Home QuadrinhosArco Crítica | Invencível – Vol. 7: Companhia dos Três

Crítica | Invencível – Vol. 7: Companhia dos Três

por Kevin Rick
227 views (a partir de agosto de 2020)
Companhia dos Três

Robert Kirkman tem uma espécie de estrutura usada em Invencível que tem ficado cada vez mais clara para mim, manuseando o interno de Mark como exteriorização do tom da obra. O autor sempre dá momentos de respiro narrativo logo após situações bombásticas, um molde habitual em tramas, especialmente tratando-se de super-heróis, contudo, considerando o equilíbrio do mote juvenil com a crescente violência gráfica dos combates, percebe-se a manipulação de Kirkman da turbulência emocional do personagem de modo a delinear o caráter da história, principalmente nos diálogos.Como disse, existe uma serenidade antes da desordem fantástica, e, frequentemente, o artifício de quietação é empregado na esfera alvoroçada da juventude, submetido, como o próprio nome do volume expõe, Companhia dos Três, à relação de trio amoroso de Mark-Amber-Eve, extremamente bem montada ao longo do volume.

Primeiramente com uma viagem à África do casal feliz à Eve, praticamente uma das personagens mais apelonas da história dos quadrinhos considerando seus atuais poderes, já que, é exibido sua nova classe de habilidades de manipulação do átomo, podendo mudar a propriedade de qualquer coisa, material ou não, e, depois, com uma série de conversações isoladas conectadas ao desfecho dos eventos trágicos (retorno a essa questão num instante).

Essa primeira parte no continente africano é interessante no ímpeto de estabelecer os diferentes relacionamentos que Mark tem, ou poderia ter, com ambas personagens, e vice-versa com elas, construindo essa indecisão pessoal do protagonista entre a vida heroica e a particular misturada ao romance. Gosto bastante desse desenvolvimento, tanto pela narrativa geral da vida privada de Mark, sempre em evidência desde o primeiro capítulo, mas principalmente por essa abordagem de Kirkman de fragmentar a profissão de Invencível para uma divisão emocional do personagem.

Companhia dos TrêsVeja que essa sequência insana de eventos familiares terríveis na sua vida vão levando-o, como mecanismo de defesa, à reservar e omitir a dramaticidade cruel, focando na dramaticidade juvenil, e quando Angstrom Levy, o principal antagonista deste arco, ameaça e machuca sua mãe, estes sentimentos camuflados são exteriorizados com a única resposta imediata de Mark: violência. Notem como o próprio Levy nos diz isso, expondo a explosão fácil e a falta de cuidado do Invencível em outras dimensões, ainda ligando tais elementos à herança do pai, e do Império Viltrumita de certa forma.

Logo, o que vem à seguir constitui um dos momentos mais horrendos da jornada heroica de Mark: o assassinato de Levy. Daí, a reação natural do personagem é o choque, e o trauma instaurado imediatamente. E, após isso, quando ele retorna para casa e conversa com o criador de trajes heroicos, Art, qual é a urgência do desabafo? Os problemas amorosos. E quando perguntado sobre o episódio com Levy, o que ele faz? Omite. E a trama construída por Kirkman ocorre em paralelo à supressão emocional do personagem, pois, logo após o ato hediondo, e a reação traumática curta, o autor decide reiterar o mote romântico com a aparição da Eve futurista.

Acredito ter focado bastante nesta ideia de construção conjunta da atmosfera com o interno de Mark, contudo, acho incrível a elaboração de Kirkman ao vincular o tom da série com os sentimentos do personagem, manuseando muito bem os gêneros descompromissados de problemas comuns com a brutalidade da obra, mantida oculta, guardada, com pequenos momentos de explosão, que montam a maturidade de Mark na ambientação pungente. A cada arco o protagonista internaliza mais as barbáries, e a explosão violenta continua aumentando, enquanto o mote juvenil, aparentemente o foco de Mark, rapidamente tem se tornado uma superficialidade humana, o último resquício de uma vida normal, que ele tem agarrado com muita força, todavia, figura uma idealização cada vez mais distante da realidade do Invencível.

Invencível – Vol. 7: Companhia dos Três (Invincible – Vol. 7: Three’s Company) – EUA, 2006

Contendo: Invencível #31 a 35
Roteiro: Robert Kirkman
Arte: Ryan Ottley
Colorista: Bill Crabtree
Letras: Rus Wooton
Editora original: Image Comics
Data original de publicação: Maio de 2006 a setembro de 2006
Páginas: 162

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais