Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Guerra e Paz – Parte II: Natasha Rostova (1966)

Crítica | Guerra e Paz – Parte II: Natasha Rostova (1966)

por Fernando JG
362 views (a partir de agosto de 2020)

Natalya Ilynitchna Rostova, ou só Natasha Rostova, não apenas figura como uma das estrelas do enredo de Guerra e Paz, como também garante um filme só dedicado à ela, e não é difícil de entender o porquê esta é uma personagem tão aclamada pela crítica literária, tendo em vista que ela foi pensada justamente para ter essa grandeza e sensibilidade de espírito que a difere de todos os outros. Com um brilho próprio, ela se opõe à frieza do príncipe Bolkonsky, à parcimônia da prima Sônia, à dureza de sua mãe. Ao mesmo tempo em que ela se destaca, ela se aproxima da afetividade e da gentileza de seu pai, e se encontrará num enlace amoroso, num momento mais tardio da trama, com a figura mais romântica e sentimental de toda a obra: Pierre Bezukhov; encontro este que não poderia ser diferente. 

O filme II da tetralogia é um exemplo, e uma aula, do que se refere àquilo que chamamos de estudo de personagem. Ele é pensado inteiro a partir de um argumento que busca desenvolver, apresentar e aprimorar a condessa Rostova, explorando suas características comportamentais e sentimentais. Sendo assim, apesar de ser bem mais curto do que a primeira parte – 1h40m -, a película não tem pressa em seu curso dramático e se desenrola com a calma necessária para que possamos conhecer a protagonista e o seu entorno. Não é só ela que é estudada, mas tudo aquilo que tem uma conexão com ela entra junto na exposição narrativa. O argumento focaliza as passagens de formação da condessa, de uma infância para a juventude mais adulta. Seu amadurecimento é visível, bem como o aflorar de suas aptidões de grandeza as quais desde a sua entrada irradiante no primeiro filme (Guerra e Paz – parte I:  Andrei Bolkonsky, 1965) pela porta principal já conseguíamos ver intensidade que seria trabalhada a protagonista. 

Se o anterior, e toda a tetralogia, se propõe a ser um épico, trabalhando a partir de uma noção de gênero superior, com belicismo, gravidade e excelência, Guerra e Paz – Natasha Rostova é um instante lírico e apaixonado, que destoa de toda a rigorosidade do enredo em geral.  É um instante lírico porque esta parte atua como um respiro, com doses e mais doses de sentimentalismo, melancolia e emoção. Neste ponto, é possível perceber que, apesar de ser Guerra e Paz tradicionalmente um único filme, ele opera de modo distinto em cada uma de suas partes e já na segunda película a diferença temático-estilística em relação à primeira se mostra evidente. Com uma característica absolutamente lírica, a câmera movimenta-se lentamente, como que conduzida pelo som de uma lira. 

Acompanhamos então o desenvolvimento de Rostova, que, em um baile na corte, apaixona-se pelo príncipe Bolkonsky em uma dança. Como é próprio deste personagem, a sua frieza faz com que este relacionamento machuque demais a condessa, que passa boa parte do enredo sofrendo devido ao espírito indeciso e gelado do nobre. Ela, então, experimenta amores proibidos, aventuras, angústias, tristezas e choros desesperados em razão do seu espírito de urgência em ser amada. Assim como ela ama demais, ela busca alguém que a ame em igual potência. Esta segunda parte ocupa-se, como disse, em um estudo de personagem, o que, invariavelmente, amarra toda a sequência de filmes, pois, além dela, alguns outros protagonistas são explorados, como Pierre Bezukhov. 

Para este estudo, alguns aspectos compositivos se destacam. Como a intenção deste longa-metragem é conhecer a condessa, a direção utiliza exaustivamente o recurso da voice-off, que constrói intensos monólogos interiores, dando a ver tudo o que ela pensa, suas dúvidas, seus medos e seus anseios, conferindo profundidade e complexidade à personagem principal. Particularmente, ver esta narração moderna sendo trabalhada no enredo fílmico me satisfaz, afinal, a única maneira, irrevogavelmente, do filme atingir o nível psicologizante de Guerra e Paz é lançando mão deste procedimento, que é executado com um sucesso incrível. É através deste método que somos colocados dentro da cabeça do personagem. Morango Silvestres (Ingmar Bergman, 1957) é, para mim, o grande exemplo do domínio técnico do recurso narrativo de voice-off no cinema, e que, por sua vez, a película de Sergei Bondarchuk não deixa a desejar se comparada a este grande protótipo que é o filme do Bergman. Nos primeiros instantes, a câmera fica obcecada pela condessa, gravando todas as suas movimentações, de um lado ao outro, através de planos-abertos e planos-sequência que evidenciam a presença de Rostova no ambiente. A cena do baile é um de seus grandes momentos. Sendo o primeiro baile de Natasha, conseguimos ver no rosto dela a vontade de ser convidada para uma dança, desejo realizado por Bolkonsky. A sutileza desta cena é arrebatadora e a câmera dança junto com os atores, com planos que captam toda a ambientação. 

Em algum momento tinha dito que Pierre era o personagem romântico de Guerra e Paz – romântico em dois sentidos: ser amoroso e ser o representante de uma estética literária romântica, em contraposição ao realismo -, no entanto, há uma outra figura romântica no enredo fílmico, que é a própria Natasha. Ela deriva essa característica do seu pai, e oferece uma liricidade a toda a estrutura cinematográfica. Este filme, por conta disso, é menos soberbo e robusto do que o anterior, e todas as suas instâncias narrativas, técnicas, compositivas são visivelmente mais sutis, para justamente casar com a figura romântica de Rostova, que é sensível assim como o enredo. Esta característica temático-estilística do filme que representa a própria protagonista é possível de perceber em uma cena muito específica. Num momento pós jantar na casa de seu primo, Rostova retorna para o palácio. Neste instante, ela está desolada, despedaçada mesmo, e seu interior tem uma fratura amorosa imensa por ter sido abandonada pelo insensível Bolkonsky. Esta é a cena em que todo o ambiente é tomado por sombras e escuridão, exatamente para fazer refletir o estado de alma da condessa, que encontra-se em intensa melancolia pela agonia de uma espera por alguém que jamais voltará para ela. O soturnismo da cena evidencia a sua característica romântica, e por isso ela é tão grandiosa, por conter uma delicadeza muito distinta, ingênua e sentimental, como Pierre Bezukhov. 

A atriz que representa a protagonista, Lyudmila Savelyeva, tem um domínio de atuação que é impressionante. De certo, ela conhece muito bem o seu personagem, e a ele oferece uma postura dramática que caminha, com muita facilidade, do amor à urgência, da calma ao desespero. Se muita gente ficou de boca aberta com a atuação dramática de Anne Hathaway como Fantine, principalmente na sua performance musical que ia, num intervalo de minutos, da calmaria a uma aflição desesperada, imagino como não ficariam ao ver os planos-fechados, ou melhor, cerrados, no rosto de Rostov enquanto ela chora exasperadamente em frente à câmera, com a face molhada e avermelhada. Num extremo, a postura sentimental e urgente de Rostova me lembra o Werther, de Goethe. E é claro: nada disso seria possível sem uma atriz impecável e competente por trás da heroína fictícia. 

As cenas finais se passam num clima de tensão extrema, impulsionadas por uma trilha sonora de suspense, que intenciona alarmar o público. É o momento em que Natasha está desesperada por diversos motivos, e também é o instante que em breve eclodirá novamente a guerra, com a invasão napoleônica à Rússia. Os últimos minutos, portanto, fazem a transição deste longa explicitamente lírico para o filme seguinte, o 1812. A construção de passagem é admirável. Acontecerá aquilo que é contrário à razão humana: o início do conflito bélico. 

Guerra e Paz – Natasha Rostova é uma parte mais do que necessária para o desenvolvimento do enredo como totalidade, e a direção serve-se deste instante para amarrar e desenvolver alguns de seus protagonistas. Como longa-metragem, ele é autônomo e possível de ser assistido separadamente, já que focaliza um desenrolar dramático próprio. Com um caráter de transição inegável, ele abre caminho para o prosseguimento da tetralogia, que finaliza com um plano-longo destacando a marcha solene dos milhares de soldados russos que desfilam em quantidade marciais pela tela, convidando-nos ao longa seguinte: Guerra e Paz – 1812. 

Guerra e Paz, parte II – Natasha Rostova (Voyna i Mir) – URSS, 1966.
Direção: Sergei Bondarchuk
Roteiro: Sergei Bondarchuk, Vasiliy Solovyov (baseado no romance de Liev Tolstói)
Elenco: Lyudmila Savelyeva, Sergei Bondarchuk, Vyacheslav Tikhonov, Oleg Tabakov, Irina Skobtseva, Anastasiya Vertinskaya, Antonina Shuranova, Aleksandr Borisov, Viktor Stanitsyn, Irina Gubanova
Duração: 100 min. 

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais