Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Juno e o Pavão

Crítica | Juno e o Pavão

por Luiz Santiago
243 views (a partir de agosto de 2020)

É quase uma vergonha pessoal admitir que um dos piores filmes que eu já vi em toda minha vida foi dirigido por Alfred Hitchcock. Baseado na peça de Sean O’Casey, Juno e o Pavão é uma coletânea de horrores por todos os lados, uma falta tremenda de imaginação de Hitchcock na direção e uma péssima condução de atores, com raríssimas cenas capazes de serem assistidas sem fazer com que o espectador queira que o filme exploda na sua frente.

A história tem um contexto histórico-social como plano de fundo, que é a onda de conflitos entre a Irlanda e a Inglaterra, realidade cujas consequências serão usadas no roteiro como ponto trágico, já na reta final do filme, quando vemos absolutamente tudo dar errado para a família protagonista. Essas consequências acabam sendo sentidas por todos, mas afligem quase que unicamente Johnny, o filho perturbado dos Boyle que amarga a traição e a morte de um companheiro e definha no decorrer do filme, vendo fantasmas e desaprovando os raros momentos de felicidade aos quais seus pais se entregam com dois pseudo-amigos.

Algo para o qual eu devo dar os devidos créditos positivos é coragem de Hitchcock em finalizar um filme com uma tragédia plena e densa como esta de Juno e o Pavão. O diretor já havia feito isso antes, em Vida Fácil / Mulher Pública, mas como o contexto ali era individual e, por pior que parecesse a situação de Larita, tínhamos uma ponta de esperança de que o infortúnio fosse, mais uma vez, passageiro, o que não acontece com a família de Juno. Ao contrário, não vemos absolutamente nenhuma saída para a situação tenebrosa em que eles se encontram.

Quem dera que o filme fosse apenas medido pela coragem do diretor em terminá-lo de modo trágico! Fora o já citado contexto histórico, o roteiro escorrega por questões familiares de pequena mota, ironizando o casal protagonista e dando pistas falsas sobre uma felicidade que nunca chega. Os atores em cena parecem saídos de um picadeiro, forçando vozes, estufando o peito, agindo com maneirismos por todos os lados, algo que fica pior à medida que o filme avança, porque a tragédia adiciona falsas lágrimas às cenas, além de explosões de desespero com direito a gritos, rezas para santos e esperanças falsas. Nada poderia ser pior.

Nem as admiráveis experiências visuais de Hitchcock são vistas neste filme. Tal como o tenebroso mas mesmo assim, muito melhor que Juno, A Mulher do Fazendeiro, a montagem não faz sentido algum e carrega uma coleção de bizarrices imagéticas ao longo de 1h40 de projeção. Além disso, o filme parece não ter sido decupado, há tempos mortos, cenas absolutamente inúteis, uma cantoria patética que não acrescenta nada à história e a colocação de um conflito revolucionário inicial que fica perdido no filme – a não ser se contarmos a trama pessoal de Johnny, o perturbado – e pequenezas morais que não são finalizadas. É muito erro e muita coisa ruim para um filme só.

Diante de tanto horror, alguns segundos de paz estética e de bom senso (qualquer cena sem a presença de Edward Chapman, que está muito mal aqui) fazem o espectador respirar um pouco mais aliviado, mas isso não significa que o filme se redime. Definitivamente, Juno e o Pavão é daquelas coisas que você assiste e depois de pensar bem a respeito, decide se esquecer por completo, principalmente quando leva em conta que foi feito por um diretor chamado Alfred Hitchcock.

  • Crítica originalmente publicada em 8 de dezembro de 2013. Revisada para republicação em 07/10/19, como parte de uma versão definitiva do Especial Alfred Hitchcock aqui no Plano Crítico.

Juno e o Pavão (Juno and the Paycock) – UK, 1930
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Alfred Hitchcock, Alma Reville (adaptação da peça de Sean O’Casey)
Elenco: Sara Allgood, Edward Chapman, Barry Fitzgerald, Maire O’Neill, Sidney Morgan, John LaurieDave Morris, Kathleen O’Regan, John Longden, Dennis Wyndham
Duração: 90 min.

Você Também pode curtir

6 comentários

Classics & More on DVD (Oct. 15, 2019) | Online Film Critics Society 15 de outubro de 2019 - 10:00

[…] Luiz Santiago @ Plano Crítico (1930) [Portuguese] […]

Responder
Bruno Medeiros 13 de dezembro de 2013 - 15:26

Assisti a todos os filmes do mestre Hitchcock no meio desse ano, e lembro que esse é um dos piores. Dei uma nota 4 de 10, acho que estava de bom humor no dia.

Lendo sua crítica agora o filme me veio a mente e é bem ruim mesmo, um dos piores ao lado de chanpagne.

Responder
Luiz Santiago 13 de dezembro de 2013 - 15:47

Bruno, realmente você estava de bom humor – ou de de muito mal humor – no dia em que viu o filme. É uma produção bem ruim, com muita coisa que se perde no meio do caminho.

Engraçado você citar Champagne. Acredita que eu gostei desse filme?

Responder
Bruno Medeiros 23 de janeiro de 2014 - 11:29

Então era você que estava de bom humor no dia que assistiu Champagne Luiz, hahaha.

Responder
Rafael Oliveira 5 de dezembro de 2013 - 00:27

Uma vez prometi a mim mesmo que um dia faria uma maratona de tudo que Hitchcock já fez, mas agora fiquei até em dúvida se assisto a este filme ou não.

Responder
Luiz Santiago 6 de dezembro de 2013 - 03:13

Cara, esses filmes da fase britânica do Hitch tem altos e baixos terríveis, não vale a pena ver todos não. Tem uns que não acrescentam nada, não mudam nada de nossa percepção do diretor, só fazem a gente ficar com raiva, como é o caso desse aborto chamado “Juno e o Pavão”.
Agora, se você tiver mesmo curiosidade – e só por isso – vale a pena ver… 😀

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais