado. Mas como precisávamos de drama, é válido a corrida em reta, a morte e a batalha. Já nos acostumamos que pessoas burras na tv…
No mais, mais uma vez a morte que mais impacta é a de um personagem “menor”: Wun Wun, sentiremos sua falta.

Responder
AugustoCG 20 de junho de 2016 - 19:34

Cara, não tinha como reviver o piá, ele tava todo furado pelas flechas, e mesmo se não estivesse, deve ter sido pisoteado por toda a cavalaria. E do ponto de vista de roteiro, é meio zoado todos a partir de agora serem ressucitados.

Responder
FELIPE AGUIAR 21 de junho de 2016 - 20:42

Beric Dondarion foi quase aberto ao meio pelo Cão (fora todas as outras vezes que foi morto e ressuscitado). O estado do corpo não importa: Se Rholor que quiser, a pessoa é revive.
O que coloquei em questão é a ausência de tentativa, que estaria encaixada no roteiro por pelo menos duas vertentes. No sentido político, como coloquei no comentário anterior… No sentido emocional, onde OS IRMÃOS fariam de tudo em prol do outro… A não ser que já fosse planejada a morte de Rickon por uma certa “Sonsa” aí… Hahahahahaha

Responder
FELIPE AGUIAR 21 de junho de 2016 - 20:42

Beric Dondarion foi quase aberto ao meio pelo Cão (fora todas as outras vezes que foi morto e ressuscitado). O estado do corpo não importa: Se Rholor que quiser, a pessoa é revive.
O que coloquei em questão é a ausência de tentativa, que estaria encaixada no roteiro por pelo menos duas vertentes. No sentido político, como coloquei no comentário anterior… No sentido emocional, onde OS IRMÃOS fariam de tudo em prol do outro… A não ser que já fosse planejada a morte de Rickon por uma certa “Sonsa” aí… Hahahahahaha

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 20:52

Uma vez que o poder de “ressuscitar” está no jogo, ele não pode ser descartado. Por isso concordo com o @disqus_IrQia1PIU3:disqus . O assunto NO MÍNIMO precisa ser encarado e descartado por coisas do tipo “perdi o poder”, “ele está além do meu poder” ou até um prosaico “o senhor da luz não tá com vontade hoje”. Mas simplesmente não considerar a volta de mortos importantes é mais desserviço ao roteiro do que se eles voltassem. E veja: não advogo pela volta de ninguém, pois a série já tem personagem demais e eles não estão dando conta. Mas então é preciso “descartar” essa mágica de algum jeito. Uma cena bem escrita no roteiro resolvia.

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 23 de junho de 2016 - 09:07

Adicionalmente tem o fato do Jon não ter “gostado” de ser ressuscitado… talvez ele n queira isso pro Rickon…porém uma ceninha com isso não cairia mal…

Leonardo Sette Pinheiro 23 de junho de 2016 - 09:07

Adicionalmente tem o fato do Jon não ter “gostado” de ser ressuscitado… talvez ele n queira isso pro Rickon…porém uma ceninha com isso não cairia mal…

Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:45

O menino voltaria a la Hellraiser.

Guilherme Coral 23 de junho de 2016 - 19:45

O menino voltaria a la Hellraiser.

planocritico 21 de junho de 2016 - 20:52

Uma vez que o poder de “ressuscitar” está no jogo, ele não pode ser descartado. Por isso concordo com o @disqus_IrQia1PIU3:disqus . O assunto NO MÍNIMO precisa ser encarado e descartado por coisas do tipo “perdi o poder”, “ele está além do meu poder” ou até um prosaico “o senhor da luz não tá com vontade hoje”. Mas simplesmente não considerar a volta de mortos importantes é mais desserviço ao roteiro do que se eles voltassem. E veja: não advogo pela volta de ninguém, pois a série já tem personagem demais e eles não estão dando conta. Mas então é preciso “descartar” essa mágica de algum jeito. Uma cena bem escrita no roteiro resolvia.

Abs,
Ritter.

Responder
AugustoCG 20 de junho de 2016 - 19:34

Cara, não tinha como reviver o piá, ele tava todo furado pelas flechas, e mesmo se não estivesse, deve ter sido pisoteado por toda a cavalaria. E do ponto de vista de roteiro, é meio zoado todos a partir de agora serem ressucitados.

Responder
Tiago Lima 20 de junho de 2016 - 15:26

Como disse o Rei “- Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi!”.

São episódios assim, com essa qualidade que lhe pedimos toda semana HBO.

Achei muito interessante sua crítica @guilhermecoral e concordo que apesar de épico, o episódio tem em si algumas falhas e que, apesar de ser um episódio muito melhor que os seus antecessores ele não apaga a baixa qualidade da temporada.

Mas eu tenho uma outra leitura do episódio. Após ser uma série que, e principalmente, no último ano recebeu críticas pesadas por parte dos espectadores, críticos e grupos sociais, chegando a receber a alcunha de #RapeofThrones, o episódio trouxe uma séries de eventos que emponderam suas personagens femininas, trazendo a possibilidade de uma futura Westeros governada, em sua maioria, por mulheres.

Temos isso logo no início do fita com a confirmação do poder de Daenerys sobre os mestres de Meereen, após temos uma segunda confirmação com a aliança entre a Mãe dos Dragões e Yara, para que esta também suba ao Trono de Sal e torne-se rainha.

Entendi perfeitamente sua colação sobre a ausência do comando de Snow, que de fato não comanda nada. Mas em uma outra leitura a vitória não foi dele, e sim de Sansa que soube fazer uma aliança, mesmo que perigosa, mas que lhe trouxe a vitória e a vingança.

No fim é Sansa que dá as cartas por trás dos planos, evoluindo grandemente a personagem da menina sonhadora e mimada da primeira temporada para a Senhora do Norte. E mais uma vez o episódio coloca em questão este emponderamento ao termos Sansa colocando John na parede durante o conselho de guerra. ” – Você não considerou que eu tenho algo a dizer?” Foi essa a fala.

Assim temos um cenário político em que a maior parte das Casas dos Lords de Westeros tem mulheres em seu comando. Targaryans, Starks, Tyrells, Greyjoys, Martells e até os Mormonts ( aquela criança é ótima!). E isso ainda poderá ser confirmado no próximo capitulo se Cersei conseguir de alguma forma ludibriar o Pardal, tendo assim os Lannisters também uma mulher no comando.

Mas por hora, Sansa Senhora do Norte.

https://67.media.tumblr.com/888729e804700b0cd7eb21d1894025a8/tumblr_n6j2ny54Yc1qkwexpo1_500.gif

Responder
Victor Hugo Moraes 21 de junho de 2016 - 10:39

“Assim temos um cenário político em que a maior parte das Casas dos Lords de Westeros tem mulheres em seu comando. Targaryans, Starks, Tyrells, Greyjoys, Martells e até os Mormonts ( aquela criança é ótima!). E isso ainda poderá ser confirmado no próximo capitulo se Cersei conseguir de alguma forma ludibriar o Pardal, tendo assim os Lannisters também uma mulher no comando.”

Eu também estava fazendo essa relação durante a negociação dos Greyjoy com a Daenerys. Várias mulheres de frente.
Mas, acho que a ironia toda vai ser justamente a Cersei não ter esse privilégio.

Responder
Victor Hugo Moraes 21 de junho de 2016 - 10:39

“Assim temos um cenário político em que a maior parte das Casas dos Lords de Westeros tem mulheres em seu comando. Targaryans, Starks, Tyrells, Greyjoys, Martells e até os Mormonts ( aquela criança é ótima!). E isso ainda poderá ser confirmado no próximo capitulo se Cersei conseguir de alguma forma ludibriar o Pardal, tendo assim os Lannisters também uma mulher no comando.”

Eu também estava fazendo essa relação durante a negociação dos Greyjoy com a Daenerys. Várias mulheres de frente.
Mas, acho que a ironia toda vai ser justamente a Cersei não ter esse privilégio.

Responder
Tiago Lima 20 de junho de 2016 - 15:26

Como disse o Rei “- Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi!”.

São episódios assim, com essa qualidade que lhe pedimos toda semana HBO.

Achei muito interessante sua crítica @guilhermecoral e concordo que apesar de épico, o episódio tem em si algumas falhas e que, apesar de ser um episódio muito melhor que os seus antecessores ele não apaga a baixa qualidade da temporada.

Mas eu tenho uma outra leitura do episódio. Após ser uma série que, e principalmente, no último ano recebeu críticas pesadas por parte dos espectadores, críticos e grupos sociais, chegando a receber a alcunha de #RapeofThrones, o episódio trouxe uma séries de eventos que emponderam suas personagens femininas, trazendo a possibilidade de uma futura Westeros governada, em sua maioria, por mulheres.

Temos isso logo no início do fita com a confirmação do poder de Daenerys sobre os mestres de Meereen, após temos uma segunda confirmação com a aliança entre a Mãe dos Dragões e Yara, para que esta também suba ao Trono de Sal e torne-se rainha.

Entendi perfeitamente sua colação sobre a ausência do comando de Snow, que de fato não comanda nada. Mas em uma outra leitura a vitória não foi dele, e sim de Sansa que soube fazer uma aliança, mesmo que perigosa, mas que lhe trouxe a vitória e a vingança.

No fim é Sansa que dá as cartas por trás dos planos, evoluindo grandemente a personagem da menina sonhadora e mimada da primeira temporada para a Senhora do Norte. E mais uma vez o episódio coloca em questão este emponderamento ao termos Sansa colocando John na parede durante o conselho de guerra. ” – Você não considerou que eu tenho algo a dizer?” Foi essa a fala.

Assim temos um cenário político em que a maior parte das Casas dos Lords de Westeros tem mulheres em seu comando. Targaryans, Starks, Tyrells, Greyjoys, Martells e até os Mormonts ( aquela criança é ótima!). E isso ainda poderá ser confirmado no próximo capitulo se Cersei conseguir de alguma forma ludibriar o Pardal, tendo assim os Lannisters também uma mulher no comando.

Mas por hora, Sansa Senhora do Norte.

https://67.media.tumblr.com/888729e804700b0cd7eb21d1894025a8/tumblr_n6j2ny54Yc1qkwexpo1_500.gif

Responder
planocritico 20 de junho de 2016 - 14:21

Tecnicamente impecável, com destaque para a sequência de quase sufocamento de Snow, MAS dolorosamente previsível, ao ponto da dramaticidade ter sido quase inexistente para mim. Com isso, o “grande” episódio da temporada foi ótimo, mas longe de fazer a série voltar à forma.

Ótima crítica, Guilherme. Eu daria 4 estrelas apenas.

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 14:30

Tinha que ser o melhor! Ritter, to levando pedradas por falar isso em outros sites, estou falando o seguinte, “Muito previsível e algumas partes clichês, e fora outros erros, mas nada que impeça do episódio ser sensacional, mas não é isso tudo que boa parte está achando”. Só pra vc ter uma ideia, tem gente falando que é um dos melhores eps de todas as séries ja feitas, para mim não é nem da série, quem dirá de todas, e olha que sou fanático por GOT, mas acima de tudo sou realista.

Responder
Lucas 20 de junho de 2016 - 22:04

Eu vi várias pessoas falando que este é o melhor episódio da história da televisão.E o pior:se eu discordo,eles me xingam.

Responder
Lucas 20 de junho de 2016 - 22:04

Eu vi várias pessoas falando que este é o melhor episódio da história da televisão.E o pior:se eu discordo,eles me xingam.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 08:47

Tem uma galera um tanto exagerada por aí, @Lucas. Não liga não… Eles precisam MESMO ver mais séries…

Abs,
Ritter.

Responder
André Mozzer 21 de junho de 2016 - 10:47

Ritter disse tudo!!! episodio sensacional, mas a todo momento dava pinta que iria rolar os clichês, mas mesmo assim foi uma baita estrutura e cenas de combate muito bacanas. Grande episodio!!! Mas ainda sim se fosse melhor preparado durante a temporada seria mais bacana ainda esse desfecho.

André Mozzer 21 de junho de 2016 - 10:47

Ritter disse tudo!!! episodio sensacional, mas a todo momento dava pinta que iria rolar os clichês, mas mesmo assim foi uma baita estrutura e cenas de combate muito bacanas. Grande episodio!!! Mas ainda sim se fosse melhor preparado durante a temporada seria mais bacana ainda esse desfecho.

Márcio Xavier 21 de junho de 2016 - 13:56

ok, concordo com vcs. Mas tem gente que viu realmente muitas séries e acha esse o melhor episódio de suas vidas neste e noutras encarnações, passadas e futuras. Tô querendo dizer que do mesmo jeito que eles não devem xingar quem pensa diferente, dizer ver mais séries também não ajuda, né, Ritter. Vai ver é apenas o gosto, não o pouco conhecimento. Assim como uma crítica é pessoal, o gosto também.

E sabemos que o Hype gerado pela série na mídia é muito maior que sua real qualidade. Daí as pessoas acabam se deixando levar mesmo. Tudo dentro do normal.

* Pra mim não foi o melhor episódio, colocaria aí “to the gates” de Vikings, uns três de BB e uns dois de the leftovers, alguns de Person of Interest na frente (isso das que me lembro agora), mas batalha sim, eu não vi na tv nada parecido em intensidade.

ps.: ótima crítica. só outra coisa.. depois da cara de bundão que o Jon fez quando teve seu pedido de ajuda rejeitado pelo black fish, não esperava dele uma postura de comandante agora. não ainda.

planocritico 21 de junho de 2016 - 17:12

@M@disqus_xxuB2MTKki:disqus , melhor “episódio de batalha” poderia até ser, mas não sei se concordo tendo visto Band of Brothers e The Pacific… Mas foi muito, muito bom mesmo, ainda que completamente telegrafado cada movimento do tabuleiro, o que me irritou um pouco.

No entanto, mesmo que minha afirmação tenha sido talvez “pedante”, se pararmos para honestamente perguntar, dificilmente, EM LINHAS GERAIS, o pessoal que venera uma série qualquer absurdamente acima das outras viu um leque grandes de séries de vários gêneros produzidas pelo menos desde A Família Soprano. O universo costuma ser reduzido e assim fica mais fácil ficar admirado por essa e aquela série. Só isso.

Abs,
Ritter.

Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 19:48

Concordo como uma das melhores batalhas medievais, pq batalhas em geral…a batalha na Normandia em O Resgate do Soldado Ryan foi brilhante, até hj chego a ficar pasmo com a perfeição.

Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 19:48

Concordo como uma das melhores batalhas medievais, pq batalhas em geral…a batalha na Normandia em O Resgate do Soldado Ryan foi brilhante, até hj chego a ficar pasmo com a perfeição.

Márcio Xavier 21 de junho de 2016 - 13:56

ok, concordo com vcs. Mas tem gente que viu realmente muitas séries e acha esse o melhor episódio de suas vidas neste e noutras encarnações, passadas e futuras. Tô querendo dizer que do mesmo jeito que eles não devem xingar quem pensa diferente, dizer ver mais séries também não ajuda, né, Ritter. Vai ver é apenas o gosto, não o pouco conhecimento. Assim como uma crítica é pessoal, o gosto também.

E sabemos que o Hype gerado pela série na mídia é muito maior que sua real qualidade. Daí as pessoas acabam se deixando levar mesmo. Tudo dentro do normal.

* Pra mim não foi o melhor episódio, colocaria aí “to the gates” de Vikings, uns três de BB e uns dois de the leftovers, alguns de Person of Interest na frente (isso das que me lembro agora), mas batalha sim, eu não vi na tv nada parecido em intensidade.

ps.: ótima crítica. só outra coisa.. depois da cara de bundão que o Jon fez quando teve seu pedido de ajuda rejeitado pelo black fish, não esperava dele uma postura de comandante agora. não ainda.

planocritico 21 de junho de 2016 - 08:47

Tem uma galera um tanto exagerada por aí, @Lucas. Não liga não… Eles precisam MESMO ver mais séries…

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 21 de junho de 2016 - 10:12

Meu rank de episódios de batalhas esse fica em terceiro empatado:

Blackwater
Hardhome
Snowbowl e batalha da muralha.

O q destaca mesmo foi a dedicação da equipe pra fazer a sequência, recompensado com certeza.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:31

Blackwater é FODA, com certeza um dos meus preferidos da série, se não O preferido.

Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:31

Blackwater é FODA, com certeza um dos meus preferidos da série, se não O preferido.

Leonardo Sette Pinheiro 21 de junho de 2016 - 10:12

Meu rank de episódios de batalhas esse fica em terceiro empatado:

Blackwater
Hardhome
Snowbowl e batalha da muralha.

O q destaca mesmo foi a dedicação da equipe pra fazer a sequência, recompensado com certeza.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 04:26

Cara, tem gente que REALMENTE precisa ver mais filmes e séries… Bom episódio, claro, mas cheio de conveniências é extremamente previsível…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 04:26

Cara, tem gente que REALMENTE precisa ver mais filmes e séries… Bom episódio, claro, mas cheio de conveniências é extremamente previsível…

Abs,
Ritter.

Responder
Alison Cordeiro 21 de junho de 2016 - 12:01

Acho que o bacana é deixar a turma extrapolar, Gabriel. Quem achou “o melhor episódio de todos os tempos” de “todas as séries” eu interpreto como “curtiu imensamente”. Tem isso o tempo todo, nem vale a pena entrar nesse tipo de discussão. Aqui no Plano é legal porque as críticas tem alto nível, a discussão passa por critérios mais técnicos, mas no fim o que vale é se assistir aquela horinha te divertiu ou te frustrou. Se divertiu, tá valendo. Eu, por exemplo, me diverti muito com Fringe, para mim a melhor série que EU assisti. Mas jamais a colocaria como a melhor de todos os tempos. Mas liga não, pessoal vê seu comentário e enxerga “Muito previsível e algumas partes clichês” e quer brigar. Eu leio “nada que impeça o episódio ser sensacional” e vou de boa. Abçs!

Responder
Alison Cordeiro 21 de junho de 2016 - 12:01

Acho que o bacana é deixar a turma extrapolar, Gabriel. Quem achou “o melhor episódio de todos os tempos” de “todas as séries” eu interpreto como “curtiu imensamente”. Tem isso o tempo todo, nem vale a pena entrar nesse tipo de discussão. Aqui no Plano é legal porque as críticas tem alto nível, a discussão passa por critérios mais técnicos, mas no fim o que vale é se assistir aquela horinha te divertiu ou te frustrou. Se divertiu, tá valendo. Eu, por exemplo, me diverti muito com Fringe, para mim a melhor série que EU assisti. Mas jamais a colocaria como a melhor de todos os tempos. Mas liga não, pessoal vê seu comentário e enxerga “Muito previsível e algumas partes clichês” e quer brigar. Eu leio “nada que impeça o episódio ser sensacional” e vou de boa. Abçs!

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 20:48

Obrigado Alison.

Responder
Gabriel Pereira 21 de junho de 2016 - 20:48

Obrigado Alison.

Responder
AugustoCG 20 de junho de 2016 - 19:36

Eu acho que a previsibilidade e o uso de clichês no episódio foram boas escolhas, pois mesmo se acabassem fazendo grandes plot twists, eu não vejo como melhorar a cena. O uso deles no caso, foi apenas uma mera questão de escolha até onde vejo, para criar a melhor história possível.

Responder
AugustoCG 20 de junho de 2016 - 19:36

Eu acho que a previsibilidade e o uso de clichês no episódio foram boas escolhas, pois mesmo se acabassem fazendo grandes plot twists, eu não vejo como melhorar a cena. O uso deles no caso, foi apenas uma mera questão de escolha até onde vejo, para criar a melhor história possível.

Responder
Alison Cordeiro 21 de junho de 2016 - 11:53

4 estrelas “apenas” vindo de você é selo de qualidade, Ritter…hahaha. Acostumados a ver os “heróis” se dando mal na série, ver um episódio em que eles vencem foi bom demais. Não salva a temporada, é verdade, mas enfim recoloca os peões próximos no tabuleiro do jogo dos tronos outra vez.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 20:53

@alisoncordeiro:disqus , acho que ver a vitória do “bem” praticamente pela primeira vez na série ajudou sim. Dá com certeza um “up” na série que agora, finalmente, parece ter seu fim no horizonte se só pensarmos nas linhas narrativas principais (já que encaixar Arya de forma relevante nesse tabuleiro, por exemplo, é meio complicado…).

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 21 de junho de 2016 - 20:53

@alisoncordeiro:disqus , acho que ver a vitória do “bem” praticamente pela primeira vez na série ajudou sim. Dá com certeza um “up” na série que agora, finalmente, parece ter seu fim no horizonte se só pensarmos nas linhas narrativas principais (já que encaixar Arya de forma relevante nesse tabuleiro, por exemplo, é meio complicado…).

Abs,
Ritter.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:28

Com certeza. Mais uma vitória dos bad guys só jogariam a trama para trás.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:28

Com certeza. Mais uma vitória dos bad guys só jogariam a trama para trás.

Responder
Kate Bishop 22 de junho de 2016 - 16:17

Uma vitória dos Stark após tantos anos de tragédias e desencontros: melhor presente de aniversário – que é hoje, por sinal. 🙂

xx

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 23 de junho de 2016 - 09:44

Mas o fato que resume isso tudo foi:

até pra dar algo certo pros Starks tem q morrer um Stark… q coisa

Leonardo Sette Pinheiro 23 de junho de 2016 - 09:44

Mas o fato que resume isso tudo foi:

até pra dar algo certo pros Starks tem q morrer um Stark… q coisa

Kate Bishop 24 de junho de 2016 - 14:38

Pois é 🙁
Não conheço personagens mais azarados! 😂

xx

Kate Bishop 24 de junho de 2016 - 14:38

Pois é 🙁
Não conheço personagens mais azarados! 😂

xx

Kate Bishop 22 de junho de 2016 - 16:17

Uma vitória dos Stark após tantos anos de tragédias e desencontros: melhor presente de aniversário – que é hoje, por sinal. 🙂

xx

Responder
Alison Cordeiro 21 de junho de 2016 - 11:53

4 estrelas “apenas” vindo de você é selo de qualidade, Ritter…hahaha. Acostumados a ver os “heróis” se dando mal na série, ver um episódio em que eles vencem foi bom demais. Não salva a temporada, é verdade, mas enfim recoloca os peões próximos no tabuleiro do jogo dos tronos outra vez.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:27

Valeu, Ritter! A previsibilidade não me incomodou tanto, mas certamente impediu de eu dar 5 estrelas. Vamos ver o próximo, se resolverão a questão de King’s Landing (imagino Cersei utilizando wild fire) ou se nos enrolarão mais.

Responder
Guilherme Coral 21 de junho de 2016 - 21:27

Valeu, Ritter! A previsibilidade não me incomodou tanto, mas certamente impediu de eu dar 5 estrelas. Vamos ver o próximo, se resolverão a questão de King’s Landing (imagino Cersei utilizando wild fire) ou se nos enrolarão mais.

Responder
planocritico 20 de junho de 2016 - 14:21

Tecnicamente impecável, com destaque para a sequência de quase sufocamento de Snow, MAS dolorosamente previsível, ao ponto da dramaticidade ter sido quase inexistente para mim. Com isso, o “grande” episódio da temporada foi ótimo, mas longe de fazer a série voltar à forma.

Ótima crítica, Guilherme. Eu daria 4 estrelas apenas.

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 20 de junho de 2016 - 14:03

Gostei mto da batalha, correspondeu mto bem com o investimento realizado pela Hbo. O clima do embate corpo a corpo a continuidade em si foi espetacular. Tudo funcionou de forma orgânica.

Penso tb que dava pra ter desenvolvido melhor o arco da Daenerys mas pelo menos ela”saiu da moita” e decidiu algo.

Existem defeitos, existem. Salva a temporada, não salva. Mas poucos episódios de got me trouxeram sentimento de completude como esse.

O próximo episódio é o que potencialmente mais spoilers do livro seis deve revelar pra gente.

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 20 de junho de 2016 - 14:03

Gostei mto da batalha, correspondeu mto bem com o investimento realizado pela Hbo. O clima do embate corpo a corpo a continuidade em si foi espetacular. Tudo funcionou de forma orgânica.

Penso tb que dava pra ter desenvolvido melhor o arco da Daenerys mas pelo menos ela”saiu da moita” e decidiu algo.

Existem defeitos, existem. Salva a temporada, não salva. Mas poucos episódios de got me trouxeram sentimento de completude como esse.

O próximo episódio é o que potencialmente mais spoilers do livro seis deve revelar pra gente.

Responder
Alex Alves 20 de junho de 2016 - 14:03

O melhor episódio da temporada, sensacional 9/10. Algumas observações

1) A fotografia e a direção foram perfeitas porem acho que poderiam ter ocorrido em dois episódios achei meio corrido certas cenas.
2) Greyjoys em Merren ?? faria mais sentido se estivessem junto com os Starks
3) A cena da guerra foi perfeita, embora Jon seja um péssimo estrategista BlackFish fez muita falta
4) Não entendi o plano da Sansa, se ela falasse para Jon que Mindinho possivelmente poderia ajudar pouparia muitas vidas
5) Senti falta da casa Reed e os traidores Karstark não aparecer durante a batalha

Responder
Alex Alves 20 de junho de 2016 - 14:03

O melhor episódio da temporada, sensacional 9/10. Algumas observações

1) A fotografia e a direção foram perfeitas porem acho que poderiam ter ocorrido em dois episódios achei meio corrido certas cenas.
2) Greyjoys em Merren ?? faria mais sentido se estivessem junto com os Starks
3) A cena da guerra foi perfeita, embora Jon seja um péssimo estrategista BlackFish fez muita falta
4) Não entendi o plano da Sansa, se ela falasse para Jon que Mindinho possivelmente poderia ajudar pouparia muitas vidas
5) Senti falta da casa Reed e os traidores Karstark não aparecer durante a batalha

Responder
Régis Valker 20 de junho de 2016 - 12:59

Eu discordo com o numero de estrelas. ashauhsuashu
Pra mim foi o episodio mais bem trabalhado da serie, a segunda vez que assisti tentei achar erros de produçao ou de historia e.. não achei!!
Os efeitos especiais em HD foram sensacionais e além disso essa parte da historia foi ..sem palavras!!
Acho que GoT muda tudo referindo-se a outras series… Todo mundo acha que vai acontecer uma coisa e não acontece ou acontece de forma diferente.
Eu daria 5 estrelas. kkkkkkkk

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:21

Concordo sobre a série em geral que tem uma forma diferente, mas essa batalha foi muito previsível, não que isso tire os méritos, pq foi show, e outra, acho que GOT vai ficar melhor ainda quando a série tiver acabado e passado alguns anos, e vai ser lá que vamos ter a dimensão dela.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:21

Concordo sobre a série em geral que tem uma forma diferente, mas essa batalha foi muito previsível, não que isso tire os méritos, pq foi show, e outra, acho que GOT vai ficar melhor ainda quando a série tiver acabado e passado alguns anos, e vai ser lá que vamos ter a dimensão dela.

Responder
Régis Valker 20 de junho de 2016 - 12:59

Eu discordo com o numero de estrelas. ashauhsuashu
Pra mim foi o episodio mais bem trabalhado da serie, a segunda vez que assisti tentei achar erros de produçao ou de historia e.. não achei!!
Os efeitos especiais em HD foram sensacionais e além disso essa parte da historia foi ..sem palavras!!
Acho que GoT muda tudo referindo-se a outras series… Todo mundo acha que vai acontecer uma coisa e não acontece ou acontece de forma diferente.
Eu daria 5 estrelas. kkkkkkkk

Responder
Matheus Brito 20 de junho de 2016 - 12:45

É o tipo de episódio épico que Game of Thrones sabe e deve fazer. As sequências da Daenerys foram ótimas, andaram “pra frente” finalmente, e intercalaram muito bem com a preparação para a batalha. Ela ordenando “Dracarys” para seu dragão foi simplesmente de arrepiar. Nada mais prazeroso que ver vilões se dando mal, principalmente nesse contexto com o qual a mitologia se alia a isso para dar um teor ainda mais interessante. Depois Theon e Yara fazendo o acordo com Dany pela frota e ela ACEITANDO foi espetacular. Finalmente a Targaryen ter os meios para atravessar o oceano é pra encher nosso coração de esperança. Espero que ela navegue em direção a Westeros ainda nessa temporada. De preferência, na última cena do episódio, como ela costuma fazer, tal qual o despertar dos dragões na S1 e a espetacular aclamação de “Mhysa” na S3.

Sobre a batalha… épica, épica, épica, mil vezes épica! Pra mim essa foi a melhor batalha de toda a série, melhor até mesmo que a espetacular batalha em Hardhome. E digo o porquê de achar isso. Em Hardhome, era o Jon e os Selvagens contra os White Walkers, seres que vivem para matar e criar exércitos, e que não nos permitem desenvolver nenhum tipo de envolvimento com eles. Com Ramsay a coisa muda. Todos odiamos aquele psicopata e sentimos ódio dele, por tudo que ele já fez e pelo que ainda poderia fazer. Pelas pessoas queridas que matou ou foi responsável pela morte. Tinha, nesse caso, o gostinho da vingança.

Então, o fato de os dois estarem se enfrentando podia levar a qualquer resultado. Queríamos o Ramsay morto, então a cada “mini-vitória” dele, ficávamos ainda mais putos e queríamos ele ainda mais morto. Por isso, ao fim de tudo, o resultado foi uma batalha que se mostrou mais grandiosa e importante que a de Hardhome. Isso claro, sem desmerecer a outra. Pelo contrário, ela foi excelente, essa dos Bastardos foi apenas um nível acima rs

E olha, ver o Vale aparecendo, acabando com o exército Bolton, depois Jon com a ajuda de WunWun entrando em Winterfell e desferindo aquela sequência de socos em Ramsay foi pra lavar a alma. E depois, pra coroar, Sansa e seu sorrisinho enquanto o maldito era devorado pelos próprios cachorros. Me senti totalmente vingado e recompensado ali.

Tivemos nossas baixas, infelizmente. Rickon morreu de burro (porquê diabos ele não correu em ziguezague, pelo santo amor de Cristo?????) e WunWun morreu lutando. As duas mortes foram bem dolorosas. Menos um Stark, e um gigante que acabamos nos apegando.

No geral, pra mim foi um episódio 5 estrelas, muito acima do que foi toda a temporada até aqui. Manteve a tradição de episódios 9 épicos e/ou chocante (na 5ª temporada a batalha foi no 8º episódio, mas no 9º é que a pobre Shireen foi sacrificada e que Daenerys montou o dragão) e deixou as expectativas no alto para a season finale. Que os Deuses Antigos e os Novos não nos decepcionem.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:24

Acho que Hardhome foi melhor, foi menos previsível, A Batalha dos Bastardos foi muito previsível e foi muito clichê na minha opinião, ficou muito cara de herói x vilão, oque GOT não é.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:24

Acho que Hardhome foi melhor, foi menos previsível, A Batalha dos Bastardos foi muito previsível e foi muito clichê na minha opinião, ficou muito cara de herói x vilão, oque GOT não é.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:26

Sobre correr em zigue zague, no filme Apocalypto tem uma cena quase igual, e la msm correndo em zigue zague foram pegos pelas lanças, então correr assim não é garantia e outra, o Rickon estava perdidinho ali, não da para culpar uma criança ali.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:26

Sobre correr em zigue zague, no filme Apocalypto tem uma cena quase igual, e la msm correndo em zigue zague foram pegos pelas lanças, então correr assim não é garantia e outra, o Rickon estava perdidinho ali, não da para culpar uma criança ali.

Responder
Aphid 20 de junho de 2016 - 19:58

Eu pensei que o Ramsey usaria o Rickon de isca para tentar acertar o Jon.
Embora seja previsível quem iria morrer, foi uma das melhores cenas de batalhas medievais que já assisti, é carnificina e caos puro para todos os lados!

Responder
Aphid 20 de junho de 2016 - 19:58

Eu pensei que o Ramsey usaria o Rickon de isca para tentar acertar o Jon.
Embora seja previsível quem iria morrer, foi uma das melhores cenas de batalhas medievais que já assisti, é carnificina e caos puro para todos os lados!

Responder
Alison Cordeiro 21 de junho de 2016 - 11:47

A questão que acho relevante, Gabriel, foi que a cena despertou emoções como essa (torcer para o personagem fazer algo diferente e tentar sobreviver), ao menos em mim. Mas concordo com você, correr em zigue-zague não iria garantir nada e realmente não se podia exigir que uma criança desesperada fizesse algo além do que Rickon fez.

Responder
Alison Cordeiro 21 de junho de 2016 - 11:47

A questão que acho relevante, Gabriel, foi que a cena despertou emoções como essa (torcer para o personagem fazer algo diferente e tentar sobreviver), ao menos em mim. Mas concordo com você, correr em zigue-zague não iria garantir nada e realmente não se podia exigir que uma criança desesperada fizesse algo além do que Rickon fez.

Responder
Alison Cordeiro 20 de junho de 2016 - 14:11

hahahaha Matheus, pensei a mesma coisa enquanto Rickon corria… Corre em zigue-zague, moleque! Mas era uma morte esperada pra mudar a tática do lado do Jon, que se jogou pra morrer e mandou por terra a estratégia… mas que eu também quase corri em frente a tv, ah, quase…kkkkk

Responder
Alison Cordeiro 20 de junho de 2016 - 14:11

hahahaha Matheus, pensei a mesma coisa enquanto Rickon corria… Corre em zigue-zague, moleque! Mas era uma morte esperada pra mudar a tática do lado do Jon, que se jogou pra morrer e mandou por terra a estratégia… mas que eu também quase corri em frente a tv, ah, quase…kkkkk

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 21 de junho de 2016 - 00:33

Não faria diferença o modo com que o Rickon corresse. Primeiro pq o Ramsay é um excelente arqueiro e segundo pq ele poderia muito bem mandar os arqueiros atirarem caso não conseguisse acertar.
Eu tb achei ele burro, mas ele é uma criança e estava se cagando, a maioria das pessoas não pensam muito nessas horas.

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 21 de junho de 2016 - 00:33

Não faria diferença o modo com que o Rickon corresse. Primeiro pq o Ramsay é um excelente arqueiro e segundo pq ele poderia muito bem mandar os arqueiros atirarem caso não conseguisse acertar.
Eu tb achei ele burro, mas ele é uma criança e estava se cagando, a maioria das pessoas não pensam muito nessas horas.

Responder
Matheus Brito 20 de junho de 2016 - 12:45

É o tipo de episódio épico que Game of Thrones sabe e deve fazer. As sequências da Daenerys foram ótimas, andaram “pra frente” finalmente, e intercalaram muito bem com a preparação para a batalha. Ela ordenando “Dracarys” para seu dragão foi simplesmente de arrepiar. Nada mais prazeroso que ver vilões se dando mal, principalmente nesse contexto com o qual a mitologia se alia a isso para dar um teor ainda mais interessante. Depois Theon e Yara fazendo o acordo com Dany pela frota e ela ACEITANDO foi espetacular. Finalmente a Targaryen ter os meios para atravessar o oceano é pra encher nosso coração de esperança. Espero que ela navegue em direção a Westeros ainda nessa temporada. De preferência, na última cena do episódio, como ela costuma fazer, tal qual o despertar dos dragões na S1 e a espetacular aclamação de “Mhysa” na S3.

Sobre a batalha… épica, épica, épica, mil vezes épica! Pra mim essa foi a melhor batalha de toda a série, melhor até mesmo que a espetacular batalha em Hardhome. E digo o porquê de achar isso. Em Hardhome, era o Jon e os Selvagens contra os White Walkers, seres que vivem para matar e criar exércitos, e que não nos permitem desenvolver nenhum tipo de envolvimento com eles. Com Ramsay a coisa muda. Todos odiamos aquele psicopata e sentimos ódio dele, por tudo que ele já fez e pelo que ainda poderia fazer. Pelas pessoas queridas que matou ou foi responsável pela morte. Tinha, nesse caso, o gostinho da vingança.

Então, o fato de os dois estarem se enfrentando podia levar a qualquer resultado. Queríamos o Ramsay morto, então a cada “mini-vitória” dele, ficávamos ainda mais putos e queríamos ele ainda mais morto. Por isso, ao fim de tudo, o resultado foi uma batalha que se mostrou mais grandiosa e importante que a de Hardhome. Isso claro, sem desmerecer a outra. Pelo contrário, ela foi excelente, essa dos Bastardos foi apenas um nível acima rs

E olha, ver o Vale aparecendo, acabando com o exército Bolton, depois Jon com a ajuda de WunWun entrando em Winterfell e desferindo aquela sequência de socos em Ramsay foi pra lavar a alma. E depois, pra coroar, Sansa e seu sorrisinho enquanto o maldito era devorado pelos próprios cachorros. Me senti totalmente vingado e recompensado ali.

Tivemos nossas baixas, infelizmente. Rickon morreu de burro (porquê diabos ele não correu em ziguezague, pelo santo amor de Cristo?????) e WunWun morreu lutando. As duas mortes foram bem dolorosas. Menos um Stark, e um gigante que acabamos nos apegando.

No geral, pra mim foi um episódio 5 estrelas, muito acima do que foi toda a temporada até aqui. Manteve a tradição de episódios 9 épicos e/ou chocante (na 5ª temporada a batalha foi no 8º episódio, mas no 9º é que a pobre Shireen foi sacrificada e que Daenerys montou o dragão) e deixou as expectativas no alto para a season finale. Que os Deuses Antigos e os Novos não nos decepcionem.

Responder
Alison Cordeiro 20 de junho de 2016 - 12:41

Episódio épico, sem dúvida. Daenerys arrepiando no início do capítulo, esmagando seus oponentes com a força que vinha demonstrando nas últimas aparições, e o que foi melhor, sem enrolação. Depois vamos para a batalha dos bastardos. Por mais que fosse previsível o desfecho, em momento algum dá para ficar confortável. A direção conseguiu me deixar angustiado, dentro da batalha, desviando das flechas e dos cavalos como o Jon. Tensão crescente e mesmo sabendo que Rickon morreria, torci para que escapasse. Mas nada foi comparável a sensação de ver Ramsay cair no final… Afe, muitas emoções. Ainda que não apague os erros dos episódios anteriores, desta vez fui dormir feliz. A série conseguiu me arrancar diversas emoções do começo ao fim, e nenhuma delas foi de desapontamento desta vez. Mais uma boa crítica, Guilherme. Abçs!

Responder
Alison Cordeiro 20 de junho de 2016 - 12:41

Episódio épico, sem dúvida. Daenerys arrepiando no início do capítulo, esmagando seus oponentes com a força que vinha demonstrando nas últimas aparições, e o que foi melhor, sem enrolação. Depois vamos para a batalha dos bastardos. Por mais que fosse previsível o desfecho, em momento algum dá para ficar confortável. A direção conseguiu me deixar angustiado, dentro da batalha, desviando das flechas e dos cavalos como o Jon. Tensão crescente e mesmo sabendo que Rickon morreria, torci para que escapasse. Mas nada foi comparável a sensação de ver Ramsay cair no final… Afe, muitas emoções. Ainda que não apague os erros dos episódios anteriores, desta vez fui dormir feliz. A série conseguiu me arrancar diversas emoções do começo ao fim, e nenhuma delas foi de desapontamento desta vez. Mais uma boa crítica, Guilherme. Abçs!

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:19

Isso que eu falei com a galera, ficou muito previsível, mas msm assim foi fodastica e tem galera que não entende esse ponto de vista.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:19

Isso que eu falei com a galera, ficou muito previsível, mas msm assim foi fodastica e tem galera que não entende esse ponto de vista.

Responder
Breno G Pereira 20 de junho de 2016 - 12:39

Os showrunners parecem ter pecado a mao no arco de Danerys. Não que eu esteja infeliz que sua guerra contra os mestres finalmente tenha recebido o carimbo final. Mas a narrativa dela andou de forma gradativamente lenta, para de repente em uma cena de 15 minutos dar um passo gigantesco. Aí me fica a questão, uma exploração maior desse arco não teria sido mais benéfico para a série se colocado no tempo de tela que foi desperdiçado com cenas enrolativas? Essa temporada teria sido ótima, se tivesse focado mais nos arcos de Winterfell, Meeren e KingIsland. Ramsay, Littlefinger, Margaery, e as duas sarcedotisas vermelhas simplesmente desapareceram por vários episódios.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:18

Sem falar em Doorne.

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 13:18

Sem falar em Doorne.

Responder
Breno G Pereira 20 de junho de 2016 - 12:39

Os showrunners parecem ter pecado a mao no arco de Danerys. Não que eu esteja infeliz que sua guerra contra os mestres finalmente tenha recebido o carimbo final. Mas a narrativa dela andou de forma gradativamente lenta, para de repente em uma cena de 15 minutos dar um passo gigantesco. Aí me fica a questão, uma exploração maior desse arco não teria sido mais benéfico para a série se colocado no tempo de tela que foi desperdiçado com cenas enrolativas? Essa temporada teria sido ótima, se tivesse focado mais nos arcos de Winterfell, Meeren e KingIsland. Ramsay, Littlefinger, Margaery, e as duas sarcedotisas vermelhas simplesmente desapareceram por vários episódios.

Responder
Raoni De Lucia 20 de junho de 2016 - 12:34

Confesso que me senti muito indignado com o primeiro episódio realmente bom da temporada inteira ser o penúltimo… Como dito no texto, muita enrolação durante toda a temporada pro foco ser apenas esse episódio, tomara que o próximo não caia de qualidade para ficar bom apenas nos 10 minutos finais.

Responder
Raoni De Lucia 20 de junho de 2016 - 12:34

Confesso que me senti muito indignado com o primeiro episódio realmente bom da temporada inteira ser o penúltimo… Como dito no texto, muita enrolação durante toda a temporada pro foco ser apenas esse episódio, tomara que o próximo não caia de qualidade para ficar bom apenas nos 10 minutos finais.

Responder
André Mozzer 20 de junho de 2016 - 12:22

Episódio fantastico!!!!! Mesmo que tinhamos total pressentimento que alguém chegaria para salvar, e que “salvamento”!!!! Os cavaleiros aniquilando totalmente as tropas de Ramsay. Coitado do Gigante heroi, nao precisava ter sofrido tanto, eram pra ter feito algum tipo de arma e escudo para ele, já pensou rsrsrs…

Massss tirando a enrolação do que antecede esta primorosa batalha angustiante, foi muito show este episódio, e que venha a finale!!!!!!!!!

Responder
André Mozzer 20 de junho de 2016 - 12:22

Episódio fantastico!!!!! Mesmo que tinhamos total pressentimento que alguém chegaria para salvar, e que “salvamento”!!!! Os cavaleiros aniquilando totalmente as tropas de Ramsay. Coitado do Gigante heroi, nao precisava ter sofrido tanto, eram pra ter feito algum tipo de arma e escudo para ele, já pensou rsrsrs…

Massss tirando a enrolação do que antecede esta primorosa batalha angustiante, foi muito show este episódio, e que venha a finale!!!!!!!!!

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 12:05

Episódio muito bom,mas esperava mais, não achei muito incomum, lógico que não precisa sempre ser diferente, mas DIFERENTE é a marca de GOT, e não achei esse ep assim, oque me surpreendeu foi o começo da batalha foi perfeito ver o Jon perdido ali dentro e como conseguiram mostrar que as batalhas medievais são TENSAS. A morte do Rickon foi bacana, bem a cara do Ramsay teve a fúria do Jon ali, aquela pilha ENORME achei estranho, estava muito grande, a chegada do Mindinho na hora H para mim foi estratégia dele, ele esperou os dois exércitos ficarem fracos para chegar, e a morte do Ramsay foi legal pela Sansa, mas para mim ficou muito morte de Vilãozinho, mas são só detalhes, como um todo o episódio foi sensacional! Mas para mim a melhor batalha foi Hardhome, oque o Rei da Noite fez no final…

Responder
Gabriel Pereira 20 de junho de 2016 - 12:05

Episódio muito bom,mas esperava mais, não achei muito incomum, lógico que não precisa sempre ser diferente, mas DIFERENTE é a marca de GOT, e não achei esse ep assim, oque me surpreendeu foi o começo da batalha foi perfeito ver o Jon perdido ali dentro e como conseguiram mostrar que as batalhas medievais são TENSAS. A morte do Rickon foi bacana, bem a cara do Ramsay teve a fúria do Jon ali, aquela pilha ENORME achei estranho, estava muito grande, a chegada do Mindinho na hora H para mim foi estratégia dele, ele esperou os dois exércitos ficarem fracos para chegar, e a morte do Ramsay foi legal pela Sansa, mas para mim ficou muito morte de Vilãozinho, mas são só detalhes, como um todo o episódio foi sensacional! Mas para mim a melhor batalha foi Hardhome, oque o Rei da Noite fez no final…

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais