Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Herança Sagrada

Crítica | Herança Sagrada

por Luiz Santiago
147 views (a partir de agosto de 2020)

Eu só posso pensar que Douglas Sirk estava trollando, ironizando ou demonstrando um péssimo gosto para filmes quando ele disse a um entrevistador, certa vez, que Herança Sagrada era um de seus filmes favoritos. Isso simplesmente não pode ser verdade.

Realizado em 1954 (mesmo ano em que o diretor lançou Sublime Obsessão e Átila, o Rei dos Hunos), Herança Sagrada já figurava como um elefante branco na filmografia de Sirk, até então fortemente marcada pelo drama, melodrama e noir. A estética e preferências narrativas do diretor não caíram bem ao western e o resultado final é um filme desencontrado, com algumas cenas muito bem filmadas mas, de resto, com enorme carência de melhor roteiro e menos cacoetes dos atores (especialmente Barbara Rush e Rex Reason, respectivamente Oona e Naiche, personagens e importância estratégica na obra).

O filme tem o mérito de ser curto, mas isso também acaba sendo um problema, porque o roteiro impede que neste pequeno espaço de tempo a trama seja bem articulada, havendo mudanças repentinas de foco central. No caso mais grave, a linha do conflito entre as “duas forças” étnicas dá lugar a um romance que tem dificuldade de se realizar (percebam os tons de tragédia shakespeariana), e é esse mesmo romance que traz o ponto final, uma péssima escolha do diretor, não só porque o desfecho ajuda a diminuir ainda mais a película mas também porque tem um caminho de realização demasiadamente rápido, mal atuado (Rock Hudson, que faz o papel de Taza, também não ajuda muito, transitando entre o mediano e o ruim durante todo o filme) e questionavelmente dirigido.

Exceto pela cena final, de fato muito ruim, o diretor ainda conseguiu imprimir um pouco de substância a boa parte da obra (ajudado por Russell Metty, excelente diretor de fotografia), mas o todo não lembra em nada o estilo narrativo de Sirk, a não ser que forcemos muito em nossa visão interpretativa e comparativa da obra.

Baseado em um conflito tribal após a guerra da cavalaria americana contra os apaches, o filme é uma indian story bastante violenta e com algumas surpresas em seu desenvolvimento. Poucos diretores em meados da década de 1950 abordaram o conflito entre índios e brancos com grande violência “gratuita” e questões culturais discutidas abertamente. Nesse ponto, vemos coragem e vigor de Sirk em expor com crueza e conteúdo esse momento de conflito histórico.

Com uma trilha sonora demasiadamente densa (uma predominância do “estilo épico” que perde a oportunidade de dar identidade plural a determinados pontos da obra) e um roteiro sem cuidado com eixo narrativo, Herança Sagrada vale mais por alguns belos planos e cenas do que pelo todo em si. Douglas Sirk não faz um bom trabalho na direção mas deixa algumas migalhas autorais no decorrer da obra que faz a sessão ter um pouco de significado para o espectador, muito embora seja impossível ter uma visão positiva da fita depois de terminada a saga de Taza, o filho de Cochise.

Herança Sagrada (Taza, Son of Cochise) – EUA, 1954
Direção: Douglas Sirk
Roteiro: Gerald Drayson Adams, George Zuckerman
Elenco: Rock Hudson, Barbara Rush, Gregg Palmer, Rex Reason, Morris Ankrum, Eugene Iglesias, Richard H. Cutting, Ian MacDonald, Robert Burton, Joe Sawyer, Lance Fuller
Duração: 79 min.

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais